Postagens

Mostrando postagens de Março 16, 2012

Asteroide passará entre satélites artificiais e a Terra

Imagem
O "2012 DA14" tem uma órbita muito parecida com a da Terra, com um período de 366,24 dias, apenas mais um dia que o nosso ano terrestre.[Imagem: ESA/La Sagra Sky Survey] Órbitas gêmeas
Uma equipe de astrônomos amadores espanhóis descobriu um asteroide incomum, batizado de "2012 DA14", no último dia 22 de Fevereiro. Por ser muito pequeno e ter uma órbita incomum, ele só foi visto depois de ter passado pela Terra, a uma distância de cerca de sete vezes a distância da Lua. No entanto, as previsões indicam que ele vai voltar no ano que vem. E, nesta sua próxima passagem, prevista para 15 de Fevereiro de 2013, ele passará a apenas 24.000 km da Terra - mais perto do que a maioria dos satélites artificiais de comunicação.  "Um cálculo preliminar da sua órbita mostra que o 2012 DA14 tem uma órbita muito parecida com a da Terra, com um período de 366,24 dias, apenas mais um dia que o nosso ano terrestre, e ele 'salta' para dentro e para fora do caminho da Terra d…

Planetas Brilhantes no Telescópio Solar McMath-Pierce

Imagem
Créditos e direitos autorais : Mike Line (Caltech), Ed Mierkiewicz (Univ. Wisconsin-Madison), Ron Oliversen (NASA-GSFC) Os brilhantes planetas Vênus e Júpiter foram fotografados tendo o Telescópio Solar McMath-Pierce do Observatório Nacional Solar como enquadramento nessa bela cena astronômica acima. A foto foi feita no Observatório Nacional de Kitt Peak no dia 9 de Março de 2012. No topo da torre de 100 pés do telescópio solar existe um instrumento desenhado especificamente para focar os raios do Sol num longo arranjo diagonal que chega até o espelho primário do telescópio localizado em subsuperfície. Claro que depois do pôr-do-Sol a sombra gerada e a estrutura são iluminadas pela luz de uma Lua quase que cheia. Aberto para começar mais uma noite de trabalho, o domo que abriga o telescópio refletor de 2.1 metros do Kitt Peak também aparece nesse belo quadro astronômico, enquanto que o aglomerado estelar das Plêiades brilha acima da torre do telescópio solar. O angular McMath-Pierce c…

Nosso Incrível Universo Em Infravermelho

Imagem
Essa imagem de todo o céu foi construída a partir de um mosaico de observações feitas com o Wide-field Infrared Explorer (WISE) da NASA. As observações, que foram lançadas num novo atlas e catálogo de todo o céu infravermelho em 14 de Março de 2012, inclui mais de meio bilhão de estrelas, galáxias e outros objetos. O WISE foi lançado em 2009 e essa é a primeira vez que a missão publica sua visão infravermelha de todo o universo. Através do meio da imagem, a Via Láctea se apresenta de forma proeminente com o seu núcleo no centro. Acima e abaixo do plano galáctico, distantes emissões infravermelhas de galáxias e nebulosas podem ser observadas.  Os objetos mais famosos são destacados e denominados na imagem abaixo.  O telescópio espacial também tem um instrumental que permite que ele registre objetos em infravermelho próximos da Terra. Com isso ele tem detectado muitos asteroides e cometas, incluindo a surpreendente descoberta de um asteroide Troiano que acompanha a Terra em sua órbita a…

WFC3 imagem visível da Nebulosa de Carina

Imagem
Créditos:NASA, a ESA eo Hubble SM4 ERO Equipe Composta de gás e poeira, os pilares mostrados acima residem no tempestuoso berçário estelar da Nebulosa da Carina, localizado a 7500 anos-luz de distância da Terra na constelação do sul da Carina. Feita na luz visível, à imagem mostra a ponta de um pilar de três anos-luz de comprimento banhada no brilho da luz proveniente de estrelas quentes e massivas que estão fora da imagem na parte superior do quadro. A radiação escaldante e os rápidos ventos (correntes de partículas carregadas) dessas estrelas estão esculpindo o pilar e fazendo com que novas estrelas se formem dentro dele. Correntes de gás e poeira podem ser vistas fluindo para fora no topo da estrutura. A Wide Field Camera 3 do Hubble observou a Nebulosa da Carina entre os dias 24-30 de Julho de 2009. A WFC3 foi instalada no Hubble em Maio de 2009 durante a missão de serviço 4. A imagem composta acima foi feita a partir de três filtros que isolaram as emissões de ferro, magnésio, oxi…

Lentes cósmicas com buracos negros

Imagem
Visãoafiada OTelescópio Espacial Hubblefoi usado paraprocurararcosgravitacionaise anéis(indicado porsetas), que são produzidosquandouma galáxiaatua comouma lente para ampliaredistorcer a aparênciadeoutra galáxiapor trás dele.Neste caso, as galáxiasem primeiro planocontêmativamenteacreçãoburacos negrosconhecidos como quasares.Crédito da imagem: NASA, ESA,EPFL(Suíça) No espaço, algumas vezes acontece de duas galáxias se alinharem de uma maneira especial em que a galáxia mais próxima distorce e amplia a aparência da galáxia mais distante localizada atrás dela. Para os astrônomos, encontrar esses alinhamentos é como se tivesse observando através de uma gigantesca lente de aumento. Agora, uma equipe de astrônomos, incluindo Daniel Stern do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, na Califórnia, descobriram alguns raros exemplos desse fenômeno de alinhamento, chamados de lentes gravitacionais, onde a galáxia distante abriga um buraco negro supermassivo que está em ativo crescimen…

Cassini detecta pistas de oxigênio na lua Dione

Imagem
A espaçonaveCassini, da NASA, detectou pistas da existência de íons de oxigênio molecular ao redor da lua gelada Dione, de Saturno, pela primeira vez, confirmando a presença de uma atmosfera muito tênue. Os íons são um tanto esparsos – um para cada 11 centímetros cúbicos de espaço ou 90 mil por metro cúbico. Na superfície da Dione, sua atmosfera seria densa como a da Terra a 480 quilômetros da superfície. A atmosfera é conhecida como exosfera.  “Nós sabemos que a Dione, assim como os anéis de Saturno e a lua Rhea, é uma fonte de moléculas de oxigênio”, comenta Robert Tokar, membro da equipe Cassini. “Isso mostra que o oxigênio molecular é na verdade comum no sistema de Saturno, e reforça de que isso pode acontecer em um processo que não envolve a vida”.  O oxigênio da Dione parece vir de fótons solares ou partículas energéticas do espaço, que bombardeiam a superfície de gelo da lua, e liberam as moléculas. Mas os cientistas estão procurando por outros processos, incluindo os geológico…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...