2 de ago de 2011

Como funciona o ciclo solar?

Essa linda estrela de fogo pode estar a 149 milhões de quilômetros de distância de nós, mas tudo o que ela faz tem consequências na Terra, razão pela qual os cientistas estudam as mudanças na atividade solar. O sol tem ciclos: seu temperamento varia a cada 11 anos. Normalmente, leva cerca de 5 anos e meio para a estrela mais próxima de nós passar do período silencioso do “mínimo solar” para o mais turbulento “máximo solar”.  Uma das maneiras de controlar o ciclo solar é estudar a superfície do sol. Nela, pode-se encontrar manchas escuras, chamadas manchas solares. Essas manchas de curta duração são causadas por intensa atividade magnética e tendem a se agrupar em faixas nas latitudes médias acima e abaixo do equador. Uma vez que os telescópios foram inventados, um censo de manchas solares tem sido relativamente constante. Em 1849, astrônomos do Observatório de Zurique começaram a observar as manchas diariamente. Hoje, centros na Bélgica e nos EUA acompanham de perto a atividade solar. Um número de satélites e observatórios, incluindo um da NASA, coletam fluxos constantes de dados a partir do sol, agindo como um sistema de alerta precoce para grandes eventos climáticos no espaço. A frequência e o número dessas manchas escuras misteriosas na superfície solar atuam como indicadores da atividade do sol, conforme ele se move entre o mínimo e o máximo solar.  As manchas solares às vezes irrompem em poderosas tempestades solares que disparam fluxos de partículas carregadas para o espaço; por vezes, na direção da Terra. Algumas tempestades solares podem bombardear o campo magnético da Terra e interromper redes de energia ou expulsar satélites em órbita ao redor do planeta.  Quando o sol chega ao fim de um ciclo, novas manchas solares aparecem perto do equador, e um novo ciclo começa com a produção de manchas solares em latitudes mais altas na superfície do sol. Atualmente, o sol está no meio do seu ciclo 24. A estrela está se inchando em direção a um máximo solar, em 2013. Porém, um trecho muito longo de atividade moderada nos últimos anos tem intrigado os astrônomos, e muitos físicos solares estão trabalhando no desenvolvimento de melhores modelos de previsão do ciclo solar. Enquanto o sol parece estar incrementando a atividade em direção ao máximo solar, vários novos estudos estão prevendo que após este pico, a atividade do sol pode ver uma queda significativa no ciclo 25. Os resultados de três estudos novos que examinaram as manchas solares se desvanecendo, um jato solar que desapareceu e a força do campo magnético do sol mostram que a atividade durante o próximo ciclo de 11 anos poderia ser significativamente reduzida, ou mesmo eliminada.
Fonte: http://hypescience.com
[Life'sLittleMysteries]

O que aconteceria com a Terra se a Lua se afastasse?

Seria o inferno. Para começar, os dias seriam 48 vezes mais longos. Durante a noite, as temperaturas matariam todo mundo de frio. Ao longo do dia, ninguém suportaria o calor. No litoral, ventos violentíssimos de 200 km/h seriam uma brisa comum. Algum sinal de vida? Esquece: não sobraria quase nada, a não ser bactérias e vermes super-resistentes. Tudo isso mostra como a Terra é dependente dessa bola estéril de minerais que chamamos de Lua. Só para dar uma idéia, antes de o satélite começar a orbitar nosso planeta, um dia durava algo entre seis e oito horas. De lá para cá, a interação com a Lua vem freando a rotação do planeta. Pela mecânica celestial, isso acontece conforme o satélite se afasta. E olha que ele já esteve bem perto: há mais de 4 bilhões de anos, estima-se que a Lua ficava a apenas 25 mil quilômetros da Terra - hoje, a distância é 15 vezes maior. Com essa fuga, a velocidade de rotação do planeta foi diminuindo aos poucos. Em cerca de 3 bilhões de anos, a duração do dia já tinha saltado para 18 horas. E não pense que nosso dia de 24 horas vai durar para sempre. A Lua continua se distanciando - agora, a um ritmo mais rápido do que antes, a uma taxa de 3,8 centímetros por ano. Esse processo deve continuar até que o satélite esteja a 560 mil quilômetros de distância. Quando isso ocorrer, a rotação da Terra vai se estabilizar, os dias vão ter 1 152 horas e a vida por aqui será a bagunça que você leu no início do texto. Mas não se preocupe: primeiro, esse eterno fim dos tempos vai demorar pelo menos uns 4 bilhões de anos para acontecer. Segundo, esse cenário caótico provavelmente não vai ter testemunhas. Em cerca de 1 bilhão de anos, o Sol vai estar 10% mais quente. Isso já será suficiente para fritar qualquer forma de vida por aqui. Para acontecer o que você le nesta páginas, só se a Lua se desgarrasse de uma vez só, do dia para a noite.

Apocalipse lunar
Com o satélite longe, o clima do planeta viraria um caos e a vida desapareceria

1. Hoje, a Lua está a 384 mil quilômetros da Terra. A essa distância, o satélite exerce grande influência na duração do dia terrestre, com suas 24 horas, além de atuar no sobe-e-desce das marés oceânicas. Em um longo espaço de tempo, porém, essa situação vai mudar: a Lua está se afastando de nós cerca de 3,8 centímetros por ano.
2. Daqui a 4,6 bilhões de anos, quando nosso satélite estiver a cerca de 560 mil quilômetros, a Terra vai ficar inabitável. O principal efeito do afastamento lunar é que a rotação do planeta ficará mais lenta. Com isso, os dias passarão a durar 1 152 horas, bagunçando o clima do planeta e impedindo a vida.

CHUVA NO LITORAl - A temperatura dos pólos não seria afetada pelos dias e noites mais longos — tais períodos vão continuar durando seis meses nesses lugares, como acontece hoje. A diferença é que a temperatura nas áreas tropicais aumentaria a uma taxa que é impossível prever hoje. O certo é que os choques das massas de ar frio com as extremamente quentes criariam tempestades capazes de deixar debaixo d’água cidades litorâneas como Nova York.

DESERTO NO INTERIOR - Se a rotação diminui, os ventos no sentido leste-oeste, que geram boa parte das chuvas no Brasil, perdem intensidade, pois é o giro da Terra que dá força para eles. Como os ventos norte-sul passariam a predominar, as tempestades que começam com a evaporação da água do mar teriam dificuldade para entrar nos continentes. Com isso, regiões interioranas como o Centro-Oeste brasileiro ficariam muito mais secas

TEMPERATURA MISTERIOSA - Os cientistas têm duas hipóteses sobre como seria o clima durante a "noite" de 576 horas. A primeira é que a parte do planeta que ficar no escuro experimentará temperaturas polares, em torno de -30 ºC. A segunda é que a evaporação na parte iluminada poderia criar nuvens monstruosas de até 100 quilômetros de altura. Elas segurariam o calor do Sol, esquentando a parte escura por efeito estufa. É exatamente o que acontece em Vênus, onde a noite dura 2 916 horas e a temperatura gira na casa dos 400 ºC.

VIDAS EM PERIGO - Com calor ou frio, chuva ou seca, a vida estaria praticamente extinta. Nenhum vegetal ou alga, por exemplo, agüentaria 576 horas (24 dias na rotação de hoje) sem luz solar. Só isso já arrebentaria qualquer cadeia alimentar. Os únicos seres que certamente agüentariam seriam bactérias e vermes que já vivem em condições extremas, como no fundo dos oceanos, sob uma pressão mil vezes maior que a da superfície e sem nunca terem visto o Sol. O mundo seria só deles!
Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br

Asteróide Vesta em Full Frame

Créditos e direitos autorais : NASA, JPL-Caltech, UCLA, MPS, DLR, IDA
Por que a porção norte do asteróide Vesta é mais craterada do que a sul? Ninguém tem certeza ainda. Este mistério inesperado veio à tona apenas nas últimas semanas, desde que a missão robótica Dawn tornou-se a primeira espaçonave a orbitar o segundo maior objeto do cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter. A porção norte de Vesta, vista na parte superior esquerda da imagem acima, parece mostrar uma das craterações mais densas do Sistema Solar, enquanto a porção sul é inesperadamente suave. Também desconhecidas são a origem dos sulcos que circulam o asteróide perto do seu equador, particularmente visíveis neste filme da rotação de Vesta, e a natureza dos riscos escuros que delineiam algumas das crateras de Vesta, por exemplo, a cratera logo acima do centro da imagem. À medida que a nave Dawn espirala na direção de Vesta durante os próximos meses, algumas respostas podem surgir, bem como imagens em cores com maior resolução. O estudo de Vesta e seus 500 quilômetros de diâmetro está rendendo pistas sobre a sua história e os primeiros anos do nosso Sistema Solar.
Fonte: http://apod.astronomos.com.br/apod.php

Redemoinho com 12 vezes a altura da Terra é gerado pelo sol

Um satélite da NASA flagrou em vídeo um deslumbrante e enorme tornado de plasma levantando-se a partir da superfície do sol. O vídeo, gravado pelo Observatório Solar Dinâmico (Dynamics Solar Observatory), mostra uma erupção de plasma que gira como um furacão até a uma altura vertiginosa de 150 mil quilômetros acima da superfície solar. Essa altura equivale a aproximadamente 10 a 12 Terras. O tornado solar ocorreu quando uma erupção de plasma magnético, chamado de proeminência, surgiu a partir do sol em um redemoinho gracioso que se dividiu em quatro vertentes distintas que se torceram em um nó antes de desaparecer. Todo o evento durou apenas algumas horas. O Observatório Solar estava acompanhando a erupção de um ângulo que pegou em destaque a ascensão do redemoinho do sol em um arco, curvando-se sobre si mesmo e se fechando novamente, formando um vasto laço.  Dizem que ver esse fenômeno é como torcer elásticos que se entrelaçam formando um nó que desponta. Só que em proporções bem menores, né?
Fonte: http://hypescience.com
[LiveScience]

Sonda Dawn da NASA Começa Os Trabalhos Científicos no Asteroide Vesta

A sonda Dawn da NASA, a primeira a orbitar um objeto localizada no chamado cinturão principal de asteroides do Sistema Solar, está espiralando em direção da sua primeira de quatro intensivas órbitas científicas que fará ao redor do asteroide. A órbita inicial do mundo rochoso conhecido como Vesta, começa no dia 11 de Agosto a uma altitude de aproximadamente 2700 quilômetros e irá fornecer análises profundas do asteroide.
Ciência e Tecnologia

A Nebulosa IC 2948

Créditos & Direitos autorais: Steve Crouch
Brilhantes nebulosas abundam ao redor e na própria expansiva constelação do céu do sul Centaurus. Essa nebulosa mostrada na imagem acima é catalogada como IC 2948/2944 e está localizada próxima da estrela Lambda Centaruri (um pouco acima fora da imagem) e não muito distante no céu da conhecida Nebulosa Eta Carinae. Mergulhada na nuvem de brilho avermelhado de gás de hidrogênio, típicas de nebulosas de emissão onde são encontradas regiões de formação de estrelas, está o energético e jovem aglomerado estelar Collinder 249. Visto através de sua silhueta próximo da parte superior da imagem estão pequenas nuvens escuras de poeira cósmica obscurecida. Chamados de Glóbulos de Thackeray, pela sua descoberta, esses locais são pontos potenciais para a formação de novas estrelas, mas estão provavelmente sendo erodidos pela intensa radiação emitida pelas jovens estrelas próximas. Se observar com cuidado no centro da região, você pode descobrir o porque do nome popular da IC 2948 ser Nebulosa Running Chicken. A espetacular paisagem cósmica se espalha por aproximadamente 70 anos-luz se considerarmos a distância estimada da nebulosa de 6000 anos-luz.
Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap080418.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...