19 de abr de 2010

Berçário Estelar na Nebulosa de Órion

Os Astrônomos têm virado seus olhos para analisar um grupo aquecido de estrelas jovens, acompanhando seu movimento como se fossem paparazzi cósmicos. Recentemente, o Telescópio Espacial Spitzer da NASA capturou uma nova imagem em infravermelho que mostra a agitada maternidade estelar da Nebulosa de Órion, situada na espada do caçador da constelação de mesmo nome. Assim como as estrelas de Hollywood, estes corpos celestes não brilham sempre na sua plenitude, mas variam sua luminosidade ao longo do tempo. O Spitzer está observando este espetáculo cósmico, ajudando aos cientistas na busca do conhecimento sobre as razões das estrelas mudarem e no entendimento sobre os papéis na formação planetária.
                      Spitzer está acompanhando uma zona específica do berçário estelar na Nebulosa de Órion.
“Este é um projeto de exploração. Nunca havia sido realizado antes, em um comprimento de onda sensível ao calor da poeira que circunda tais estrelas,” afirmou John Stauffer, o cientista líder desta pesquisa elaborada pelo Centro Científico Spitzer da NASA, localizado no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em Pasadena, EUA. “Estamos observando diversas variações, as quais podem ser um resultado dos aglomerados ou das estruturas deformadas nos discos de formação planetária.”
Esta nova imagem foi capturada depois do Spitzer ter ficado sem seu líquido refrigerante, em maio de 2009, ou seja, após o início de sua missão entendida “no quente”. Este líquido refrigerante era usado para esfriar os instrumentos, mas os dois canais infravermelhos de comprimento de onda mais curto ainda tem a capacidade de funcionar regularmente na mais “amena” temperatura de 30º K (-243º C). Agora, nesta no etapa da sua vida, o Spitzer é capaz de passar mais tempo em projetos que cobrem uma área mais abrangente do céu e que necessita de um maior tempo de exposição para atingir os resultados.
Um desses projetos da nova etapa da missão Spitzer é o programa de acompanhamento da “Variabilidade de Objetos Estelares Jovens”, no qual o Spitzer observa repetidamente a mesma zona da Nebulosa de Órion (M42), monitorando rotineiramente o mesmo conjunto de aproximadamente 1.500 estrelas variáveis ao longo do tempo. Neste programa o Spitzer já registrou cerca de 80 imagens desta região da nebulosa ao longo de 40 dias de observações. Está planejada a realização de um segundo conjunto de observações no segundo semestre de 2010, a partir de setembro. As estrelas cintilantes desta região têm cerca de ‘apenas’ um milhão de anos, idade esta que é considerada muito jovem para estrelas, nas escalas cósmicas. Devemos lembrar que nosso Sol, apresenta uma idade de cerca de 4,6 bilhões de anos.

Manchas estelares abundantes

Usualmente, estrelas jovens são instáveis, com níveis de brilho que variam de intensidade muito mais do que as estrelas mais velhas, como o Sol. Além disso, estrelas jovens também giram mais depressa. Por isto, uma das razões para os níveis altos e baixos verificados nos seus brilhos está associada com a existência de manchas estelares mais frias em suas superfícies. Diferentemente do que se possa imaginar, nas estrelas mais jovens a quantidade de manchas estelares é bem maior que as que proliferam na superfície de estrelas mais velhas. As manchas estelares frias aparecem e desaparecem à medida que a estrela jovem gira em torno do seu eixo, mudando a quantidade de luz que chega aos nossos telescópios, daí estas estrelas serem classificadas como variáveis.
O brilho estelar pode também mudar devido a presença de manchas estelares quentes, provocadas pelo gás do disco de acresção que espirala em queda sobre a estrela.
“Nos anos 50 e 60, os astrônomos já sabiam que as estrelas mais jovens variavam e assim postularam que isto tinha algo a ver com o seu processo de formação”, acrescentou Stauffer. “Mais tarde, graças a uso de melhores tecnologias, pudemos entender e aprender mais sobre o papel das manchas estelares.”

Discos protoplanetários enviesados

O Sptizer é particularmente ajustado para estudar ainda outra razão de porque estas estrelas sofrem contínuas mudanças. O olho infravermelho do Spitzer pode vislumbrar os discos de poeira aquecidos que as orbitam. Estes discos são à base da eventual aglomeração e formação planetária em novos sistemas. Quando os discos são jovens, podem ter assimetrias, possivelmente provocadas pela formação planetária ou perturbações gravitacionais de proto-planetas. À medida que os discos enviesados circulam uma estrela jovem, estes também bloqueiam quantidades diferentes da luz estelar.
Ao recolher mais dados sobre estes discos disformes que circulam as estrelas jovens, Stauffer e a sua equipe esperam aprender mais sobre o desenvolvimento dos sistemas estelares e o drama contínuo da formação de planetas em uma grande família estelar.
Creditos:NASA/Spitzer
Space.com

Charles Messier

Charles Messier nasceu na França em 26 de junho de 1730. Décimo entre doze irmãos, não tinha grandes possibilidades de seguir carreira acadêmica e a morte de seu pai, quando ainda era criança, piorou ainda mais as condições econômicas de sua família.
Possuidor de uma bela grafia e grande habilidade para o desenho, teve afinal sua oportunidade aos 21 anos, quando foi contratado pelo astrônomo da marinha francesa Joseph Nicolas I'Isle para trabalhar como copista. Introduzido aos poucos na prática da Astronomia, Messier se tornaria um hábil observador e redigia reportes cuidadosos de suas observações, medindo com precisão a posição dos corpos celestes.
Na sua época, a moda era “caçar cometas” e a história de seu famoso catálogo de objetos começou justamente quando seu chefe calculou a posição esperada do retorno do cometa de Halley, em 1757. I`Isle errara nas contas e isso fez com que o jovem Messier passasse noites inteiras procurando o famoso cometa na direção errada do céu.
Messier anotou com cuidado a posição de uma nebulosa que até lembrava um cometa difuso, na constelação de Touro. Era o dia 28 de agosto de 1758 e aquele seria o objeto número um de seu catálogo.                                                      Charles Messier (1730-1817)
Por fim Messier localizou o verdadeiro cometa, mas já estava entusiasmado com a idéia de catalogar outros objetos nebulosos, para que ele e outros observadores não se confundissem de novo em futuras observações. Messier descobriu 21 cometas ao longo de toda sua vida, 13 dos quais nunca haviam sido observados antes. Mas nem só de cometas era a fama de Messier. Ele foi um ardente observador de ocultações, trânsitos e eclipses. Seus cadernos eram repletos de anotações sobre manchas solares e observações meteorológicas também.

Catálogo Messier

CONTUDO, O QUE TORNOU MESSIER de fato conhecido para a Astronomia até os dias atuais foi seu catálogo de objetos difusos, publicado em sua versão final no ano de 1784 e contendo 103 objetos.
Nos anos seguintes outros objetos foram descobertos por Messier, mas acabaram não sendo incluídos em seu catálogo. Razão pela qual, um século mais tarde, alguns astrônomos decidiram eles próprios inserir tais objetos na lista de Messier, chegando assim aos 110 objetos conhecidos atualmente.

De aglomerados estelares a galáxias: os 110 objetos do catálogo de Messier

Os objetos do catálogo de Messier são precedidos pela letra M, sempre maiúscula, e alguns deles têm denominações próprias. É o caso de M1, o primeiro objeto de sua lista, também chamado “nebulosa do Caranguejo”. Mas Messier não descobriu essa nebulosa. Outros já haviam percebido aquela mancha esbranquiçada sobre o corno meridional do Touro, sem estrelas e com uma luz alongada como a chama de uma vela.
Com seus 110 OBJETOS, o catálogo de Messier é uma fonte INESGOTÁVEL de novas DESCOBERTAS A nebulosa do Caranguejo é, na verdade, os restos de uma supernova, uma estrela de grande massa que ao fim de seu ciclo de brilho explode, num estouro colossal capaz de sobrepujar em brilho a soma de todas as estrelas de uma galáxia. No centro da nebulosa ainda jaz a velha estrela que se desfez, agora uma esfera de altíssima densidade, girando em torno de si mesma 30 vezes por segundo: um pulsar. Com seus 110 objetos, entre nebulosas, galáxias e aglomerados estelares, o catálogo de Messier é uma fonte inesgotável de novas descobertas, tanto para astrônomos profissionais quanto para jovens amadores, que ainda gastam suas noites no puro prazer de redescobrir as jóias celestes classificadas por Messier no século XVIII.
Creditos:Astronomia no Zênite

Cassini mostra como Enceladus deixa bolhas de plasma em seu caminho pelo espaço

O papel que Enceladus exerce em relação a magnetosfera de Saturno pode ser similar ao da lua Io em Júpiter, a qual insere plasma no espaço interior da magnetosfera joviana. Observações de como Enceladus interage com o seu ambiente mostram como esta lua peculiar deixa um complexo padrão de ondas e bolhas em seu rastro na órbita ao redor de Saturno. Sheila Kanani falou sobre este tema e apresentou sua pesquisa na Reunião Nacional de Astronomia da RAS em Glasgow, no dia 14 de abril de 2010. Enceladus reside no interior profundo da magnetosfera de Saturno, que é preenchido com partículas eletricamente carregadas (plasma) provenientes tanto do planeta quanto de suas luas. A sonda Cassini fez nove vôos rasantes nesta lua misteriosa desde 2005.
O mais próximo dos flybys executados levou a espaçonave a apenas 25 km da superfície de Enceladus, um satélite onde os cientistas acreditam que exista um oceano subsuperficial salgado. Aberturas aquecidas no pólo sul desta lua lançam constantemente no espaço plumas de material, compostas principalmente de grãos de gelo e vapor de água. Medições realizadas pelo Espectrômetro de Plasma (CAPS) e pelo Magnetospheric Imaging Instrument (MIMI) da sonda robótica Cassini nos mostram que tanto a lua e suas plumas estão continuamente absorvendo o plasma, na sua passagem pelo espaço ionizado da magnetosfera a cerca de 30 quilômetros por segundo, deixando para trás uma cavidade no espaço. Em adição, as partículas mais energéticas que voam acompanhando para cima e para baixo as linhas de campo magnético de Saturno são varridas, deixando um vazio muito maior no campo de plasma de alta energia. Além disso, o material ejetado de Enceladus, pó e gás, também tem se ionizado, formando novo plasma.
Agora, a cientista Kanani e uma equipe do Mullard Space Science Laboratory da UCL, descobriram misteriosas características espelhadas nos dados do CAPS, que apresentam um quadro complexo de atividades de interação entre a matéria e o plasma a jusante de Enceladus.
“Eventualmente, o plasma fecha a abertura a jusante da Enceladus, mas nossas observações mostram que isso não está acontecendo de uma forma suave e ordenada. Estamos vendo picos característicos no plasma que duram entre algumas dezenas de segundos até um minuto ou dois. Nós pensamos que estes podem representar bolhas de partículas de baixa energia formadas quando o plasma preenche a lacuna a partir de diferentes direções”, expôs Kanani no encontro da RAS.
Desde que a Cassini chegou a Saturno, a espaçonave tem nos ajudado a construir uma imagem do papel vital e inesperado que Enceladus exerce na magnetosfera de Saturno.
Fonte de plasma
“Enceladus é a fonte da maior parte do plasma na magnetosfera de Saturno, contribuindo com água ionizada e oxigênio proveniente das suas aberturas, formando um toro grande de plasma que envolve Saturno. Podemos ver essas características nos caminhos das demais luas de Saturno, como elas interagem com o plasma, mas, até agora, só temos estudado Enceladus em um nível de detalhes suficiente”, concluiu Kanani.
Fonte:Astronomy.com
Science Daily

Uma belíssima galáxia espiralada


Esse lindo retrato é de uma galáxia chamada NGC 891. Essa galáxia em espiral se estende por 100 mil anos-luz e se parece muito com a nossa Via Láctea. Ela parece ser um disco fino, com uma poeira escura que forma filamentos – eles se estendem por centenas de anos-luz sobre e abaixo da linha do centro. A poeira escura deve ter se formado pela explosão de alguma supernova ou pela formação de estrelas na proximidade. Outras galáxias podem ser vistas nas redondezas da NGC 891.
 [APOD]

Uma das maiores proeminências solares

alguma vez vista esta semana no Sol. E, não, não há qualquer relação existente entre essa proeminência e os recentes acontecimentos da Terra como a recente erupção vulcânica ou os sismos. Uma proeminência é uma nuvem de plasma que surge acima da fotosfera e se sustém através do campo magnético do Sol. Porém, ainda não é bem conhecido o mecanismo que sustém a proeminência solar. Aquela enorme proeminência vista na parte de cima da foto englobaria várias Terras. Por vezes, as proeminências podem ser expelidas para o Sistema Solar através das ejecções de massa coronal (CME em inglês).
Fonte:astropt.org

Fatos Sobre Marte

Marte é o quarto planeta a partir do Sol. Um dos cinco planetas observado por antigas civilizações. Sétimo maior em tamanho. Seu diâmetro médio é de 6.780 quilômetros. Tem quase a metade do tamanho da Terra. Também é conhecido como Planeta Vermelho. Sua cor varia entre o castanho-amarelado e o avermelhado. Terceiro objeto mais brilhante no céu noturno, depois da Lua e do planeta Vênus. Duas luas de forma irregular, que medem apenas alguns quilômetros de largura. Sua lua maior e mais próxima chama-se Fobos. Na mitologia grega, Fobos é o filho de Ares (Marte) e em grego, a palavra significa “medo”.  A lua menor e mais distante é Deimos. É uma das menores luas do nosso Sistema Solar. Na mitologia grega, Deimos também é filho de Ares (Marte), e seu nome significa “pânico”. 

•Sua massa equivale a 1/10 da Terra. A força da gravidade é menos da metade da que experimentamos em nosso planeta. 
 
•Marte não possui um campo magnético detectável circundando o planeta. No entanto, pequenos campos remanescentes foram detectados em regiões isoladas.
 
•Ele recebeu o nome do deus romano da guerra, da agricultura e do estado. (Grego: Ares)
 
•Marte também deu origem ao nome do mês de março.

•A Mariner 4 foi a primeira espaçonave a visitar Marte em 1965.

•Viking 1 e Viking 2 pousaram em Marte em 1976.

•A órbita de Marte é elíptica. O planeta fica uma distância 1,5 vezes maior do Sol do que a Terra.

•Marte é significativamente menor que o Planeta Terra. Curiosamente, a área da superfície de Marte é quase igual à área da nossa superfície terrestre.

•Marte é um lugar muito frio. As temperaturas variam entre -125 graus centígrados nos pólos a 20 graus centígrados no equador.

•Marte possui uma atmosfera com padrões e sistema climático próprios. Ventos fortes e nuvens densas se movem por toda a superfície do planeta, provocando grandes tempestades de poeira que às vezes recobrem todo o planeta.

•Marte leva 687 dias da Terra para dar a volta ao redor do Sol.

•Um dia em Marte dura 24 horas, 39 minutos e 35 segundos.

•Os pólos marcianos têm uma inclinação de 25 graus, o que permite estações similares às que temos na Terra.

•Sua atmosfera é composta por 95,3% de dióxido de carbono, 2,7% de nitrogênio e 1,6% argônio.

•Marte é vermelho por causa da ferrugem. Há uma grande quantidade de ferro oxidado (enferrujado) no solo marciano. O ferro oxidado pode parecer marrom, laranja ou vermelho de acordo com o nível de oxidação.

Por que exploração a Marte

Bem mais fácil tecnicamente, e com possíveis benefícios econômicos, seria uma visita a um asteróide próximo da Terra. Mais dramática e emocionante explorar um cometa ativo. Isso poderá ser feito no ano de 2061, quando o histórico Cometa Haley irá etornar ao nosso Sistema Solar interior. Astronautas poderiam, a princípio, pousar no cometa antes que ele se aproxime demais do Sol. Antes dos cometas, a próxima grande façanha humana será a conquista de Marte. Por que Marte é o próximo candidato? Os gigantes gasosos distantes do Sistema Solar exterior apresentam problemas intransponíveis. Seu cinturão de radiação torna as visitas tripuladas extremamente perigosas, e como não possuem superfície sólida, o pouso é impossível. Mas as paisagens espetaculares das luas mais hospitaleiras significam que Júpiter, Saturno e mesmo os afastados Netuno e Urano poderiam se tornar atrações turísticas nos próximos séculos. Imagine a visão do gigantesco planeta Júpiter, em todo o seu esplendor, a partir da superfície de sua lua gelada, Ganímedes. Ou os gloriosos anéis de Saturno ocupando metade do céu, vistos de um de seus satélites, como Mimas. Entre os planetas menores, o pequeno Mercúrio está logo ali, próximo ao Sol. Apenas uma única sonda, em vôo de passagem, conseguiu fotografar sua superfície cheia de crateras.
E o belo planeta Vênus, irmão mais quente da Terra? Poderíamos transformá-lo em um resort tropical? Apenas 15 espaçonaves – 14 delas russas – penetraram em suas nuvens sulfurosas. Mas a alta temperatura, a esmagadora pressão atmosférica e a dificuldade de locomoção impossibilitariam uma visita humana a Vênus.  Aparentemente, nem o Sistema Solar interior nem o exterior estão “implorando” por nossa presença. Terence Murtagh - Astrônomo "O problema da exploração tripulada do Sistema Solar exterior reside em dois fatores. Primeiro, seus planetas são distantes demais, e segundo, todos eles possuem ambientes muito perigosos para os seres humanos. O Sistema Solar interior também apresenta uma série de problemas. Em primeiro lugar, temos Mercúrio: perto demais do Sol, pequeno demais, sem atmosfera. Depois temos Vênus, o “gêmeo” da Terra – um lugar possível, mas cuja atmosfera é densa e venenosa. Diante disso, só nos resta Marte: tem metade do tamanho da Terra, um pouco de atmosfera, e vários outros fatores. Isso significa que Marte será o lugar onde estabeleceremos a primeira colônia humana."

Missões Futuras a Marte

A NASA está desenvolvendo um programa de exploração de Marte de longo prazo que definirá o curso das próximas duas décadas. Este programa visionário se baseará nas descobertas científicas de missões passadas, incorporando as lições aprendidas dos sucessos e fracassos anteriores.

Missões de Reconhecimento
A NASA continua com o compromisso de criar mais missões de reconhecimento, como a do aterrissador Phoenix, que seriam selecionadas por meio de propostas enviadas pelos membros da comunidade científica. Tais missões podem envolver veículos aerotransportados, como aviões e balões, ou pequenos aterrissadores que funcionem como plataformas de investigação. Esta abordagem poderia abrir novas e interessantes perspectivas ao ampliar o número de locais visitados no planeta. A próxima missão de reconhecimento, chamada MAVEN, é um orbitador que irá fornecer informações sobre a atmosfera marciana, sua história climática e sua potencial habitabilidade. Seu lançamento está programado para 2013.

Envio de Amostras de Marte
Na segunda década do século 21, a NASA planeja lançar novos orbitadores científicos, exploradores e aterrissadores. Uma das propostas é a missão Mars Sample Return, que irá utilizar sistemas robóticos e um foguete de ascensão para coletar e enviar amostras de rochas, solos e atmosfera para a Terra, para análises físico-químicas detalhadas. Pesquisadores na Terra poderiam mensurar as características físicas e químicas com muito mais precisão do que fariam por controle remoto. Na Terra, eles teriam a flexibilidade de fazer as mudanças necessárias para preparação de amostras, instrumentação e análise, se obtiverem resultados inesperados. Além disso, nas próximas décadas, as rochas recolhidas em Marte poderiam gerar novas descobertas, à medida que as novas gerações de pesquisadores apliquem novas tecnologias ao estudá-las.
 
Laboratório de Astrobiologia  
Outra proposta é a criação de um Laboratório de Astrobiologia, que conduziria uma busca robótica por sinais de vida. Seria a primeira missão.  Ampliar a imágem.desde a Viking, nos anos de 1970, que procuraria especificamente evidências de vida no passado ou presente. O laboratório robótico transportaria instrumentos para identificar e medir os componentes químicos da vida (como a conhecemos), incluindo milhares de compostos de carbono, elementos como o enxofre e o nitrogênio, e distintos estados de oxidação em rastros de metais associados à vida.  Também conduziria análises detalhadas dos ambientes geológicos identificados pelo Mars Science Laboratory em 2009, com a intenção de verificar se conduzem a algum tipo de vida. Estes ambientes podem incluir camadas sedimentares finamente granuladas, depósitos minerais de fontes termais, camadas de gelo nos pólos, e locais como ravinas, onde a água líquida fluiu em algum momento ou continua a se infiltrar no solo pelo derretimento de blocos.

Perfuração Profunda e Outras Tecnologias A NASA está interessada em tecnologias que possam aumentar a taxa de lançamento de missões ou acelerar a programação de explorações. A agência planeja investir em recursos avançados, como instrumentos científicos miniaturizados e sistemas de perfuração profunda, capazes de adentrar centenas de metros na superfície.
Credito: NASA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...