Postagens

Mostrando postagens de Março 9, 2011

Titã, Anéis e Saturno, Registrados Pela Sonda Cassini

Imagem
Crédito: Cassini Imaging Team, ISS, ESA, JPL, da Nasa
Qual a espessura dos anéis de Saturno? Medidas de brilho feitas de diferentes ângulos têm mostrado que os anéis de Saturno têm aproximadamente um quilômetro de espessura, fazendo deles muitas vezes mais fino, em proporção relativa, do que uma lâmina. Essa fineza as vezes aparece de forma dramática durante uma imagem feita próximo do plano dos anéis. A sonda robô Cassini da NASA agora orbitando Saturno, capturou outra imagem que mostra em destaque como os anéis de Saturno são realmente finos relativamente. A imagem acima, foi feita no meio do mês de Janeiro de 2011 em luz infravermelha polarizada. Titã flutua um pouco acima do plano dos anéis. Olhando atenciosamente a imagem é possível ver a lua Encélado, que aparece menor na direita. A sonda Cassini, primeira missão feita pelo homem para estudar exclusivamente Saturno, tem suas operações planejadas para durar até 2017. Fonte: http://apod.nasa.gov

Cassini descobre que Encelado é um verdadeiro poço de energia

Imagem
De acordo com uma análise de dados recolhidos pela sonda Cassini da NASA, a libertação de calor da região polar do sul da lua de Saturno, Encelado, é muito maior do que se pensava ser possível. O estudo foi publicado na edição de 4 de Março do Journal of Geophysical Research. Os dados do terreno polar sul de Encelado, obtidos pelo espectrómetro infravermelho da Cassini, marcado por fissuras lineares, indicam que a energia gerada pelo calor interno ronda os 15,8 gigawatts, aproximadamente 2,6 vezes a energia de todas as fontes termais no parque americano de Yellowstone, ou comparável a 20 centrais termoeléctricas. Isto é mais do que uma ordem de magnitude acima do que os cientistas tinham previsto, segundo Carly Howett, o autor principal do estudo, investigador pós-doutorado no Instituto de Pesquisa do Sudoeste em Boulder, Colorado, EUA, e membro da equipa científica do espectrómetro infravermelho.
Esta imagem, usando dados obtidos pela sonda Cassini, mostra como o terreno polar sul da …

Quarteto de Robert

Imagem
O Quarteto de Robert, fotografado pelo HST
O Quarteto de Robert é um grupo de galáxias cerca de 160 milhões de anos-luz de distância na direção da constelação de Phoenix. Trata-se de uma família de quatro diferentes galáxias no processo de colisão e fusão. Os seus membros são NGC 87, NGC 88, NGC 89 e NGC 92, descobertas por John Herschel, nos anos 1830. O quarteto é um dos mais belos exemplos de grupos compactos de galáxias. Porque esses grupos contêm quatro a oito galáxias em uma região muito pequena, eles são excelentes laboratórios para o estudo da galáxia interações e seus efeitos, em especial, sobre a formação de estrelas. O quarteto tem um total de quase 13 de magnitude aparente. O mais brilhante membro do grupo tem uma magnitude de cerca de 14. Sobre o céu, as quatro galáxias estão todas dentro de um círculo de raio de 1,6 arco de minuto, o que corresponde a cerca de 75000 anos-luz. Ele foi nomeado por Halton Arp e Barry F. Madore, que compilou um Catálogo de Galáxias e Associaç…

Hubble Ultra Deep Field

Imagem
Esta é a imagem de alta resolução do HUDFque inclui galáxias de vários idades, tamanhos, tipos e cores. As pequenas galáxias avermelhadas, aproximadamente 100, são umas das mais distantes galáxias vistas por um telescópio óptico. Essas galáxias estão a 13 bilhões de anos luz da Terra, então essa foto está mostrando como as galáxias estavam a 13 bilhões de anos atrás. O Hubble Ultra Deep Field (Tradução: Campo super profundo), ou HUDF, é uma imagem de uma pequena região do espaço, na constelação de Fornax, composta por dados do Telescópio Espacial Hubble no período de 3 de setembro de 2003 a 16 de janeiro de 2004. É a imagem mais profunda do universo tirada em luz visível, vendo o passado mais de 13 bilhões de anos atrás (cerca de 400-800 milhões de anos após o Big Bang). Na imagem do HUDF, estima-se que haja 10.000 galáxias. A pequena região do céu em que as galáxias residem (pelo menos um décimo do diâmetro da Lua vista da Terra) foi escolhida porque há uma baixa densidade de estrelas…

O Enxame de Galáxias Mais Distante e Evoluído

Imagem
     Estaimageméumcomposta deexposiçõesmuito longastiradas comESOVery Large Telescopeno Chile e notelescópioSubaru.Créditos: ESO/NOAJ/Subaru/R. Gobat Os astrónomos utilizaram um arsenal de telescópios, tanto no solo como no espaço, incluindo o Very Large Telescope instalado no Observatório do Paranal do ESO, no Chile, para descobrir e medir a distância ao enxame de galáxias mais distante mas mais evoluído encontrado até agora. Embora este enxame se observe quando o Universo tinha menos de um quarto da sua idade atual, o objeto assemelha-me de forma surpreendente aos enxames de galáxias do Universo atual. “Medimos a distância ao enxame de galáxias mais distante mas mais evoluído alguma vez encontrado”, diz Raphael Gobat (CEA, Paris), autor principal do estudo que utilizou as observações do VLT do ESO. “O surpreendente é que quando o observamos mais detalhadamente, este enxame de galáxias não parece ser jovem - muitas das galáxias já evoluíram e não parecem ser galáxias com formação este…

NASA contesta pesquisa sobre fósseis extraterrestres em meteorito

Sem apoio
A NASA manifestou-se em relação à alegação de um de seus cientistas de ter encontrado indícios de vida bacteriana extraterrestre em um meteorito. A manifestação da NASA não veio na forma de um comunicado à imprensa, como usual, mas de um curto texto no site SpaceRef. Veja a íntegra do comunicado ao final desta reportagem, negando qualquer endosso da agência espacial ao trabalho do até então Dr. Richard B. Hoover - no blog NASA Watch, a agência nega que o pesquisador tenha um título de doutor, embora vários de seus comunicados anteriores refiram-se a ele com o título de "Dr".
Opiniões ponderadas
Foram publicadas também as primeiras manifestações de cientistas especialistas na área, comentando o artigo publicado por Hoover. Há duas linhas principais de dúvidas em relação às alegações do pesquisador da NASA. A primeira é que o meteorito pode ter sido contaminado na Terra, uma vez que o Orgeuil caiu na França em 1864 e vem sendo manipulado desde então. A segunda é que as …

Apontando Um Dedo Numa Região de Formação de Estrelas

Imagem
O Wide-field Infrared Survey Explorer, ou WISE da NASA, capturou essa imagem de uma nuvem de formação de estrelas de gás e poeira localizada na constelação de Monoceros. A nebulosa, normalmente referida como Sh2-284, é relativamente isolada na parte final de um braço espiral externo da Via Láctea. No céu noturno ela está localizada na direção oposta ao centro da Via Láctea. Talvez, as feições mais interessantes na Sh2-284 são aquelas que os astrônomos chamam de Trombas de Elefantes. As Trombas de Elefantes, são na verdade, monstruosos pilares de gás e poeira densos. O mais famoso exemplar desse tipo de pilar são os Pilares da Criação encontrados em uma imagem da Nebulosa da Águia, feita pelo Telescópio Espacial Hubble. Nessa imagem do WISE, as trombas são vistas como pequenas colunas de gás se esticando na direção do centro do vazio na Sh2-284, como se fossem longos dedos esverdeados com as unhas pintadas em amarelo. A mais notável tromba pode ser vista no lado direito. Ela parece com…

O legado tóxico de uma estrela que está morrendo

Imagem
O estranho e irregular maço de jatos e nuvens nessa curiosa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble das Agências NASA e ESA, é o resultado de uma explosão de atividade tardia na vida de uma estrela. À medida que seu núcleo consome o combustível nuclear, as camadas externas instáveis da estrela expelem uma combinação tóxica de gases que inclui monóxido de carbono e cianeto de hidrogênio. A Nebulosa de Westbrook – também conhecida como PK16-06, CRL 618 e AFGL 618 – é uma nebulosa protoplanetária, uma nuvem de gás opaca, escura e com uma vida relativamente curta que é ejetada por uma estrela à medida que esgota o seu combustível nuclear. À medida que a estrela se esconde no fundo do centro de uma nebulosa ela se desenvolve e se torna uma quente anã branca e o gás ao redor se tornará uma nebulosa planetária em crescimento, eventualmente antes de desaparecer. Pelo fato desse ser um estágio muito curto no processo evolutivo das estrelas, somente algumas centenas de nebulosas protoplane…

Astrobiólogo diz ter encontrado evidência de vida extraterrestre

Imagem
O principal elemento que embasa a conclusão do pesquisador é a ausência de nitrogênio, o que descartaria a contaminação do meteorito depois que ele caiu na Terra.[Imagem: Richard B. Hoover/Journal of Cosmology]
O Dr. Richard B. Hoover, um renomado e premiado astrofísico que trabalha no Centro Espacial Marshall, da NASA, publicou um artigo alegando ter encontrado indícios de vida em um meteorito.
Fósseis de ETs?
O artigo foi publicado na sexta-feira em um periódico científico pouco conhecido, chamado Journal of Cosmology. Juntamente com o artigo, o periódico publicou um comunicado sobre o aspecto controverso da descoberta e os cuidados tomados antes de sua publicação: Dada a natureza controversa desta descoberta, nós convidamos 100 especialistas e enviamos um convite geral para mais de 5.000 cientistas da academia para revisar o artigo e apresentarem suas análises críticas. Nossa intenção é publicar os comentários, tanto favoráveis quanto desfavoráveis, juntamente com o artigo do Dr. Hoov…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...