30 de nov de 2009

Espaço sideral

 Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.

Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:

1.Espaço interplanetário
designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.

2.Espaço interestelar
designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.

3.Espaço intergalático
designação usada para se referir às desoladas vastidões existentes entre as galáxias. Da Via Láctea à sua galáxia-satélite mais próxima, a Grande Nuvem de Magalhães, esta vastidão é da ordem de 152 mil anos-luz de distância. E, da Via Láctea até Andrômeda (que é sua galáxia-irmã e a mais próxima com forma e tamanho similares), são cerca de 2 milhões e 200 mil anos-luz de distância. A partir daí, as distâncias são imensamente maiores.
Fonte: Wikipédia

Enxame aberto NGC 7129

Crédito: 2MASS,S. Van Dyk (IPAC).
Telescópio: 1,3 m Telescope at Mount Hopkins.
Mosaico de imagens da região do aglomerado de estrelas NGC 7129, construída a partir do atlas de imagens do 2MASS (2 Micron All Sky Survey). São imagens em infravermelho e coloridas da seguinte maneira: banda J (1,2 mícrones) a azul, banda H (1,6 mícrones) a verde e banda Ks (2,2 mícrones) a vermelho. No jovem aglomerado NGC 7129, o processo de formação estelar continua ocorrendo. A estrela brilhante embebida em cima e à esquerda na imagem é a estrela Herbig Ae/Be LkH 234, fonte de jactos moleculares. Os muitos filamentos são também indicativos de jactos moleculares das estrelas, que por sua vez são características de objectos muito jovens.
Fonte:portaldo astronomo.org

O que é uma Supernova

Supernova de Kepler
Supernova é o nome dado aos corpos celestes surgidos após as explosões de estrelas (estimativa) com mais de 10 massas solares, que produzem objetos extremamente brilhantes, os quais declinam até se tornarem invisíveis, passadas algumas semanas ou meses. Em apenas alguns dias o seu brilho pode intensificar-se em 1 bilhão de vezes a partir de seu estado original, tornando a estrela tão brilhante quanto uma galáxia, mas, com o passar do tempo, sua temperatura e brilho diminuem até chegarem a um grau inferior aos primeiros. Uma supernova possui todos os elementos da tabela periódica, consequetemente pode causar a extinção dos seres da Terra, mas também pode gerar vida. A explosão de uma supernova pode expulsar para o espaço até 9/10 da matéria de uma estrela. O núcleo remanescente tem massa superior a 1,5 Massas solares, a Pressão de Degenerescência dos elétrons não é mais suficiente para manter o núcleo estável; então os elétrons colapsam com o núcleo, chocando-se com os prótons, originando nêutrons: o resultado é uma estrela composta de nêutrons, com aproximadamente 15 km de diametro e extremamente densa, conhecida como estrela de nêutrons ou Pulsar. Mas, quando a massa desse núcleo ultrapassa 3 massas solares, nem mesmo a Pressão de Degenerescência dos neutrons consegue manter o núcleo; então a estrela continua a se colapsar, dando origem a uma singularidade no espaço-tempo, conhecida como Buraco Negro, cuja Velocidade de Escape é um pouco maior do que a velocidade da luz.

Importância

Das ocorrências astronômicas, talvez essa seja a mais importante para a moderna ciência. A explosão de uma supernova emite uma luz milhares de vezes mais forte que a normal; é nesse momento que uma intensa onda de luz, em torno dela, se distanciará e, como num tsunami, formar-se-á uma lâmina de radiação cósmica que varrerá o espaço, iluminando o material inter-espacial "até então invisível aos instrumentos" e, dependendo da sensibilidade das lentes dos modernos telescópios espaciais, o rastro dessas lâminas poderá ser monitorado durante séculos. São utilizadas como velas-padrão para estudos da expansão do universo, técnica similar à utilizada por Edwin Hubble com cefeidas, mas, com eficiência muito maior, pois o brilho das Supernovas é bem maior.
Fonte: Astronomia Viva

Montes Apenninus

Os Montes Apenninus são uma cadeia montanhosa na Lua, que limitam o extremo sudeste do Mare Imbrium e o separam do Mare Serenitatis, do lado direito na imagem. Nesta imagem, obtida quando a Lua se encontrava em quarto crescente, o Mare Imbrium, à esquerda, ainda se encontra na zona de escuridão não sendo por isso visível. Na imagem podemos ainda ver as crateras Archimedes, quase na sombra, e o par Aristillus e Autolycus aproximadamente ao centro e por cima dos Apenninus. A imagem foi obtida pelo astrónomo amador Mário Santiago ao início da noite de dia 19 de Dezembro de 2004, com uma câmara Atik ATK-2HS equipada com um filtro IR, no foco primário de um telescópio Maksutov-Cassegrain de 180mm.
Crédito: Mário Santiago

Telescópio: Maksutov-Cassegrain STF Mirage7 Deluxe

Supernova SN 1987A

Anéis circunstelares ao redor da SN 1987A
SN 1987A foi uma supernova que teve lugar nas redondezas da Nebulosa da tarântula (NGC 2070), situada na Grande Nuvem de Magalhães, galáxia anã próxima, pertencente ao Grupo Local. Ocorreu aproximadamente a 168 000 anos-luz (51,4 kiloparsecs) da Terra, o suficiente para a tornar vísivel a olho nu. Foi a supernova mais próxima observada desde a SN 1604, que apareceu na Via Láctea.
Fonte:Portal do astronomo

24 de nov de 2009

Universo observável

Hubble Ultra Deep Field - fotografia do telescópio Hubble mostra centenas de milhares de galáxias em um pequeno pedaço do céu.
No campo científico conhecido como Cosmologia, Universo Observável é o circuito cósmico demarcado por uma esfera, no centro da qual se encontra um ser que pode avaliar o que está a sua volta. Este espaço é diminuto o bastante para que tudo nele existente possa ser analisado. Portanto, desde o momento do famoso Big Bang, o tempo decorrido foi exatamente o necessário para que os corpos aí presentes pudessem enviar energia, navegando à velocidade da luz, e com ela atingir esta pessoa. De cada ângulo é possível vislumbrar um universo observável, seja ele integrante ou não do perímetro que circunda a Terra. No início, o Universo era uma substância opaca.
 
Apenas 300 mil anos depois de sua criação é que ele adquiriu uma textura transparente, graças a uma radiação detectada pelo satélite COBE. Além dos limites desta porção radiante, nada mais há que se possa visualizar. É como se houvesse uma barreira e, para lá deste portal, tudo fosse apenas trevas; este ponto configura o limite do Universo observável. Mas esta expressão nada tem a ver com esta radiação. Ela apenas implica que qualquer luz ou radiação emitida por um artefato no interior do Universo observável pode atingir a percepção de um terráqueo.

Mas nunca será possível alcançar a visão do que ocorreu no instante do Big Bang, nem mesmo com os mais potentes instrumentos astronômicos. O Homem está, assim, segundo os cientistas, fadado a se manter no interior deste fenômeno. É comum encontrar-se, nas publicações científicas, o termo Universo ao invés de Universo Observável, com o mesmo significado. Isto ocorre porque não é possível vivenciar a presença de um cosmos que esteja desvinculado de qualquer compreensão humana da sua origem, daí a Humanidade só ter acesso ao que conhece, neste caso, a formação do Universo gerado pelo Big Bang. É claro que não se pode provar que as margens do universo observável sejam precisamente simétricas ao contorno físico do Cosmos, se é que estas delimitações realmente têm existência concreta.

Se assim fosse, os estudiosos teriam que admitir o Planeta Terra como um corpo em torno do qual tudo gira no Universo, o que é completamente inviável. Também há a hipótese do Cosmos ser menor que o universo observável. Se isto for verdade, as galáxias que julgamos estar muito longe podem nada mais ser que cópias de corpos que se encontram mais perto, constituídas por luzes que transitaram por todo o Universo. Não é simples provar esta afirmação, pois as galáxias se metamorfoseiam ao longo de sua trajetória no tempo-espaço, e reproduções delas revelariam distintos estágios de sua evolução, com aspectos bem diferentes uns dos outros.
Fonte:www.infoescola.com

Supernovas são nova ameaça cósmica para a Terra?

A gigantesca explosão de uma estrela distante - a supernova mais brilhante jamais vista por astrônomos - está fazendo com que cientistas se perguntem se um espetáculo semelhante não poderia ocorrer muito mais perto da Terra, e em breve.  A descoberta, anunciada no dia 7 de maio de 2007 pela Nasa, manteve os astrônomos encarregados de observar os restos da destruição estelar maravilhados por meses.Usando vários telescópios, baseados na Terra e no espaço, cientistas encontraram uma explosão gigante que, calcula-se, brilhou cinco vezes mais que qualquer uma das centenas de supernovas observadas anteriormente, disse o líder da equipe responsável pela descoberta, Nathan Smith, da Universidade da Califórnia, Berkeley.

"Esta aqui está bem acima de todo o resto", disse Smith. "É realmente espetacular". Segundo ele, a estrela, SN2006gy, é "um tipo especial de supernova, nunca visto antes". Observações feitas pelo telescópio espacial Chandra de Raios-X mostram que a estrela não se converteu em um buraco negro, como outras supernovas, e que pulou um estágio da seqüência natural da morte estelar. Diferentemente de outras estrelas em processo de explosão, que atingem um pico de brilho que dura duas semanas, no máximo, esta supernova teve um pico que durou 70 dias, segundo a Nasa. E brilhou num nível superior ao de outras supernovas por meses. Mesmo a 240 milhões de anos-luz da Terra, esta estrela sugere que uma outra, mais próxima, poderá se destruir de modo semelhante a qualquer momento, ao longo dos próximos 50 mil anos. Essa explosão não seria uma ameaça para a Terra, mas o brilho poderá ser visto no hemisfério Sul.
Fonte:NASA

Remanescente de supernova RCW103

Imagem de infravermelho do remanescente de supernova RCW103 onde se pode ver emissão filamentar formando o que parece ser um invólucro incompleto. A cor vermelha é proveniente da emissão de hidrogénio molecular e as cores verde e azul devem-se à emissão de ferro ionizado. Estima-se que este remanescente tenha cerca de 1000 anos de idade, tendo sido o resultado da explosão de uma estrela de elevada massa. Como consequência desta explosão formou-se, também, um pulsar com um período apenas de 69 milisegundos. Um pulsar é uma estrela de neutrões em rápida rotação. Uma estrela de neutrões é um corpo extremamente denso, resultante do colapso de uma estrela com mais de 8 vezes, aproximadamente, a massa do Sol.
Crédito: 2MASS/UMass/IPAC-Caltech/NASA/NSF.
Telescópio: 2MASS (2 Micron All Sky Survey).

Verão no Pólo Sul de Marte

Esta fotografia obtida pela sonda Mars Global Surveyor em Abril de 2000 mostra o aspecto do Pólo Sul de Marte durante o Verão. Se fosse Inverno ou início da Primavera, toda esta imagem estaria coberta de gelo. Embora se trate de uma imagem obtida durante o Verão, observações efectuadas pelas sondas Viking na década de 70 mostraram que o Pólo Sul de Marte se mantém suficientemente frio para conservar um manto de gelo de dióxido de carbono. O dióxido de carbono congela a temperaturas de cerca de -125ºC. A cena é iluminada pelo Sol, que se põe na direcção do canto superior esquerdo da imagem, e o diâmetro da calote polar é de cerca de 420 quilómetros.

Região de Orionte

Esta magnífica imagem de campo largo obtida por Robert Gendler da região de Orionte, sendo visíveis, em todo o seu esplendor, a nebulosa Cabeça de Cavalo (à esquerda) e a nebulosa de Orionte, M 42 (à direita na imagem). À esquerda da nebulosa Cabeça de Cavalo vê-se ainda a nebulosa da Chama. Esta região é uma região activa de formação de estrelas, constituída por várias nuvens de gás e poeira, estrelas jovens e nebulosas de emissão e reflexão. Esta imagem foi obtida através da combinação de várias imagens resultantes de mais de 20 horas de observação.
Fonte: Portal do Astronomo

Ventos super-galácticos em M82

A formação de novas estrelas é uma actividade muito intensa e rápida na galáxia M82. A sua taxa de formaçao de estrelas é cerca de 10 vezes superior àquela registada na nossa Via Láctea. Ventos provenientes de estrelas maciças e explosões violentas e catastróficas de supernovas produzem uma autêntica tempestade galáctica de nuvens de gás. Esta imagem, codificada em cores falsas, põe em evidência a complexidade desta região, através da combinação de uma imagem de campo largo obtida pelo telescópio WIYN, situado no Arizona, com uma outra imagem de alta-resolução obtida pelo Telescópio Espacial Hubble (HST). 
     

17 de nov de 2009

Sedna - planetóide

Impressão artística de Sedna e uma lua hipotética
90377 Sedna é o nome oficial dado para 23 VB12, descoberto em 14 de novembro de 2003 e é muito afastada do Sol, com o afélio a 975,6 UA e perélio a 76,1 UA. A Terra, por comparação, orbita entre 0,98 e 1,01 UA do Sol e Plutão nunca vai mais longe que 43 UA. Devido à distância que atinge é visto como um objeto da nuvem de Oort, a residência dos cometas. Sedna é descrito como um planetóide frio, talvez com 2/3 do tamanho de Plutão, provavelmente da Nuvem de Oort. Sua temperatura é muito baixa: Cerca de -261°C.

                Órbita
Painel mostrando Sedna em relação ao Sistema solar

  Sua orbita é muito extensa, para dar uma volta ao Sol demora mais de 10.500 anos terrestres. Passando por fora do Cinturão de Kuiper e assim fica no confim do Sistema Solar.
Fonte: Astronomy.com

Nebulosa de McNeil

Quando o astrónomo amador americano Jay McNeil apontou o seu pequeno telescópio amador de 3 polegadas na direcção da conhecida nebulosa M 78 em Orionte, estava longe de imaginar que acabaria por presenciar o aparecimento de uma nova nebulosa a rodear uma jovem estrela em formação. Esta descoberta recebeu já o nome de Nebulosa de McNeil, e representa uma oportunidade única para se presenciar o nascimento de uma nova estrela. Esta nebulosidade não aparece em nenhuma imagem da área obtida anteriormente a Setembro de 2003, significando que a alteração do brilho da estrela jovem e a consequente iluminação do gás envolvente é um fenómeno extremamente recente e que se encontra ainda a decorrer.

Crédito: Adam Block (KPNO Visitor Program), NOAO, AURA, NSF.

Túnel intergaláctico de matéria

 Telescópio: Hubble Space Telescope um túnel de matéria estende-se desde a galáxia NGC 1410 (à esquerda na imagem) até à galáxia NGC 1409 (à direita), cruzando mais de 20000 anos-luz de espaço intergaláctico. Este é um exemplo magnífico sobre a forma como a colisão de galáxias propicía a troca de matéria entre elas. Os centros destas duas galáxias estão a apenas 23000 anos-luz de distância um do outro, pouco menos do que a distãncia do Sol ao centro da Via Láctea. Eles estão ligados um ao outro devido à força da gravidade, orbitando em torno de um centro comum a mais de 1 milhão de kilómetros por hora. Estas galáxias encontram-se a cerca de 300 milhões de anos-luz da Terra na constelação do Touro.
Fonte: Terra

Nebulosa NGC 2359

Crédito: Christine Smith, David Smith, Steve Mandel, Adam Block (KPNO Visitor Program), NOAO, AURA, NSF.

NGC 2359 é uma nebulosa de emissão situada na direcção da constelação de Cão Maior, a cerca de 15000 anos-luz de distância. Esta nebulosa é uma bolha de gás com cerca de 30 anos-luz de extensão, criada devido a ventos muitos energéticos emitidos por uma estrela muito quente existente no seu centro. Esta estrela é uma gigante azul muito maciça que desenvolve ventos que podem atingir velocidades da ordem de milhões de kilómetros por hora. A interacção destes ventos com uma nuvem molecular gigante existente nas proximidades terá originado a forma peculiar deste nebulosa, por vezes designada "nebulosa do Pato", ou nebulosa "Capacete de Thor".
Fonte:portaldoastronomo.org

9 de nov de 2009

Plutão-Caronte

 Suposto sistema planetário duplo formado por Plutão e Caronte. Tradicionalmente, Plutão era visto como um dos nove planetas do Sistema Solar, e Caronte como um de seus satélites naturais, porém Plutão foi rebaixado de planeta para planeta anão. Mas a translação de Caronte em torno de Plutão ocorre de tal forma que ambos, na verdade, giram em torno de um eixo imaginário comum (ou seja, o satélite não gira em torno do planeta, mas ambos giram em torno de um centro onde não há nenhum outro corpo celeste) Assim, surge uma corrente na Astronomia que tende a classificar Plutão e Caronte não como um planeta e seu respectivo satélite, mas sim como um sistema planetário duplo. Plutão e a sua principal lua, Caronte. Plutão, considerado um planeta por 76 anos, foi reclassificado como um planeta anão em 2006 devido à  questão do domínio orbital e ao seu tamanho.
Fonte: Astronomia Viva

Nebulosa planetária NGC 6369

Esta bonita nebulosa planetária, catalogada como NGC 6369, foi descoberta no século XVIII pelo astrónomo William Herschel, enquanto usava um telescópio para explorar a constelação de Ofíuco. Com uma forma arredondada, esta nebulosa é também relativamente ténue e recebeu a alcunha popular de Nebulosa do Pequeno Fantasma. As nebulosas planetárias em geral não têm nenhuma relação com planetas, mas são criadas no fim da vida de uma estrela do tipo do Sol, à medida que liberta as suas camadas exteriores para o espaço enquanto o núcleo encolhe para se tornar uma anã branca. Esta, vista perto do centro, irradia fortemente no ultravioleta e faz brilhar a nebulosa em expansão. Detalhes bastante complexos e estruturas em NGC 6369 são aqui reveladas nesta imagem a cores do Hubble. O anel principal da nebulosa mede cerca de um ano-luz de diâmetro e o brilho dos átomos ionizados de oxigénio, hidrogénio e nitrogénio têm as cores azul, verde e vermelho respectivamente. A mais de 2,000 anos-luz de distância, a Nebulosa do Pequeno Fantasma oferece um olhar para o futuro do nosso Sol, que produzirá a sua própria nebulosa planetária daqui a apenas 5 mil milhões de anos.

Crédito: Hubble Heritage Team, NASA

Classificação Das Galaxias

Segundo E.P.HUBBE EXISTEM OS SEGUINTES TIPOS DE GALAXIAS:

Nebulosa espiral normal,com as denominações Sa.Sb e Sc.Nesta sequencia o nucleo da nebulosa espiral vai diminuindo em relação aos braços.

NEBULOSA ESPIRAL BARRADA:

Com os tipos Sba.SBb e SBc.O nucleo da nebulosa tem uma deformação em forma de barra.Nas extremidades dessa barra os braços da espiral formam praticamente ângulos retos.Também nesse caso a sequência indica a diminuição do núcleo em relação aos braços.

NEBULOSAS ELIPTICAS:

com os tipos de EO até E7. São galaxias menores sem braços espiralados.O numero da denominação do tipo indica o grau de achatamento do sistema todo.E é o sistema esférico ;em E7 o achatamento da nebulosa é de 1:3.

NEBULOSAS IRREGULARES:

que não tem uma forma externa regular.As nebulosas elipticas representam 23% das galaxias observadas;as nebulosas espiraladas 63% e as irregulares 2%.Os restantes 12% não puderam ser enquadrados em tipo algum.

Matéria Escura

   Foto de John Dubinski, Universidade de Toronto
    Ninguém consegue vê-la, senti-la, ou mesmo saber o que é. Mas sem a misteriosa substância chamada matéria escura, as galáxias se fragmentariam. Uma simulação feita em computador por John Dubinski, um astrofísico da Universidade de Toronto, representa a matéria escura como uma enorme rede de filamentos espalhada pelo espaço, mostrada em branco acima. Segundo os cálculos de Dubinski e outros astrofísicos, o universo visível – estrelas e galáxias – é uma mera farpa do que há lá fora. A matéria escura é uma partícula grande sem carga elétrica; sua única marca é sua força gravitacional. Os especialistas calculam que os experimentos dos próximos dez anos conseguirão finalmente isolar partículas da matéria escura e desvendar o maior mistério do universo.
Fonte: Astronomy.com

Comprovada existência da matéria escura

Físicos, astrofísicos e astrônomos nunca se sentiram realmente confortáveis em ter que apelar para algo invisível e indetectável para explicar 90% do nosso universo. Mas é exatamente isso o que acontece com a matéria escura, até ontem apenas uma teoria, que explica porque as galáxias não saem de seu caminho, apesar de suas imensas massas e velocidade. Mas agora, graças ao telescópio de raios-X Chandra, da NASA, a matéria escura finalmente deixou de ser uma teoria: os cientistas conseguiram comprovar sua existência a partir da observação do maior evento cósmico já observado pelo homem - o choque entre duas galáxias. A observação desse espetacular choque galáctico ofereceu o que os cientistas estão chamando de uma "evidência definitiva" que a maioria da matéria no nosso universo é escura - invisível e indetectável. Apesar de consideráveis evidências já oferecidas em prol da existência da matéria escura, alguns cientistas já estavam propondo teorias alternativas para a gravidade onde ela é mais forte do que seria previsível pelas teorias de Newton e Einstein. Estas teorias eliminam a necessidade da matéria escura. Mas não conseguem explicar os efeitos observados pela colisão agora acompanhada pelos cientistas."Os resultados são uma prova direta de que a matéria escura existe," conclui o Dr. Doug Clowe, da Universidade do Arizona, Estados Unidos, e coordenador do estudo. Em agrupamentos de galáxias, a matéria normal, como os átomos que formam as estrelas, os planetas e tudo o que existe sobre a Terra, está primariamente na forma de estrelas e gases quentes. A massa desse gás quente entre as galáxias é muitíssimo maior do que a massa de todas as estrelas em todas as galáxias. A matéria normal das galáxias é mantida no agrupamento pela força da gravidade de uma massa ainda maior de matéria escura. Sem a matéria escura, que é invisível e somente pode ser detectada através do efeito de sua gravidade, as velocíssimas galáxias e o gás quente rapidamente se esfacelariam e espalhariam. Além do Chandra, os astrônomos precisaram utilizar os telescópios Hubble, VLT e Magellan para completar suas observações. Eles utilizaram um fenômeno chamado de lente gravitacional, no qual a gravidade de grandes massas altera a rota da luz que vem de galáxias mais distantes - um efeito previsto pela teoria de Einstein.
Fonte: Estadão

Aglomerado globular M4 (NGC6121)

M4, descoberto em 1746 por Philippe Loys de Chéseaux, é um dos aglomerados globulares do céu que se situam mais perto de nós, estimando-se a sua distância em apenas 7200 anos-luz. Seria um dos enxames mais espectaculares de observar se não fosse a grande quantidade de nuvens escuras interestelares que se interpõem entre nós e ele. Para além de extinguir a sua luz, a poeira interestelar avermelha também a luz do aglomerado, razão pela qual ele aparece ligeiramente avermelhado ou acastanhado em fotografias a cores. Em Agosto de 1995, observações realizadas com o Hubble permitiram fotografar anãs brancas neste enxame. Observações posterioes realizadas em Julho de 2003 permitiram descobrir um planeta a orbitar uma destas anãs brancas. Com uma massa 2.5 vezes superior à de Júpiter, este planeta deverá ser presumivelmente tão velho quanto o enxame, estimando-se uma idade de 13 mil milhões de anos, cerca de 3 vezes mais que a idade do nosso Sistema Solar.
Crédito: AURA/NOAO/NSF.
Telescópio: Kitt Peak National Observatory's 0.9m.

Nebulosa da Aranha Vermelha

Que teia emaranhada pode uma nebulosa planetária produzir! A Nebulosa da Aranha Vermelha mostra uma complexa estrutura que resulta da ejecção das camadas exteriores de uma estrela normal no fim da sua vida. Com o número de catálogo NGC 6537, esta nebulosa planetária é lar de uma das mais quentes anãs brancas já observadas, provavelmente parte de um sistema binário. Os ventos internos, emanados das estrelas centrais, visíveis no centro, têm uma velocidade aproximada de 1,000 km/s. Estes fazem a nebulosa crescer, e provocam colisões entre ondas de gás quente e pó. Os átomos apanhados nestes choques libertam luz. A Nebulosa da Aranha Vermelha situa-se na constelação de Sagitário. A sua distância não é bem conhecida mas estima-se que ronde os 4,000 anos-luz.
Crédito: Garrelt Mellema (Leiden University) et al., HST, ESA, NASA

Mini Sistema solar

   Os cientistas descobriram uma pequena estrela anã castanha, que também é uma estrela falhada, situada a cerca de 500 anos-luz do nosso sistema solar na constelação de camaleão. É menos de um centésimo do nosso sol e rodeada de um disco de poeiras e gás. Pensa-se que é o mais pequeno sistema solar descoberto pelos astrónomos com telescópios terrestres e espaciais. Os astrónomos sentem que está a decorrer um processo de formação de planetas e que um dia constituirá um mini sistema solar. Se o anel exterior ou os discos deste planeta formarem o planeta, o sistema solar resultante será 100 vezes menor que o nosso sistema solar. A descoberta foi feita pelo Spitzer Space Telescope da NASA e por observações do Hubble. O resultado será publicado no fascículo de 10 de Dezembro do Astrophysical Journal Letters. Há muito que se pensa que o nosso sistema solar veio de uma enorme nuvem de gás e poeira que colapsou e formou o sol há cerca de 4,5 mil milhões de anos. Pensa-se que as anãs castanhas maiores que os nossos planetas falharam em obter massa suficiente para brilharem. DESTA FORMA OS NOSSOS CIENTISTAS ESTÃO A TENTAR AO MÁXIMO RESOLVER O MISTÉRIO DA FORMAÇÃO DOS NOSSOS PLANETAS.

M 103

Brilhantes estrelas azuis iluminam o enxame aberto conhecido como M103. As nuvens gasosas a partir das quais este enxame se formou há muito que se dispersaram. Das estrelas formadas, as mais brilhantes, azuis e massivas já esgotaram o seu combustível nuclear e auto-destruiram-se em explosões de supernova. Foi estimada para M103 uma idade de 20 milhões de anos ao descobrir as mais brilhantes estrelas de sequência principal que ainda sobrevivem e calculando teoricamente o seu tempo de vida. De facto, uma estrela azul recentemente evoluiu a partir da sequência principal e é agora visível como a gigante vermelha no centro do enxame. No geral, as estrelas amarelas como o nosso Sol são regularmente menos brilhantes e por isso menos proeminentes nos enxames abertos que os seus primeiros estelares mais massivos e azuis. Embora visível de binóculos na direcção da constelação de Cassiopeia, os 8,000 anos-luz que nos separam de M103 fazem este enxame parecer quatro vezes mais pequeno que uma Lua Cheia.
Crédito: Robert Gendler

6 de nov de 2009

Nasa divulga fotos de sobrevoo da sonda espacial Cassini sobre lua de Saturno

 A sonda foi lançada em 15 de outubro de 1997. Ela chegou a Saturno em meados de 2004, após sete anos de viagem. Com 5,6 toneladas, a sonda completou um período inicial de quatro anos de missão em junho de 2008. Como continuou plenamente operacional depois disso, está fazendo ‘hora-extra’ desde então, com sucesso. Encelado é uma das luas mais interiores de Saturno.É semelhante em dimensão a Mimas mas tem uma superfície mais suave e brilhante. Encelado reflecte quase 100 por cento da luz do Sol que o atinge. Ao contrário de Mimas,Encelado mostra pelo menos cinco tipos diferentes de terreno. Algumas partes de Encelado mostram crateras com menos de 35 km de diâmetro. Outras áreas mostram regiões sem crateras indicando casos de superfície refeita no passado geológico recente. Existem fissuras, planícies, terreno enrugado e outras deformações da crusta. Tudo isto indica que o interior da lua pode ser actualmente líquido, mesmo tendo congelado há eras. Afirma-se que Encelado se encontra aquecido por um mecanismo de maréssemelhante à lua de Júpiter Io.É perturbado na sua órbita pelo campo gravitacional de Saturno e pelos grandes satélites vizinhosTétis e Dione.Por Encelado reflectir tanta luz, a temperatura à superfície é apenas de -201° C (-330° F).
                        
A sonda chama-se "Cassini" em homenagem ao italiano Jean-Dominique Cassini (1625-1712), que descobriu 4 das dezenas de luas de Saturno: Jápeto (ou Iapetus), Reia (ou Rhea), Tétis (ou Tethys) e Dione.
Fonte: Nasa-ESA

5 de nov de 2009

Galáxia de Andrômeda

NGC 224, Messier 31 ou M31, popularmente conhecida como Galáxia de Andrômeda é uma galáxia espiral localizada a cerca de 2,900,000 anos-luz (0,889 megaparsecs) de distância na direção da constelação de Andrômeda. Possui entre 180 e 220 mil anos-luz de diâmetro, uma magnitude aparente de 3,5, uma magnitude absoluta de -21,4, uma declinação de +41º 16' 06" e uma ascensão reta de 00 horas, 42 minutos e 44,3 segundos. É a maior galáxia do Grupo Local de galáxias, ao qual pertence a Via Láctea, onde se localiza o planeta Terra, superada apenas pelas Nuvens de Magalhães em extensão e brilho aparente. A existência da galáxia NGC 224 " relatada no ano 905 pelo astrônomo persa Azofi" que ocupa uma grande área no céu, é o maior corpo celeste visivel o ano inteiro, contudo foi só com a invenção da luneta telescópica que em 1612 o astrônomo alemão Simon Marius pôde observá-la e finalmente "redescobri-la". Estudiosos e cientistas conseguiram prever, através de uma série de cálculos, que a nossa Via Láctea e Andrômeda estão se aproximando e colidirão. Teoricamente, o encontro aconteceria em cerca de 5 bilhões de anos, que é o período aproximado do fim do nosso Sol, nesta época, talvez, a vida na Terra nem exista mais da forma como a conhecemos. Embora exista a possibilidade, os danos que tal colisão causaria são mínimos, e isso se deve ao fato dos espaços entre os astros serem muito grandes, reduzindo drasticamente a chance de colisões, o que também explica o fato de o sistema solar raramente entrar em contato com algum outro corpo celeste ao passar pelas nuvens mais densas da Via Láctea. Provavelmente a nossa galáxia se fundirá com Andrômeda e ambas formarão uma galáxia elíptica gigante.
Fonte: Infoescola

Matéria invisível formou primeiras estrelas

 Cerca de 90% do Universo é composto por uma matéria que astrônomos não vêem. Material teria sido importante para o surgimento de estrelas após o Big Bang.
A misteriosa “matéria escura” -- que forma a maior parte do Universo, mas ninguém consegue ver -– pode ter tido um papel essencial na formação das primeiras estrelas e também na criação dos buracos negros, segundo astrônomos da Universidade Durham, na Inglaterra, em um estudo publicado na revista “Science” desta semana. Basicamente 90% do Universo é composto por uma matéria impossível de ser vista ou detectada, a não ser por sua interação gravitacional com os objetos celestes: a chamada “matéria escura”. Todas as coisas que sabemos que existem, das maiores estrelas do Cosmos ao computador em que você lê este texto, são feitos de matéria comum, que compõe apenas os 10% restantes. Essa matéria invisível, segundo a pesquisa, teria ajudado a formar as primeiras estrelas, de acordo com Tom Theuns, líder do estudo. Em seus primeiros momentos após o Big Bang, há cerca de 13 bilhões de anos, o Universo era composto apenas de hélio e hidrogênio. Por isso, a matéria escura foi essencial para unir esses elementos com sua força gravitacional e formar estrelas. Hoje, com milhões de outros elementos pelo Cosmos (formados, aliás, por esses primeiros astros), essa função não é mais necessária. “As estrelas se formam hoje em nuvens gigantes de gás e poeira molecular embebidas em discos de grandes galáxias como a nossa Via Lactéa, enquanto as primeiras estrelas surgiam em pequenos aglomerados de gás primordial de matéria escura, com uma massa total milhões de vezes maior que a do Sol”, comentou Volker Bromm, da Universidade do Texas, que não participou do estudo. Há duas possibilidades para a ação da matéria escura nesses primeiros momentos do Universo. Se ela era fria e lenta, formaria uma estrela por vez, geralmente de vida curta e cerca de cem vezes o tamanho do nosso Sol, em ambientes isolados. Se fosse quente e rápida, a matéria invísivel geraria enormes explosões cósmicas em longos e finos filamentos de gás que resultariam em diversas estrelas de tamanhos variados de uma só vez. Se a segunda possibilidade for a real, essas estrelas ainda devem estar brilhando em nossa galáxia.
Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/

Simulação galáctica poderá resolver mistério da matéria escura

Os cientistas acreditam que a matéria escura representa 85% da massa do Universo. Mas cientistas não convivem muito bem com o termo "acreditam" e estão sempre buscando "evidências" um pouco mais concretas. Agora eles se juntaram em um projeto internacional, chamado Consórcio Virgem, no qual eles usaram uma simulação de computador numa escala sem precedentes para recriar a evolução de uma galáxia similar à Via Láctea.

"Vendo" a matéria escura
A simulação permitiu que os astrônomos e cosmologistas "vissem" os raios gama emitidos pela matéria escura, o que torna muito mais fácil a busca pela sua observação direta, que agora poderá ser dirigida para os pontos mais prováveis onde ela poderá ser detectada. Eles esperam que essa observação direta possa ser feita pelo Telescópio Fermi, da NASA. Os cientistas estavam de olho nos chamados halos, auréolas provavelmente formadas por matéria escura. Esses halos circundam as galáxias, podendo conter uma massa até um trilhão de vezes maior do que a do Sol. As simulações mostraram como essas auréolas de matéria escura crescem através de uma série de violentas colisões e fusões entre aglomerados muito menores de matéria escura que emergiram do Big Bang.

Enigma invisível
Os pesquisadores descobriram que os raios gama produzidos quando as partículas colidem em áreas com alta densidade de matéria escura podem ser mais facilmente detectados em regiões na Via Láctea nas proximidades do Sol na direção geral do centro da galáxia. Agora eles querem que o Telescópio Fermi seja apontado na direção indicada por eles. "A busca pela matéria escura tem dominado a cosmologia por muitas décadas. Ela poderá brevemente chegar ao seu destino," diz o pesquisador Carlos Frenk. "Resolver o enigma da matéria escura será uma das maiores descobertas científicas do nosso tempo," diz ele.
Fonte: Jornal Ciência

4 de nov de 2009

Nuvem Interestelar Local

A Nuvem Interestelar Local é a nuvem interestelar onde o qual o Sistema Solar está presentemente passando. Possui cerca de 30 anos-luzes de extensão. O Sistema Solar entrou na Nuvem Interestelar Local há cerca de 44 a 150 mil anos atrás, e permanecerá dentro por outros 10 a 20 mil anos. A nuvem possui uma temperatura de cerca de 6 000 °C, aproximadamente a mesma da fotosfera do Sol. É, porém, bastante tênua, com 0,1 átomos por centímetro cúbico, cerca de um quinto da densidade do meio interestelar, e o dobro da Bolha Local, sendo esta uma área de baixa densidade no meio interestelar, com a Nuvem Interestelar Local sendo uma área pequena e de maior densidade. Em comparação, a atmosfera terrestre no nível do mar possui 2,7 × 1019 moléculas por centímetro cúbico.
Fonte:Wikipédia

Nebulosa planetária Abell 39

Uma das maiores esferas da Via Láctea está a proporcionar valiosas pistas sobre a composição química das estrelas devido à sua própria forma. A nebulosa planetária Abell 39, agora com seis anos-luz de diâmetro, já foi uma estrela parecida com o Sol, que expeliu as suas camadas exteriores há milhares de anos atrás. A natureza perfeitamente esférica de Abell 39 permite aos astrónomos estimar com precisão quanto material relativo está actualmente a ser absorvido e a emitir luz. Observações indicam que Abell 39 contém apenas metade do oxigénio encontrado no Sol, uma confirmação intrigante mas não surpreendente das diferenças químicas entre estrelas. A razão pela qual a estrela central está afastada do centro por 0.1 anos-luz é ainda desconhecida. Abell 39 situa-se a 7,000 anos-luz de distância, embora algumas galáxias a milhões de anos-luz possam ser observadas através e nos lados da nebulosa.
Crédito: George Jacoby (WIYN Obs.) et al., WIYN, AURA, NOAO, NSF

O meio interestelar


Cabeça de Cavalo, parte de uma nebulosa escura

O meio interestelar que se refere ao meio entre as estrelas, mais precisamente aos objetos e fenômenos alí existentes. Embora a maior parte da massa das galáxias se concentrem nas estrelas o espaço que há fora delas não é tão vazio quanto costuma-se imaginar. O estudo mais extenso de objetos interestelares se refere aos planetas e seus satélites naturais. Há ainda um forte estudo sobre os meteoros e cometas. O meio interestelar é muitas vezes preenchido com monstruosas colunas de poeira e gás, que tendem a formar mais e mais estrelas. A formação de estrelas no interior destas nuvens de poeira e gás
gera uma Região HII.
Fonte:Wikepedia

Cabeça de Cavalo

 A Nebulosa do Cavalo é uma nebulosa escura na constelação de Órion. A nebulosa está localizada logo abaixo de Alnitak, estrela que faz parte do Cinturão de Órion. Está a aproxidamente 1500 anos luz da Terra. É uma das nebulosas mais identificáveis devido a forma de sua nuvem escura de poeira e gases, que é semelhante à de uma cabeça de cavalo. Foi observada pela primeira vez em 1888 por Williamina Fleming na chapa fotográfica B2312 do observatório da Universidade de Harvard. O brilho vermelho se origina do hidrogênio, gás que predomina por trás da nebulosa, ionizado pela próxima estrela brilhante Sigma Orionis (Alnitak). A escuridão da Cabeça de Cavalo é causado principalmente por uma poeira espessa.
  Imagem amadora da Região da Nebulosa Cabeça
de Cavalo, sul da estrela Alnitak no Cinturão de Órion
Fonte: NASA

Nebulosa escura

Presumivelmente a mais famosa nebulosa escura a Nebulosa cabeça de cavalo.
Uma nebulosa escura é uma grande nuvem molecular, as quais se apresentam como regiões pobres em estrelas onde a poeira do meio interestelar parece estar concentradas. Nebulosas escuras podem ser vistas quando elas obscurecem parte de uma nebulosa de reflexão ou uma emissão (por exemplo a nebulosa cabeça de cavalo) ou se elas bloqueiam estrelas de fundo (por exemplo a Nebulosa saco de carvão). As maiores nebulosas escuras são visíveis a olho nu, elas aparecem como caminhos escuros contra o fundo brilhante da Via Láctea.

Astrofísica da nebulosa escura 

O hidrogênio destas nuvens escuras opacas existe na forma de hidrogênio molecular. A maior nebulosa deste tipo, a chamada nuvem molecular gigante (NMG), é mais do que um milhão de vezes a massa do Sol. Ela contém mais massa do que o meio interestelar, e quase 150 anos-luz de comprimento, e tem uma densidade média de 100 a 300 molécula por centímetro cúbico e uma temperatura interna de 7 a 15 K. nuvens moleculares consistem basicamente de gás e poeira, mas contém muitas estrelas também. As cores dessas nuvens estão completamente escondidas da visão e não são detectáveis exceto para a emissão de micro-ondas de suas moléculas constituintes. Esta radiação não é absorvida pela poeira e rapidamente escapa da nuvem. O material interno da nuvem é arrastado coeso em todas as direções, com algumas nuvens reduzindo-se a massa de estrelas individuais, pequenos arrastões devem estender-se a cerca de um ano luz.

 As nuvens têm um campo magnético interno que se opõe a sua própria gravidade. A NMG desempenha um importante papel na dinâmica da galáxia: quando uma estrela passa próxima a um NMG, um considerável impulso gravitacional abalará a órbita da estrela de forma significativa. Depois de repetidas aproximações, uma estrela de meia-idade terá componentes significativos de velocidade em todas as direções, ao invés de uma órbita quase circular como uma estrela jovem (isto é porque a jovem estrela herda a órbita circular da NMG onde ela nasceu). Isto dá aos astrônomos outra ferramenta para estimar a idade de estrelas, e ajuda a explicar a espessura do disco galáctico. Na região interna de uma nebulosa escura importantes eventos têm lugar, tais como a formação das estrelas e masers.
Fonte: http://pt.wikipedia.org

Superaglomerado local

O superaglomerado de Virgem, chamado também de superaglomerado local, é um superaglomerado de galáxias, nele está contido o Grupo Local de Galáxias com nossa galáxia, a Via Láctea. Possui a forma de um disco plano, com um diâmetro de 200 milhões de anos-luz. Este superaglomerado contém cerca de 100 grupos e aglomerados de galáxias, e é dominado pelo Aglomerado de Virgem localizado perto do centro. O Grupo Local de Galáxias está localizado perto da borda do Aglomerado de Virgem pelo qual é atraído.
Pelo efeito gravitacional que exerce no movimento das galáxias, estima-se que a massa total do superaglomerado de Virgem seja algo em torno de 1015 massas solares. É provável que uma quantidade significativa de sua massa seja composta por matéria escura. Suspeita-se que, assim como os Aglomerados se agrupam em superaglomerados, os superaglomerados se agrupam em Hiperaglomerados. Se for provada sua existência esses últimos seriam as segundas maiores estruturas do Universo, atrás apenas da Grande Muralha. Uma anomalia gravitacional conhecida como Grande Atrator existe em alguma parte dentro do Superaglomerado Local.

3 de nov de 2009

Parede de cratera em Marte

Esta visão panorâmica obtida a partir da nave Mars Express da ESA que se encontra em órbita de Marte mostra-nos parte das paredes de uma grande cratera marciana que tem sofrido um intenso processo de erosão. Estendendo-se por cerca de 50 km na imagem, estas paredes têm cerca de 800 m de altura. Várias montanhas e falhas geológicas são visíveis na imagem, evidenciando a existência de movimentos das placas tectónicas. Estes tipo de movimentos têm vindo a moldar, ao longo de muitos anos, a superfície da Terra, mas pensa-se que só terão ocorrido por um breve período na superfície de Marte.
Crédito: G. Neukum (FU Berlin), Mars Express, DLR, ESA.

Disco de poeira na galáxia NGC 7052

Um disco de poeira com 3700 anos-luz de diâmetro envolve um buraco negro com 300 milhões de massas solares no centro da galáxia elíptica NGC 7052. Este disco, possivelmente resultante de uma colisão entre galáxias, será devorado pelo buraco negro dentro de alguns milhares de milhões de anos. Devido ao facto de a poeira absorver melhor a luz azul do que a luz vermelha, o disco surge-nos mais avermelhado do que o resto da galáxia (o mesmo fenómeno é responsável por o Sol aparecer mais avermelhado ao nascer e ao pôr do Sol). Apesar do seu tamanho, o disco tem 100 vezes menos massa que o buraco negro, que, por sua vez, só possui cerca de 0.05% da massa de toda a galáxia.

Crédito: Roeland P. van der Marel (STScI), Frank C. van den Bosch
(Univ. of Washington) & NASA.
Instrumento: Hubble Space Telescope (HST).

Mz 3 - Nebulosa da Formiga

Crédito: NASA, ESA & The Hubble Heritage Team (STScI/AURA).
Mz 3, também conhecida por Nebulosa da Formiga, é uma nebulosa planetária - o resultado de uma fase avançada da vida de uma estrela como o Sol, quando as camadas mais externas da estrela são expelidas formando uma nebulosa de gás à volta do núcleo despido da estrela - com uma extensão de 1 ano-luz. A forma bipolar de Mz 3 desafia os astrónomos a explicarem como é que uma estrela, sendo esférica, produz simetrias não esféricas tão proeminentes. Uma possível resposta consiste em admitir que no centro se encontra uma segunda estrela, menos brilhante, que orbita muito próximo da estrela visível no centro da nebulosa, exercendo forças gravitacionais muito fortes que dão esta forma ao gás expelido. Uma outra hipótese alternativa considera que a rotação da estrela juntamente com o seu forte campo magnético, cujas linhas vão tomando formas complexas que lembram spaghetti, conseguem canalizar para o espaço o vento estelar, podendo este atingir velocidades até 1 000 km/s. Estes ventos de partículas carregadas são muito densos, tornando-se visíveis devido à luz ultravioleta da estrela central, ou através das colisões supersónicas com o gás, que torna o material fluorescente.
Fonte: Portal do astronomo

NGC 300 vista pelo GALEX

Esta imagem da galáxia espiral NGC 300 foi obtida pelo Galaxy Evolution Explorer (GALEX). NGC 300 encontra-se a cerca de 7 milhões de anos-luz de distância e faz parte de um grupo de galáxias situadas na direcção da constelação do Escultor. As estrela vermelhas visíveis na imagem são estrelas da nossa própria galáxia que se encontram na direcção de observação. Esta imagem de ultravioleta mostra que NGC 300 está a formar estrelas ao longo de toda a sua extensão. O GALEX um telescópio espacial lançado pela NASA em 2003 com o objectivo de observar Universo na banda do ultra-violeta.
Crédito: GALEX Team, NASA.
Telescópio: GALEX.

M 33 (NGC 598) - Galáxia Triângulo

M 33, ou galáxia do Triângulo, é a terceira maior do Grupo Local (que contem cerca de 40 galáxias num raio de poucos milhões de anos-luz), logo a seguir à Via Láctea e à galáxia Andrómeda. Tem um diâmetro estimado de 60000 anos-luz e roda no sentido dos ponteiros do relógio, segundo a nossa perspectiva, com um período de cerca 200 milhões de anos. Esta galáxia espiral situa-se a cerca de 2.8 milhões de anos-luz de distância. Na imagem são visíveis imensas regiões brilhantes, regiões activas de formação de estrelas, conhecidas por regiões HII. A cor azul corresponde a emissão proveniente de oxigénio duplamente ionizado, a cor verde corresponde a luz visível e o vermelho a hidrogénio ionizado.
Fonte:portal do astronomo.org

2 de nov de 2009

Super estrelas no universo jovem

Uma concepção de artista do mega-enxame de formação de estrelas observado a 12 mil milhões de anos-luz, num Universo ainda jovem. Cortesia ESA/NASA e Robert A. E. Fosbery.
Enquanto estudava enxames de galáxias remotos, uma equipe internacional de astrónomos reparou numa estranha mancha de luz vermelha situada para além de um longínquo enxame de galáxias na constelação do Lince. Os investigadores tentaram, sem sucesso, identificar o padrão espectral do misterioso objecto apelidado de Arco do Lince. Após identificarem semelhanças entre este e a nebulosa de Orionte, os investigadores chegaram à conclusão de que este era a projecção alongada de um mega-enxame de formação de estrelas a uma distância de 12 mil milhões de anos-luz, que é maior, mais quente, e intrinsicamente mais brilhante que qualquer outra região de formação de estrelas observada até hoje. O que é fascinante é o fato de este objeto aparentar produzir estrelas incrivelmente massivas, muito maiores que praticamente qualquer estrela que vemos na Galáxia, o que leva a crer que não estamos a observar o nascimento de uma galáxia, mas sim a uma galáxia passando por uma fase de enorme crescimento. A força gravitacional do distante enxame de galáxias, que se encontra a 5,4 mil milhões de anos-luz da Terra, forma uma "lente gravitacional", encurvando e intensificando a luz da ainda mais distante região de nascimento de estrelas, permitindo aos astrónomos o estudo de um exemplo deste fenómeno quando o Universo tinha apenas cerca de 15% da sua idade atual. Embora existam muitas outras galáxias semelhantes a esta, o fato de esta ser mais brilhante devido à "ampliação" ou lente gravitacional, permite um estudo com muito mais pormenor do que as outras. Esta região de formação de estrelas é um milhão de vezes mais brilhante que a bem conhecida região local da nebulosa do Orionte. Ao contrário das quatro estrelas brilhantes e massivas localizadas no coração da nebulosa de Orionte, a fonte do arco do Lince contém aproximadamente um milhão de estrelas brancas-azuladas, que são pelo menos duas vezes mais quentes do que as da nebulosa de Orionte, ou do que qualquer outra estrela similar na Via Láctea. Estrelas massivas normais na nossa vizinhança cósmica têm temperaturas de superfície de cerca de 40 000 graus Celsius ou menos. Contudo, a equipe de astrónomos calcula que as estrelas desta região distante tenham temperaturas de superfície tão altas como 80 000 graus Celsius.
Fonte: ESA/NASA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...