segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Grupos de Galáxias

Galáxias
Todos os objetos até agora vistos se encontram dentro de uma estrutura chamada de Galáxia, com "G" maiúsculo, representando o conjunto que nós estamos. Portanto uma galáxia é um conjunto de estrelas, planetas, aglomerados, nebulosas, poeira e gases, que estão confinados num pedaço do espaço sideral. São como ilhas no Oceano. A nossa Galáxia é por vezes chamada de Via Láctea, e estima-se que ela tenha cerca de 100 000 anos luz de diâmetro, 16000 anos luz de espessura e 100 bilhões de estrelas. Existem milhões de galáxias no Universo, de todos os tamanhos, de todas as formas, perto e distante de nós. Galáxias, de acordo com o formato são classificadas em espirais, barradas, elípticas e irregulares. A nossa Galáxia, acredita-se, é uma espiral, ou seja, é parecida com um redemoinho, ou um ralo de pia ao escorrer água. Um exemplo de espiral é a galáxia de Andrômeda, que possui 400 bilhões de estrelas e 200 000 anos luz de diâmetro; esta é a galáxia de grande porte mais próxima da nossa, e está a 2,2 milhões de anos luz de distância. Outro exemplo de galáxia espiral é o "Sombrero", em Virgem, que é vista de perfil da Terra. Outro tipo é a barrada, que é uma espiral cujo núcleo emite barras de estrelas, e daí os braços. São exemplos: NGC 1365; NGC 1300, M81, NGC 1530, etc. As elípticas são as maiores e mais velhas do universo. A galáxia M87 é a maior galáxia conhecida, com 1 trilhão de estrelas, é do tipo elíptica, mas é quase totalmente esférica. As elípticas vão do formato esférico até as achatadas, chamadas lenticulares. Já as do tipo irregulares não têm forma definida, como o próprio nome sugere. São exemplos: a Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães, galáxias satélites à nossa; NGC 55, na constelação do Escultor; a M82 em Ursa Maior; etc. É importante ressaltar que todas as outras galáxias existentes no Universo se encontram fora da nossa própria Galáxia, a Via Láctea.

Grupos de Galáxias

No Cosmos, as maiorias dos objetos tendem a se agruparem. Seja em sistemas planetários (grupos de planetas luas e estrelas), seja em sistemas estelares (binárias, triplas, etc.), em aglomerados de estrelas (abertos ou globulares), ou seja, em galáxias, enormes aglomerados os quais englobam todos os tipos de objetos. Nesse sentido, nada mais natural que as galáxias se agrupassem. Pois isso acontece. As galáxias formam grupos, que possuem vários tamanhos e variam em quantidade de elementos.

GRUPO

Um grupo é um conjunto de galáxias, onde pelo menos 12 (doze) delas são mais luminosas que a magnitude absoluta -16, e que estão contidas num volume mínimo de 1 (um) Mpsc (mega-parsec) de raio. Essa concentração de estrelas representa cerca de 10 vezes a densidade de fora do grupo.

O GRUPO LOCAL DE GALÁXIAS
A nossa Galáxia, a Via Láctea, também pertence a um grupo, chamado apropriadamente de Grupo Local. Ele é uma região que abrange as galáxias existentes dentro de um raio de 1,3 Mpsc, a partir da nossa Galáxia.
A galáxia de Andromeda - A maior galáxia no grupo local. Também são visíveis suas duas galáxias satélites, M32 (à esquerda) e NGC 205 (direita inferior).
Numa listagem, conferimos os constituintes do Grupo. Existem duas galáxias espirais gigantes, Andrômeda (M31) e a Via Láctea; duas de tamanho médio, a galáxia do Triângulo (M33) e a Grande Nuvem de Magalhães; uma pequena elíptica, M32 (satélite de Andrômeda); cerca de meia dúzia de pequenas galáxias irregulares; uma dúzia de galáxias anãs e vários objetos do tamanho de aglomerados globulares. Todos perfazem um total de cerca de 30 objetos, observados. Não há uma concentração central no nosso Grupo, existem sim dois subgrupos, centrados na nossa Galáxia e em Andrômeda. Estas duas por si só concentram 70% da massa total do Grupo, a qual equivale a cerca de 650 bilhões de massas solares. Dada essa distribuição de massas, o centro do nosso Grupo encontra-se quase à metade da distância entre a nossa Galáxia e a galáxia de Andrômeda (cerca de 2,2 milhões de anos-luz), e a Via Láctea se afasta dele com uma velocidade de cerca de 137 km/s. A partir desses dados, é calculada uma massa, chamada massa dinâmica, que possui uma magnitude 4 (quatro) vezes maior que a observada. Isso nos leva a concluir que existe mais massa que a observada, mas onde ela estaria? Parte pode ser encontrada em galáxias invisíveis da Terra, devido, basicamente, a dois motivos: Galáxias podem estar atrás da nossa, ou seja, o plano galáctico impede a detecção de possíveis objetos que estejam naquela posição; Galáxias anãs não são facilmente detectadas quando se encontram além da distância que nos separa de Andrômeda. Desse modo, estima-se que o número total de objetos contidos no nosso Grupo Local chegue à cifra de 100 (cem). Além do nosso Grupo, existem vários outros aglomerados de galáxias espalhados pelo Cosmo, e na nossa vizinhança encontramos os dois mais próximos, que são o grupo do Escultor a 2,4 Mpsc de distância e o grupo da Ursa Maior-Camaleão a 3,0 Mpsc distante.

ALÉM DOS GRUPOS

Se a nossa escala de tamanho se ampliasse, iríamos nos deparar com grupos de grupos de grupos e assim por diante, até chegarmos aos superaglomerados de galáxias e às estruturas filamentares do universo, onde cada superaglomerado é mostrado como um mísero pontinho num esquema desenhado.
Fonte: www.cdcc.usp.br  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você achou interessante essa postagem deixe seu comentario!