20 de out de 2011

As supernovas mais antigas e distantes

© Subaru (Supernova Tipo Ia)

Uma equipe de astrônomos japoneses, israelenses e americanos usaram o Telescópio Subaru para montar a maior amostra já encontrada das supernovas mais distantes, que emitiram luz a cerca de dez bilhões de anos atrás, muito antes da Terra ser formada. Os pesquisadores usaram esta amostra de supernovas antigas para determinar com que freqüência tais explosões de estrelas ocorriam no Universo jovem. Supernovas têm uma grande importância em astrofísica. Elas são fábricas de elementos da natureza: essencialmente todos os elementos da tabela periódica que são mais pesados ​​que o oxigênio foram formados através de reações nucleares imediatamente anterior e durante essas explosões colossais. As explosões arremessam esses elementos no espaço interestelar, onde servem como matéria-prima para as novas gerações de estrelas e planetas.

Assim, os átomos em nossos corpos, como os átomos de cálcio em nossos ossos ou os átomos de ferro em nosso sangue, foram criados em supernovas. Ao rastrear a frequência e tipos de explosões de supernovas de volta no tempo cósmico, os astrônomos podem reconstruir a história do Universo, a partir da mistura simples de hidrogênio e hélio que existiu durante os primeiros bilhões de anos após o Big Bang, até a atual riqueza de elementos. No entanto, olhar de volta no tempo requer explorar grandes distâncias, significando que essas explosões luminosas são extremamente tênues e difíceis de serem detectadas. Para superar esse obstáculo, a equipe se aproveitou de uma combinação de propriedades do Telescópio Subaru: o poder da luz captação de seu grande espelho primário de 8,2 metros; a nitidez de suas imagens, e o amplo campo de visão de sua câmera com foco principal (Suprime-Cam).

Em quatro ocasiões distintas, eles apontaram o telescópio para um único campo chamado de campo Subaru Deep, que se estende por uma área do céu semelhante à Lua cheia, permitindo que a luz tênue das supernovas nas galáxias mais distantes se acumulam ao longo de várias noites de cada vez, formando assim uma exposição muito longa e profunda do campo. Cada um das quatro observações captou cerca de 40 supernovas no ato de explodir entre as 150.000 galáxias no campo. Ao todo, a equipe descobriu 150 explosões, incluindo uma dúzia que estão entre as mais distantes e antigas. Análise dos dados mostrou que as supernovas do tipo chamado "termonuclear" explodiam cerca de cinco vezes mais frequentemente no Universo jovem, cerca de dez bilhões de anos atrás, do que hoje.

Supernovas termonucleares, muitas vezes chamadas de Tipo Ia, são uma das principais fontes de geração do elemento ferro no Universo. E os elementos anteriores, como oxigênio e carbono de que necessitamos para existirmos também foram espalhados por estas supernovas. Igualmente importante, essas explosões serviram como marcadores de distância cósmica para os astrônomos. Durante a última década, eles revelaram que a expansão do Universo, em que todas as galáxias estão se afastando umas das outras, está acelerando sob a influência da energia escura misteriosa.

No entanto, a natureza das supernovas termonucleares é mal compreendida, e tem havido intenso debate sobre a identidade das estrelas antes de explodirem. Ao revelar o intervalo da idade das estrelas que explodem, novas descobertas fornecem algumas pistas importantes para resolver este mistério. Os resultados correspondem a um cenário no qual as supernovas termonucleares são o produto da fusão de um par de anãs brancas. Observações futuras com a próxima geração de imagens da câmera Subaru, a Hyper Suprime-Cam, permitirá a descoberta de amostras maiores de supernovas mais distantes.
Fonte: Astro News

Exoplaneta ou estrela? Objeto celeste mais frio já fotografado

Impressão artística da anã-marrom e sua companheira, tão fria quanto um planeta.[Imagem: Janella Williams]

Planeta ou estrela morta?

Astrônomos fotografaram diretamente uma estrela anã-marrom e sua companheira - algo entre um exoplaneta e uma estrela morta - que tem uma temperatura similar à de um deserto na Terra. "Este companheiro tipo planetário é o objeto mais frio já fotografado diretamente fora do nosso Sistema Solar," garante Kevin Luhman, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Os cientistas ainda discutem se podem catalogar o objeto celeste como um exoplaneta.  "Sua massa é semelhante à de muitos planetas extrassolares - de seis a nove vezes a massa de Júpiter - mas, em outros aspectos, ele é mais parecido com uma estrela," diz Luhman. Em tese, o corpo celeste seria uma pequena estrela extremamente fria.
Foto em infravermelho do objeto celeste mais frio já visto diretamente - à esquerda, marcado como "cold companion" (companheiro frio). . [Imagem: Luhman et al.]

Estrelas frias

Há poucos meses, astrônomos identificaram as estrelas mais frias do Universo, mas elas não foram fotografadas diretamente, como agora. A candidata a estrela mais fria até agora estudada tem a temperatura similar à de uma xícara de café:  A estrela agora fotografada é chamada WD 0806-661 B, representada na ilustração orbitando sua companheira também muito fria para uma estrela, uma anã-marrom, o núcleo colapsado de uma estrela que está morrendo. Os astrônomos calcularam a temperatura dessa "estrela planetária" entre 26 e 70 graus Celsius.
Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br

Caudas do Cometa Garrad

Créditos e direitos autorais : Gregg Ruppel
Considerado um bom alvo para binóculos e pequenos telescópios, o cometa Garradd (C/2009 P1) brilha agora nos céus do planeta Terra à noite, um artista que tem apresentações constantes para nós, mas que ainda se exibe abaixo do limite da visibilidade a olho nu. Imagens telescópicas compostas como essa feita no dia 15 de Outubro de 2011 pode encontrar o cometa com um coma verde encantadora, mostrando múltiplas caudas e brilhando firme contra um fundo de estrelas fracas. O campo de visão é maior que 1 grau ou algo em torno de duas luas cheias e localiza-se dentro da borda sul da constelação de Hercules. Agora, a uma distância de cerca de 16 minutos-luz (2 unidades astronômicas)da Terra, o P1 Garradd é um cometa intrinsecamente grande, mas nunca vai fazer uma aproximação muito perto da Terra ou do Sol, enquanto estiver varrendo o interior do Sistema Solar. Como resultado, o cometa provavelmente só se apresentará para observadores munidos de telescópios, movendo-se lentamente através do céu e permanecendo na constelação de Hércules pelos próximos meses.
Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap111020.html

Chuva de cometas em Sistema Solar próximo

Concepção artista ilustra uma tempestade de cometas em torno de uma estrela perto da nossa, chamada Eta Corvi. Evidência para esse bombardeio vem do Telescópio Espacial Spitzer da NASA, cujos detectores de infravermelho captaram indícios de que um ou mais cometas recentemente foram rasgados em pedaços depois de terem colidido com um rochoso. Crédito da imagem: NASA / JPL-Caltech
O telescópio espacial Spitzer detectou uma chuva de cometas em um sistema similar ao que teria sido o Sistema Solar há milhões de anos, no período conhecido como o Intenso Bombardeio Tardio, que possivelmente deu à Terra água e outros ingredientes vitais para a vida. Esta descoberta poderia ajudar a entender melhor como foi a chuva de cometas e objetos gelados que caíram do Sistema Solar exterior batendo nos planetas interiores, deixando grandes quantidades de pó e outros elementos que causaram, por exemplo, as crateras da Lua. O que o telescópio Spitzer detectou consiste em uma nuvem de poeira ao redor de uma estrela brilhante próxima chamada Eta Corvi, que coincide com o conteúdo de um cometa gigante destruído. Esta poeira se encontra perto suficiente da estrela para se acreditar que houve uma colisão entre um planeta e um ou vários cometas. Pesquisadores indicam que o sistema Eta Corvi, que tem aproximadamente 1 bilhão de anos, tem a idade adequada para produzir uma tempestade como esta. Os astrônomos usaram os detectores de infravermelho do Spitzer para analisar a luz que procede do pó ao redor do Eta Corvi, nos quais encontraram sinais químicos de gelo de água, matéria orgânica, e rocha, o que significa que provém de um cometa gigante. As características da poeira também se assemelham ao meteorito Almahata Sitta, que deixou cair fragmentos na Terra em 2008, no Sudão. Os especialistas indicam que as semelhanças entre o meteorito e o objeto destruído que rodeia o Eta Corvi implica um lugar comum de origem. O Sistema Solar tem uma região similar de asteroides, conhecido como cinturão de Kuiper, onde flutuam os restos de matéria gelada e rochosa que ficaram após a formação dos planetas há 4,5 bilhões de anos.

Astrônomo do Havaí registra 1ª imagem de planeta em formação

A ilustração mostra como se dá a formação de um novo planeta, no espaço entre a estrela e um disco de gases.Foto: Karen L. Teramura/UH IfA/Divulgação
Um astrônomo da Universidade do Havaí (EUA) registrou a primeira imagem de um planeta em processo de formação em torno de uma estrela. Trata-se do planeta mais jovem já encontrado, com aproximadamente o mesmo tamanho de Júpiter. O corpo celeste recém descoberto ganhou o nome de LkCa 15 b e está cercado de poeira cósmica e gases. Adam Kraus e seus colegas utilizaram os telescópios Keck para registrar as imagens. É a primeira vez que cientistas conseguem medir um planeta tão no início de sua formação. Kraus apresentou a descoberta em um encontro da Nasa na quarta-feira. A pesquisa do grupo começou com o estudo de 150 jovens estrelas. Após primeiras análises, eles reduziram o campo de estudo a 12 estrelas. O LkCa 15 b era o segundo da lista e os cientistas imediatamente souberam que estavam diante de algo novo. A coleta de dados começou há um ano.
Fonte: TERRA

Astrônomos desvendam mistério de estrela ‘vampira’

Astros aparentam ser mais jovens do que realmente são. Segundo cientistas, elas 'roubam' energia de estrela irmã.
A imagem mostra o aglomerado estelar NGC 188 com as estrelas ‘vampiras’ circuladas (Foto: Noaa)
Um tipo de estrela que não deveria existir pode ter sido finalmente entendido por astrônomos em um estudo a ser publicado nesta quinta-feira (19) na revista científica britânica “Nature”. Entre os cientistas elas são conhecidas oficialmente como “retardatárias azuis”, mas têm o apelido de “estrelas vampiras”, por parecem mais jovens do que são. Esses astros se destacam por parecem mais quentes e jovens do que seus vizinhos, embora tenham sido formados mais ou menos na mesma época que eles. Estava claro para os cientistas que essas estrelas tinham mais energia do que as outras. O mistério era como isso acontecia: se através de colisões com a vizinhança ou por meio da boa e velha roubalheira mesmo. Agora, a equipe de Aaron Geller e Robert Mathieu descartou a possibilidade de colisões. Sobrou a outra: as estrelas vampiras roubariam a energia de outras para ficarem mais jovens. A maioria delas, segundo o grupo, é parte de um sistema binário: ou seja, tem uma estrela “irmã” presa em sua órbita. O difícil é ver essa irmã: uma vez que a vampira suga sua energia, o brilho fica muito fraco para ser detectado por telescópios. A dupla pretende agora usar o telescópio espacial Hubble para confirmar seus achados.

HE 1013-2136 - Um quasar em interacção gravitacional

Crédito: European Southern Observatory (ESO), Klaus Jäger et al.
Telescópio: Very Large Telescope (VLT) - Kueyen (Paranal Observatory, ESO).
Instrumento: FOcal Reducer/low dispersion Spectrograph 2 (FORS2)
Esta imagem mostra que um quasar (núcleo luminoso de uma galáxia activa) distante está envolvido numa batalha gravitacional com as suas galáxias vizinhas. As estruturas reveladas por esta fotografia apoiam a hipótese de que a actividade em quasares está ligada à interacção entre galáxias. A imagem deste quasar, que se encontra a 10 mil milhões de anos-luz e se denomina HE 1013-2136, foi obtida num dos telescópios de 8 m do VLT (ESO), situado no Paranal, Chile.
Fonte: http://www.portaldoastronomo.org/  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...