12 de jan de 2011

Astrônomos identificam época em que os buracos negros cresceram

A maioria das galáxias do universo, incluindo a Via Láctea, é lar para buracos negros super-massivos, que variam de cerca de 1 milhão de vezes a 10 bilhões de vezes a massa do sol. Os astrônomos procuram pela enorme quantidade de radiação emitida por gás que cai nos buracos negros quando querem encontrá-los. Durante o tempo que os buracos negros são “ativos”, eles incorporaram matéria. Este gás dentro dos buracos negros provavelmente é o meio pelo qual eles crescem. Agora, astrônomos determinaram que a época do crescimento rápido dos maiores buracos negros ocorreu quando o universo tinha apenas cerca de 1,2 bilhões de anos, e não 2 a 4 bilhões de anos atrás, como se acreditava anteriormente. O novo estudo é resultado de um projeto de 7 anos que acompanhou a evolução dos maiores buracos negros e os comparou com a evolução das galáxias em que residem. A pesquisa se baseou nas observações de alguns dos maiores telescópios terrestres do mundo. Os dados obtidos com a instrumentação avançada mostram que os buracos negros que estavam ativos quando o universo tinha 1,2 bilhões de anos são cerca de dez vezes menores do que os maiores buracos negros vistos mais tarde. No entanto, eles estão crescendo muito rápido. A taxa de crescimento medida permitiu que os cientistas estimassem o que aconteceu com esses objetos no passado. A equipe descobriu que os primeiros buracos negros, que iniciaram o processo de crescimento quando o universo tinha apenas algumas centenas de milhões de anos, tinham massas apenas 100 a 1000 vezes a massa do sol. Esses primeiros buracos negros podem estar relacionados com as primeiras estrelas do universo. Eles também descobriram que o período subsequente de crescimento desses buracos negros, após os primeiros 1,2 bilhões anos, durou apenas 100 a 200 anos. 

Uma supernova ou fogos de artifício?

Essa imagem incrível foi montada através de dados coletados por dois observatórios da Nasa, o telescópio Hubble e o observatório de raios-x Chandra. O resultado mostra um material azul e verde, cercado por uma barreira cor-de-rosa mostrando que a imagem retrata uma onda de explosão que está se expandindo, resultante de uma supernova.Essa supernova do tipo 1 ocorreu a cerca de 400 anos, pelo menos para os observadores da Terra. Esse resto de supernova, assim como sua estrela originária, localizam-se na galáxia conhecida como LMC (Large Magellanic Cloud), uma pequena galáxia que fica a 160 mil anos-luz de distância da Terra. A bolha de gás tem 23 anos-luz de largura e se expande a uma taxa impressionante -5 mil km por segundo.
Fonte:[Nasa]

Nebulosa do Caranguejo emite misteriosas explosões de raios gama

Cientistas detectaram três “surtos” de labaredas da famosa Nebulosa do Caranguejo, um dos objetos celestes mais conhecidos, que a fizeram brilhar de forma significativa na faixa de raios gama por alguns dias. A Nebulosa do Caranguejo é na verdade o “cemitério” de uma estrela morta há muito tempo. Suas camadas fotogênicas de gás coloridos são os restos do corpo da estrela, expulsos antes dela colapsar e criar uma densa estrela de nêutrons. A estrela de nêutrons no coração da Nebulosa do Caranguejo é chamada de “pulsar”, pois emite um feixe contínuo de radiação, como um farol que parece pulsar quando cruza a linha de visão da Terra. Anteriormente, os cientistas acreditavam que o Caranguejo era estável. Agora, a descoberta das “explosões” muda essa ideia. Os pesquisadores observaram labaredas em outubro de 2007 e setembro de 2010. Outra equipe também observou a chama de setembro 2010, bem como uma em fevereiro de 2009.
Os pesquisadores ainda não sabem por que a nebulosa está emitindo essas erupções estranhas. As labaredas, que duraram, cada uma, poucos dias, são diferentes das explosões de raios gama, que são explosões de luz muito mais curtas, criadas quando morre uma estrela gigantesca. A ideia básica é que o pulsar libera uma corrente de partículas carregadas que são aceleradas. Quando as partículas – principalmente elétrons e seus irmãos com carga positiva, os pósitrons – “batem” na nebulosa em torno do pulsar, elas interagem com o campo magnético da nebulosa, fazendo com que ela libere um tipo de luz conhecida como radiação síncrotron, que é principalmente na forma de raios gama. Estas são as primeiras explosões de raios gama vistas de qualquer nebulosa. Segundo os cientistas, isso vai fornecer uma nova visão sobre como as partículas são aceleradas em objetos astrofísicos. Essa aceleração em particular é aproximadamente 1.000 vezes mais energética do que o maior acelerador de partículas feito pelo homem, ou seja, quase à velocidade da luz. Como resultado, os raios gama liberam muita energia, nunca antes vista a partir de fontes astrofísicas. O objetivo dos pesquisadores é compreender o processo de aceleração de partículas, formando modelos e teorias que possam explicar como acelerar as partículas a esta quantidade enorme de energia. Para isso, os cientistas esperam pegar a Nebulosa do Caranguejo no “ato”, durante uma explosão, bem como eventualmente observar o fenômeno em outras nebulosas.
Fonte:[MSN]

Menina canadense de 10 anos é a mais nova pessoa a descobrir uma supernova

Aqui vai um bom argumento para deixar seus filhos ficarem acordados até mais tarde: observações astronômicas. Uma menina canadense de apenas 10 anos descobriu uma supernova no dia 2, se tornando a pessoa mais nova a conseguir tal feito. Kathryn Aurora Gray, a pequena astrônoma, fez a descoberta sob a supervisão de dois astrônomos amadores adultos, de acordo com a Sociedade de Astronomia Amadora do Canadá. Eles tiraram uma foto de uma galáxia, na direção da constelação Camelopardalis. No dia dois de janeiro, Kathryn estava examinando a foto quando viu a supernova. Outros astrônomos analisaram a imagem e confirmaram a descoberta. Supernovas são o resultado da explosão de estrelas várias vezes maiores do que o nosso sol. Elas aparecem como pontos brilhantes no céu e, algumas vezes, são tão grandes que astrônomos amadores, que não têm telescópios profissionais, podem vê-las, como no caso de Kathryn. A constelação camelopardalis, também conhecida como “a girafa”, é uma constelação grande, porém mais apagada, que aparece no céu do norte. Na direção dela fica a galáxia UGC 3378, onde ocorreu a supernova.
Fonte:[PopSci]

Telescópios ao redor do mundo irão monitorar o céu inteiro

Unindo os dados de três grandes telescópios, um na Europa, outro na Austrália e o último na África do Sul, um professor da Universidade de Southamptom quer capturar eventos astronômicos no céu inteiro em tempo real. Eventos que liberam altas quantidades de energia, como a colisão de estrelas de nêutron e estrelas sendo consumidas, emitem ondas de rádio que podem ser captadas aqui na Terra. Infelizmente, os nossos telescópios normalmente detectam apenas uma pequena fração dessas ondas de rádio e, como a Terra tem sua rotação, os telescópios acabam se afastando daquilo em que estão focados. O projeto irá fazer com que os três melhores telescópios de rádio do mundo “mirem” em um mesmo alvo, mantendo quase todo o céu sob vigilância quando algum fenômeno diferente acontece. Também haverá a participação do MAXI, um telescópio de raios-x que orbita a Terra a bordo da Estação Espacial Internacional.
 Fonte: Hipescience.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...