13 de set de 2011

Conheça os planetas anões do sistema solar

Você deve ter aprendido na escola que existem nove planetas no sistema solar: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão. Pelo menos era isso o que os professores ensinavam desde a década de 1930. Mas as coisas mudaram há quase cinco anos. O pobre e pequeno Plutão deixou de ser considerado um planeta, e os cientistas juram que não é nada pessoal. É que em 2006, a União Astronômica Internacional (UAI) rebaixou Plutão a recém-criada categoria de “planeta anão”, depois de terem sido descobertos vários corpos orbitando o sol, tão distantes quanto Plutão – Éris, em particular, que parecia ser maior do que o antigo nono planeta do sistema solar. Com isso, a UAI criou uma nova definição de “planeta”: um corpo que circunda o sol, sem ser satélite de nenhum outro objeto, grande o suficiente para ser arredondado pela sua própria gravidade (mas não tão grande para sofrer fusões nucleares, como uma estrela) e que tenha expulsado a maioria dos outros corpos que orbitam a vizinhança. Como Plutão divide seu espaço orbital com muitos outros objetos do Cinturão de Kuiper – o anel de corpos gelados além de Netuno – ele não satisfaz as características de um planeta. Portanto, ele passou a ser recentemente classificado como um planeta anão, que tende a ser menor do que os verdadeiros planetas e não podem “limpar a vizinhança” como eles. Centenas, ou até milhares, de corpos do sistema solar podem, eventualmente, entrar na lista de planetas anões, mas a UAI reconhece oficialmente apenas cinco: Ceres, Plutão, Haumea, Makemake e Éris. Confira aqui um breve tour espacial sobre esses cinco pequenos planetas anões.

Plutão: o excluído

Plutão foi descoberto em 1930 pelo americano Clyde Tombaugh, como parte da busca pelo mítico “Planeta X”, que imaginavam que estaria perturbando a órbita de Urano. Embora o planeta anão seja relativamente pequeno, quando ele foi descoberto os astrônomos acreditavam que ele tinha pelo menos o tamanho da Terra. Agora os cientistas sabem que ele tem 2.352 quilômetros de diâmetro – menos de 20% do tamanho de nosso planeta, e apenas 0,2% da massa da Terra. Plutão tem uma órbita extremamente elíptica que não está no mesmo plano que as órbitas dos oito planetas oficiais. Em média, o planeta anão cruza em torno do sol a uma distância de 5,87 bilhões de quilômetros, e demora 248 anos para completar um circuito. Como fica muito longe do sol, Plutão é um dos lugares mais frios do sistema solar, com temperaturas da superfície oscilando em torno de -225° C. Plutão tem quatro luas conhecidas: Caronte, Nix, Hydra e um minúsculo satélite recém-descoberto chamado de P4. Enquanto Nix, Hydra e P4 são relativamente pequenos, Caronte tem cerca de metade do tamanho de Plutão. Por causa do tamanho de Caronte, alguns astrônomos tratam Plutão e Caronte como um planeta anão duplo, ou um sistema binário. Plutão é um corpo muito difícil de estudar por sua distância, mas os cientistas acreditam que o planeta anão tem cerca de 70% de rocha e 30% de gelo – a superfície é coberta predominantemente por gelo de nitrogênio. O planeta anão tem uma fina atmosfera, composta de nitrogênio, metano e monóxido de carbono. Os mistérios que guardam Plutão poderão ser desvendados em alguns anos. Isso porque a sonda New Horizons, da NASA, vai fazer um voo rasante lá em julho de 2015.

Éris: o encrenqueiro

Éris foi descoberto em 2005, e foi o corpo que estimulou a UAI a tirar Plutão da lista de “planetas” e criar a categoria “planeta anão”, um ano depois. A decisão permanece controversa ainda hoje, tornando o nome de Éris mais do que apropriado: Éris é a deusa grega da discórdia, que despertou o ciúme e a inveja entre as deusas, levando à Guerra de Tróia. A única lua conhecida de Éris não deixa por menos: é a Dysnomia, nome da filha da deusa, caracterizada pelo espírito da anarquia. Éris tem praticamente o mesmo tamanho de Plutão, mas tem 25% mais massa, o que sugere que Éris tenha consideravelmente mais rocha (e menos gelo). No entanto, as superfícies dos dois planetas anões parecem similares, compostas principalmente por gelo de nitrogênio. Como Plutão, Éris tem uma órbita extremamente elíptica, e é ainda mais distante, ficando em média a 10,1 bilhões de quilômetros de distância do sol – e levando 557 anos para completar uma volta em torno dele.

Haumea: o excêntrico

Haumea um habitante do Cinturão de Kuiper que orbita um pouco além de Plutão – foi descoberto em 2004 e é um dos mais estranhos objetos do sistema solar. Haumea tem cerca de 1.931 quilômetros de diâmetro, o que o torna quase tão grande quanto Plutão. Entretanto, ele tem apenas um terço da massa de Plutão, em parte porque não é esférico. Em vez disso, Haumea tem a curiosa forma de uma gigante bola de futebol americano. O planeta anão completa uma rotação em menos de quatro horas, sendo um dos corpos com maior velocidade de rotação do sistema solar. Essa super rotação é responsável pela forma incomum de Haumea. Haumea foi nomeado em homenagem a deusa havaiana do parto, e tem duas luas conhecidas: Hi’iaka e Namaka. As luas têm nomes de duas das filhas da deusa. Os cientistas descobriram recentemente que 75% da superfície de Haumea é coberta por gelo de água cristalina, semelhante ao material que você encontra dentro do seu congelador. Haumea faz uma volta completa em torno do sol a cada 283 anos.

Makemake: o misterioso

Makemake foi descoberto em 2005. O tamanho do planeta anão ainda não é conhecido com clareza pelos astrônomos, mas eles acreditam que deva ter cerca de três quartos do tamanho de Plutão. É, portanto, provável que o Makemake seja o terceiro maior planeta anão, ficando apenas atrás de Éris e Plutão. Makemake orbita o sol com um pouco mais de distância do que Plutão, a cerca de 6,85 bilhões de quilômetros, e completa uma órbita a cada 310 anos, ou algo próximo a isso. Makemake é o segundo objeto mais brilhante do Cinturão de Kuiper (depois de Plutão), e pode ser visto de um telescópio amador. Como Haumea, Makemake recebeu o nome de uma divindade polinésia – neste caso, o criador da humanidade e o deus da fertilidade no panteão dos rapanui, o povo nativo da Ilha de Páscoa. Como Plutão e Éris, Makemake parece ter uma cor avermelhada no espectro de luz visível. Os cientistas acreditam que sua superfície é coberta por uma camada de metano congelado, e ainda não foi observada nenhuma lua no mundo distante.

Ceres: o rei do cinturão de asteróides

Ceres é o único planeta anão não encontrado no frio e distante Cinturão de Kuiper. Em vez disso, ele orbita o cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter, completando uma volta em torno do sol a cada 4,6 anos. Ceres é de longe o maior objeto no cinturão de asteróides, compondo cerca de um terço da massa do cinturão. Ao mesmo tempo, com 950 quilômetros de diâmetro, é o menor planeta anão conhecido. Ele foi nomeado em homenagem a deusa romana da colheita e do amor materno. Como Ceres está muito mais perto da Terra do que os outros planetas anões, ele foi descoberto muito antes dos outros, em 1801. Muitos astrônomos consideravam Ceres um planeta de verdade. Isso mudou quando ficou claro que Ceres era apenas um dos muitos corpos zunindo pelo espaço no cinturão de asteroides. É pensado que Ceres seja diferenciado por abrigar um pouco de água – os cientistas acreditam que ele tem um núcleo rochoso cercado por um manto de gelo. Alguns pesquisadores acreditam que um oceano de água líquida possa existir abaixo da superfície de Ceres. Os cientistas e o mundo vão passar a compreender o funcionamento de Ceres a partir de quatro anos, quando a sonda Dawn da NASA – que atualmente está orbitando Vesta, o segundo maior habitante do cinturão de asteróides – chegará a Ceres para realizar um estudo detalhado sobre o planeta anão.
Fonte: http://hypescience.com
[LiveScience]

Como é a lua vista de cima?

Mosaico de 983 imagens obtidas pela Reconnaissance Orbiter Lunar ao longo de um período de um mês durante o verão do hemisfério norte. Crédito: NASA / GSFC / Arizona State University
Aqui está uma visão da lua que você nunca verá aqui da Terra: vista de cima, ou pelo menos uma reconstituição de como ela deve ser. Cientistas da NASA criaram esse mosaico unindo 983 imagens do Pólo Norte da lua, capturadas pelo Orbitador de Reconhecimento Lunar (LRO). A sonda robótica do LRO, que vem mapeando a parte superior da lua desde 2009, conseguiu milhares de imagens das regiões polares da lua com uma câmera grande-angular. Como a lua se inclina sobre seu eixo em um ângulo de 1,54 graus (a Terra tem um grau de inclinação de 23,5 graus), algumas partes da superfície nunca recebem a luz do sol. Um dos objetivos da missão LRO é identificar essas regiões de sombra permanente. A sonda tirou as fotos da imagem composta acima no auge do verão no hemisfério norte de nosso satélite – o momento em que o pólo é mais iluminado. Assim, as áreas escuras – como as presentes ao longo das bordas de crateras profundas e nas imediações do pólo – são, provavelmente, permanentemente escuras.
Fonte: http://www.lifeslittlemysteries.com/moon-north-pole-view-2003/

30 Dourado: A Zona da Tarântula

Crédito: Points et al., NOAO, AURA, NSFS.
A Nebulosa da Tarântula mede mais de 1,000 anos-luz de diâmetro - é uma gigante nebulosa de emissão na nossa galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães. Dentro deste cósmico aracnídeo situa-se um jovem enxame central de massivas estrelas, catalogado como R136, cuja intensa radiação e fortes ventos têm ajudado a energizar o brilho nebular e a formar os filamentos. Neste espectacular mosaico a cores de imagens recolhidas pelo telescópio Curtis Schmidt no Observatório Inter-Americano de Cerro Tololo (CTIO) no Chile, outros jovens enxames estelares podem ser observados na nebulosa. Também de notar por entre a zona da Tarântula, várias nebulosas escuras, filamentos de gás, nebulosas de emissão compactas, alguns restos de supernovas quase esféricos, e áreas rodeando estrelas quentes conhecidas como superbolhas. O rico campo deste mosaico cobre uma área do céu com aproximadamente o tamanho da Lua Cheia na constelação do Hemisfério Sul, Dourado.
Fonte: http://www.ccvalg.pt/astronomia 

NGC 7006:O Remoto Aglomerado Globular da Via Láctea

(aglomerado globular NGC 7006)Créditos:ESA/Hubble & NASA
Essa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble, das agências NASA e ESA mostra um aglomerado globular de estrelas compacto e distante que se localiza numa das menores constelações do céu, a Delphinus, o Golfinho. Devido ao seu tamanho modesto, à sua grande distância e ao seu baixo brilho relativo, o NGC 7006 é muitas vezes ignorado pelos astrônomos amadores. Mas mesmo os aglomerados globulares, mais remotos como esse aparecem brilhantes e claros quando fotografados pela Advanced Camera for Surveys do Telescópio Espacial Hubble. O NGC 7006 reside nos subúrbios da Via Láctea. Ele está a uma distância aproximada de 135000 anos-luz da Terra, cinco vezes a distância entre o Sol e o centro da galáxia, e é parte do halo galáctico. O halo galáctico é uma região aproximadamente esférica da Via Láctea formada por matéria escura, gás e aglomerados globulares distribuídos de forma esparsa. Como outros aglomerados globulares remotos, o NGC 7006 fornece pistas importantes para os astrônomos entenderem como as estrelas se formaram e se agruparam no halo. O aglomerado agora fotografado pelo Hubble tem uma órbita muito excêntrica indicando que pode ter se formado de forma independente, numa pequena galáxia fora da nossa própria e que foi posteriormente capturado pela Via Láctea. Embora o NGC 7006 seja muito distante para um aglomerado globular da Via Láctea, ele é muito mais próximo do que muitas galáxias que podem ser vistas no plano de fundo dessa imagem. Cada uma dessas nebulosidades apagadas é provavelmente acompanhada de muitos aglomerados globulares similares ao NGC 7006 mas que são muito apagados para serem observados até mesmo pelo Hubble. Essa imagem foi feita usando o Wide Field Channel da Advanced Camera for Surveys, combinando a luz visível com a luz do infravermelho próximo. O campo de visão é um pouco maior que 3 por 3 arcos de minutos.

A Grande Nebulosa de Orion

Créditos e Direitos Autorais: Jesús Vargas (Astrogades) & Maritxu Poyal (Maritxu)
A Grande Nebulosa de Orion, também conhecida como M42, é uma das nebulosas mais famosas do céu. As nuvens de gás brilhante da região de formação de estrelas e as jovens estrelas quentes aparecem à direita nessa nítida e colorida imagem que inclui uma nebulosa menor, a M43 perto do centro e a empoeirada e azulada nebulosa de reflexão NGC 1977 e algumas de suas companheiras à esquerda. Localizada na borda de um complexo de nuvem molecular outrora invisível essas fascinantes nebulosas representam somente uma pequena porção desse impressionante material interestelar localizado na nossa vizinhança galáctica. Dentro desse berçário estelar bem estudado, os astrônomos também identificaram o que aparenta ser numerosos sistemas solares infantis. Essa maravilhosa paisagem do céu se espalha por aproximadamente dois graus ou algo em torno de 45 anos-luz considerando a distância estimada da Nebulosa de Orion de 1500 anos-luz da Terra.

Cientistas questionam formação de estrelas a partir de colisões

Na foto, filamentos de gás frio de uma galáxia, que fornecem matéria-prima para a formação de estrelas
 
A formação de estrelas no início do universo não foi um processo dirigido primariamente pelas colisões galácticas como se penava anteriormente, mas sim pela quantidade de gás presente. O Observatório Espacial Herschel da Agência Espacial Europeia (ESA), coletou dados de mais de 1000 galáxias, cobrindo 80% da vida do cosmos, incluindo aí informações no infravermelho. A taxa de nascimento de estrelas observada por volta de 10 bilhões de anos atrás quando apenas algumas galáxias haviam se formado é mais de 100 vezes mais rápida que a taxa observada hoje em dia.

Atualmente, as altas taxas são raras e normalmente são disparadas pelas colisões galácticas levando assim à se pensar que para que a taxa de nascimento de estrelas fosse alta, uma premissa era a existência da colisão entre galáxias. Porém, ao invés disso, uma equipe de pesquisadores internacional encontrou que a velocidade da formação das estrelas está associada com a quantidade de gás disponível – gás é o material bruto no processo de formação de estrelas – sem respeitar as colisões. 

 “Somente naquelas galáxias que ainda não tinham uma quantidade de gás suficiente que as colisões eram necessárias para fornecer esse gás e então disparar o processo de formação de estrelas com altas taxas”, disse David Elbaz no CEA Saclay da França. Os cientistas podem agora visualizar antigas galáxias evoluindo de acordo com a quantidade de gás existente ao redor, muitas vezes um processo muito mais calmo do que se imaginava antes. “O Herschel foi concebido para estudar a história da formação das estrelas com o decorrer do tempo no universo”, disse Goran Pilbratt, cientista do Projeto Herschel da ESA. “Essas novas observações estão mudando agora a nossa percepçõ sobre a história do universo”.

Qual a origem do ouro no Universo?

Créditos da Imagem: Dana Berry, NASA
De onde vem o ouro que você encontra nas joalherias? Ninguém sabe ao certo. A relativa abundância desse elemento no nosso Sistema Solar parece ser mais alta do que poderia ser encontrado no começo do Universo, nas estrelas, e até mesmo em típicas explosões de supernovas. Alguns astrônomos sugeriram recentemente que elementos pesados ricos em nêutrons, como o ouro pode ter facilmente sido criado em raras explosões ricas em nêutrons como a colisão entre estrelas de nêutrons. Acima, o que se vê é um desenho artístico que tenta reproduzir duas estrelas de nêutrons em movimento espiral uma em direção a outra, pouco antes de colidirem. Como as colisões entre as estrelas de nêutrons são pensadas como sendo a fonte das emissões das explosões de raios-gama de curta dureação, é possível que quando você compra um anel de ouro, ou um brinco, esteja também adquirindo uma parte do que é o resultado de uma das mais poderosas explosões no universo.
Fonte:http://apod.nasa.gov/apod/ap110911.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...