31 de ago de 2010

Galáxias Dançantes – Arp 271

As galáxias NGC 5426 e a NGC 5427 são espirais de tamanho similar e que estão atualmente dançando juntas no universo. Não é certo que essa interação entre as galáxias irá terminar em uma colisão e finalmente em uma fusão entre as duas, embora as galáxias já estejam bastante afetadas com a proximidade. Juntas elas são conhecidas como Arp 271, e estão dançando assim pelo menos nos últimos dez milhões de anos, como conseqüência disso existe a criação novas estrelas que nada mais é que o resultado da atração gravitacional mútua entre as galáxias, o efeito dessa força pode ser visto na ponte de estrelas que conecta essas duas ilhas cósmicas. Localizado a 90 milhões de anos-luz de distância da Terra na direção da constelação de Virgem o conjunto Arp 271 tem aproximadamente 130 000 anos-luz de comprimento. Esse par de galáxias foi descoberto originalmente por William Herschel em 1785. É bem provável que nos próximos cinco bilhões de anos a nossa galáxia experimente algo parecido com a galáxia vizinha de Andromeda que está hoje localizada a 2.6 milhões de anos-luz de distância da Via Láctea. Essa imagem aqui reproduzida foi feita pelo instrumento EFOSC acoplado ao New Technology Telescope de 3.58 metros localizado no Observatório de La Silla do ESO no Chile. Os dados foram adquiridos através de três filtros diferentes (B, V e R) com um tempo total de exposição de 4440 segundos. O campo de visão é de aproximadamente 4 arcos de minuto.
Fonte:Ciência e Tecnologia

Cientistas detectam potássio na atmosfera de 2 planetas distantes

Ambos os planetas são gigantes gasosos e têm temperaturas extremamente altas
As observações foram realizadas no Gran Telescopio Canarias (GTC), actualmente o maior telescópio do mundo com 10.4 metros de diâmetro, utilizando um instrumento denominado OSIRIS capaz de realizar fotometria e espectroscopia de elevada precisão.
Duas equipes de astrônomos, da Universidade da Flórida (EUA) e da Universidade de Exeter (Reino Unido), informam ter encontrado sinais do elemento químico potássio na atmosfera de dois planetas de fora do Sistema Solar, HD 80606 b, a 190 anos-luz, e XO-2b, a 485 anos-luz.
Ambos os planetas são gigantes gasosos e têm temperaturas extremamente altas, de 1.200º C e 926º C, respectivamente. Essa calor é suficiente para vaporizar o potássio, que na Terra é um metal prateado que se oxida rapidamente e reage de forma violenta com a água. Íons de potássio são fundamentais para a vida na Terra. Modelos teóricos já previam a presença de potássio vaporizado na atmosfera de gigantes gasosos extremamente quentes, mas os dois trabalhos divulgados nesta terça-feira, 31, representam a primeira confirmação prática da previsão.
O pesquisador David Sing, da Universidade de Exeter, que encabeçou o grupo britânico, disse que a descoberta "vem em apoio a muitas teorias sobre os planetas desse tipo". Ele destacou ainda, em nota, que a detecção foi feita com o uso de uma nova técnica que poderá ajudar na compreensão e caracterização de outros planetas. Segundo Eric Ford, da Universidade da Flórida, a técnica, chamada espectrometria de banda estreita de trânsito, "abre as portas" para a comparação da abundância de átomos e moléculas na atmosfera de diversos planetas. Essa espectrometria funciona com a medição da luz que passou através das camadas superiores da atmosfera de um planeta, e o uso de equipamentos especialmente sensíveis para analisar os dados. Ambos os estudos foram realizados com o uso do Gran Telescópio Canárias, localizado no pico de la palma, nas Ilhas Canárias.
"Essa técnica só funciona para planetas que passam na frente de suas estrelas, como vistas da Terra", disse Ford, destacando ainda que, dos quase 500 planetas já descobertos, poucos são os que cumprem esse requisito e, menos ainda, os que orbitam estrelas brilhantes o suficiente para permitir observações com precisão.
Fonte:ESTADÃO

Observatório capta colisão entre agrupamentos de galáxias

    Colisões de galáxias são consideradas os acontecimentos mais enérgicos desde o Big Bang  Foto: Divulgação
O Observatório Chandra, da Universidade de Harvard e da Nasa, nos Estados Unidos, divulgou imagem de uma colisão entre agrupamentos de galáxias menores ocorrida no agrupamento de galáxias Abell 1758, localizada a 3,2 bilhões de anos-luz da Terra. Em azul, dados do Chandra mostram gás quente no agrupamento e, em rosa, dados do Telescópio Gigante de Ondas Métricas (GMRT, na sigla em inglês), na Índia, halo gerado por partículas e campos magnéticos em alta escala. O estudo deste agrupamento e de 31 outros com utilização do Chandra e do GRMT mostram que ondas magnéticas são geradas durante colisões entre galáxias agrupadas. Isso significa que galáxias que não emitem essas ondas não acumulam grande quantidade de material, diferentemente aos agrupamentos que as emitem. Também significa que elétrons são acelerados pela turbulência gerada pela fusão de galáxias. Agrupamentos de galáxias são as maiores estruturas do Universo que são conectadas por gravidade. São formadas quando pequenos grupos de galáxias ou agrupamentos menores se colidem e se fundem. Colisões de agrupamentos são consideradas os acontecimentos mais energéticos no Universo desde o Big Bang.
Fonte:noticias.terra.com.br

Johann Franz Encke

Johann Franz Encke (Hamburgo, 23 de setembro de 1791 — Spandau, 26 de agosto de 1865) foi um astrônomo alemão, cujo nome é associado ao 2P/Cometa Encke, o cometa com período mais curto que se conhece.
Nasceu em 1791, estudou matemática e astronomia em Göttingen tendo como o professor Carl Friedrich Gauss. Em 1812 tornou-se o professor em Kassel até 1813 quando lutou no exército contra as forças de Napoleão Bonaparte. Em 1814 começou a trabalhar no observatório de Seeberg próximo a Gota. No final de 1818, Jean Lois Pons descobriu um cometa fraco, o qual já havia sido observado por Pierre Mechain em 1786 e em 1795 por Caroline Herschel, Enkce se encarregou da tarefa de calcular a órbita deste objeto e descobriu que tem um período orbital de apenas 3.29 anos. Até esse momento os períodos os mais curtos conhecidos eram em torno de 70 anos, com afélio um pouco mais distante do que a órbita de Urano, o mais famoso deles é o cometa 1P/Halley, com um período de 76 anos. É importante saber que o cometa Encke é o que tem o período o mais curto até agora conhecido, fazendo seu retorno ao redor sol em apenas 3.3 anos.
Encke dedicou-se também à compilação de um novo Atlas Estelar, que possibilitou ao Johann Gottfried Galle a descobrir ao planeta Neptuno. Em 1822 foi nomeado diretor do observatório de Gota, em 1825 foi chamado a Berlim pelo rei da Prússia. Com o apoio de Alexander von Humboldt e o rei Friedrich Wilhelm III foi construído o observatório ao sul de Berlim. O arquiteto era Friedrich Schinkel. Teve um telescópio de 9 polegadas e Encke foi seu diretor.
Continuou trabalhando nos cálculos orbitais dos cometas e asteróides. Em 1837 descobriu um espaço entre o anel de Saturno que é chamado divisão de Encke. Seu assistente Johann Gottfried Galle descobriu em 1838 o anel escuro interior C e em 1846 descobriu Neptuno.
Fonte:Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cometa Encke

O Cometa Encke oficialmente denominado de 2P/Encke, tem seu afélio próximo a órbita de Júpiter. O periélio esta dentro da órbita de Mercúrio. Foi o segundo cometa periódico descoberto, após o cometa Halley. Este cometa tem o menor período de translação conhecido, aproximadamente 3,31 anos. Em razão da sua inusitada órbita não-parabólica, as tentativas iniciais de calcular seus elementos esbarraram em dificuldades. O cometa Encke é um asteróide antigo, escuro e aparentemente rígido. Destaca-se por apresentar um brilho menor a cada nova orbitação em torno do Sol. Seria um corpo celeste que se encontra em transição de cometa para asteróide. Devido a sua trajetória ser de período muito curto, com suas freqüêntes passagens junto ao Sol, este cometa já teria perdido a maior parte de seu material volátil. O cometa foi descoberto em 17 de Janeiro de 1786 por Pierre Méchain em Paris, França, quando ele pesquisava por cometa na região de Aquário. Méchain afirmou na época que o cometa apresentava um brilho médio e que sua cauda era estreita e de brilho fraco e pela astrônoma britânica Caroline Herschel em 1795. Por volta de 1818, o cientista alemão Carl Friedrich Gauss desenvolveu um método para calcular as órbitas dos asteróides e o astrônomo alemão Johann Franz Encke(1791-1865) aplicou-o às observações que Jean-Louis Pons fizera sobre um cometa em novembro e dezembro daquele ano. Como o período era muito curto. Ele observou que um determinado cometa descoberto em 1786, 1795, 1805, e 1818 era um mesmo cometa.Em 1819 publicou suas conclusões no jornal Correspondance astronomique, e suas predições estavam corretas quando o cometa retornou em 1822. O cometa recebeu este nome em honra de Johann Franz Encke. Ele foi um astrônomo que descobriu a existência dos cometas de período curto. Não é comum que seja dado o nome ao cometa para quem calculou a sua órbita, mas sim para quem o descobriu. É um dos poucos cometas a não dever o nome a seu descobridor, mas sim ao astrônomo que preveu seu retorno com precisão. Encke já foi observado mais de 54 vezes. A sonda CONTOUR ou Comet Nucleus Tour tinha por missão pesquisar em um encontro de 12 de Novembro de 2003. Mas a NASA perdeu o contato com a sonda em 15 de Agosto, seis semanas após o seu lançamento e a missão foi posteriormente considerada perdida.
Fonte:Wikipédia, a enciclopédia livre.

Jato de Buraco Negro se Espalha por 100000 Anos-Luz

Uma nova imagem dos telescópios espaciais da NASA Hubble, Chandra e Spitzer mostram um gigantesco jato de partículas que tem sido ejetado da vizinhança de um tipo de buraco negro supermassivo chamado de quasar. O jato é enorme, se espalha por mais de 100000 anos-luz de comprimento no espaço, um tamanho comparável a toda a extensão da Via Láctea. O jato aqui amostrado é ejetado do primeiro quasar conhecido, chamado de 3C273, descoberto em 1963. Um caleidoscópio de cores representa os comprimentos de onda presentes no jato. Os raios-X, com mais alta energia, são mostrados em azul na porção esquerda da imagem. Os quasares estão entre os objetos mais brilhantes do universo. Eles consistem na verdade de buracos negros envoltos por material turbulento que é aquecido a medida que cai em direção ao buraco negro. Esse material quente brilha então de forma intensa, e algumas partes desse material são sopradas para o espaço formando esses poderosos jatos. Os astrônomos foram capazes de usar esses dados para resolver o mistério de como a luz é produzida nos jatos de quasares – essa luz é resultado de partículas carregadas se movendo em forma de espiral através de um campo magnético, processo chamado de radiação síncrotron.
Créditos:Ciência e Tecnologia

O Centro Galáctico

O céu na direção do centro da nossa galáxia é preenchido com uma grande variedade de maravilhas celestes, muitas das quais são visíveis em um local escuro com binóculos comuns. Entre as constelações localizadas próximo do centro galáctico pode-se incluir Sagitarius, Libra, Scorpius, Scutum e Ophiuchus. Entre as nebulosas pode-se citar os objetos Messier M8, M16, M20 bem como a as Nebulosas da Popa e da Pata de Gato. entre os aglomerados abertos de estrelas pode-se citar M6, M7, M21, M23, M24 e M25, enquanto que o aglomerado globular M22 também é visível. Um buraco na poeira na direção do centro galáctico revela uma região brilhante preenchida com estrelas distantes conhecida como Janela de Baades que é visível entre a M7 e a M8. Uma versão anotada da imagem é encontrada no site de origem da imagem.

Avistada nova cratera em Marte que possui água congelada

Algumas das últimas fotos tiradas por uma poderosa nave espacial da NASA mostram uma cratera em Marte que escondia água congelada. A imagem colorida mostra claramente um pedaço de gelo de água em Marte, no fundo de uma cratera de 6 metros de largura, na superfície. A jovem cratera está no hemisfério norte do planeta. Os cientistas suspeitam que se formou recentemente, entre abril de 2004 e janeiro deste ano. A cratera de gelo fica mais ao sul do que alguns outros avistamentos de água congelada enterrada. Ela apareceu em uma das centenas de fotos de Marte feitas entre 6 de junho e 7 de julho deste ano. O caminho de gelo cobre uma área de até dois metros quadrados. Deve ter a mesma profundidade e origem semelhante a outras crateras escavadas no planeta, pois esse caso não foi o primeiro. Uma nave da NASA pousou no ártico de Marte em maio de 2008 e encontrou evidências de água congelada logo abaixo da superfície usando um braço robótico, e então uma nave espacial em órbita avistou gelo pela primeira vez nas crateras de Marte em agosto de 2008. O gelo não durou muito, e voltou direto em vapor em um processo conhecido como sublimação. Não há prova definitiva da existência de água líquida em Marte até hoje. Os cientistas ficaram surpresos porque a cratera de água era 99% pura, com apenas um pouco de poeira de Marte misturada. Portanto, eles especulam que a água do gelo deve ter algumas centenas de milhares de anos, e ser proveniente de um período em que o planeta era líquido. A camada de gelo poderia ter permanecido isolada do ambiente marciano até 400 mil anos atrás, quando um impacto interrompeu sua cobertura de proteção. Por isso que os cientistas acreditam ser tão pura, porque é muito jovem e não tem sido misturada com outros materiais. A equipe da NASA pretende tirar fotos adicionais para verificar a cratera no próximo verão marciano.
Por Natasha Romanzoti-hypescience.com

Atividade solar influencia a densidade da atmosfera da Terra

Segundo um novo estudo, conforme a energia do Sol sobe e desce, a atmosfera da Terra vai junto. Estas flutuações da energia do Sol explicam o recente colapso da atmosfera superior da Terra, que antes havia intrigado os cientistas. A queda acentuada dos níveis de radiação ultravioleta foi o que provocou o colapso. Os pesquisadores também descobriram que o ciclo magnético solar, que produz diferentes números de manchas solares ao longo de um ciclo de aproximadamente 11 anos, pode variar mais do que se pensava anteriormente. O ciclo não só varia na escala típica de 11 anos, mas também pode variar de um mínimo solar para o outro.

As descobertas podem ter implicações para satélites em órbita, bem como para a Estação Espacial Internacional. Durante o colapso, a camada da atmosfera superior, conhecida como termosfera, fica encolhida e menos densa, portanto os satélites podem mais facilmente manter suas órbitas. Ainda assim, o colapso indica que o lixo espacial e outros objetos que apresentam riscos podem persistir por mais tempo na termosfera. Esses milhares de objetos não-operacionais remanescentes no espaço poderiam colidir com os satélites em trabalho. Recentemente, a atividade solar estava em extrema baixa. Em 2008 e 2009, as manchas solares foram escassas, as chamas solares quase inexistiram, e a luz solar ultravioleta extrema – uma classe de fótons com comprimentos de onda extremamente curtos – esteve em baixa.

Dentre os 43 anos de exploração especial, essa foi a maior diminuição da termosfera da Terra já vista. A termosfera, que varia em altitude de cerca de 90 a 500 quilômetros, é uma camada de gás rarefeita na borda do espaço onde a radiação do sol faz seu primeiro contato com a atmosfera da Terra. Ela geralmente esfria e se torna menos densa durante atividade solar baixa. Mas a magnitude da mudança de densidade durante o mínimo solar recente pareceu ser cerca de 30% maior do que seria esperado por baixa atividade solar.

Os pesquisadores usaram modelos de computador para analisar dois possíveis culpados pelo encolhimento da termosfera. Eles simularam os impactos da produção do sol e do papel do dióxido de carbono, um gás de efeito estufa que, de acordo com estimativas anteriores, reduz a densidade da atmosfera exterior cerca de 2 a 5% por década. No entanto, os cientistas não tinham certeza se a diminuição da radiação ultravioleta extrema seria suficiente para ter um impacto dramático na termosfera, mesmo quando combinado com os efeitos do dióxido de carbono. Os modelos de computador mostraram que a termosfera, em 2008, resfriou 41 graus Celsius em relação a 1996, mas pouco disso foi atribuído ao aumento de dióxido de carbono.

Os resultados mostraram também que a densidade da termosfera diminuiu 31%, apenas 3% graças ao dióxido de carbono. Ou seja, os pesquisadores afirmaram que ficou claro que a baixa temperatura e densidade da camada foram principalmente causadas por níveis anormalmente baixos de radiação solar ao nível extremo-ultravioleta. A pesquisa também indica que o sol pode estar passando por um período de atividade relativamente baixo, semelhante aos períodos que ocorreram no começo dos séculos 19 e 20. Isso pode significar que a atividade vai continuar assim no futuro. Se for verdade que há certos padrões semelhantes ao passado, então devemos esperar baixos ciclos solares para os próximos 10 a 30 anos.
Por Natasha Romanzoti-hypescience.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...