Postagens

Mostrando postagens de Julho 22, 2011

Nasa escolhe local de pouso de novo jipe marciano

Imagem
'Curiosity' deve explorar a cratera Gale, no planeta vermelho. Lançamento da sonda-robô está previsto para o fim do ano. A cratera Gale, na superfície marciana (Foto: Nasa) A Nasa escolheu uma cratera em Marte para onde enviará seu rover Curiosity, um veículo de exploração equipado com um laboratório que será colocado no próximo ano na superfície do planeta para buscar sinais de vida, anunciou nesta sexta-feira a agência espacial americana. O Curiosity, que custou 2,5 bilhões de dólares, explorará a cratera Gale. Nesse local, onde existe uma montanha, os cientistas estudarão a argila e os depósitos de sulfato situados em vários níveis de altitude. O jipe robô Curiosity, da Nasa (Foto: Nasa) "Os cientistas escolheram a Gale para continuar com seus ambiciosos objetivos dentro desta nova missão", anunciou Jim Green, diretor da divisão da Nasa encarregada do estudo de planetas, com sede em Washington. "O local oferece uma paisagem visualmente espetacular, mas também um…

Os maiores mistérios do cinturão de asteroides

Imagem
Entre as órbitas de Marte e do distante Júpiter existem centenas de milhares de corpos rochosos conhecidos como o cinturão de asteroides. Muitos sistemas solares devem conter cinturões como esse, que em filmes de ficção científica normalmente são apresentados como rochas que não permitiriam a mínima locomoção para qualquer astronauta. Pode ser assim em outros sistemas, mas no nosso os corpos rochosos estão bem distantes uns dos outros. A sonda Dawn vai investigar o segundo maior corpo do cinturão, o Vesta. Em 2015, ela deve continuar em órbita no maior objeto celeste, o Ceres – responsável por quase um terço da massa do cinturão de asteróides, sendo maior do que Plutão. Dawn é a primeira sonda a orbitar um corpo celeste – quem dirá dois – no cinturão de asteróides. Com isso, alguns mistérios do cinturão estão sendo desvendados. Confira quais:
Origem dos asteróides separados
A teoria mais aceita sobre as rochas esparsas em nosso cinturão é que isso teria sido resultado da interferência g…

NGC 1499: A Nebulosa Califórnia

Imagem
Um alvo regular dos astrofotógrafos, a Nebulosa Califórnia pode ser vista com um telescópio de campo amplo sob um céu escuro na direção da constelação de Perseu, não muito longe das Plêiades.Créditos e direitos autorais: Markus Noller (Deep Sky Images)
Flutuando no Braço de Órion da galáxia espiral Via Láctea, esta nuvem cósmica ecoa acidentalmente o contorno da Califórnia na costa oeste dos Estados Unidos. O nosso próprio Sol também está no Braço de Órion da Via Láctea, só que a mais ou menos 1.500 anos-luz da Nebulosa Califórnia. Também conhecida como NGC 1499, a clássica nebulosa de emissão tem mais ou menos 100 anos-luz de comprimento. Em muitas imagens o brilho mais proeminente da Nebulosa Califórnia é a luz vermelha característica de átomos de hidrogênio em recombinação com elétrons há muito perdidos, removidos (ionizados) por luz estelar energética. No entanto, na imagem abaixo, o hidrogênio está colorido de verde, enquanto o silício está mapeado em vermelho e o oxigênio, mapead…

Cauda de poeira da Terra dá pistas sobre planetas alienígenas

Imagem
Concepção artística do Spitzer passando pela cauda de poeira da Terra.[Imagem: JPL/Caltech]
Cauda de planeta

Você sabia que a Terra tem uma cauda de poeira?  O Telescópio Espacial Spitzer navegou através dela há alguns meses, dando pela primeira vez aos pesquisadores uma ideia clara de como é essa cauda. As informações poderão ser de grande ajuda para os caçadores de planetas, que tentam rastrear mundos alienígenas.  Os planetas em sistemas solares distantes provavelmente têm caudas de poeira semelhantes," diz Mike Werner, da equipe do Spitzer. "E, em algumas circunstâncias, as características dessa poeira poderão ser mais fáceis de ver do que os próprios planetas. Então, precisamos saber como reconhecê-las." É extremamente desafiador - e, geralmente, impossível - fotografar exoplanetas diretamente. Eles são relativamente pequenos e muito apagados, escondendo-se no brilho das estrelas que orbitam. "Uma cauda de poeira como a da Terra poderia produzir um sinal maior d…

P4 de Plutão

Imagem
Créditos e direitos autorais : NASA, ESA, Mark Showalter (SETI Institute) Nix e Hydra foram primeiro introduzidos para os olhos humanos em imagens feitas pelo Telescópio Espacial Hubble em Maio de 2005, como o segundo e o terceiro satélites de Plutão. Agora, imagens do Hubble também revelaram um quarto satélite para o congelado planeta anão. Provisoriamente designado como P4, ele completa uma órbita ao redor de Plutão a cada 31 dias. Atualmente a menor e mais apagada lua de Plutão, P4 tem um diâmetro estimado de 13 a 34 quilômetros. O satélite mais novo descoberto, foi identificado primeiro por observações feitas pelo Hubble em 28 de Junho de 2011 e posteriormente confirmado em observações feitas em 3 e 18 de Julho de 2011. Esses dois painéis acima são composições tanto de exposições curtas e longas que incluem o planeta Plutão mais brilhante, juntamente com o maior satélite de Plutão, Caronte. Ruídos da câmera e artefatos do processamento de imagem também aparecem nos segmentos de lo…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...