Postagens

Mostrando postagens de Março 15, 2011

Galeria de Imagens - As 10 maiores explosões do universo

Imagem
10- Morte vinda dos céus
A menor explosão da lista pode ter sido grande o bastante para cobrir o sol com poeira e fragmentos e aniquilar os dinossauros da Terra. O asteróide caiu na península de Yucatán, no México, há 65 milhões de anos. Medindo 9km de comprimento, o meteoro deixou uma cratera de 180km (caberiam Nova York, Filadélfia e toda a área entre as 2 cidades). A energia liberada pelo impacto foi de 250 megatons. Para efeitos de comparação, a bomba atômica liberou 50 megatons. Considerando que o asteróide tinha a mesma massa do Everest, viajando a 80 mil km/h, não é surpresa que tenha provocado uma das maiores explosões do universo.

9- O impacto de Marte Para nossa sorte, foi Marte o alvo de um asteróide 200x maior que o que extinguiu os dinossauros. O asteróide tinha 1,900km de diâmetro e caiu em Marte há cerca de 3,9 bilhões de anos. O impacto deixou uma cratera de 5,300km de extensão (quase o tamanho do continente africano), cerca de 40% do planeta. Ela é chamada de Bacia Borea…

Buracos negros invasores criam as explosões de raios gama

Imagem
As explosões de raios gama, ou GRBs estão entre os fenômenos mais mortais do universo. Acredita-se que ocorrem nos espasmos finais da vida de estrelas massivas. Estas emissões são lançadas por estas estrelas no jatos de plasma, que viajam milhares de milhões de anos-luz de distância em todas as direções. Partículas de alta energia que formam esses jatos são muito parecidos com os itens produzidos na explosão de uma bomba atômica, mas em uma escala infinitamente maior. Os astrónomos têm intrigado com a causa precisa destes eventos para uma saudável e longa, mas agora uma equipe de pesquisadores propôs uma nova explicação. Sob o novo cenário buracos negros engolem outras estrelas para produzir GRBs. De acordo com os matemáticos da Universidade de Leeds, no Reino Unido é que esses jatos são produzidas diretamente em buracos negros, que têm a capacidade de abordagem e consumir estrelas maciças. Esta nova explicação é diretamente oposta às teorias atuais sobre a formação de GRBs, sugerindo…

Onde estarão as manchas solares?

Imagem
Manchas solares são regiões frias e escuras na superfície do sol, dominadas por intensos campos magnéticos. Estas são as sedes de tempestades de partículas carregadas que geram belas auroras na Terra, mas que também podem devastar a eletrônica no espaço, afetando o transporte aéreo sobre as regiões polares, e as redes de energia na Terra.

Agora, os cientistas parecem ter descoberto a fonte de uma “seca” de manchas solares nos últimos anos. O sol passa periodicamente por um fluxo e refluxo no número de manchas solares, um ciclo que dura aproximadamente 11 anos. No entanto, perto do final do ciclo solar 23, que chegou em 2001, a atividade solar entrou em um longo “mínimo”, com um grande número de dias sem manchas solares e um campo magnético polar muito fraco.

 A não ser que se voltasse quase 100 anos, não seria possível encontrar um mínimo solar com um número maior de dias sem manchas. No entanto, esta “seca” finalmente acabou em 2009. O sol chegou a seu ciclo seguinte, o ciclo solar 24…

Supernova 1006

Imagem
Supernovas são estrelas que explodem e comumente brilham mais do que galáxias inteiras no nosso céu. A supernova mais brilhante da história foi vista na constelação Lobo no ano 1006. A extraordinária explosão dourada conhecida hoje como SN 1006 ocorreu a cerca de 7.100 anos-luz de distância em uma parte relativamente próxima da galáxia. Ela foi forte o suficiente para criar sombras e permitir que as pessoas lessem durante a noite, permanecendo visível por meses durante o dia. Fonte:http://hypescience.com/

Você já ouviu falar em uma estrela anã marrom?

Imagem
Em astronomia, quando um corpo celestial tem a composição como a de uma estrela, mas tem massa entre a de um planeta gigante e a de uma estrela pequenina. Ele é chamado de Anã Marrom. Este corpo é muito pequeno para iniciar reações nucleares pela qual as estrelas brilham, então, brilha no infravermelho. São conhecidas também como “estrelas falhadas”. Imagina-se que elas também sejam incrivelmente quentes. Como as estrelas maiores, as anãs são resultado do colapso de nuvens de gás, mas elas não são grandes o suficiente para manter reações nucleares. Ao invés disso, elas brilham vermelho por causa do calor da sua formação, depois esmorecem. Mesmo assim, as anãs menos quentes já conhecidas poderiam “assar” aventureiros do espaço que se aproximassem. Contudo, cientistas da Universidade da Pensilvânia detectaram, por meio de um telescópio da NASA, o brilho do que parece ser uma anã marrom com temperatura de 30°C. O objeto espacial gira em torno de uma estrela localizada a 63 anos-luz da Te…

M87 - Um jato extragaláctico

Imagem
Crédito: NASA & The Hubble Heritage Team (STScI/AURA).
Emanando a alta velocidade a partir do centro da galáxia M87, este jato cósmico é um dos fenómenos mais espectaculares da Natureza. Constituído por electrões e outras partículas sub-atómicas, este jacto, que se desloca quase à velocidade da luz, é alimentado por um buraco negro que reside no centro da galáxia. Numa primeira análise, M87, também conhecida por NGC 4486, parece ser uma galáxia elíptica gigante normal. Contudo, desde 1918 que se havia notado a existência de um "raio de luz curioso" emanando do centro de M87. Na década de 50, quando o ramo da radioastronomia se encontrava em desenvolvimento, foi descoberta uma fonte de rádio extremamente forte associada a M87 e ao seu jacto. Após décadas de investigação, descobriu-se que a fonte desta actividade intensa é um buraco negro colossal no centro da galáxia com uma massa de, aproximadamente, 2 mil milhões de massas solares. M87 situa-se a cerca de 50 milhões de a…

Astrônomos medem expansão do universo com precisão de 3,3%

Imagem
Teoria alternativa à matéria escura foi descartada depois que cientistas da Nasa recalcularam taxa com precisão sem precedentes Esta é a galáxia NGC 5584, que os astrônomos usaram para fazer as novas medições - eles medem a velocidade de expansão do Universo rastreando estrelas variáveis conhecidas como Cefeidas. [Imagem: NASA/ESA/Z. Levay] Uma teoria alternativa à matéria escura foi descartada depois que astrônomos da Nasa recalcularam a taxa de expansão do universo com precisão sem precedentes usando o Telescópio Hubble da Nasa. As novas medições têm margem de erro de apenas 3,3%, enquanto as anteriores - apresentadas em 2009 - eram de até 30%. Os resultados serão publicados na revista Astrophysical Journal em abril. Há tempos os cientistas tentam explicar a expansão do universo a taxas crescentes. Uma das teorias, a da matéria escura, explica que existe um tipo de matéria que não pode ser detectada, mas que tem efeito oposto ao da gravidade. Acredita-se que ela forme cerca de um quar…

Estudo: 'devorador' de estrelas criou bolhas de raios gama

Imagem
Imagem feita por telescópio da Nasa mostra bolhas de raio gama na Via Láctea.Foto: Nasa/Divulgação Uma equipe de astrônomos analisou as imagens feitas por um telescópio da NASA em novembro de 2010 e anunciou que gigantes bolhas de raios gama na Via Láctea são formadas pela erupção do buraco negro no centro da nossa galáxia. Um modelo criado pelo pesquisador Cheng KS, da Universidade de Hong Kong, e descrito na revista Astrophysical Journal Letters aponta que o buraco negro "devora" as estrelas, liberando grande quantidade de energia. Segundo o modelo de Cheng, apenas 50% da massa das estrelas são "engolidas" pelo buraco, a outra metade é liberada para o espaço em grandes explosões. Nessas explosões, o plasma quente é lançado para fora com grande quantidade de energia, aumentando a temperatura e provocando a criação das bolhas. Cheng estima que a energia liberada seja até 100 vezes maior do que a criada por uma explosão de supernova (explosão qu…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...