Antigas esferas no Aglomerado Globular M4

Essa surpreendente imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble das Agências Espaciais NASA e ESA mostra o centro do aglomerado globular de estrelas conhecido como M4. O poder do Hubble consegue resolver o aglomerado com sua multitude de esferas brilhantes, cada uma delas sendo na verdade uma colossal fornalha nuclear. O M4 é um objeto relativamente próximo da Terra, a 7200 anos-luz, fazendo dele um alvo fácil para ser estudado.

 Ele contém algumas dezenas de milhares de estrelas e é o lar de muitas anãs brancas, ou seja, o núcleo de estrelas moribundas que tiveram suas camadas externas expelidas para o espaço. Em Julho de 2003, o Hubble ajudou a fazer a impressionante descoberta de um planeta chamado PSR B1620-26 b, com uma massa 2.5 vezes a massa do planeta Júpiter, que está localizado nesse aglomerado.

Estima-se que ele tenha uma idade de 13 bilhões de anos – quase três vezes a idade do Sistema Solar. O que também é incomum é que esse planeta orbita um sistema binário composto por uma anã branca e um pulsar, um tipo de uma estrela de nêutrons. Observadores amadores podem também gostar de rastrear o M4 no céu noturno. Usando binóculos ou pequenos telescópios para vasculhar o céu perto da estrela vermelho alaranjada de Antares na constelação de Scorpius. O M4 é brilhante para um aglomerado globular, mas nada se parece com essa imagem do Hubble, no caso dos telescópios ele aparecerá como uma bola de luz difusa em sua ocular. Na quarta-feira, dia 5 de Setembro de 2012, o European Southern Observatory (ESO) publicará uma imagem de ângulo vasto do M4, mostrando de forma completa a forma esferoidal do aglomerado globular.
Fonte: http://www.spacetelescope.org

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton