Postagens

Mostrando postagens de Abril 27, 2010

PARABÉNS, HUBBLE PELO SEUS 20 ANOS A DESVENDAR O COSMOS

Imagem
O telescópio mais famoso da História, o Hubble, completou, sábado 24 de Abril, duas décadas em órbita. E continua em forma...A sua capacidade é tal que se olhássemos através dele para Tóquio a partir de Nova Iorque conseguiríamos ver uma mosca. Nome completo: Telescópio Espacial Hubble (Hubble Space Telescope). Idade: 20 anos. Actividade: fotografar o espaço enquanto dá voltas à Terra. Para quem não conhece o seu portfolio, ficam algumas descobertas que nos foram transmitidas pelo telescópio mais famoso da História: a determinação da idade do Universo (treze mil milhões de anos); planetas extrasolares; os buracos negros; galáxias de diferentes tipos e formas...Mais próximo do nosso planeta, o Hubble registou ainda acontecimentos únicos, como a colisão dos fragmentos do cometa Shoemaker-Levy contra o gigante Júpiter, em 1994. A lista de contributos para a Ciência continua. A Lei de Hubble, que estabeleceu que o Universo se encontra em expansão, só foi visualmente comprovada através des…

SEGUINDO AS PEGADAS DO HUBBLE: MAIORES E MELHORES TELESCÓPIOS ESPACIAIS

Imagem
O Hubble celebra por esta altura o seu 20.º aniversário. Mas nem por isso os cientistas deixam de trabalhar na próxima geração de telescópios espaciais, sucessores maiores e mais poderosos que o famoso instrumento orbital. O Telescópio Espacial Hubble foi lançado no dia 24 de Abril de 1990, com um espelho imperfeito, mas sobreviveu duas décadas em grande parte devido às cinco missões de manutenção e reparação levadas a cabo pelos astronautas a bordo dos vaivéns espaciais. O seu olhar cósmico levou a descobertas sem paralelo acerca do Universo e a espantosas imagens do Cosmos que agora estão embebidas nos corações e mentes do público. "O Hubble tornou-se num ícone da Ciência porque consegue produzir imagens gloriosas," afirma Rick Fienberg, astrónomo da Sociedade Astronómica Americana. Mas dentro em breve a Ciência dará outros passos em frente.O Telescópio Espacial James Webb da NASA tem lançamento previsto para daqui a alguns anos. E outros novos observatórios espaciais estã…

Movimento retrógrado de Vênus

Imagem
Comparando Vênus com todos os demais planetas do Sistema Solar, nota-se que esse planeta tem uma rotação única. Visto de cima, todos os planetas giram no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. Tal comportamento é natural de ser esperado uma vez que se supõe que todos os planetas se formaram da mesma nebulosa planetária há mais de 4,5 bilhões de anos.Assim, a rotação de Vênus no sentido dos ponteiros de um relógio é o que os astrônomos denominam de movimento retrógrado. Assim Vênus gira “para trás” do sentido “normal” de giro dos planetas. Além disso, a rotação de Vênus é muito lenta, tanto é que o tempo para ele girar completamente em torno de seu eixo [≈243 dias terrestres] é maior que o tempo gasto por Vênus para dar uma volta completa no Sol [≈224,7 dias terrestres]. Assim o dia de Vênus é mais longo que o ano de Vênus.
Qual o motivo de Vênus apresentar movimento retrógrado?
A questão de como Vênus tem esse lento e retrógrado movimento de rotação constitui um enigma para os ci…

Edwin Hubble

Imagem
Edwin Powell Hubble era advogado de formação, mas sua dedicação à Astronomia acabou lhe roubando mais tempo que a carreira legal. Foi também onde Hubble foi mais bem sucedido, tornando-se um do mais importantes astrônomos do século XX, a ponto de seu nome hoje estar associado ao mais famoso telescópio espacial – o segundo projeto mais caro de toda a história da ciência. Hubble nasceu em 20 de novembro de 1889 numa pequena cidade do interior do Missouri, nos Estados Unidos. Com o avô aprendeu a gostar de Astronomia e viveu a ascensão de seu país à condição de potência mundial, durante a década de 1910. Aos 21 anos, Hubble ganhou uma bolsa para estudar Direito em Londres, voltando aos Estados Unidos após se tornar bacharel. Ele jamais fez o exame da Ordem dos Advogados, necessário para exercer a profissão. Hubble gostava mesmo era de Astronomia, e sua formação em Direito fora apenas para agradar o pai. Aos 24 anos mudou-se para Chicago e foi trabalhar no Observatório de Yerkes, que possuía…

Galáxia espiral NGC 1350

Imagem
Há 85 milhões de anos, os dinossauros ainda dominavam a Terra, ignorantes da sua futura extinção em massa, enquanto que os mamíferos terrestres eram criaturas pequenas e tímidas. A América do Sul ainda era um continente ilha. Nesta mesma época o Sol e o Sistema Solar estavam a 60.000 anos-luz do local onde atualmente se encontram (o Sol completa uma órbita em torno do centro da Via Láctea a cada 200 milhões de anos). E foi há 85 milhões de anos que num outro canto do Universo, a luz abandonou a galáxia NGC 1350 para uma longa viagem através do espaço. Parte desta luz foi captada por um dos telescópios do observatório VLT (ESO), situado no monte Paranal nos andes chilenos. A NGC 1350 foi classificada como uma galáxia Sa(r). Isto significa que a NGC 1350 é uma galáxia espiral com uma região central de grandes dimensões.  No entanto, em termos de classificação morfológica, esta galáxia parece estar na fronteira entre as galáxias espirais de braços quebrados e as de "grand design&quo…

O peculiar grupo de galáxias ARP 194

Imagem
ARP 194, um peculiar grupo de galáxias com mais de 100 mil anos-luz de comprimento. Nos últimos anos o telescópio Hubble registrou centenas de imagens exóticas de galáxias colidindo. As cenas foram tantas que os pesquisadores não acreditavam que pudessem ver algo novo e estranho, mas a composição registrada surpreendeu novamente. A foto mostra o objeto ARP 194, um conjunto triplo de galáxias onde se tem a impressão de que as estrelas estão "escorrendo" através de um fluxo azul, visto no centro da foto. Na realidade, o fluxo observado é o braço de uma das galáxias, repleto de centenas de estrelas que acabaram de nascer e foi criado pela interação da gigantesca força gravitacional entre as duas galáxias vistas no topo da imagem. Os núcleos das duas galáxias que estão se fundindo pode ser visto no alto da composição. O bizarro fluxo azul, uma espécie de ponte cósmica, parece se conectar à galáxia inferior, mas na realidade não passa de uma ilusão de ótica. A galáxia inferior nã…

Mz3: a Nebulosa da Formiga revelada pelo Hubble

Imagem
Mz3 - a Nebulosa da Formiga. Créditos©: R. Sahai (JPL) et al., Hubble Heritage Team, ESA, NASA Por que esta nebulosa parece uma formiga e não uma grande esfera? A nebulosa planetária Mz3 (Menzel 3) foi gerada a partir dos escombros ejetados por uma estrela similar ao Sol que obviamente tinha um formato redondo. Por que afinal, na Mz3, o gás que expulso da estrela central criou esta nebulosa com formato incomum do tórax de uma formiga e não o de nuvens concêntricas, como na Nebulosa do Gato?

Várias explicações e nenhuma conclusão
Explicações plausíveis relacionam algumas possíveis causas: •A altíssima velocidade da expansão do gás expelido (1.000 km/s); •A estrutura de grande porte, com comprimento de 1 ano-luz; •O magnetismo da estrela vista acima no centro da nebulosa. Outra solução possível para o enigma da Mz3 é que esta nebulosa pode esconder uma segunda estrela mais tênue cuja órbita fica bem perto da estrela que aqui vista, o que prejudica sua visualização direta. Também existe uma qui…

Nasa divulga imagem de aglomerado estelar

Imagem
A NASA, agência espacial americana, divulgou a imagem inédita de um aglomerado estelar na fronteira com as constelações de Sagitário e Corona Australis. Localizado cerca de 420 anos-luz da Terra, o aglomerado chamado de "Cluster Coronet" tem um diâmetro de aproximadamente 10 anos-luz.A imagem, feita pela câmera infravermelho Wise, mostra a área central do aglomerado Coronet. Segundo a Nasa, a luz infravermelha do Wise permite visualizar em verde e vermelho o pó de formação estelar aquecido pelas próprias estrelas recém-nascidas em uma região de formação estelar. Em azul, as estrelas recém-nascidas aninhadas nas proximidades do aglomerado. A diferença de cor se dá em função de comprimentos de onda diferentes. Azul e turquesa são a leitura da luz infravermelha em comprimentos de onda de 3,4 e 4,6 mícrons, produzido pela luz das estrelas. Verde e vermelho representam a luz aos 12 e 22 mícrons, que é principalmente produzida pela poeira quente.
Fonte: NASA e AFP

Um Saturno na Zona Habitável de uma Anã Vermelha

O projecto Lick-Carnegie Exoplanet Survey, em que está envolvido o conhecido Paul Butler, acaba de anunciar a descoberta de um planeta com pelo menos a massa de Saturno em torno de uma estrela anã vermelha próxima. A estrela, de tipo espectral M4V e designada de HIP57050 no catálogo da missão Hipparcos, é duas vezes mais rica que o Sol em “metais” o que, de acordo com a teoria actualmente mais aceite de formação planetária, favorece a criação de planetas gigantes. A órbita tem um período de 41.4 dias e uma excentricidade elevada de 0.31. Uma característica interessante do planeta consiste no facto deste se encontrar dentro da chamada zona habitável da estrela, isto é, a uma distância da estrela que permite a existência de água no estado líquido. Embora a definição de zona habitável não seja consensual entre os cientistas, não deixa de ser interessante pensar nas possibilidades que isto introduz relativamente à existência de vida no planeta ou, mais provavelmente, em eventuais luas em …

O berçário estelar da Nebulosa Carina

Imagem
Esta montanha escarpada envolta por nuvens espessas parece uma paisagem bizarra do Tolkien, O Senhor dos Anéis ". Esse pilar de gás e poeira, tem 3 anos-luz de altura, e está sendo devorado pela luz de estrelas brilhantes bem próximas. O pilar também está sendo atacado por dentro, por uma estrela-bebê enterrada dentro dela, disparando jatos de gás que podem ser vistos no pico danebulosa. O pontos cor-de-rosa, são estrelas que já se libertaram da nebulosa. Esta turbulenta poeira cósmica, faz parte de um berçário estelar na Nebulosa Carina, 7.500 anos-luz de distância na constelação de Carina. A nebulosa nasceu a três milhões de anos atrás, quando a primeira geração de estrelas condensadas acendeu em meio a uma gigante e fria nuvem de hidrogênio. A nebulosa de Carina contém cerca de uma dúzia de astros com uma massa 50 ou 100 vezes maior do que a do Sol. Uma arrasadora radiação e ventos rápidos (fluxos de partículas carregadas) de estrelas quentes recém-nascidas na nebulosa estão m…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...