Novo estudo traz exoplanetas duvidoso de "Volta dos Mortos"


Esta imagem no visível obtida pelo Telescópio Espacial Hubble mostra a vizinhança da estrela Fomalhaut, incluíndo a localização do seu anel de poeira e planeta em questão, Fomalhaut b. Uma máscara coronográfica ajudou a diminuir o brilho da estrela. Esta imagem combina duas observações de 2006 obtidas com máscaras de diferentes tamanhos (1,8 e 3 arcosegundos).Crédito: NASA/ESA/T. Currie, U. Toronto

Um segundo olhar para os dados do Telescópio Espacial Hubble da NASA está a reanimar a alegação de que a estrela Fomalhaut hospeda um exoplaneta massivo. O estudo sugere que o planeta, com o nome de Fomalhaut b, é um objecto raro e possivelmente único que está completamente encoberto por poeira. Em Novembro de 2008, astrónomos do Hubble anunciaram a descoberta do exoplaneta, chamado Fomalhaut b, como o primeiro observado directamente no visível em torno de outra estrela. O objecto foi fotografado dentro de um vasto anel de detritos em torno mas afastado da estrela-mãe. A localização do planeta e a sua massa - não mais do que três vezes a massa de Júpiter - pareciam as correctas para a sua gravidade explicar a aparência do anel. Estudos recentes afirmaram que esta interpretação planetária estava incorrecta. Com base no movimento aparente do objecto e a falta de uma detecção infravermelha pelo Telescópio Espacial Spitzer, os cientistas argumentaram que o objecto era uma nuvem de poeira de curta duração sem qualquer relação com um planeta.

Uma nova análise, no entanto, traz a primeira conclusão exoplanetária de volta à vida.

"Embora os nossos resultados desafiem seriamente o artigo da descoberta original, fazem-no de uma forma que realmente torna a interpretação do objecto muito mais limpa e deixa intacta a conclusão final, que Fomalhaut b é de facto um planeta enorme," afirma Thayne Currie, astrónomo anteriormente do Centro Aeroespacial Goddard da NASA em Greenbelt, Maryland, EUA, e agora na Universidade de Toronto. O estudo relata que o brilho de Fomalhaut b varia por um factor de aproximadamente dois e citou isto como evidência de que o planeta estava a atrair gás. Estudos seguintes interpretaram esta variabilidade como evidência de que o objecto era na realidade uma nuvem transitória de poeira. No novo estudo, Currie e a sua equipa reanalisaram observações da estrela feitas com o Hubble em 2004 e 2006. Facilmente recuperaram o planeta em observações feitas em comprimentos de onda visíveis perto dos 600 e 800 nanómetros, e fizeram uma nova detecção na luz violeta perto dos 400 nanómetros. Em contraste com a pesquisa anterior, a equipa descobriu que o planeta permaneceu com brilho constante.
Impressão de artista do exoplaneta, Fomalhaut b, em órbita da sua estrela, Fomalhaut.Crédito: ESA; Hubble, M. Kornmesser; e ESO, L. Calçada e L.L. Christensen

A equipa tentou detectar Fomalhaut b no infravermelho usando o Telescópio Subaru no Hawaii, mas foi incapaz de o fazer. As não-detecções com o Subaru e Spitzer significam que Fomalhaut b deve ter menos de duas vezes a massa de Júpiter. Outra questão controversa tem sido a órbita do objecto. Se Fomalhaut b é responsável pela borda do anel interior, então ele deve seguir uma órbita alinhada com o anel e agora deve estar movendo-se na sua velocidade mais lenta. A velocidade implícita no estudo original parecia ser muito mais rápida. Além disso, alguns pesquisadores argumentaram que Fomalhaut b segue uma órbita inclinada, que passa através do plano do anel.

Usando dados do Hubble, a equipa de Currie estabeleceu que Fomalhaut b move-se com uma velocidade e direcção consistentes com a ideia original de que a gravidade do planeta modifica o anel.  O que temos visto nas nossas análises é que a distância mínima do objecto a partir do disco quase não mudou nos últimos dois anos, o que é um bom sinal de que está numa órbita que esculpe o anel," explicou Timothy Rodigas, estudante pós-graduado na Universidade do Arizona e membro da equipe. A equipe de Currie também abordou estudos que interpretam Fomalhaut b como uma nuvem de poeira compacta não gravitacionalmente ligada a um planeta. Perto do anel de Fomalhaut, a dinâmica orbital espalharia ou dissiparia completamente tal nuvem em coisa de 60.000 anos. Os grãos de poeira experimentariam forças adicionais, que operam em escalas de tempo muito mais rápidas, à medida que interagem com a luz da estrela.

"Dado o que sabemos acerca do comportamento da poeira e do ambiente onde o planeta está localizado, pensamos que estamos vendo um objecto planetário completamente embebido em poeira em vez de uma nuvem de poeira flutuando livremente," afirma o membro da equipa, John Debes, astrónomo do STSI (Space Telescope Science Institute) em Baltimore, EUA.

Um artigo descrevendo os achados foi aceite para publicação na revista The Astrophysical Journal Letters.

Dado que os astrónomos detectam Fomalhaut b graças à luz da poeira em redor e não graças à luz ou calor emitido pela sua atmosfera, já não é classificado como um "exoplaneta observado directamente". Mas porque tem a massa ideal e está no local ideal para esculpir o anel, a equipa de Currie acha que deve ser considerado um "planeta identificado a partir de imagens directas. Fomalhaut foi novamente alvo do Hubble em Maio passado mas por outra equipa científica. Essas observações estão actualmente sob análise e devem ser publicadas em breve.
Fonte: http://www.ccvalg.pt/astronomia/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton