2 de ago de 2010

NGC 4755 Caixa de Jóias

A grande variedade de cores de estrelas neste enxame aberto é adequada ao seu nome: A Caixa de Jóias. Umas das brilhantes estrelas centrais é uma supergigante vermelha, em contraste com as muitas outras estrelas azuis que a rodeia. O enxame, também conhecido como Kappa Crucis, contém pouco mais de 100 estrelas, e uma idade de cerca de 10 milhões de anos. Os enxames abertos são jovens, contêm menos estrelas e uma maior fracção de estrelas azuis que os enxames globulares. NGC 4755 situa-se a mais ou menos 7,500 anos-luz de distância, por isso a luz que vemos hoje foi emitida pelo enxame antes da construção das Grandes Pirâmides do Egipto. Cobre uma área de cerca de 20 anos-luz, e pode ser vista à vista desarmada na direcção da constelação do Cruzeiro do Sul. Essa é uma combinação de imagens obtidas por três telescópios excepcionais, o Very Large Telescope do ESO, o telescópio de 2.2 metros MPG/ESO que se encontra no observatório de La Silla, do ESO, e o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, permitiu observar o enxame estelar da Caixa de Jóias numa perspectiva completamente diferente.
Créditos das Imagens: DSS (Digitized Sky Survey)
Fonte:Astronomia on-line

Nebulosa Vassoura de Bruxa, os detritos mais belos do céu

Dez mil anos atrás, antes da existência de registros históricos, um nova luz deve ter aparecido repentinamente no céu e se apagado em poucas semanas. Hoje nós sabemos que esta luz era uma estrela explodindo e registramos a colorida nuvem chamada de “Veil Nebula” (nebulosa véu) que se expande a cada instante, restos daquela estrela. A imagem acima é a ponta oeste da nebulosa conhecida tecnicamente como NGC 6960, mas também conhecida como “Witch’s Broom Nebula” (nebulosa vassoura de bruxa). A nuvem de detritos expansiva ganha cores ao varrer e excitar gás próximo. O remanescente de supernova fica a cerca de 1400 anos-luz de distância em direção da constelação Cisne. A ‘Vassoura de Bruxa’ ocupa no céu o tamanho de três luas cheias. A brilhante estrela 52 Cygni que é visível a olho nu não tem relação com a supernova.
Fonte:hypescience.com

Pilares de poeira da Nebulosa Carina


   A Nebulosa Carina, um dos maiores berçários de estrelas do Universo, e local de uma das fotos mais famosas do Hubble,  chamada Pilares da Criação. [Imagem: NASA/ESA/M.Livio]
Esse monstro interestelar está sendo destruído de dentro para fora. Uma estrela que fica ali dentro está lentamente acabando com esses pilares de poeira. Eles são feitos de gás e poeira interestelar e medem cerca de um ano luz de comprimento.
A estrela não é visível, pois está coberta pela poeira opaca, mas está conseguindo dispersar a nuvem ejetando raios energizados de partículas. “Batalhas” parecidas estão sendo travadas através de toda a nebulosa, que é uma área de formação de estrelas.
No fim, as estrelas irão destruir essas nuvens de poeira e formar um aglomerado de estrelas na área da nebulosa que, hoje, é um berçário de novos astros. Esses pontos cor-de-rosa são novas estrelas que já se libertaram da nebulosa. A imagem foi feita pelo telescópio Hubble, que completou 20 anos “de serviço”.
O nome técnico dos jatos emitidos pela estrela é Herbig-Haro. Como uma estrela cria um Herbig-Haro ainda está em discussão mas suspeita-se que envolva um disco de acreção girando em volta de uma estrela central. Um Herbig-Haro pode ser observado diagonalmente na foto. [Nasa]
Créditos/Fonte:hypescience.com

Novas Imagens do Pólo Sul de Saturno

A sonda da NASA Cassini, que está orbitando o planeta Saturno, fez imagens da parte de baixo do gigantesco planeta dos anéis na luz infravermelha para descobrir que nuvens se escondem no pólo sul do planeta. Essas espessas nuvens aparecem negras a medida que elas mascaram grande parte da luz infravermelha emitida pelas regiões mais quentes abaixo delas, enquanto que nuvens relativamente mais finas aparecem mais brilhantes. Bandas de nuvens circulam o planeta Saturno em várias latitudes, enquanto que feições ovaladas negras indicam sistemas de tempestades em forma de redemoinho. Um nevoeiro nas nuvens superiores são visíveis na direção do equador de Saturno e desaparecem próximo ao pólo, incluindo um estranho vortex polar de Saturno.
Créditos/Fonte:Ciência e Tecnologia

Vênus e Sua Superfície Derretida

Se você pudesse olhar para Vênus com olhos equipados com poderosos radares, o que você veria? Essa imagem aqui reproduzida é uma reconstrução da superfície do planeta Vênus que foi criada a partir de dados coletados pela sonda da NASA Magalhães, que orbitou o planeta e utilizou seu radar para mapear a sua superfície entre 1990 e 1994. A Magalhães encontrou muitas feições interessantes incluindo grande domos circulares, tipicamente com 25 quilômetros de comprimentos aqui imageados de cima. Acredita-se que o vulcanismo seja o mecanismo de geração dessas feições, embora ainda seja desconhecido o verdadeiro mecanismo que os formam. A superfície de Vênus é tão quente e hostil que nenhuma sonda até hoje resistiu permanecer na superfície do planeta por mais de alguns minutos.
Créditos/Fonte:Ciência e Tecnologia

Luas pertubam os anéis de Saturno

© NASA/Cassini (anéis de Saturno e as luas Dafne e Pã)
Os anéis de Saturno não são discos impassíveis de partículas: o material que os compõe é constantemente puxado e empurrado, o que causa deformações que se propagam pelo sistema.
À esquerda na da imagem, a lua Dafne, com 8 km de diâmetro, afeta o material ao orbitar a Falha de Keeler, no Anel A. A lua tem uma órbita inclinada, e seu puxão gravitacional perturba as partículas na borda do anel, esculpindo a borda em ondas. O material na borda externa move-se mais devagar que a lua, então as ondas ficam no rastro de Dafne. À direita, o material na borda da falha de Encke apresenta ondas provocadas pela lua Pã, que possui 28 km de diâmetro. A imagem, divulgada agora pela NASA, foi feita em luz visível em 3 de junho pela sonda Cassini, que se encontrava a uma distância de 531.000 km de Saturno. A escala é de 3 quilômetros por pixel.
Créditos/Fonte:Astro News

Descobertos pares de planetas gigantes ligados entre si

Planetas maiores que Júpiter orbitam separados por uma distância menor que a entre a Terra e Marte

                                    © Cheongho Han/IACE da Coreia (exoplanetas em órbita da estrela)
Centenas de planetas extrassolares já foram descobertos nos últimos 15 anos, a maioria deles mundos solitários orbitando suas estrelas em aparente isolamento. Novas observações, no entanto, mostraram que um terço dos sistemas contém dois ou mais planetas, mas distantes entre si. Agora, pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) descobriram dois ssitemas com pares de planetas gigantes presos num abraço orbital. Em um dos sistemas, o par planetário gira em torno da estrela moribunda HD 200964, localizada a cerca de 223 anos-luz da Terra, a dança gravitacional dos planetas é mais apertada que em qualquer outro par já visto. "Este par veio num pacote surpresa", disse o líder do estudo, John A. Johnson, em nota.
"Um sistema planetário com gigantes tão próximos seria destruído rapidamente se os planetas não estivessem fazendo uma dança nem sincronizada. É um enigma como os planetas acharam o ritmo", acrescenta Eric Ford, da Universidade da Flórida.  Artigo assinado por Johnson, Ford e colegas sobre a intrigante mecânica orbital dos planetas será publicado no periódico Astronomical Journal. Todos os quatro exoplanetas recém-descobertos são gigantes gasosos com mais massa que Júpiter, e como a maioria dos planetas já descobertos fora do Sistema Solar, foram encontrados medindo-se o deslocamento que causam na estrela central de seus sistemas.
A distância entre os planetas orbitando HD 200964 pode chegar a 0,35 Unidade Astronômica, comparável à distância que separa a Terra de Marte.
Os planetas em órbita da segunda estrela estudada, 24 Sextanis, a 244 anos-luz da Terra, estão a 0,75 Unidade Astronômica, ou cerca de 100 milhões de quilômetros. Em comparação, Júpiter e saturno nunca estão a menos de 500 milhões de quilômetros um do outro.
Por causa de suas grandes massas e pequena distância, cada um dos planetas exerce uma profunda influência gravitacional em seu parceiro. A atração entre os planetas de HD 200964, por exemplo, é 700 vezes maior que o que existe entre a Terra e a Lua. Os pares se mantém estáveis porque suas órbitas se encontram em ressonância. Quando planetas entram em ressonância, seus períodos orbitais se relacionam em uma razão de pequenos números inteiros. Numa ressonância 2:1, por exemplo, o planeta mais externo do par completa uma volta em torno da estrela no mesmo tempo em que o interior completa duas.
Os planetas de 24 Sextanis estão presos numa ressonância 2:1, que é o padrão mais comum e estável. Já os de HD 200964 estão num padrão 4:3.
Fonte:estadão.com.br

Spitzer descobre 14 das estrelas mais frias já encontradas

Anãs marrons formam-se como estrelas, a partir do colapso de bolas de gás e poeira
                   Ponto vermelho no centro marca uma das "estrelas frias", com temperatura de cerca de 400º C. Nasa
Astrônomos encontraram 14 estrelas que parecem estar entre as mais frias do Universo. Chamadas anãs marrons, essas estrelas são tão frias e tênues que não podem ser avistadas pelos telescópios atuais de luz visível. O telescópio infravermelho Spitzer foi capaz de captar o brilho fraco gerado pela temperatura desses astros.
Essas anãs marrons se unem às outras poucas já descobertas. Os novos objetos têm temperatura entre 176º C e 326º C. Para uma estrela, isso é terrivelmente gelado. Alguns planetas têm temperaturas comparáveis.
Anãs marrons formam-se como estrelas, a partir do colapso de bolas de gás e poeira, mas nunca chegam a reunir massa suficiente para desencadear a fusão nuclear que ilumina as estrelas plenas. As menores anãs marrons conhecidas têm de 5 a 10 dez vezes a massa de Júpiter.
"Anãs marrons são como planetas em alguns aspectos, mas existem em isolamento", disse, em nota, o astrônomo Daniel Stern, coautor do artigo que descreve as descobertas do Spitzer. "Isso faz com que sejam interessantes para os astrônomos. Elas são laboratórios perfeitos para estudar corpos de massa planetária".
A maioria das novas anãs marrons encontradas pelo Spitzer parecem pertencer à classe mais fria conhecida desse tipo de astro, as chamadas anãs T. Um dos objetos é tão frio que pode ser o primeiro exemplar encontrado de uma anã Y, uma classe teórica de estrelas gélidas. Os 14 objetos encontrados pelo Spitzer estão a centenas de anos-luz de distância.
Créditos/fonte:estadão.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...