Postagens

Mostrando postagens de Setembro 13, 2011

Conheça os planetas anões do sistema solar

Imagem
Você deve ter aprendido na escola que existem nove planetas no sistema solar: Mercúrio, Vênus, Terra,Marte,Júpiter,Saturno, Urano, Netuno e Plutão. Pelo menos era isso o que os professores ensinavam desde a década de 1930. Mas as coisas mudaram há quase cinco anos. O pobre e pequeno Plutão deixou de ser considerado um planeta, e os cientistas juram que não é nada pessoal. É que em 2006, a União Astronômica Internacional (UAI) rebaixou Plutão a recém-criada categoria de “planeta anão”, depois de terem sido descobertos vários corpos orbitando o sol, tão distantes quanto Plutão – Éris, em particular, que parecia ser maior do que o antigo nono planeta do sistema solar. Com isso, a UAI criou uma nova definição de “planeta”: um corpo que circunda o sol, sem ser satélite de nenhum outro objeto, grande o suficiente para ser arredondado pela sua própria gravidade (mas não tão grande para sofrer fusões nucleares, como uma estrela) e que tenha expulsado a maioria dos outros corpos que orbitam a …

Como é a lua vista de cima?

Imagem
Mosaico de983imagens obtidas pelaReconnaissanceOrbiterLunarao longo de umperíodo de um mêsdurante overão do hemisfério norte.Crédito:NASA /GSFC/ ArizonaState University Aqui está uma visão da lua que você nunca verá aqui da Terra: vista de cima, ou pelo menos uma reconstituição de como ela deve ser. Cientistas da NASA criaram esse mosaico unindo 983 imagens do Pólo Norte da lua, capturadas pelo Orbitador de Reconhecimento Lunar (LRO). A sonda robótica do LRO, que vem mapeando a parte superior da lua desde 2009, conseguiu milhares de imagens das regiões polares da lua com uma câmera grande-angular. Como a lua se inclina sobre seu eixo em um ângulo de 1,54 graus (a Terra tem um grau de inclinação de 23,5 graus), algumas partes da superfície nunca recebem a luz do sol. Um dos objetivos da missão LRO é identificar essas regiões de sombra permanente. A sonda tirou as fotos da imagem composta acima no auge do verão no hemisfério norte de nosso satélite – o momento em que o pólo é mais ilumin…

30 Dourado: A Zona da Tarântula

Imagem
Crédito: Points et al., NOAO, AURA, NSFS. A Nebulosa da Tarântula mede mais de 1,000 anos-luz de diâmetro - é uma gigante nebulosa de emissão na nossa galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães. Dentro deste cósmico aracnídeo situa-se um jovem enxame central de massivas estrelas, catalogado como R136, cuja intensa radiação e fortes ventos têm ajudado a energizar o brilho nebular e a formar os filamentos. Neste espectacular mosaico a cores de imagens recolhidas pelo telescópio Curtis Schmidt no Observatório Inter-Americano de Cerro Tololo (CTIO) no Chile, outros jovens enxames estelares podem ser observados na nebulosa. Também de notar por entre a zona da Tarântula, várias nebulosas escuras, filamentos de gás, nebulosas de emissão compactas, alguns restos de supernovas quase esféricos, e áreas rodeando estrelas quentes conhecidas como superbolhas. O rico campo deste mosaico cobre uma área do céu com aproximadamente o tamanho da Lua Cheia na constelação do Hemisfério Sul, Dourado. Fonte…

NGC 7006:O Remoto Aglomerado Globular da Via Láctea

Imagem
(aglomerado globular NGC 7006)Créditos:ESA/Hubble & NASA Essa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble, das agências NASA e ESA mostra um aglomerado globular de estrelas compacto e distante que se localiza numa das menores constelações do céu, a Delphinus, o Golfinho. Devido ao seu tamanho modesto, à sua grande distância e ao seu baixo brilho relativo, o NGC 7006 é muitas vezes ignorado pelos astrônomos amadores. Mas mesmo os aglomerados globulares, mais remotos como esse aparecem brilhantes e claros quando fotografados pela Advanced Camera for Surveys do Telescópio Espacial Hubble. O NGC 7006 reside nos subúrbios da Via Láctea. Ele está a uma distância aproximada de 135000 anos-luz da Terra, cinco vezes a distância entre o Sol e o centro da galáxia, e é parte do halo galáctico. O halo galáctico é uma região aproximadamente esférica da Via Láctea formada por matéria escura, gás e aglomerados globulares distribuídos de forma esparsa. Como outros aglomerados globulares remotos, o…

A Grande Nebulosa de Orion

Imagem
Créditos e Direitos Autorais: Jesús Vargas (Astrogades) & Maritxu Poyal (Maritxu) A GrandeNebulosa de Orion, também conhecida como M42, é uma das nebulosas mais famosas do céu. As nuvens de gás brilhante da região de formação de estrelas e as jovens estrelas quentes aparecem à direita nessa nítida e colorida imagem que inclui uma nebulosa menor, a M43 perto do centro e a empoeirada e azulada nebulosa de reflexão NGC 1977 e algumas de suas companheiras à esquerda. Localizada na borda de um complexo de nuvem molecular outrora invisível essas fascinantes nebulosas representam somente uma pequena porção desse impressionante material interestelar localizado na nossa vizinhança galáctica. Dentro desse berçário estelar bem estudado, os astrônomos também identificaram o que aparenta ser numerosos sistemas solares infantis. Essa maravilhosa paisagem do céu se espalha por aproximadamente dois graus ou algo em torno de 45 anos-luz considerando a distância estimada da Nebulosa de Orion de 150…

Cientistas questionam formação de estrelas a partir de colisões

Imagem
Na foto, filamentos de gás frio de uma galáxia, que fornecem matéria-prima para a formação de estrelas
A formação de estrelas no início do universo não foi um processo dirigido primariamente pelas colisões galácticas como se penava anteriormente, mas sim pela quantidade de gás presente. O Observatório Espacial Herschel da Agência Espacial Europeia (ESA), coletou dados de mais de 1000 galáxias, cobrindo 80% da vida do cosmos, incluindo aí informações no infravermelho. A taxa de nascimento de estrelas observada por volta de 10 bilhões de anos atrás quando apenas algumas galáxias haviam se formado é mais de 100 vezes mais rápida que a taxa observada hoje em dia.

Atualmente, as altas taxas são raras e normalmente são disparadas pelas colisões galácticas levando assim à se pensar que para que a taxa de nascimento de estrelas fosse alta, uma premissa era a existência da colisão entre galáxias. Porém, ao invés disso, uma equipe de pesquisadores internacional encontrou que a velocidade da forma…

Qual a origem do ouro no Universo?

Imagem
Créditos da Imagem: Dana Berry, NASA De onde vem o ouro que você encontra nas joalherias? Ninguém sabe ao certo. A relativa abundância desse elemento no nosso Sistema Solar parece ser mais alta do que poderia ser encontrado no começo do Universo, nas estrelas, e até mesmo em típicas explosões de supernovas. Alguns astrônomos sugeriram recentemente que elementos pesados ricos em nêutrons, como o ouro pode ter facilmente sido criado em raras explosões ricas em nêutrons como a colisão entre estrelas de nêutrons. Acima, o que se vê é um desenho artístico que tenta reproduzir duas estrelas de nêutrons em movimento espiral uma em direção a outra, pouco antes de colidirem. Como as colisões entre as estrelas de nêutrons são pensadas como sendo a fonte das emissões das explosões de raios-gama de curta dureação, é possível que quando você compra um anel de ouro, ou um brinco, esteja também adquirindo uma parte do que é o resultado de uma das mais poderosas explosões no universo. Fonte:http://apo…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...