31 de mar de 2011

Constelação de Virgem

A constelação zodiacal de Virgem é denominada Virgo. A declinação gramatical utilizada para batizar as estrelas, neste caso, é Virginis. Uma constelação é um grupo de estrelas fixas que, ligadas por linhas imaginárias, formam também uma figura pertencente ao campo da imaginação, a que corresponde um nome especial. As vizinhas de Virgo, conforme as demarcações modernas, são Boötes, Coma Berenices, Leo, Crater, Corvus, Hydra, Libra e Serpens. Virgem é a constelação mais entretecida por lendas e histórias míticas. Ela foi uma das primeiras a receber uma denominação, e sempre foi representada pela imagem de uma donzela. Das suas estrelas há a destacar a α, Spica (também chamada Espiga), uma estrela azul esbranquiçada, intrinsecamente muito brilhante, a 280 anos-luz de nós. Se estivesse à distância que está Sírio (a mais luzidia dos nossos céus) seria umas noventa vezes mais brilhante! Aquilo que à vista desarmada parece ser uma só estrela, a γ, Porrima, é, na verdade, um par de estrelas muito próximas e muito parecidas, que orbitam em torno uma da outra. Por estes tempos confundem-se numa só, pois se encontram no enfiamento uma da outra, em relação a nós. Esse movimento recíproco dura uns 170 anos. Outra estrela a realçar é a ε, a Vindimadora, uma gigante amarela à distância de 100 anos-luz. O fundo da constelação é muito rico em galáxias, particularmente o chamado Enxame de Virgem (cerca de 3.000), a 45 milhões de anos-luz, onde pontifica a gigante M87 (assim catalogada por Messier), que se julga ter um enorme buraco negro, no seu centro. Daí emana uma fortíssima fonte-rádio, conhecida como Virgem A.

Remanescente de Supernova IC 443

  Créditos & Copyright: Jean-Charles Cuillandre (CFHT), Hawaiian Starlight, CFHT
Cerca de 8000 anos atrás, uma estrela em nossa galáxia explodiu. Seres humanos antigos devem ter notado que a supernova surgiu como uma estrela temporária, mas os humanos modernos podem ver o reservatório de expansão de gás até hoje. Na foto acima, parte da casca do IC 443 é visto como sendo composto de filamentos complexos, alguns dos quais estão impactando uma nuvem molecular existentes. Aqui emissão de choque animado hidrogênio molecular está permitindo que os astrônomos estudem o quão rápido o gás da supernova se movimento  e afeta a formação das estrelas nas nuvens. Adicionalmente, os astrônomos acreditam que o impacto acelera algumas partículas a velocidades próximas à da luz. Remanescente de supernova IC 443 é também conhecida a brilhar intensamente também em luz infravermelha e raios-X.

Fonte: http://apod.nasa.gov  

Chegada da primavera proporcionará belas vistas de Mercúrio e Júpiter ao por do sol no hemisfério norte

Em sua orbita mais distante do Sol eles aparecem no céu de nosso planeta, Mercúrio vai aparecer bastante neste mês como a aproximação da primavera no hemisfério norte
Quando a tonalidade quente do sol começa a desvanecer-se ao por do sol, dois faróis celestes brilham do crepúsculo até a noite, Mercúrio e Júpiter. Em sua orbita mais distante do Sol eles aparecem no céu de nosso planeta, Mercúrio vai aparecer bastante neste mês com a aproximação da primavera no hemisfério norte, onde o plano da eclíptica faz um ângulo com o horizonte ocidental. Mas Júpiter continuará afundando cada vez mais no céu depois do por do sol. Na verdade, o rápido mercúrio brilha normalmente bem acima de Júpiter no céu sereno como desta imagem. Capturados no início desta semana na ilha de de Frösön no norte da Suécia, a cena olha através do lago Storsjön em direção à aldeia de Hallen e montanhas distantes. É claro que mesmo as melhores vistas de Mercúrio agora podem ser obtidas pela sonda MESSENGER, agora em órbita do primeiro planeta do Sistema Solar interior!
Créditos: http://www.astrofisicos.com.br

Universo: a Cruz de Einstein e a curvatura do espaço-tempo

Típica lente gravitacional mostra a luz de um poderoso quasar posicionado atrás da galáxia. Sem a curvatura do espaço-tempo não seria possível ver o objeto. Créditos: Nasa/Hubble Science/Apod/Royal Astronomical Society/Apolo11.com.
Quando se fala em miragem, quase sempre nos vem à mente aquelas paisagens do deserto ou das estradas, onde uma falsa imagem é criada pelo desvio da luz refletida na areia ou asfalto quente. No Universo essas miragens também acontecem, mas são provocadas por motivos bem diferentes. A imagem acima é um exemplo típico de um desses fenômenos, chamado de Cruz de Einstein. A cena, captada pelo telescópio espacial Hubble mostra uma distante galáxia envolta por quatro pontos centrais que parecem ser o seu núcleo. Parece, mas não é. O que se vê na imagem é na realidade a luz proveniente de um distante e poderoso objeto, que ao passar pelo intenso campo gravitacional da galáxia é dividida em quatro feixes, em um mecanismo conhecido como "lente gravitacional".  Em 1915, Albert Einstein comprovou que a massa de um grande objeto pode criar uma curvatura no espaço-tempo ao seu redor, capaz até mesmo de curvar a trajetória de um raio de luz que passe pelas imediações. Dessa forma, um grupo de galáxias de grande massa também provoca uma forte curvatura no espaço-tempo, fazendo com que todos os raios luminosos que atravessem a região sejam curvados, formando uma verdadeira lente cósmica. Ao curvar a luz dos objetos, uma lente gravitacional permite enxergar outros elementos que estejam atrás das galáxias, criando uma ferramenta de grande utilidade no estudo do Universo. No caso da imagem mostrada, o objeto visualizado é um poderoso quasar escondido atrás do centro da galáxia, que não seria visível se não fosse a deformação do espaço-tempo criada pela colossal força da gravidade.

Lentes diferentes
Nem todas as imagens criadas pelas lentes gravitacionais são iguais e dependem da geometria dos elementos envolvidos na criação da lente. Se a lente é esférica, por exemplo, a imagem resultante se parecerá com um anel luminoso, chamado "anel de Einstein". Se for alongada a imagem irá parecer como a "Cruz de Einstein", dividida em quatro. Se a lente é formada por um aglomerado de galáxias teremos a formação de arcos ou "arclets" de luz, grosseiramente descritas como tendo a forma de uma banana. Atualmente, os cientistas já observaram mais de 500 lentes gravitacionais, mas para que sejam úteis precisam ser cuidadosamente estudadas para se conhecer exatamente como elas curvam os raios luminosos. Este estudo é altamente complexo e até o momento somente dez lentes desse tipo foram completamente compreendidas.

Einstein e o eclipse de Sobral
"chapa" do eclipse total do Sol visto em Sobral, no Ceará. As marcas verdes são as estrelas usadas como referência para a comprovação da teoria de Albert Einstein. Créditos:Nasa/Hubble Science/Apod/Royal Astronomical Society/Apolo11.com.
A primeira vez que a curvatura do espaço-tempo foi observada na prática ocorreu durante o eclipse solar de 1919. Na ocasião, um grupo de astrônomos da Royal Astronomical Society de Londres veio até a cidade de Sobral, no Ceará, com o objetivo de medir o desvio da luz de uma estrela ao passar pela borda do disco solar. Segundo Einstein, a luz da estrela deveria ser desviada em 1,75 segundos de arco, duas vezes maior que o previsto pela teoria de Newton. No dia do eclipse, em 29 de maio, os cientistas fizeram sete boas imagens do fenômeno e em novembro do mesmo ano a Royal Astronomical Society anunciou que os resultados obtidos confirmavam o desvio da luz e a teoria de Albert Einstein.

Fonte:Apolo11 - http://apolo11.com/spacenews.php?posic=dat_20100211-091832.inc

Apresentadas Novas Imagens de Mercúrio Feitas Pela MESSENGER: É Só O Começo da Missão

Compartilhando apenas algumas das mais de 1500 imagens feitas pela sonda MESSENGER agora de um ponto orbital vantajoso e bem diferente do ponto de onde foram feitas as anteriores, quando a sonda não estava em órbita, mas apenas sobrevoava o planeta, os cientistas estão muito animados e é compreensível essa animação, com os dados que eles receberam da sonda. “Todos os instrumentos estão trabalhando muito bem e retornando os dados esperados”, disse o principal pesquisador da MESSENGER, Sean Solomon.

Leia a matéria completa em: http://cienctec.com.br/wordpress/?p=9907

A Sonda MESSENGER em Mercúrio

 No dia 17 de Março de 2011, a sonda MESSENGER se tornou a primeira sonda construída pelo homem a entrar na órbita de Mercúrio, o planeta mais interno do Sistema Solar. A imagem acima é a primeira imagem colorida processada desde que a sonda entrou na órbita do planeta. Maior, mais denso e com quase o dobro da gravidade superficial encontrada na Lua, Mercúrio ainda se parece com a Lua na primeira vez em que é observado. Mas nessa imagem seu terreno mostra áreas em azul claro e marrom próximas às crateras e longos e brilhantes raios de material riscando a superfície. A brilhante cratera raiada proeminente na imagem é a Cratera Debussy na parte superior a direita, essa cratera tem 80 km de diâmetro. O terreno que aparece em direção a parte inferior dessa histórica imagem se estende para o polo sul de Mercúrio e apresenta uma região nunca antes fotografada ou imageada por sondas enviadas ao planeta.

Europeus fornecem a mais exata imagem da gravidade na Terra

                 Modelo da gravidade na Terra fornecerá dados oceanográficos e da estrutura interna do planeta

Dados enviados por satélite à ESA (Agência Espacial Europeia), durante dois anos, possibilitaram o estudo preciso da gravidade do planeta Terra de uma forma inédita. Os cientistas agora detêm um dos mais exatos modelos geoide (forma mais aproximada do nosso planeta, visto que ele não é totalmente redondo) do lugar onde vivemos. A imagem foi divulgada nesta quarta-feira durante uma conferência em Munique (Alemanha). O geoide é uma superfície projetada da Terra e nesta apresentada pela ESA se considerou sua gravidade sem a ação de marés e correntes oceânicas. O modelo serve como referência para medir a movimentação dos oceanos, a mudança do nível do mar e a dinâmica do gelo, o que pode abrir precedente para entender com maior profundidade as mudanças climáticas.

Além desses dados oceanográficos, também servirá para o estudo da estrutura interna do planeta --como os processos que levam à formação de terremotos de grande magnitude e que podem provocar danos devastadores, como aconteceu com o Japão no sismo de 11 de março. Do espaço, é praticamente impossível para os satélites observarem a dinâmica dos tremores, visto que o movimento das placas tectônicas ocorrem abaixo do nível dos oceanos. Contudo, explica a ESA em seu site, os tremores costumam deixar um "rastro" na gravidade do planeta, o que pode ajudar a entender o mecanismo de um terremoto e, quem sabe, antecipar sua ocorrência.

O que são Magnetares

                                      Imagem do Spitzer Space Telescope do Magnetar SGR 1900+14
Magnetares são estrelas de nêutrons com campos magnéticos que são cerca de um quatrilhão de vezes maior do que o campo magnético da Terra e emitem raios X e raios Gama. Acredita-se que esses impressionantes campos magnéticos são produzidos quando uma estrela de nêutrons de rotação extremamente rápida é formada pelo colapso do núcleo de uma estrela massiva. Quando uma estrela de nêutrons se forma, ela desencadeia uma explosão de supernova que expele as camadas exteriores da estrela em altas velocidades. A alta taxa de rotação da estrela de nêutrons intensifica o campo magnético já super forte para níveis de magnetar. Quando as forças magnéticas ficam fortes o suficiente, eles podem causar starquakes na superfície da estrela de nêutrons que produzem poderosas explosões de raios-X chamado flashes de raios-X. Esses eventos podem representar um tipo intermediário de explosão de supernova – mais energética que uma supernova comum, mas menos do que hipernovas, que acredita-se ser responsável por explosões de raios gama. Explosões Magnetar também pode ocorrer durante centenas de anos depois da explosão inicial. O mais forte campo magnético constante produzido na Terra em um laboratório é de cerca de um milhão de vezes maior que o campo magnético da Terra. Para além desse limite, material magnético comum seria destroçado por forças magnéticas.Somente em uma estrela de nêutrons, onde a gravidade é superior a 100 bilhões de vezes a da Terra, pode resistir à força magnética de um magnetar, e mesmo aí a crosta da estrela de nêutrons pode se quebrar sob a pressão. A fonte do poder é o campo magnético girando rapidamente, por isso estes pulsares são às vezes chamados pulsares em sistema rotativo ligado, para os distinguir de outro tipo de pulsar descoberto por astrônomos de raios-X, os pulsares alimentados por acresção.
Fonte:http://chandra.harvard.edu/xray_sources/neutron_stars.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...