Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 26, 2010

NGC 1818 - Um aglomerado globular jovem

Imagem
Os aglomerados globulares foram, no passado, bastante abundantes na Via Láctea. Hoje existem apenas cerca de 200. Muitos deles foram destruídos devido aos repetidos encontros uns com os outros, ou com o centro da Galáxia. Os sobreviventes são mais velhos que qualquer fóssil da Terra. Existem muito poucos aglomerados globulares jovens na Via Láctea, pois as condições já não são propícias para eles se formarem. Mas o panorama é diferente na nossa galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães. A imagem mostra um aglomerado globular jovem descoberto no seu seio, designado por NGC 1818. A sua idade estimada é de 40 milhões de anos. Um verdadeiro jovem quando comparado com os aglomerados com 12 mil milhões de anos de idade da nossa Galáxia. Fonte: http://www.portaldoastronomo.org

Supernova Cassiopeia A

Imagem
A luz emitida pela supernova Cassiopeia A ilumina a poeira ambiente à sua volta. À medida que o tempo passa, a poeira mais afastada vai-se iluminando, dando a sensação de movimento, e proporcionando a captação de imagens como esta. Esta imagem é uma composição de imagens de raios-X, de infravermelho e imagens ópticas. As imagens de infravermelho foram obtidas pelo Telescópio Espacial Spitzer e permitiram a descoberta dos diferentes ecos de luz. Cassiopeia A estende-se por cerca de 125 anos-luz e situa-se a mais de 10000 anos-luz de distância, na direcção da constelação Cassiopeia que lhe dá o nome.
Fonte:Portal do Astronomo

Nebulosa IC2118

Imagem
Esta nebulosa de reflexão, IC2118, situada a cerca de 1000 anos-luz de distância, está associada à estrela Rigel da constelação de Orion. O seu brilho deve-se a luz reflectida proveniente de Rigel que se situa fora da imagem, na direcção do canto superior direito. Os grãos de poeira que constituem a nebulosa reflectem mais eficientemente a luz azul do que a luz vermelha, dando este tom azulado à nebulosa. Crédito: Bernhard Hubl

Colapso gravitacional

Colapso gravitacional é o fenômeno que ocorre quando uma objeto muito massivo (normalmente uma estrela) deixa de realizar fusão nuclear de seus elementos químicos já esgotados, sucumbindo sobre si mesmo. No caso das estrelas, geram uma anã branca se o processo se estabiliza, ou então explodem, gerando uma supernova no caso de uma instabilidade em seu núcleo no ato do colapso. Outros corpos celestes com massa da ordem de seis vezes a do nosso Sol acabam gerando um buraco negro em seu colapso gravitacional, devido ao tamanho da distorção gerada no espaço-tempo.

Radiogaláxia

As radiogaláxias, observadas diretamente, geralmente têm a aparência de uma galáxia elíptica grande, mas, observadas em rádio, normalmente apresentam uma estrutura dupla, com dois lóbulos emissores localizados um em cada lado da galáxia. Uma outra característica de algumas rádiogaláxias é a presença de um jato de matéria saindo de uma fonte central no núcleo da galáxia, possivelmente de partículas carregadas se movendo em um campo magnético. Devido a toda essa movimentação as radiogaláxias podem ser consideradas galáxias anômalas muito ativas (assim como os quasares e as galáxias seyfert), emitindo uma quantidade colossal de ondas de rádio. Centauro A, localizada na constelação do Centauro, é uma das radiogaláxias mais bem estudadas.

Galáxia Seyfert

As galáxias Seyfert, descobertas por Carl Keenan Seyfert em 1943, são um tipo de galáxia que possuem um núcleo muito luminoso equivalente a metade da luminosidade total da galáxia. O espectro nuclear demonstra movimentos muito rápidos no núcleo das galáxias desse tipo. Geralmente, a emissão dessas galáxias sofre variabilidade em períodos relativamente curtos, o que leva a concluir que a fonte emissora deve ser um buraco negro, ou alguma outra coisa também muito compacta. As galáxias Seyfert morfológicamente são simplesmente galáxias espirais com núcleos extremamente brilhantes, mas a atividade próxima ao núcleo é suficiente para classificá-las em um grupo separado. As galáxias Seyfert são muito raras, estima-se que menos de 1% de todas as galáxias do Universo são Seyfert.

O centro da Via Láctea

Imagem
Nesta foto, vemos exatamente o centro da nossa galáxia, conhecida como a Zona Central Molecular e roxo, o arco do centro galáctico rádio. Para além do seu interesse científico, essa imagem ganhou o primeiro prêmio na fotografia de AUI / NRAO em 2008.crédito: A. Ginsburg (U. Colorado - Boulder) et al., equipe BGPS, equipe GLIMPSE II. Na imagem abaixo mostra o infravermelho contra exatamente o centro da nossa galáxia, conhecida como a Zona Central Molecular e roxo, o arco do centro galáctico rádio. Um certo número de emissões nebulosas são visíveis graças aos jovens estrelas massivas que iluminam a partir de dentro. Como quase todas as galáxias, nossa galáxia hospeda um buraco negro central. Este buraco negro de vários milhões de massas solares, é chamado SGR A. O centro galáctico é também casa da região da estrela formação, o mais ativo da galáxia. Os comentários da Namíbia, com o telescópio HESS, revelaram a presença de muito energéticos de raios gama a partir do centro galáctico. Este…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...