Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 3, 2009

O que é uma Nebulosa Planetária

Imagem
NGC 6543, Nebulosa Olho de gato Uma nebulosa planetária é um objecto astronómico que é constituido por um invólucro brilhante de gases e plasma, formado por certos tipos de estrelas no período final do seu ciclo de vida. Não estão de todo relacionadas com planetas; o seu nome é originário de uma suposta similitude de aparência com planetas gigantes gasosos. Têm um período de existência pequeno (dezenas de milhares de anos) quando comparado com o tempo de vida típico das estrelas (vários bilhões de anos). Existem cerca de 1500 destes objectos na nossa galáxia.
As nebulosas planetárias são objectos importantes em astronomia por desempenharem um papel na evolução química das galáxias, libertando material para o meio interestelar, enriquecendo-o com elementos pesados e outros produtos de nucleossíntese (carbono, nitrogênio, oxigénio e cálcio). Noutras galáxias, as nebulosas planetárias poderão ser os únicos objectos observáveis de maneira a poderem ser retiradas informações acerca da abundâ…

Observações de Nebulosa planetárias

Imagem
As nebulosas planetárias são geralmente objectos ténues e nenhum é visível a olho nu. O primeiro destes objectos a ser descoberto foi a nebulosa de Dumbbell na constelação de Vulpecula, observado por Charles Messier em 1764 e listado como M27 no seu catálogo astronómico. Para os primeiros observadores (com telescópios de baixa resolução), M27 e outras nebulosas a seguir descobertas, assemelhavem-se a gigantes gasosos. William Herschel, que descobriu o planeta Urano, chamou-lhes 'nebulosas planetárias' apesar de não terem qualquer semelhança com planetas.
NGC 2392, Nebulosa do Esquimó
Tempo de vida   Os gases das nebulosas planetárias afastam-se da estrela central a uma velocidade aproximada de alguns quilómetros por hora. Simultaneamente à expansão dos gases, a estrela central arrefece à medida que irradia a sua energia - as reacções de fusão pararam porque a estela não tem a massa necessária para gerar no seu núcleo as temperaturas requeridas para se dar a fusão de carbono e oxi…

Nebulosas Difusas

Imagem
As nebulosas brilhantes - são, geralmente, vastas concentrações de gás e de poeira em que as estrelas estiveram ou estão sendo formadas. Há três tipos principais de nebulosas difusas luminosas:
Nebulosa de Emissão - Nuvens interestelares de hidrogênio incandescente por causa da intensa radiação de estrelas quentes, dentro da nebulosa. As nebulosas de emissão são tipicamente vermelhas.
Nebulosa de Reflexão - As nuvens de gás e de poeira não emitem nenhuma luz própria, mas brilham porque refletem a luz das estrelas próximas. As nebulosas de reflexão são tipicamente azuis.
Remanescente de Supernova - Uma estrela supermassiva, no fim de sua vida, explodirá, ejetando suas camadas exteriores no espaço interestelar. O exemplo mais famoso é a Nebulosa do Caranguejo, que é o resto da supernova que explodiu em 1054. Três nebulosas famosas. Na esquerda está a nebulosa do Casulo (IC 5146) - uma densa nebulosa de emissão em Cygnus. No meio está M78 - uma nebulosa de reflexão perto da nebulosa de Ori…

Nebulosa Tromba de Elefante (IC 1396)

Imagem
Esta imagem da nebulosa "Tromba de Elefante" é uma das primeiras imagens obtidas pelo novo telescópio espacial Spitzer. Obtida na região do infravermelho do espectro electromagnético, esta imagem põe a descoberto diversas estrelas jovens em formação nesta região extremamente interessante situada a cerca de 2450 anos-luz de distância. O Telescópio Espacial Spitzer era anteriormente conhecido como Space Infrared Telescope Facility (SIRTF) e tem como objectivo o estudo do Universo na região do infravermelho. Fonte:W. Reach (SSC/Caltech), JPL, Caltech, NASA. Telescópio: Spitzer Space Telescope.

Nebulosa N159

Imagem
Crédito: M. Heydari-Malayeri (Paris Observatory), WFPC2, HST, ESA, NASA.Telescópio: Telescópio Espacial Hubble (HST). Na sua procura de estrelas maciças, o Telescópio Espacial Hubble penetrou no interior de mais uma região espectacular de formação de estrelas. Esta nebulosa, designada N159, tem mais de 150 anos-luz de extensão e situa-se na nossa galáxia vizinha Grande Nuvem de Magalhães. As razões para a sua forma bipolar são ainda desconhecidas. Fonte: Portal do Astronomo

A galáxia de Andrómeda (M 31)

Imagem
Porque é que a galáxia de Andrómeda tem um anel gigante à sua volta? Vista no ultra-violeta, M 31 parece mais uma galáxia anelar do que uma galáxia espiral. De facto, nesta imagem obtida pelo satélite GALEX, lançado no passado mês de. Abril, é bem patente a existência de um anel de estrelas jovens e de várias regiões de formação de estrelas. A origem deste anel com mais de 150000 anos-luz de extensão é desconhecida. A galáxia Andrómeda encontra-se a mais de 3 milhões de anos-luz de distância e é suficientemente brilhante para ser visível ,mesmo sem a ajuda de binóculos, na direcção da constelação com o mesmo nome. Crédito: GALEX, Caltech, NASA. Telescópio: GALaxy Evolution Explorer (GALEX).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...