Áreas de confusão

Imagem por Raffaele Barzacchi, Itália
Os raios da cratera Kepler com certeza encontrariam mais admiradores se eles não ocorressem tão perto dos longos e gloriosos raios da cratera Copernicus e dos brilhantes raios da cratera Aristarchus. A imagem acima enfatiza uma feição do material ejetado da cratera Kepler que pode-se notar as vezes. Uma área que se estende por aproximadamente entre 1.5 e 2 km do diâmetro da cratera Kepler, e que é coberta com material brilhante parecido com um raio. Ao redor existe outra descontinuidade coberta e não tão brilhante. A fronteira dessa área a oeste está onde a parte mais larga dos raios da cratera Kepler é truncada, se estendendo somente como raios estreitos além disso. A zona brilhante mais interna aparece continuamente coberta por material ejetado, a área mais externa é descontinuamente interferida com material ejetado. Uma coisa interessante sobre a área mais externa é que ela é marcada a oeste por uma franja estreita de lava mais escura. É pouco provável que o material ejetado pudesse afetar a passagem da lava, ou ser afetado por ela. É possível que a zona mais externa de material brilhante não seja real, e que seja aparentemente uma fronteira causada somente pelo fato do feixe de lava que separa igualmente o material brilhante de ambos os lados.

Fonte: http://lpod.wikispaces.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton