9 de mar de 2010

Grupo Centaurus A/M83

O Grupo Centaurus A/M83 é um complexo grupo de galáxias nas constelações de Hydra, Centaurus e Virgo. O grupo é divido internamente em dois subgrupos. O subgrupo Cen A, a uma distância de 11.9 milhões de anos-luz (3.66 Mpc), está centrado em torno da galáxia Centaurus A, a mais próxima radiogaláxia. O subgrupo de M83, a uma distância de 14 milhões de anos-luz (4.56 Mpc), está centrada em torno de Messier 83 (M83), uma galáxia espiral em visão frontal.
                                       A galáxia Centaurus A é a maior e mais massiva galáxia no grupo.

Este grupo é identificado com um só grupo e só foram identificado dois grupos.Desde então, algumas referências põem nomes nos dois de: o Grupo Centaurus A e o Grupo M83. Contudo, as galáxias em torno de Centaurus A e as galáxias em torno de M83 estão fisicamente próximas, e os subgrupo não se movem um em relação ao outro.

Menbros

Os membros mais brilhantes do grupo são freqüentemente identificados mais cedo, com a ajuda nas examinações das identificações.Contudo, muitas das galáxias anãs no grupo foram identificadas com estudos mais intensos. Uma das primeiras identificações dos 145 objetos em luz óptica foram feitas pelo UK Schmidt Telescope, depois com emissões na linha de hidrogênio com o Parkes Radio Telescope e, por último, na linha espectral de hidrogênio-alfa com Siding Spring 2.3 m Telescope. Foram identificadas 20 galáxias anãs como membros do grupo.O HIPASS Survey, detectou emissões de rádio na linha espectral de hidrogênio, adicionando cinco galáxias não catalogadas no grupo e também cinco galáxias catalogadas antes como membros.Uma galáxia anã adicional foi identificada como um membro do grupo pelo HIDEEP Survey, sendo detectada por uma intensiva emissão de rádio na linha de hidrogênio em uma pequena região do céu. Algumas examinações ópticas detectaram mais 20 objetos candidatos a serem membros do grupo.
Fonte:Wikipédia

Constelação Centaurus

Centaurus (Cen), o Centaurus, é uma constelação do hemisfério celestial sul. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Centauri. Proxima Centauri é a estrela mais próxima do Sistema Solar. Além disso, um dos objetos distantes localizados nesta constelação, a Nebulosa do Bumerangue, é o local mais frio conhecido pela ciência, a apenas 1 kelvin (-272 °C). Também se encontra o maior aglomerado globular da nossa galáxia: Omega Centauri, que contém mais de 10 milhões de estrelas. As constelações vizinhas são Hydra, Antlia, Vela, Carina, Musca (duas fronteiras, com Crux entre elas), Circinus e Lupus.
Fonte:Wikipédia

Nova imagem da constelação de Cassiopeia mostra "Nebulosa Coração"

Este mosaico de imagens infravermelhas mostra a constelação de Cassiopeia contém uma enorme nebulosa formadora de estrelas, chamada IC 1805, apelidada de "Nebulosa Coração". Ela, que fica a mais de 6 mil anos-luz da Terra, está próxima a duas outras galáxias, a Maffei 1 e Maffei 2. As "companheiras" da Coração ficam escondidas em sua poeira cósmica e eram desconhecidas até 1968 quando Paolo Maffei as encontrou usando observações infravermelhas. As duas galáxias possuem bilhões de estrelas e algumas estão localizadas a 10 milhões de anos-luz. De acordo com a Nasa (Agência Espacial Americana), que captou as imagens, a Maffei 1 é uma galáxia lenticular, que possui uma estrutura em forma de disco e uma protuberância central, mas nenhuma estrutura central ou poeira apreciável. A galáxia Maffei 2 possui um formato espiral e também tem uma estrutura em forma de disco, mas com uma "barra" central e dois braços laterais em formato espiral empoeirados.
Fonte:ultimosegundo.ig.com.br

Telescópio registra regiões ocultas de nebulosa de Órion




O Observatório do Sul Europeu (ESO) divulgou  uma imagem inédita da Nebulosa de Órion. O instrumento conseguiu captar áreas que ficam escondidas na poeira estelar.
A Nebulosa de Órion é considerada um berçário de estrelas e fica a 1.350 anos-luz da Terra. Apesar de ser espetacular quando vista de um telescópio comum, o que se vê é apenas uma parte de uma nuvem de gases onde as estrelas estão se formando. Através do radar infravermelho do telescópio Vista, do ESO, foram registradas áreas da nebulosa que não podem ser captadas pelo olho humano.

Fonte:ultimosegundo.ig.com.br


Fobos satélite de Marte

Fobos é uma das duas luas de Marte. Fobos é a maior e a mais próxima lua de Marte. Fobos foi descoberto por Asaph Hall em 18 de Agosto de 1877, justamente 6 dias após a descoberta de seu parceiro Deimos.´Fobos é, em todo o Sistema Solar, o satélite que orbita mais próximo do planeta-mãe: menos de seis mil quilômetros acima da superfície marciana. Encontra-se, por isso, abaixo da órbita síncrona para Marte. Por esse motivo, a sua órbita vai descendo a um ritmo de 1,8 m por século. Assim, dentro de 50 milhões de anos pode ocorrer uma de duas coisas: ou Fobos se despenha sobre Marte ou, o que é mais provável, antes que isso aconteça as forças gravitacionais destruirão o satélite criando um anel à volta de Marte. Os astrônomos supõem que o satélite era provalmente um asteróíde que foi capturado pela força de gravidade do planeta. A outra lua Deimos e também algumas luas de Netuno, acreditam-se também que eram asteróides que foram capturados.
Replesentação de Marte visto da
superfície de Fobos

Seu formato é bastante irregular, assemelhando-se a uma imensa batata e alguns asteróides. É formado por uma rocha escura rica em carbono (condrito carbonáceo), no entanto, sua densidade é baixa, mostrando que Fobos não deve ser constituído por rocha pura e sim por uma mistura de rocha e gelo. Devido a sua cor escura, Fobos reflete pouca luz solar, cerca de 7%, sendo, portanto, de difícil visualização. Por isso é classificado como um corpo celeste tipo C; os mais escuros do cosmos. Fobos nasce no oeste de Marte e se põe no leste, levando 7 horas e 26 minutos para completar sua órbita em torno do planeta. Logo, Fobos dá três voltas ao redor de Marte durante um dia marciano (ou seja, a lua nasce e põe-se três vezes durante um dia). O período de rotação de Fobos também é 7 horas e 26 minutos, ficando deste modo, com a mesma face voltada para Marte. Um observador em um lado da superfície de Fobos verá Marte cobrindo quase todo o céu, enquanto que um observador no outro lado, verá somente a escuridão do cosmos. Visto da superfície de Marte, Fobos tem um brilho semelhante ao planeta Vênus, observado da Terra.Outra caracteristica importante é que Fobos orbita Marte na linha do equador sendo invisível em latitudes superiores a 70°, tanto ao norte quanto ao sul. Além disso, Fobos projeta sua sombra sobre a superfície marciana cerca de 1330 vezes por ano.
Fonte:Wikipédia e Planetmars.sitie.uol.com.br

Deimos satélite de Marte

Deimos é a menor e mais afastada das duas luas de Marte. É, também, a menor lua reconhecida do sistema solar. Seu nome é grego. Deimos era um dos filhos de Ares e Afrodite; deimos, em grego, significa terror.
A lua foi descoberta – junto com Fobos, o outro satélite de Marte – em agosto de 1877 por Asaph Hall e fotografado pela Viking 1 em 1977. Deimos tem um formato bastante irregular e acredita-se que se trate de um asteróide que foi perturbado de sua órbita por Júpiter e que acabou por ser capturado pela gravidade de Marte, passando a ser seu satélite.
Características principais
Por ser pequeno, Deimos não apresenta uma forma esférica, possuindo dimensões muito irregulares. É composto por rochas ricas em carbono, tal como muitos asteróides, e gelo. A sua superfície apresenta um número razoável de crateras mas, relativamente a Fobos, é muito mais lisa, consequência do preenchimento parcial das crateras com rególito (rochas decompostas). As maiores crateras deste satélite são Swift e Voltaire que medem, aproximadamente, 30 km de diâmetro.
Visto de Deimos, Marte surge no céu como um objecto 1000 vezes maior e 400 vezes mais brilhante do que a Lua cheia, como é observada da Terra.
Visto de Marte, Deimos surge como um pequeno ponto no céu, difícil de distinguir das outras estrelas embora, no seu máximo brilho, possua um brilho equivalente a Vênus (tal como é visto da Terra).
Deimos leva 30 horas para dar uma volta completa ao redor de Marte, sendo este também o seu tempo de rotação. Conseqüentemente, como a maioria das luas do sistema solar, Deimos fica sempre com a mesma face voltada para Marte. Como sua inclinação em relação ao eixo equatorial de Marte é de apenas 1,72°, Deimos não pode ser visto em latitudes superiores a 82° tanto ao norte quanto ao sul. Deimos leva 30 horas para dar uma volta completa ao redor de Marte, sendo este também o seu tempo de rotação. Conseqüentemente, como a maioria das luas do sistema solar, Deimos fica sempre com a mesma face voltada para Marte. Como sua inclinação em relação ao eixo equatorial de Marte é de apenas 1,72°, Deimos não pode ser visto em latitudes superiores a 82° tanto ao norte quanto ao sul.
A exploração de Deimos
Como Fobos, a pouca quantidade de luz refletida por Deimos, atrasou sua descoberta. Mesmo após sua presença ser prevista por Kepler em 1610, só em 10 de agosto de 1877 sua descoberta foi divulgada por Asaph Hall e sua esposa.
As poucas imagens de Deimos foram feitas pela missão Viking 2 em 1977. Ao contrário de Fobos, nenhuma missão foi enviada especificamente para estudar Deimos.
Gravura de Marte visto da superfície de Deimos 
Fonte:Wikipédia e Planetmars.sitie.uol.com.br

Enxame de galáxias da Cabeleira de Berenice

Quase todos os objectos visíveis na imagem são galáxias. Este aglomerado de galáxias é conhecido como enxame da Cabeleira de Berenice e é um dos mais densos aglomerados de galáxias que se conhece, contendo milhares de galáxias. Note-se que cada uma destas galáxias contém tantas estrelas quanto a nossa própria Galáxia. Apesar de estar relativamente próximo quando comparamos com as distâncias de outros aglomerados, a luz destas galáxias viaja centenas de milhões de anos para chegar até aos nossos telescópios.
Crédito: UK Schmidt Telescope&Skyview.
Telescópio: UK Schmidt Telescope.
Fonte:portaldoastronomo.org
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...