24 de nov de 2011

Algumas Estruturas no Universo Parecem Negar o Big-Bang

A teoria dominante do Big Bang prevê que todas as galáxias deveriam estar distribuídas nos anéis externos da força explosiva inicial de expansão. Mas em contradição a teoria padrão, antigas galáxias orbitam a Via Láctea. Existem galáxias próximas com mais de 13 bilhões de anos de vida bem como existem galáxias antigas totalmente formadas localizadas a mais de 13.1 bilhões de anos-luz de distância da Via Láctea. As galáxias movem-se na direção erra e com diferentes velocidades, com galáxias se colidindo com outras em cada direção.

Pelo que é conhecido, o comprimento do universo baseado em Hubble, centenas de milhões de galáxias tem se agrupado, formando super aglomerados e uma série de grandes paredes de galáxias que estão separadas por imensos buracos de espaço vazio. Alguns desses super aglomerados alongados formam uma série de paredes, uma após a outra, com distância de 500 a 800 milhões de anos-luz entre eles, 13 grandes paredes se formaram com paredes externas e internas separadas por menos de 7 bilhões de anos-luz.

Algumas teorias recentes estimam que essas paredes galácticas podem levar de 80 bilhões a 100 bilhões ou até a 150 bilhões de anos para se formarem. Milhões dessas galáxias com mais de uma centena de milhões de anos de comprimento se movem na mesma direção e têm penetrado o centro do super aglomerado local de galáxias na vizinhança das constelações de Centauro e Hydra. Outra anomalia é o aglomerado da Coma no centro da grande parede conhecida como CfA2.

Essa é uma das maiores estruturas observadas no universo, contendo mais de 10000 galáxias e se estendendo por mais de 1.37 bilhões de anos-luz em comprimento. Na tentativa de racionalizar essas enormes anomalias, a idéia que prevalece, tem utilizado a “energia escura” para explicar o porque que o universo criado não se espalha de maneira uniforme e na mesma velocidade e nas mesmas direções que prevê a teoria. Com a adição da misteriosa e até o momento não confirmada energia escura, ou o “grande atrator”, o “universo previsto pelo Big Bang, desacelera e então de maneira repentina acelera novamente, então desacelera mais uma vez, com diferentes regiões de movendo com velocidades diferentes e em diferentes direções”.
Fonte: Ciênctec - http://cienctec.com.br/wordpress/?p=3420

Capturada pelo brilho

Créditos da Inlustração: ESO, L. Calçada - Research Team: Sandra Savaglio (MPE) et al.
A imagem acima na verdade é uma impressão artística que mostra duas galáxias distantes formadas aproximadamente 2 bilhões de anos depois do Big Bang sendo capturadas pela luz emitida pelo GRB090323, uma explosão de raios gama vista através do universo. Com o seu brilho sobressaindo o brilho da própria galáxia hospedeira e de outra galáxia próxima, o alinhamento da explosão de raios gama e das galáxias foi inferido a partir do espectro do brilho emitido pela explosão e detectado inicialmente pelo Fermi Gamma Ray Space Telescope em Março de 2009. Como observado por um dos VLTs do ESO, o espectro da explosão vai se apagando oferecendo, além disso, outro resultado surpreendente, as galáxias distantes são mais ricas em elementos pesados que o Sol, com uma abundância mais alta já vista no universo. Elementos pesados que enriqueçam as galáxias maduras no universo local, foram gerados em gerações passadas de estrelas. Assim essas galáxias jovens experimentaram uma prodigiosa taxa de formação de estrelas e uma evolução química comparada com a Via Láctea. Na ilustração acima, a luz da explosão passa sucessivamente através das galáxias para a direita. Os espectros ilustrando as linhas escuras de absorção dos elementos das galáxias impressos no brilho da explosão são mostrados em detalhe. Os astrônomos no planeta Terra que estão estudando esse fenômeno localizam-se a aproximadamente 12 bilhões de anos-luz de distância na direção da borda direita dessa imagem.
Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap111124.html

Radares dos EUA podem ter afetado sonda russa, diz especialista

Radares americanos podem ter provocado a falha da estação interplanetária russa Fobos-Grunt que ficou em órbita terrestre ao invés de seguir para Marte, disse nesta quinta-feira o tenente-general Nikolai Rodionov, ex-comandante-em-chefe do sistema de prevenção de ataques de mísseis da Rússia.  "A trajetória do Fobos-Grunt passou pela zona de cobertura de poderosos radares americanos no Alasca. Temo que a potente radiação eletromagnética dessas estações tenha afetado os equipamentos de controle da sonda interplanetária", avaliou Rodionov, citado pela agência Interfax. Ele ressaltou que a Rússia deveria se preocupar com a presença de radares americanos na Noruega e no Alasca. Rodionov sugeriu ainda as autoridades de seu país a usarem menos componentes eletrônicos estrangeiros na fabricação de mísseis e equipamentos espaciais russos. "A qualquer momento (os fabricantes estrangeiros) poderiam enviar alguns sinais, ativar chips para deixar fora de serviço um míssil ou uma nave espacial", explicou. Na quarta-feira à noite, especialistas da Agência Espacial Europeia (ESA) conseguiram pela primeira vez receber dados de telemetria a partir da estação interplanetária russa, que até então não tinha emitido sinal desde o lançamento. A Fobos-Grunt devia cumprir uma missão de 34 meses, incluindo o voo da Fobos, a descida em sua superfície e, finalmente, o retorno à Terra de uma cápsula com mostras do solo do satélite marciano. Com custo de US$ 170 milhões, o projeto tinha como objetivo estudar a matéria inicial do sistema solar e ajudar a explicar a origem de Fobos e Deimos, a segunda lua marciana, assim como dos demais satélites naturais no sistema solar. Roscosmos, a agência espacial russa, declarou que tem até o fim de novembro para tentar reativar a Fobos-Grunt e colocá-la rumo ao seu destino: Fobos, uma das duas luas de Marte.
Fonte: TERRA

Estudo identifica planetas com mais chances de vida extraterrestre

O estudo contribuirá para iniciativas que, nos últimos tempos, têm reforçado a busca por vida extraterrestre. Foto: BBC Brasil

A lua de Saturno Titã e o exoplaneta Gliese 581g estão entre os planetas e luas mais propensos à existência de vida extraterrestre, segundo um artigo científico publicado por pesquisadores americanos. O estudo da Universidade de Washington criou um ranking que ordena os países segundo a sua semelhança com a Terra e de acordo com condições para abrigar outras formas de vida. Segundo os resultados publicados na revista acadêmica Astrobiology, a maior semelhança com a Terra foi demonstrada por Gliese 581g, um exoplaneta - ou seja, localizado fora do Sistema Solar - de cuja existência muitos astrônomos duvidam. Em seguida, no mesmo critério, veio Gliese 581d, que é parte do mesmo sistema. O sistema Gliese 581 é formado por quatro - e possivelmente cinco - planetas orbitando a mesma estrela anã a mais de 20 anos-luz da Terra, na constelação de Libra.

Condições favoráveis

Um dos autores do estudo, Dirk Schulze-Makuch, explicou que os rankings foram elaborados com base em dois indicadores. O Índice de Similaridade com a Terra (ESI, na sigla em inglês) ordenou os planetas e luas de acordo com a sua similaridade com o nosso planeta, levando em conta fatores como o tamanho, a densidade e a distância de sua estrela-mãe. Já o Índice de "Habitabilidade" Planetária (PHI, sigla também em inglês) analisou fatores como a existência de uma superfície rochosa ou congelada, ou de uma atmosfera ou um campo magnético. Também foi avaliada a energia à disposição de organismos, seja através da luz de uma estrela-mãe ou de um processo chamado de aceleração de maré, no qual um planeta ou lua é aquecido internamente ao interagir gravitacionalmente com um satélite. Por fim, o PHI leva em consideração a química dos planetas, como a presença ou ausência de elementos orgânicos, e se solventes líquidos estão disponíveis para reações químicas.

"Habitáveis"

No critério da "habitabilidade", a lua Titã, que orbita ao redor de Saturno, ficou em primeiro lugar, seguida da lua Europa, que orbita Marte e Júpiter. Os cientistas acreditam que Europa contenha um oceano aquático subterrâneo aquecido por aceleração de maré. O estudo contribuirá para iniciativas que, nos últimos tempos, têm reforçado a busca por vida extraterrestre. Desde que foi lançado em órbita em 2009, o telescópio espacial Kepler, da Nasa, a agência espacial americana, já encontrou mais de mil planetas com potencial para abrigar formas de vida. No futuro, os cientistas creem que os telescópios sejam capazes de identificar os chamados "bioindicadores" - indicadores da vida, como presença de clorofila, pigmento presente nas plantas - na luz emitida por planetas distantes.
Fonte: TERRA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...