Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2010

V838 Monocerotis

Imagem
V838 Monocerotis e os ecos da luz. Imagem do Telescópio Espacial Hubble. V838 Monocerotis é uma estrela hipergigante vermelha, localizada na constelação de Monoceros, com uma magnitude aparente de +15,74. É indicada como uma das estrelas mais estranhas da Via-Láctea, e uma das mais brilhantes de nossa Galáxia. É uma estrela variável, a uma distância de aproximadamente 20.000 anos-luz do Sol (6 kpc). A estrela provou um grande erupção em 2002. Originalmente, era um típica nova, por causa das erupções, está completamente diferente. Ocorreram várias erupções seguidas, incluindo uma erupção estelar relatando um processo de morte e fundiu-se de uma estrela binária ou planetas. Fonte:Portal do Astronomo

Aglomerado aberto Híades

Imagem
Nas proximidadesdas Plêiades, é possível observar outro aglomerado aberto, ainda que menos espetacular: as Híades. Na mitologia grega, as Híades eram filhas de Atlas e Etera, e, portanto irmãs das Plêiades pelo lado paterno. Os antigos acreditavam que o nascer e o pôr helíaco das Híades estavam associados às chuvas. A palavra Híades significa literalmente água ou chuva. As Híades têm um formato em "V" simbolizando a cara do Touro, com a estrela Aldebarã representando um olho. Aldebarã, na realidade, não pertence ao aglomerado das Híades, mas devido ao efeito de superposição, é impossível não associá-los, pois as suas estrelas distribuem-se, aparentemente, em torno dela. Mas isso não passa de um efeito de perspectiva - enquanto Aldebarã se situa a 60 anos-luz da Terra, as Híades encontram-se a 150 anos-luz. Ainda assim, as Híades constituem o enxame aberto mais próximo de nós. A rotação aparente da esfera celeste dá-nos a sensação de que Aldebarã e as Híades seguem as Plêiade…

Aglomerado Aberto Plêiades

Imagem
As Plêiades (Objeto Messier 45) são um grupo de estrelas na constelação do Touro. As Plêiades, também chamadas de aglomerado estelar (ou aglomerado aberto) M45 são facilmente visíveis a olho nu nos dois hemisférios e consistem de várias estrelas brilhantes e quentes, de espectro predominantemente azul. As Plêiades tem vários significados em diferentes culturas e tradições. O cluster é dominado por estrelas azuis quentes, que se formaram nos últimos 100 milhões de anos. Há uma nebulosa de reflexão formada por poeira em torno das estrelas mais brilhantes que acreditava-se a princípio ter sido formado pelos restos da formação do cluster (por isto receberam o nome alternativo de Nebulosa Maia, da estrela Maia), mas hoje sabe-se que se trata de uma nuvem de poeira não relacionada ao aglomerado, no meio interestelar que as estrelas estão atravessando atualmente. Os astrônomos estimam que o cluster irá sobreviver por mais 250 milhões de anos, depois dos quais será dispersado devido à interaç…

Galáxia anã

Imagem
A UGC 5497 uma galáxia anã Uma galáxia anã é uma pequena galáxia composta de até alguns bilhões de estrelas - um número pequeno se comparado à nossa galáxia, a Via Láctea, de estimadas 200-400 bilhões de estrelas. Há muitas galáxias anãs no Grupo local - essas galáxias frequentemente orbitam galáxias maiores, como Andrômeda, galáxia do Triângulo e a Via Láctea - com as Nuvens de Magalhães. A Grande Nuvem de Magalhães, com mais de 30 bilhões de estrelas, é considerada por uns uma galáxia anã, enquanto outros consideram-na uma galáxia comum orbitando a Via Láctea. Fonte: Ciência Diaria

Nuvens de Magalhães

Imagem
As Nuvens de Magalhães são duas galáxias anãs irregulares satélites da nossa Galáxia. Ambas são visíveis a olho nu e apenas no Hemisfério Sul e os mais antigos registros visuais datam de 964 a.C. pelo astrônomo persa Al Sufi. Na Europa, a expedição de Fernão de Magalhães durante a circum-navegação que primeiro observou as nuvens, levando à nomenclatura de Nuvens de Magalhães. As duas galáxias, a Grande Nuvem de Magalhães e a Pequena Nuvem de Magalhães fazem parte do chamado Grupo Local, que abrange também a nossa Galáxia, e que contém um total de 37 objetos conhecidos, distribuídos numa extensão de aproximadamente 4 milhões de anos-luz e cujo centro está localizado entre a Via Láctea e a grande galáxia espiral de Andrômeda (M31 ou NGC 224).
Grande nuvem de Magalhães Características
A Grande Nuvem de Magalhães está localizada a aproximadamente 160,000 anos-luz, e a Pequena Nuvem de Magalhães está localizada à proximadamente 200,000 anos-luz. Até 1994, a Grande Nuvem era considerada o obje…

Galáxia Triangulum

Imagem
NGC 598, também conhecida como M33 e galáxia do Triângulo é uma galáxia espiral localizada a cerca de dois milhões e quatrocentos mil anos-luz (aproximadamente 0,735 megaparsecs) de distância na direção da constelação do Triângulo. Possui entre 40 a 60 mil anos-luz de diâmetro, uma magnitude aparente de 5,5, uma declinação de +30º 39' 37" e uma ascensão reta de 01 horas, 33 minutos e 50,8 segundos. A galáxia NGC 598 foi descoberta em 1764 por Charles Messier, embora existam indícios de que já tivesse sido observada em 1654. Fonte: http://pt.wikipedia.org

Buraco negro estelar

Imagem
Um buraco negro estelar é um buraco negro formado pelo colapso gravitacional de uma estrela massiva (mais de 8 massas solares) ao final de seu tempo de vida (entendido isso como suas reações de fusão estelares). O processo é observado como uma explosão de supernova ou uma explosão de raios gama. Este buraco negro irá ter uma massa de mais de 3 massas solares. O corpo celeste proposto como maior buraco negro estelar que se conhece (até o ano de 2001) possui 14 massas solares. Teoricamente podem existir buracos negros de qualquer massa (relatividade geral). Enquanto menos massa possua, maior deve ser a densidade da matéria para formar un buraco negro. Não existem processos conhecidos que possam produzir buracos negros com uma massa menor que umas poucas vezes a massa do Sol. Se estes existem, são principalmente buracos negros primordiales.
Fonte: Ciência Diaria

Buraco negro supermassivo

Imagem
concepção artística de um buraco negro supermassivo atraindo material estelar. Abaixo: imagens que, acredita-se, demonstram um buraco negro supermassivo atraindo matéria de uma estrela na galáxia RXJ 1242-11. Esquerda: imagens de raios-X, Direita: imagem óptica.
Um buraconegro supermassivo é uma classe de buracos negros encontrados principalmente no centro das galáxias. Ao contrário dos buracos negros estelares que são originados a partir da evolução de estrelas massivas, os buracos negros supermassivos foram formados por imensas nuvens de gás ou por aglomerados de milhões de estrelas que colapsaram sobre a sua própria gravidade quando o universo ainda era bem mais jovem e denso. Os buracos negros supermassivos possuem uma massa milhões ou até bilhões de vezes maior que a massa do Sol. A maioria dos buracos negros supermassivos já catalogados estão em forte atividade, ou seja, continuam atraindo matéria para si, aumentando ainda mais a sua massa.

Formação
Alguns modelos para a formação d…

Buraco negro primordial

Imagem
Um buraco negro primordial é um hipotético tipo de buraco negro que é formado não pelo colapso gravitacional de uma estrela mas pela extrema densidade da matéria presente durante a expansão inicial do universo.De acordo com o modelo do Big Bang quente (também chamado de Modelo Padrão), durante os primeiros poucos momentos após o Big Bang, a pressão e temperatura eram extremamente altas. Sob estas condições, simples flutuações na densidade da matéria podem ter resultado em regiões de densidade suficiente para criar buracos negros. Embora muitas das regiões de alta densidade devem ter se dispersado rapidamente pela expansão do universo, um buraco negro primordial poderia ser estável, persistindo até o presente. Fonte: Wikipédia

Hipernova

Imagem
a estrela η Carinae é uma das mais próximas (8000 a. l.) candidatas a hipernova Uma hipernova é um tipo teórico de supernova produzido quando as estrelas excepcionalmente grandes desmoronam no fim do seu ciclo de vida. Em uma hipernova, o núcleo da estrela desmorona diretamente em um buraco negro e dois jatos extremamente energéticos de plasma são emitidos de seus pólos rotatórios na velocidade próxima a da luz. Esses jatos emitem raios gama intensos e são uma explicação para os estouros de raio gama. Em anos recentes houve um aumento da nossa compreensão destes eventos. Ou seja, assim como as estrelas de massa colossal, de modo que a densidade do buraco negro as atraia, são extremamentes raras, as hipernovas também o são. Fonte: Astronomy.com

Estrela de préons

Uma estrela de preóns é uma estrela compacta hipotética, feita de préons, um grupo de partículas subatômicas que teoricamente poderiam compor os quarks e léptons. Estrelas de preóns teriam altíssimas densidades, excedendo 1020 g/cm³ — intermediárias entre estrelas de nêutrons e buracos negros. Uma estrela de preón teria uma massa comparável com a massa da Terra contida em um volume esférico com cerca de cinco metros de diâmetro. Tais objetos poderiam ser detectados, a princípio, por meio de lentes gravitacionais de raios gamma. A existência de estrelas de preóns potencialmente explicaria a discrepância entre as observações e os cálculos cinemáticos sobre a massa das galáxias que levaram à hipótese da matéria escura. Estrelas de preóns seriam originadas a partir de explosões de supernovas ou a partir do big bang, a pesar de parecer difícil explicar como objetos tão compactos poderiam ser formados desta forma.
Fonte:Wikipédia

Estrela Compacta

Imagem
A Nebulosa de Câncer é uma supernova restante que contém a Pulsar de Câncer uma estrla de nêutron.
Em astronomia, uma estrela compacta (algumas vezes chamado de objeto compacto) é uma estrela que é uma anã branca, uma estrela de nêutron, uma estrela exótica, ou um buraco negro. "Estrela compacta" é geralmente utilizado quando a natureza exata de uma estrela é desconhecida, mas evidências sugerem que ela é muita massiva e possui um pequeno raio, o que leva a uma das possibilidades supracitadas.






Telescópio detecta buraco negro gigante engolindo estrela

Imagem
Instrumento europeu detecta buraco negro à distância recorde de 6 milhões de anos-luz. Concepção artística do fenômeno (Foto: Organização Europeia para a Pesquisa Astronômica no Hemisfério Sul (ESO)) O telescópio da Organização Europeia para a Pesquisa Astronômica no Hemisfério Sul (ESO, na sigla em inglês), detectou em outra galáxia o buraco negro mais distante já encontrado.O corpo celeste está acompanhado por uma estrela que, em breve, será engolida pelo próprio buraco negro. Com uma massa 15 vezes maior que a do Sol, o buraco negro também é o segundo maior buraco negro de massa estelar já encontrado. Ele foi encontrado em uma galáxia em formato de espiral, chamada NGC 300, a seis milhões de anos-luz da Terra. "Esse é o buraco negro de massa estelar mais distante já pesado, e é o primeiro que vemos fora de nossa vizinhança galáctica, o Grupo Local (grupo de galáxias que inclui a Via-Láctea)", afirmou Paul Crowther, professor de astrofísica na Universidade de Sheffield, Grã-…

Upsilon Andromedae b

Imagem
Upsilon Andromedae b é um planeta extra-solar gasoso que a cada 4,62 dias orbita a estrela Upsilon Andromedae, uma estrela semelhante ao Sol que se encontra a cerca de 40 anos-luz da Terra. Descoberto em 1996, Upsilon Andromedae b é um planeta gigante com pelo menos 68,7% da massa de Júpiter, mas ao contrário deste localiza-se muito perto do seu sol e é o planeta mais interior do sistema planetário de Upsilon Andromedae. Upsilon Andromedae b foi o primeiro planeta fora do sistema solar ao qual foi medida a temperatura diurna e nocturna. Usando o telescópio espacial Spitzer, os cientistas verificaram que Upsilon Andromedae b tem diferenças de temperaturas extremamente elevadas: na face virada para o seu sol atinge 1527 graus e na face oposta a temperatura é de 123 graus negativos.

Fonte: NASA

Superaglomerados de galáxias

Imagem
O Superaglomerado Local As observações dos objetos existentes no Universo mostraram aos astrônomos que existe uma estrutura hierárquica no Universo. Como já vimos, as estrelas estão reunidas em aglomerados estelares e em estruturas maiores que chamamos de galáxias. Por sua vez as galáxias interagem gravitacionalmente formando grupos e aglomerados de galáxias. Estudos mais detalhados do universo mostraram que os próprios aglomerados de galáxias também interagem formando os chamados superaglomerados de galáxias. Os superaglomerados de galáxias são estruturas imensas em que os elementos participantes são os aglomerados de galáxias. Os superaglomerados de galáxias são separados no espaço por regiões "vazias", chamadas em inglês de "voids". Mas porque estruturas tão gigantescas como os superaglomerados de galáxias não foram logo descobertas? Note que acima demos as três dimensões da Grande Parede. Para "ver" uma estrutura tri-dimensional no universo é necessári…

Tipos de Estrelas

Imagem
Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio.
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio.

Anã Marron:É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma estr…

Nebulosa NGC 1333

Imagem
Crédito: Jay Lavine e Ali Huang/Adam Block/NOAO/AURA/NSF NGC 1333 é uma região na direção da constelação de Perseu que contém estrelas recém-formadas com menos de um milhão de anos. A densidade do gás e poeira nesta região é grande o suficiente para provocar muitos diferentes efeitos de iluminação e emissão. No lado esquerdo da imagem a luz da brilhante estrela é espalhada e parece principalmente azul. Outras estrelas quase que nem mostram a sua presença devido às nuvens de gás e poeira que bloqueiam a luz. Existem ainda outros fluxos estelares das estrelas bebés nesta imagem e as regiões onde o gás brilha em tons de vermelho são devidas às grandes quantidades de radiação que estas estrelas libertam.

Nuvem molecular de Orionte

Imagem
Na vasto complexo da Nuvem Molecular de Orionte, algumas nebulosas de reflexão azuis são particularmente aparentes. Aqui estão duas das mais proeminentes nebulosas de reflexão - nuvens de poeira iluminadas pela luz reflectida de brilhantes estrelas embebidas. A nebulosa mais famosa é M78, no canto superior direito, catalogada há mais de 200 anos atrás. No canto inferior esquerdo está a menos conhecida NGC 2071. Os astrónomos continuam a estudar estas nebulosas de reflexão para melhor compreender como é que as estrelas no seu interior se formam. O complexo de Orionte situa-se a uma distância de 1,500 anos-luz, contém as Nebulosas de Orionte e da Cabeça de Cavalo, e cobre grande parte da constelação de Orionte.
Fonte: Portal do Astronomo

O Superaglomerado de Virgo ou Superaglomerado Local

Imagem
Como já vimos, a nossa Galáxia faz parte de um grupo de galáxias chamado Grupo Local. Esse Grupo Local, por sua vez, faz parte de uma estrutura ainda maior que é o superaglomerado de galáxias conhecido como Superaglomerado Local ou Superaglomerado de Virgo. O diâmetro do Superaglomerado Local é de cerca de 200 milhões de anos-luz. Ele contém cerca de 100 grupos e aglomerados de galáxias mas é dominado pelo poderoso aglomerado de Virgo que se localiza próximo a seu centro. A partir de análises do efeito gravitacional sobre o movimento das galáxias, os astrônomos estimam que a massa total do Superaglomerado Virgo é cerca de 1015 massas solares ou seja, 2 x 1046 quilogramas. O Grupo Local, do qual a nossa Galáxia faz parte, está localizado próximo à borda do Superaglomerado Local. No entanto, devido à intensa força gravitacional exercida pelo aglomerado de Virgo, o Grupo Local está sendo está sendo lentamente arrastado na direção deste grande aglomerado de galáxias. Fonte:Atlas do Univer…

NGC 1818 - Um aglomerado globular jovem

Imagem
Os aglomerados globulares foram, no passado, bastante abundantes na Via Láctea. Hoje existem apenas cerca de 200. Muitos deles foram destruídos devido aos repetidos encontros uns com os outros, ou com o centro da Galáxia. Os sobreviventes são mais velhos que qualquer fóssil da Terra. Existem muito poucos aglomerados globulares jovens na Via Láctea, pois as condições já não são propícias para eles se formarem. Mas o panorama é diferente na nossa galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães. A imagem mostra um aglomerado globular jovem descoberto no seu seio, designado por NGC 1818. A sua idade estimada é de 40 milhões de anos. Um verdadeiro jovem quando comparado com os aglomerados com 12 mil milhões de anos de idade da nossa Galáxia. Fonte: http://www.portaldoastronomo.org

Supernova Cassiopeia A

Imagem
A luz emitida pela supernova Cassiopeia A ilumina a poeira ambiente à sua volta. À medida que o tempo passa, a poeira mais afastada vai-se iluminando, dando a sensação de movimento, e proporcionando a captação de imagens como esta. Esta imagem é uma composição de imagens de raios-X, de infravermelho e imagens ópticas. As imagens de infravermelho foram obtidas pelo Telescópio Espacial Spitzer e permitiram a descoberta dos diferentes ecos de luz. Cassiopeia A estende-se por cerca de 125 anos-luz e situa-se a mais de 10000 anos-luz de distância, na direcção da constelação Cassiopeia que lhe dá o nome.
Fonte:Portal do Astronomo

Nebulosa IC2118

Imagem
Esta nebulosa de reflexão, IC2118, situada a cerca de 1000 anos-luz de distância, está associada à estrela Rigel da constelação de Orion. O seu brilho deve-se a luz reflectida proveniente de Rigel que se situa fora da imagem, na direcção do canto superior direito. Os grãos de poeira que constituem a nebulosa reflectem mais eficientemente a luz azul do que a luz vermelha, dando este tom azulado à nebulosa. Crédito: Bernhard Hubl

Colapso gravitacional

Colapso gravitacional é o fenômeno que ocorre quando uma objeto muito massivo (normalmente uma estrela) deixa de realizar fusão nuclear de seus elementos químicos já esgotados, sucumbindo sobre si mesmo. No caso das estrelas, geram uma anã branca se o processo se estabiliza, ou então explodem, gerando uma supernova no caso de uma instabilidade em seu núcleo no ato do colapso. Outros corpos celestes com massa da ordem de seis vezes a do nosso Sol acabam gerando um buraco negro em seu colapso gravitacional, devido ao tamanho da distorção gerada no espaço-tempo.

Radiogaláxia

As radiogaláxias, observadas diretamente, geralmente têm a aparência de uma galáxia elíptica grande, mas, observadas em rádio, normalmente apresentam uma estrutura dupla, com dois lóbulos emissores localizados um em cada lado da galáxia. Uma outra característica de algumas rádiogaláxias é a presença de um jato de matéria saindo de uma fonte central no núcleo da galáxia, possivelmente de partículas carregadas se movendo em um campo magnético. Devido a toda essa movimentação as radiogaláxias podem ser consideradas galáxias anômalas muito ativas (assim como os quasares e as galáxias seyfert), emitindo uma quantidade colossal de ondas de rádio. Centauro A, localizada na constelação do Centauro, é uma das radiogaláxias mais bem estudadas.

Galáxia Seyfert

As galáxias Seyfert, descobertas por Carl Keenan Seyfert em 1943, são um tipo de galáxia que possuem um núcleo muito luminoso equivalente a metade da luminosidade total da galáxia. O espectro nuclear demonstra movimentos muito rápidos no núcleo das galáxias desse tipo. Geralmente, a emissão dessas galáxias sofre variabilidade em períodos relativamente curtos, o que leva a concluir que a fonte emissora deve ser um buraco negro, ou alguma outra coisa também muito compacta. As galáxias Seyfert morfológicamente são simplesmente galáxias espirais com núcleos extremamente brilhantes, mas a atividade próxima ao núcleo é suficiente para classificá-las em um grupo separado. As galáxias Seyfert são muito raras, estima-se que menos de 1% de todas as galáxias do Universo são Seyfert.

O centro da Via Láctea

Imagem
Nesta foto, vemos exatamente o centro da nossa galáxia, conhecida como a Zona Central Molecular e roxo, o arco do centro galáctico rádio. Para além do seu interesse científico, essa imagem ganhou o primeiro prêmio na fotografia de AUI / NRAO em 2008.crédito: A. Ginsburg (U. Colorado - Boulder) et al., equipe BGPS, equipe GLIMPSE II. Na imagem abaixo mostra o infravermelho contra exatamente o centro da nossa galáxia, conhecida como a Zona Central Molecular e roxo, o arco do centro galáctico rádio. Um certo número de emissões nebulosas são visíveis graças aos jovens estrelas massivas que iluminam a partir de dentro. Como quase todas as galáxias, nossa galáxia hospeda um buraco negro central. Este buraco negro de vários milhões de massas solares, é chamado SGR A. O centro galáctico é também casa da região da estrela formação, o mais ativo da galáxia. Os comentários da Namíbia, com o telescópio HESS, revelaram a presença de muito energéticos de raios gama a partir do centro galáctico. Este…

Telescópio Kepler

Imagem
Kepler, do Space Telescope mais de uma tonelada, foi em direção à Via Láctea, March 6, 2009-22 h 48 horas da Flórida, a bordo de um Delta II, em busca de planetas extra-solares ou exoplanetas.
Os planetas que o telescópio de Kepler vai olhar, são exoterres tamanhos pequenos, de 2 a 20 vezes o tamanho da Terra, Corot aqueles que não podem perceber.Em março de 2009, os cientistas dizem ter encontrado 342 exoplanetas, 289 estrelas com planetas e planetas 0 idêntico ao tamanho da Terra. Os 342 planetas são gigantes de gás, na maior parte, mas nenhum na zona habitável. Para atingir esta meta, os americanos lançaram a missão Kepler, concebido para determinar se planetas habitáveis fora do nosso sistema solar.
Kepler vai olhar de perto por três anos e meio, mais de 100 000 estrelas na Via Láctea, localizadas principalmente nas regiões de Cygnus e Lyra. Ele irá detectar planetas que orbitam estrelas semelhantes ao nosso Sol, rochoso, como nossa Terra e também localizado na zona habitável, ist…

Fusão de Galáxias

Imagem
Grandes galáxias crescem, atraindo pequenas galáxias quando passar por perto. De fato, esta prática é comum em todo o universo. A imagem abaixo contra a NGC 1532/1531 galáxia NGC 1532 que se devora o pequeno NGC 1531, ilustra esta prática. Este belo par de galáxias interagindo está na constelação Eridan (o rio). Está localizado a mais de 50 milhões de anos luz, e se estende durante 100 000 anos-luz. A grande galáxia espiral NGC 1532, conquistou a galáxia anã NGC 1531, na sua esfera de influência gravitacional. A pequena galáxia está preso e desesperada luta contra a enorme força gravitacional que a grande galáxia ele. A luta desigual eventualmente derrotar os pequenos NGC 1531, que irá desaparecer em uma fusão com a NGC 1532. NGC 1532/1531 é um inseparável par de galáxias e parece muito disposta no sistema de espiral Whirlpool galáxia conhecida como M51, e seu companheiro NGC 5195. Hubble mostra a força gravitacional de NGC 5194 chamando a sua companheira NGC 5195. A galáxia NGC 1532 …

Galáxia activa NGC 1068

Imagem
Esta imagem da galáxia activa NGC 1068 (M 77) é uma composição de imagens de raios-X (a azul e verde) e do óptico (a vermelho). Regiões de formação de estrelas são observadas nos braços espirais mais centrais da galáxia, tanto em raios-X como no óptico. No centro desta galáxia reside um buraco negro de massa elevadíssima. Gás da vizinhança do buraco negro é lançado para o espaço num vento de alta velocidade, formando uma nuvem alongada, bem visível em raios-X. Esse gás vem, não só dum tórus de gás frio e poeira que rodeia o buraco negro, mas também do disco, mais interior, de gás quente formado pela matéria que cai em espiral para dentro do buraco negro. As observações indicam que estamos a observar o tórus de gás de perfil e vendo efeitos indirectos do buraco negro. NGC 1068 encontra-se a cerca de 50 milhões de anos-luz, na direcção da constelação da Baleia.
Crédito: Raios-X: NASA/CXC/MIT/UCSB/P.Ogle et al.; Óptico: NASA/STScI/A.Capetti et al. Telescópio: Raios-X: Chandra X-Ray Observ…

W5 - "As Montanhas da Criação"

Imagem
O TelescópioEspacial Hubble já nos tinha mostrado os "Pilares da Criação"O Spitzer, um telescópio espacial de infravermelho mostra-nos, agora, as "Montanhas da Criação". Estas massas de gás frio e de poeira cósmica ficam situadas numa região de formação de estrelas designada por W5, na constelação da Cassiopeia. Situam-se a cerca de 7000 anos-luz de distância e têm cerca de 10 vezes o tamanho da região da nebulosa da Águia tornada famosa pelo Hubble. O Spitzer, ao estar equipado com câmaras de infravermelho, consegue penetrar nestas nuvens escuras e detectar imensas estrelas jovens em formação desconhecidas até agora. Isto porque a luz infravermelha consegue viajar através da poeira, enquanto que a luz visível é bloqueada por ela. Além disso, a própria poeira é aquecida pela luz das estrelas circundantes e emite no infravermelho. Crédito: NASA/JPL-Caltech/Harvard-Smithsonian CfA/ESA/STScI. Telescópio: Spitzer Space Telescope (NASA).

Anãs Castanhas no Trapézio

Imagem
Esta imagem obtida com o Telescópio Espacial Hubble mostra uma região de formação estelar no enxame do Trapézio, à 1500 anos-luz, em Orionte. A imagem, em infra-vermelho, mostra cerca de 50 estrelas anãs castanhas, um dos tipos de estrelas mais difíceis de detectar. Anãs castanhas, são normalmente objectos considerados como estrelas que falharam, ou seja, são objectos que não possuem massa suficiente para iniciar no seu interior reacções termonucleares. Crédito: NASA; K.L. Luhman (Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, Cambridge, Mass.); and G. Schneider, E. Young, G. Rieke, A. Cotera, H. Chen, M. Rieke, R. Thompson (Steward Observatory, University of Arizona, Tucson, Ariz.) Telescópio: Telescópio Espacial Hubble

Instrumento: Near Infrared Camera and Multi-Object Spectrometer

Resolvido mistério nos confins do sistema solar

Imagem
Os astrónomos dizem que o nosso Sistema Solar está a passar por uma nuvem de material interestelar que não deveria aqui estar. As velhas sondas Voyager ajudaram a resolver o mistério. A nuvem é denominada "Nuvem Interestelar Local". Tem cerca de 30 anos-luz de diâmetro e contém uma insignificante mistura de átomos de hidrogénio e hélio, de acordo com um comunicado de imprensa da NASA anunciado anteontem. Estrelas vizinhas, que explodiram há cerca de 10 milhões de anos atrás, deveriam ter esmagado ou dispersado esta nuvem.
Então o que está a manter esta nuvem no seu lugar?

"Usando dados das Voyager, descobrimos um forte campo magnético, mesmo para lá do Sistema Solar," explicou Merav Opher, Investigador Heliofísico convidado pela NASA, da Universidade George Mason. "Este campo magnético sustém a nuvem interestelar e resolve o antigo mistério da sua existência."  A nuvem é muito mais magnetizada do que se pensava anteriormente," afirma Opher. "Este …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...