15 de out de 2009

Quasares

Quasares: quase testemunhas do Big Bang
 Eles foram descobertos há apenas 25 anos, mas é certo que brilham no espaço intensamente há 15 bilhões de anos desde a origem do Universo. Aos poucos os cientistas vão descobrindo coisas sobre eles  e todas são realmente extraordinárias.

O Que é Um Quasar?
Um Quasar é uma fonte de rádio de origem cósmica que, apesar de seu aspecto estelar, emite ondas de rádio mais intensamente que qualquer grande galáxia. Explicando, são elementos que os cientistas não sabem bem o que são, mas que emitem mais energia do que uma galáxia. Os Quasars estão muito mais longe da Terra do que qualquer outro elemento cósmico conhecido; por isso, acredita-se que os que os quasares podem explicar muito sobre o início do Universo. Quasar é uma abreviatura de Quasi Stelars, em Latim Quase Estrelas. Aparentemente, os quasares são semelhantes às estrelas, mas sua estrutura real é semelhante à de uma galáxia activa e sua massa é ligeiramente maior do que a de qualquer outro corpo celeste já catalogado.

Os quasares são fortes emissores de ondas de rádio e colossais emissores de luz. Tais características, combinadas, indicam que os quasares possuem grande quantidade de partículas de altíssima energia. Outro aspecto interessante é que muitos quasares liberam imensos jatos de partículas radioativas. O quasar 3C 273 é o quasar mais brilhante já observado, e está a aproximadamente dois bilhões de anos-luz da Terra. A maioria dos quasares já observados possui um forte desvio para o vermelho no espectro, indicando que estão se movimentando muito rapidamente, provavelmente a uma velocidade superior a 50 mil km/s, o que, pela Lei de Hubble, leva a entender que estão muito distantes. Outra conclusão devida é que se formam num período muito recente da considerada formação do universo.

História
No ano de 1964, Edwin Ernest Salpeter e Yakov Borisovich Zel'dovich lançaram a teoria de que os quasares são na verdade galáxias activas e não apenas objectos associados a galáxias activas. Embora esta teoria seja a mais aceita, já foram encontrados quasares dispersos, isto é, sem galáxias próximas - sugerindo que a relação entre os quasares e as galáxias não seja obrigatória e que os quasares e as galáxias não sejam um único objecto.

Aparência
Aparentemente os quasares são semelhantes às estrelas, mas a sua estrutura real é semelhante à de uma galáxia activa e sua massa é ligeiramente maior do que a de qualquer outro corpo celeste já catalogado. Os quasares são fortes emissores de ondas de rádio e colossais emissores de luz. Tais características combinadas indicam que os quasares possuem grande quantidade de partículas de altíssima energia. Outro aspecto interessante é que muitos quasares liberam imensos jatos de partículas radioativas. O quasar 3C2173 é o quasar mais brilhante já observado, estando a aproximadamente dois bilhões de anos-luz. A maioria dos quasares já observados possuem um forte desvio para o vermelho no espectro indicando que estão se movimentando muito rapidamente, provavelmente a uma velocidade superior a 50 mil km/s, o que, pela constante de Hubble, leva a entender que estão muito distantes. Outra conclusão devida é que se formam num período muito recente da considerada formação do universo.


Problemas com a teoria

Mas há um problema grave na teoria a respeito dos quasares: por que não se formam quasares mais perto da Terra? Poderia haver quasares bem mais perto próximos. Uma das explicações aceitas é a de que só haveriam galáxias ativas no início da formação do universo, porque elas eram novas e ainda havia matéria próxima aos seus buracos negros para alimentá-los. No decorrer de sua existência, essa matéria de acréscimo para buracos negros acabou parando de alimentar o sistema que gera a energia colossal. Mas ainda fica a dúvida, pois novas galáxias estão sempre se formando pelo encontro e consequente junção de galáxias menores, e isso deveria reacender o sistema fornecedor de energia dos quasares.
Fontes:G1 / http://www.portalsaofrancisco.com.br

Estrela de Nêutrons

 Estrela de nêutrons é um estágio na vida de estrelas muito grandes que, depois de consumir todo o hidrogênio em seu núcleo e explodir em uma supernova, pode virar um corpo celeste extremamente denso e compacto onde não há mais átomos, mas um aglomerado de nêutrons. Por isso o nome: estrela de nêutrons. Toda estrela tem um ciclo de nascimento, vida e morte e a estrela de nêutrons representa o estágio final para algumas estrelas que têm a massa de 8 ou mais vezes maior que a massa do sol.  Durante toda sua vida as estrelas mantêm um estado de equilíbrio onde a energia liberada pela fusão de hidrogênio em seu núcleo (na maioria dos casos) gera uma pressão suficiente para contrabalançar a energia da compressão gravitacional da estrela sobre suas camadas mais externas, evitando que ela caia sobre si. 

 Mas, quando uma estrela suficientemente grande já consumiu todo o hidrogênio de seu núcleo, o equilíbrio é perturbado. Ela começa a converter o hélio das camadas mais externas em elementos mais pesados e o processo de fusão vai ficando cada vez mais ineficiente (acontece que a fusão dos materiais que compõem a estrela depende do tamanho dela. Estrelas com massas muito pequenas não conseguem produzir calor suficiente para fundir elementos como o hélio porque quanto mais pesado for o material, maior a temperatura necessária para que haja a fusão). Durante esse processo a estrela vai liberando enormes quantidades de energia para o espaço e os materiais mais pesados gerados pela fusão do hélio começam a “cair” para o interior da estrela formando um núcleo cada vez mais compacto (ao final ele pode ter até 1015 g/cm³).

Quanto mais matéria vai sendo sugada para o núcleo mais rapidamente ele gira gerando um campo gravitacional cada vez mais forte. O equilíbrio que havia entre as camadas externas e o núcleo da estrela se esvai e ela colapsa, explodindo em uma supernova. A camada mais externa é expulsa para o espaço e o que resta é uma estrela formada totalmente por nêutrons: devido à alta densidade, seus prótons e elétrons se unem no núcleo anulando-se. Uma estrela de nêutrons gira tão rápido que seu período rotacional pode levar apenas alguns milésimos de segundo. Quando o campo magnético da estrela de nêutrons não coincide com o seu eixo de rotação temos um pulsar: uma estrela que emite radiação (proveniente de seu movimento de rotação) de forma mais regular que o melhor dos relógios. O pulso é tão regular que no início os cientistas pensaram que os pulsos fossem algum sinal alienígena.
Fonte: http://www.infoescola.com/cosmologia/estrela-de-neutrons/

Aglomerado de galáxias


 Os aglomerados de galáxias ou cúmulos de galáxias são uma das maiores estruturas do Universo, nelas inúmeras galáxias estão interagindo gravitacionalmente umas com as outras, chocando-se muitas vezes entre sí mas normalmente estando equilibradas à uma certa distância. Jan Hendrik Oort foi o primeiro a demonstrar que as galáxias não estão distribuídas aleatoriamente no espaço, mas concentram-se em grupos. Mais tarde, quando a descoberta já estava assimilada pela comunidade científica, acreditou-se que os aglomerados de galáxias fossem as estruturas maiores encontradas no Universo. Entretanto, em 1953 descobriu-se os superaglomerados de galáxias, ou expressamente falando "aglomerados de aglomerados de galáxias", estruturas ainda maiores do Universo.Um dos mais impressionantes é o Aglomerado de Abel, são milhões de galáxias aparentemente infinitas.
Aglomerado de galáxias HCG 87.
Fonte:NASA

Aglomerado Estelar

Aglomerado estelar Messier 69, na constelação Sagittarius.
 
Um aglomerado estelar é um grupo de estrelas cuja interação gravitacional é estreita e pode formar padrões. O comportamento de todos os corpos celestes do aglomerado pode ser observado como se fosse um só corpo. Observando-se a estrutura, o número de estrelas e a distribuição dos grupos em relação ao núcleo galáctico, vê-se que existem dois padrões de classificação dos aglomerados: os aglomerados abertos e os aglomerados globulares. Os Aglomerados estelares abertos, antigamente chamados de aglomerados galácticos, são sistemas estelares ou aglomerações de corpos celestes cuja forma é irregular e englobam centenas de estrelas.
 
Na maioria dos casos são estrelas jovens, azuis e brilhantes, e muitas vezes há também alguma nebulosidade. O mais conhecido exemplo são as Plêiades, em Touro. Aglomerados globulares são aqueles que tem um formato aparente esférico e cujo interior é muito denso e rico em estrelas antigas, podendo, inclusive, ter até um milhão de estrelas, mantidas juntas pela ação da gravidade. Geralmente localizam-se longe do plano galáctico e, às vezes, muito além disso, no distante espaço intergaláctico. Nestes aglomerados encontram-se estrelas mais antigas, e nenhum gás ou poeira.   
     
Omega Centauro
Apesar de não ser uma estrela, mas sim um aglomerado globular de estrelas, é visível a olho nu na constelação de Centauro, como se fosse uma estrela meio "desfocada". Este aglomerado está em órbita da nossa galáxia, a Via Láctea, e está a 18300 anos-luz da Terra, e contém vários milhões de estrelas.
Fonte:Wikipédia

Aglomerado globular - NGC104 (47tucanae)

Trata-se de um grande aglomerado globular, extremamente compacto, magnitude 4, visível mesmo a olho nu, é o segundo globular mais brilhante do céu. Visualmente fica bem próximo à Pequena Nuvem de Magalhães, mas é um objeto da nossa galáxia. Situa-se a 13400 anos-luz do sistema solar, com diâmetro de 120 anos-luz.

M13
O Grande Aglomerado Globular de Hércules (também conhecido como M13, ou NGC 6205) foi descoberto por Edmond Halley em 1714, e catalogado por Charles Messier em 01 de Junho de 1764. Com uma magnitude aparente de 5.8, é muito fracamente visível a olho nu em uma noite de céu limpo e sem poluição luminosa. Seu diâmetro real é de cerca de 145 anos-luz, e possui várias centenas de milhares de de estrelas. M13 fica a 25 mil anos-luz da Terra. Seu diâmetro aparente é de 17 minutos de arco e é facilmente visível com um pequeno telescópio ou binóculo, mesmo na cidade.
Fonte:Wikepédia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...