3 de ago de 2011

VISTA encontra 96 enxames estelares escondidos por trás de poeira

O telescópio de rastreio no infravermelho do ESO observa regiões de formação estelar na nossa Via Láctea
Com dados obtidos pelo telescópio de rastreio no infravermelho VISTA, instalado no Observatório do Paranal do ESO, uma equipa internacional de astrónomos descobriu 96 novos enxames estelares abertos escondidos pela poeira da Via Láctea. Estes objetos pequenos e ténues permaneceram invisíveis em rastreios anteriores, mas não conseguiram escapar aos detetores infravermelhos muito sensíveis do maior telescópio de rastreio do mundo, que consegue espreitar através da poeira. Esta é a primeira vez que tantos enxames pequenos e pouco brilhantes foram encontrados de uma só vez. Este resultado chega-nos apenas um ano após o início do programa Variáveis VISTA na Via Láctea (VVV) , um dos seis rastreios públicos do novo telescópio. Os resultados serão publicados na revista científica da especialidade Astronomy & Astrophysics.  “Esta descoberta sublinha o potencial do VISTA e do rastreio VVV para encontrar enxames de estrelas, especialmente aqueles que se escondem em regiões de poeira situadas no disco da Via Láctea. O VVV consegue observar muito mais profundamente do que outros rastreios,” diz Jura Borissova, autora principal do estudo. A maioria das estrelas com mais de metade da massa do nosso Sol formam-se em grupos chamados enxames abertos. Estes enxames são os tijolos que formam as galáxias e são vitais para a formação e evolução de galáxias tais como a nossa. No entanto, os enxames estelares formam-se em regiões com muito poeira, que difundem e absorvem a maior parte da radiação visível emitida pelas estrelas jovens, tornando-os invisíveis à maioria dos rastreios do céu, mas não ao telescópio infravermelho de 4.1 metros VISTA.  “De maneira a encontrar a formação mais recente de enxames estelares concentrámos a nossa busca na direção de zonas de formação estelar conhecidas. Em regiões que pareciam vazias em anteriores rastreios efetuados no visível, os sensíveis detetores infravermelhos do VISTA descobriram muitos objetos novos,” acrescenta Dante Minniti, cientista principal do rasteio VVV.  Utilizando software cuidadosamente preparado, a equipa removeu as estrelas que apareciam em frente de cada enxame e contou os membros genuínos do enxame. Posteriormente, as imagens foram inspecionadas visualmente para se medir o tamanho do enxame. Para os enxames que continham mais estrelas foram feitas outras medições tais como a distância, idade e quantidade de avermelhamento que a sua radiação estelar sofre devido à poeira interestelar situada entre os enxames e nós.
“Descobrimos que a maioria dos enxames são muito pequenos, contendo apenas cerca de 10 a 20 estrelas. Comparados com enxames abertos típicos, estes são objetos muito ténues e compactos - a poeira que se encontra em frente destes enxames faz com que pareçam 10 000 a 100 milhões de vezes menos brilhantes no visível. Não admira, portanto, que estivessem escondidos,” explica Radostin Kurtev, outro membro da equipa.  Apenas 2500 enxames abertos foram encontrados na Via Láctea desde a antiguidade, mas os astrónomos estimam que devam existir pelo menos 30 000 escondidos por trás de poeira e gás. Enquanto que os enxames abertos brilhantes e grandes são facilmente detectados, esta é a primeira vez que tantos enxames pequenos e pouco brilhantes são encontrados de uma só vez. Inclusivamente, estes novos 96 enxames abertos podem ser apenas a ponta do icebergue. “Começámos agora a utilizar software automático mais sofisticado para procurar enxames mais velhos e menos concentrados. Estou confiante que muitos mais serão descobertos num futuro próximo,” acrescenta Borissova.
Fonte: http://www.eso.org/public/portugal/news/eso1128/

Trio de Leão de Galáxias pelo VST

Créditos e direitos autorais : ESO, INAF-VST, OmegaCAM;
Agradecimentos: OmegaCen, Astro-WISE, Kapteyn I.
Esse grupo popular é famoso como o Trio de Leão – uma família de três galáxias impressionantes em um único campo de visão. Esse trio de galáxias fornece uma visão prazerosa mesmo quando observado por um telescópio modesto, essas galáxias podem ser apresentadas individualmente como NGC 3628 (topo), M66 (na parte inferior esquerda) e a M65 (na parte inferior direita). Todas as três são grandes galáxias espirais. Elas tendem a parecer diferentes pois seus discos galácticos estão inclinados em diferentes ângulos com relação a nossa linha de visada. A NGC 3628 se apresenta de lado com linhas de poeira obscurecidas cruzando o seu plano, enquanto que os discos da M66 e da M65 estão inclinados o bastante para mostrar sua bela estrutura espiral. Interações gravitacionais entre as galáxias no grupo também têm deixado seus sinais, incluindo o disco dobrado e inflado da NGC 3628 e o desenho dos braços espirais da M66. Essa maravilhosa imagem de campo profundo da região foi feita pelo novo VLT Survey Telescope, ou VST, e se expande por 1 grau, ou seja, duas luas cheias no céu. O campo cobre aproximadamente 500 anos-luz se considerarmos a distância estimada do trio de 30 milhões de anos-luz.
Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap110803.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...