26 de ago de 2010

WISE Captura a Rosa do Unicórnio


Unicórnios e rosa são normalmente coisas tratadas em contos de fada, mas uma nova imagem feita pelo Wide-field Infrared Explorer (WISE) da NASA mostra a nebulosa da Rosa que está localizada na constelação de Monoceros ou o Unicórnio. Essa nebulosa em forma de flor, também conhecida pelo nome menos romântico de NGC 2237, é uma enorme região de formação de estrelas formada de gás e poeira na Via Láctea. Estima-se que a distância da nebulosa até a Terra seja algo entre 4500 e 5000 anos-luz de distância.

No centro da flor está um aglomerado de estrelas jovens chamado de NGC 2244. A estrelas mais massivas produzem uma grande quantidade de radiação ultravioleta e sopram fortes ventos que erodem o gás e a poeira próxima, criando então um grande buraco central. A radiação também retira elétrons do gás de hidrogênio ao redor e cria o que os astrônomos chamam de Região HII. Embora a Nebulosa da Rosa seja muito apagada para ser observada a olho nu, a NGC 2244 é venerada pelos astrônomos amadores pois é visível através de pequenos telescópios ou através de um belo par de binóculos.

 O astrônomo inglês John Flamsteed descobriu o aglomerado estelar NGC 2244 com um telescópio por volta de 1690, mas a nebulosa mesmo não foi identificada até que John Herschel (filho de William Herschel, descobridor da luz infravermelha) a observasse quase 150 anos depois. Essa imagem foi criada a partir da composição de quatro detectores infravermelhos do WISE. A representação de cor usada aqui é: azul e ciano representam a luz infravermelho nos comprimentos de onda de 3.4 e 4.6 mícrons, que é dominado pela luz das estrelas. Verde e vermelho representam a luz em comprimentos de 12 e 22 mícrons, onde a predominância é a luz proveniente da poeira quente.
Créditos:Ciência e Tecnologia

Pierre Méchain

Retrato de Pierre Fraçois Mechain
Pierre François André Méchain (16 de agosto 1744 em Laon - 20 de setembro de 1804 em Castelló de la Plana), foi um astrônomo e geógrafo francês. Famoso por ter descobertos 8 cometas e 26 objetos de celestes, assim como perto por ter feito parte em numerosas expedições, sua maior contribuição foi o resultado na medida de metro junto com Delambre, um de seus melhores amigos. O asteroide 21785 Mechain foi assim nomeado em sua homenagem.
Estudou matemática em Paris mas devido a problemas econômicos teve que deixar seus estudos e oferecer-se como o tutor. Desde muito jovem dedicou-se a estudar no campo de astronomia e de geografia. Sua vida dedicou-o completamente para fazer observações astronômicas detalhadas, a morte o pegou trabalhando na medida detalhada do Meridiano na Espanha, faleceu devido a febre amarela que contraiu Castelló de la Plana.

Observações astronômicas

Em 1774 estava com Charles Messier e ambos trabalharam no Hotel de Cluny catalogando estrelas, neste período de colaboração entre os dois astrônomos, descobriram muitos objetos que Messier comprovou posteriormente sua posição. Alguns dos objetos catalogados por Messier foram descobertos Méchain tais como M104, M105, M106 e M107.
Participou de inúmeras expedições pela costa francesa e em 1774 pode observar a ocultação de Aldebarã pela lua; após isto apresentou uma memória a Academia de Ciências de Paris.
Méchain fez as descobertas de cometas novos, seus primeiros foram 1781 e por meio de seu conhecimento matemático trabalhou em calcular suas órbitas. Esta atividade foi intensa durante o período de 1532 a 1661. Algumas das descobertas foram atribuídas a outros astrônomos, assim como o descobrimento de 2P/Encke (redescoberto anos mais tarde por Johann Franz Encke).

Observações Geográficas

Em 1787 Méchain colaborou com Jean Dominique Cassini e Adrien-Marie Legendre na medida precisa da longitude entre Paris e Greenwich. Estes três cientistas visitados em numerosas ocasiões William Herschel em seu observatório astronômico em Slough (Inglaterra) no mesmo ano.
Fonte:Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Universo Acelerado

    Uma supernova distante, descoberta quando se compararam imagens obtidas em datas diferentes, ajudou a revelar a  transição da desaleração para aceleração no Universo
Em 1998, duas equipes independentes de astrônomos soltaram uma notícia bomba: a expansão do Universo está se acelerando. Os astrônomos geralmente presumiam que ela deveria estar desacelerando, porque a atração gravitacional mútua entre as galáxias deveria frear sua separação. O motivo da aceleração é considerado o maior mistério da física atualmente. Uma hipótese provisória é a de que o Universo contém um constituinte até o momento não detectado conhecido como energia escura. Uma combinação de observações do fundo de microondas, de observatórios em terra e do Hubble, sugere que essa energia escura responde por três quartos da densidade de energia total do Universo.
A aceleração começou cerca de 5 bilhões de anos atrás. Antes disso a expansão do Universo estava desacelerando. Em 2004, o Hubble descobriu 16 supernovas distantes situadas nesse período crucial entre desaceleração e aceleração. Essas observações também impuseram restrições mais severas nas hipóteses sobre o que a energia escura poderia ser. A possibilidade mais simples (embora, de certa forma, mais misteriosa) é a de que exista uma forma de energia inerente ao próprio espaço, mesmo quando ele está vazio. No momento, nenhum outro instrumento é tão vital quanto o Hubble na busca por supernovas que possam elucidar a energia escura. Sua importância no estudo dessa hipotética energia é talvez a maior razão para os astrônomos pressionarem a Nasa a mantê-lo funcionando
Fonte:Scientific American-Brasil

A Idade do Universo

         Estrelas variáveis cefeidas, como a da simulação, são o padrão com o qual as distâncias intergaláticas são calibradas
 
Observações feitas por Edwin Hubble e outros na década de 20 mostraram que vivemos num Universo em expansão. As galáxias estão se afastando umas das outras num padrão sistemático, o que implica que o próprio tecido do espaço esteja se esticando. A constante de Hubble (H0) é uma medida da taxa atual de expansão, que é o parâmetro-chave para determinar a idade do Universo. O raciocínio é simples: H0 é o ritmo em que as galáxias estão se afastando umas das outras; portanto, negligenciando qualquer aceleração ou desaceleração, o inverso de H0 estabelece o tempo transcorrido desde que elas estiveram todas reunidas. O valor de H0 também tem um papel na formação das galáxias, na produção de elementos leves (hidrogênio e hélio) e na duração de certas fases da evolução cósmica.

Não deveria surpreender, portanto, que desde o início a medição precisa da constante de Hubble fosse a principal meta do telescópio espacial homônimo. Na prática, encontrar esse valor envolvia medir corretamente a distância até galáxias próximas - uma tarefa notoriamente difícil que produziu muita controvérsia durante todo o século XX. O telescópio realizou o estudo definitivo das variáveis cefeidas - estrelas cujas pulsações peculiares revelam seu brilho intrínseco e, com isso, sua distância - em 31 galáxias. O valor resultante de H0 tem precisão de cerca de 10%. Junto com medições do fundo cósmico de microondas, o valor da constante de Hubble indica uma idade de 13,7 bilhões de anos para o Universo.
Fonte:Scientific American-Brasil

O Limite do Espaço

Bilhões de vezes mais tênue do que objetos vistos a olho nu, as galáxias distantes se espalham no Campo Ultraprofundo do Hubble
Um dos grandes objetivos da astronomia é entender o desenvolvimento das galáxias e suas precursoras até a época mais próxima possível do Big Bang. Para ter uma idéia do que a Via Láctea foi no passado, os astrônomos obtêm imagens de galáxias em vários estágios de evolução, da infância à velhice. Para isso, o Hubble produziu, em coordenação com outros observatórios, imagens de longa exposição de pequenos pedaços do céu - o Campo Profundo do Hubble, o Campo Ultraprofundo do Hubble e o Levantamento Profundo do Céu Primordial por Grandes Observatórios - para mostrar as galáxias mais distantes (e mais antigas). Essas imagens supersensíveis revelaram galáxias que existiam quando o Universo tinha apenas algumas centenas de milhões de anos, cerca de 5% de sua idade atual. Essas galáxias eram menores e mais irregulares que as modernas, um resultado esperado se se supõe que as galáxias atuais resultaram da união de outras menores (e não da fragmentação de galáxias maiores). Penetrar mais ainda no passado é a principal meta do sucessor do Hubble, o Telescópio Espacial James Webb, atualmente em construção.  As observações do céu profundo também revelaram a variação na taxa de formação de estrelas no Universo como um todo ao longo do tempo cósmico. Essa taxa parece ter atingido um pico 7 bilhões de anos atrás e caído para 10% do pico desde então. Surpreendentemente, quando o Universo tinha somente 1 bilhão de anos, a taxa de formação de estrelas já era alta - cerca de um terço de seu valor de pico.
Fonte:(Scientific American-Brasil)

As Maiores Explosões

A galáxia que originou a explosão de raios gama 971214 aparece como uma modesta mancha (próxima à seta)

As explosões de raios gama (GRBs, do inglês gamma ray bursts) são curtos disparos de raios gama que duram de poucos milissegundos a dezenas de minutos. Existem duas classes distintas de GRB, dependendo de sua duração ser superior ou inferior a dois segundos. As longas produzem fótons com menor energia que as curtas. Dados do Observatório Compton de Raios Gama, do satélite de raios X BeppoSAX e de observatórios em terra indicam que os disparos de longa duração resultam do colapso do núcleo de estrelas com massa grande e vida relativamente curta - em outras palavras, de um tipo de supernova. Sendo assim, seria preciso explicar por que apenas uma pequena fração das supernovas produzem GRBs. O Hubble descobriu que apesar das supernovas ocorrerem em todas as re-giões galácticas com formação estelar, as GRBs de longa duração se concentram em poucas regiões muito brilhantes, onde as estrelas maiores se localizam. Além disso, comparadas com as galáxias que abrigam supernovas, as hospedeiras de GRBs longas são consideravelmente menos brilhantes, mais irregulares e pobres em elementos pesados. Isso é importante porque estrelas grandes deficientes em elementos pesados geram ventos estelares mais fracos do que suas equivalentes abundantes nesses elementos. No curso de sua vida, elas retêm uma proporção maior de sua massa; ao morrer, são relativamente mais pesadas. O colapso de seu núcleo tende a produzir não uma estrela de nêutrons, mas um buraco negro. De fato, os astrônomos atribuem as GRBs longas a jatos colimados gerados por buracos negros em rotação. Os fatores que determinam se um núcleo estelar emitirá uma GRBs parecem ser a massa e velocidade de rotação de uma estrela no momento de sua morte. Identificar disparos de curta duração se mostrou mais difícil. Apenas no ano passado alguns foram finalmente detectados pelos satélites HETE 2 e Swift. O Hubble e o Observatório Chandra de Raios X revelaram que a energia total liberada por esses disparos é menor do que a das GRB de longa duração, apesar de seus fótons serem mais energéticos. As GRBs curtas também ocorrem em uma variedade maior de galáxias, incluindo as elípticas, onde a formação de estrelas cessou. Aparentemente, elas surgem da fusão entre duas estrelas de nêutrons ou entre uma estrela de nêutrons e um buraco negro.
Fonte:Scientific American

Fronteira Entre Pico Central e Mar de Basalto na Lua

O pico central da cratera Tsiolkovskiy é envolto por um mar de basalto. Essa imagem feita pela LROC mostra onde as rochas rolaram desde o pico central da cratera até o mar de basalto (notem os rastros deixados pelas rochas). Os picos centrais das maiores crateras da Lua como a Tsiolkovskiy têm um interesse científico particular pois eles expõe rochas que foram afloradas desde grandes profundidades durante o processo de impacto. Essa imagem tem 890 metro de largura e foi obtida com um ângulo de incidência de 88 graus.
Créditos:Ciência e Tecnologia

Estudo: asteroides mudam de forma e podem se "reproduzir"

   Concepção artística mostra um asteroide binário
   Foto: ESO/L. Calcada/Divulgação
Um estudo que envolveu 17 instituições de pesquisa de diferentes países indica que os asteroides, ao contrário do que se pensava, não mantêm sua forma ao longo dos anos e podem, inclusive, dar origem a asteroides menores. O estudo foi publicado na revista especializada Nature. As informações são do site do jornal El Mundo. De acordo com a pesquisa, liderada por Petr Pravec, do Instituto Astronômico da República Checa, quando os asteroides giram suficientemente rápidos eles se dividem em dois corpos diferentes que começam a orbitar um ao outro. Esses asteroides binários são frequentes no Sistema Solar e há evidências de impactos desses corpos no nosso planeta.
Ainda segundo os pesquisadores, os astrônomos dizem que muitos desses asteroides binários não permanecem juntos e acabam dando origem a asteroides independentes que orbitam ao redor do Sol. A maioria fica no chamado cinturão de asteroides, uma região que fica entre Marte e Júpiter.
Créditos:Redação Terra

Mesmo que haja água na superfície da Lua, ela é seca por dentro

As últimas décadas, a maioria das sondas espaciais enviadas à Lua está girando em torno dos mesmos problemas, que os astrônomos se cansam de bater: afinal, há água na superfície da Lua? De que forma? Quanto há? Podemos fazer algum uso dela? Pois bem, um novo estudo da Universidade de Albuquerque (Novo México, EUA) afirma o seguinte: independente de quanto há de líquido na superfície, o interior da Lua é seco como a sua boca em manhãs de ressaca. Análises recentes das rochas lunares estão descobrindo a incidência de água, em forma líquida, ou de gelo, mas os pesquisadores asseguram que isso se limita à superfície. Eles compararam a composição de rochas da Terra, amostras de meteoritos, rochas vulcânicas e rochas lunares. O objeto de comparação era a prevalência dos dois isótopos naturais do Cloro, o de massa 35 e o de massa 37, que são uma medida eficiente do quanto há de hidrogênio na rocha.
 
 Grosso modo, é uma relação inversamente proporcional: quanto mais cloro em estado natural, menos hidrogênio há naquele ambiente, e por conseguinte, menos água. Isso acontece porque o Cloro, em geral, combina-se com o hidrogênio para formar Cloreto de Hidrogênio (HCl). Assim, se sobra Cloro na rocha, é porque não há hidrogênio suficiente para que estes átomos se unam. Entre as rochas da Terra e os meteoritos, a quantidade de Cloro encontrada foi muito semelhante (variação inferior a 0,1%). Mas nas rochas lunares essa quantidade era 25 vezes maior. Isso leva a crer que a Lua é muito mais seca que a Terra. Pelo visto, a chance de encontrar lençois freáticos e rios caudalosos, quando um dia colonizarmos a Lua, não é lá muito grande. [msnbc]
Por Rafael Alves-hypescience.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...