Postagens

Mostrando postagens de Abril 1, 2010

Explosão de raios-gama.

As explosões de raios-gama são misteriosos flashes de radiaçãode alta energia (radiaçãogama) que aparecem no céu de direcções  perfeitamente aleatórias. Desde que foram descobertas (na década de 60), estes fenómenos desafiam a astronomia. A sua distribuição uniforme no céu parece indicar que devem ter origem em regiões longínquas do universo. No entanto, e embora várias teorias tenham já sido propostas, nenhuma até hoje foi capaz de explicar a origem destas misteriosas explosões.
Agora, uma explosão recentemente detectada adensou ainda mais o mistério, e deixou os astrónomos perplexos. Esta foi detectada pelo satélite de raios-gama BeppoSAX, sendo de seguida observada noutros comprimentos de onda com o auxílio de vários telescópios. Em particular, observações com o telescópio Keck II (no Hawaii) mostraram que a radiação proveniente desta explosão provinha da direcçãode uma galáxia extremamente longínqua, a cerca de 12 mil milhões de anos luz de distância. Tendo em conta esta distância …

Aglomerado de galáxias CL0024+1654

Imagem
Esta imagem é um mapa da distribuição de massa no enxame de galáxias CL0024+1654, obtido através de um vasto programa de observações realizado com o telescópio Hubble. A imagem a cores é o resultado da combinação de duas imagens: uma imagem a vermelho, referente à distribuição das galáxias, e uma a azul, referente à distribuição da matéria escura. Esta última foi obtida recorrendo-se a modelos de matéria escura. A matéria escura, tal como o nome indica, é matéria que não é visível, mas cuja presença é inferida através dos seus efeitos gravitacionais sobre o meio envolvente. Neste caso, a matéria escura parece funcionar como uma "cola", mantendo o enxame agregado. Pensa-se que cerca de 90% da matéria do Universo deverá estar sob a forma de matéria escura, sendo a sua natureza ainda fonte de mistério e discussão. Crédito: European Space Agency, NASA & Jean-Paul Kneib (Observatoire Midi-Pyrénées, France/Caltech, USA). Telescópio: Telescópio Espacial Hubble (composição). Fonte…

Estrela negra (gravitação semiclássica)

Uma estrela negra é um objeto gravitacional composto de matéria. É uma alternativa teórica ao conceito de buraco negro da relatividade geral. A construção teórica foi desenvolvida através do uso da teoria da gravitação semiclássica. Uma estrutura similar deveria existir também pelo sistema Einstein-Maxwell-Dirac o qual é o limite (super)clássico da eletrodinâmica quântica. Uma estrela negra não necessita ter um horizonte de eventos, e pode ou não ser uma fase transicional entre uma estrela em colapso e uma singularidade. Uma estrela negra é criada qaundo matéria se comprime a uma taxa significativamente mmenor que a velocidade de queda livre de uma partícula hipotética caindo para o centro desta estela, devido ao fato que processos quânticos criam polarização do vácuo, o qual cria uma forma de pressão de degereração, prevenindo o espaço-tempo (e as partículas retidas nele) de ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo. Esta energia é teoricamente ilimitada, e se forma-se rapidamente o sufici…

Ecos no espaço revelam novos ângulos de Supernovas assimétricas

Imagem
Os telescópios baseados na Terra só são capazes de revelar os fenômenos espaciais a partir de um único ponto de vista, centrado no Sistema Solar, mas uma nova técnica pode permitir que cientistas finalmente obtenham uma "perspectiva alienígena" do que se passa no Universo. A equipe de Armin Rest, da Universidade Harvard, está explorando uma supernova de diversos ângulos diferentes. "O mesmo evento parece diferente em diferentes locais da Via-Láctea", disse ele, em nota divulgada pelo Centro Harvard de Astrofísica. A luz da supernova que deixou para trás o remanescente conhecido como Cassiopeia A passou pela Terra há 330 anos, mas outras porções da luminosidade da explosão, que não estavam apontadas diretamente para a Terra e que foram refletidas por nuvens de poeira no espaço, estão chegando agora ao Sistema Solar. Esse eco é o que está sendo detectado.
"Do mesmo modo que os espelhos num closet podem mostrar as roupas que você veste de vários ângulos, as nuvens…

Brincando de Deus

Imagem
Cientistas conseguem fazer feixes de prótons viajarem a uma velocidade próxima à da luz.Cientistas do maior colisor de partículas do mundo, o LHC, conseguiram obter choques de prótons geradores de uma energia de 7 TeV (tera ou trilhão de elétron volts), a energia máxima almejada pelo laboratório. A intenção é recriar as condições que teriam gerado o Big Bang, a explosão que deu origem ao universo conhecido, há quase 14 bilhões de anos.Em novembro, o equipamento já havia atingido a marca de 1,18 TeV – posteriormente, ainda chegando a 2,36 TeV, em 2009 –, e com isso já se tornando o acelerador de partículas de energia mais alta do mundo.– Isto é física em ação, o início de uma nova era, com colisões de 7 TeV – disse Paola Catapano, cientista e porta-voz do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern, em francês), de Genebra, Suíça. Os aplausos foram intensos nas salas de controle quando os detectores do Grande Colisor de Hadrons (LHC, em inglês), instalado na fronteira entre França e Suíça…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...