3 de abr de 2012

As bizarras diferenças entre a Via Láctea e nossa vizinha rival Andrômeda

A Via Láctea e Andrômeda são irmãs: duas grandes espirais que dominam nosso grupo local de galáxias. Elas têm quase a mesma massa total e até hoje tinham conseguido nos passar a perna, fazendo com que acreditássemos que fossem quase gêmeas. Mas a farsa acabou. “Conforme olhamos mais detalhadamente, observamos que elas são bem diferentes”, afirma o astrofísico Alan McConnachie, do Instituto Herzberg de Astrofísica, em Vitória, no Canadá. Andrômeda é a filha preferida. É mais brilhante, com um disco mais amplo de estrelas.

 O buraco negro localizado em seu coração é cem vezes maior que o nosso e, enquanto nossa galáxia é coberta por aproximadamente 150 dos mais brilhantes cúmulos globulares (coleção esférica de estrelas que orbita o núcleo galáctico tal qual um satélite), Andrômeda exibe mais de 400. E agora o leitor deve se perguntar se Andrômeda seria então um espécime exemplar de galáxia. Ao que parece, não. Em 2007, o astrofísico François Hammer e seus colegas, do Observatório de Paris, na França, compararam Andrômeda e nossa galáxia com amostras de galáxias mais distantes.

 Eles descobriram que, enquanto Andrômeda é uma espiral bem simétrica e ajustada, a Via Láctea é excêntrica e esquisita: mais escura e sossegada do que todas as outras galáxias, com exceção de umas poucas colegas. Isso provavelmente acontece porque espirais típicas, como Andrômeda, são transformadas por colisões com outras galáxias durante seu tempo de vida. Esses eventos violentos balançam os gases da galáxia e formam novas estrelas e cúmulos globulares, que agitam o disco de maneira que se espalhe mais, enviando alguns gases e estrelas que mergulham no coração da galáxia para alimentar um buraco negro central mais poderoso.

 Ao contrário, a Via Láctea vive relativamente sem maiores perturbações. Se não fossem alguns poucos encontros com algumas poucas galáxias, como a Anã de Sagitário, a qual a Via Láctea está devorando lentamente, não veríamos muita ação por aproximadamente 10 bilhões de anos. Talvez por esse mesmo fator, o de vivermos em uma região estável, é que temos a possibilidade de notar a diferença. Espirais mais perturbadas sofrem mais explosões de supernovas – explosões poderosas por expulsar para o espaço até 90% da matéria de uma estrela –, o que as tornam nada propícias para habitar tipos de vida complexa.
Fonte: Hypescience.com
[NewScientist]

Ejeções de plasma causam terremotos na superfície do Sol

Astrônomos analisaram terremoto solar mil vezes mais potente do que o que atingiu o Japão em março de 2011
Imagem de um fenômeno conhecido como 'ejeção de massa coronal', que ocorreu em 15 de fevereiro de 2011 no Sol (NASA/SDO)
A primeira observação de um terremoto solar foi divulgada nos anos 1990. Assim, foi descoberto que explosões na atmosfera do Sol, conhecidas como erupções solares, podem produzir ondas sísmicas, à maneira dos terremotos que atingem o planeta Terra. Agora, um estudo liderado pelo University College London, na Inglaterra, descobriu um tipo específico de erupção solar capaz de causar tais abalos. Os terremotos solares são formados pelo impacto de poderosos raios de partículas que viajam no interior do Sol. A nova pesquisa – divulgada nesta sexta-feira durante a conferência National Astronomy Meeting 2012, na cidade britânica de Manchester – mostrou pela primeira vez que erupções conhecidas como 'ejeções de massa coronal' são capazes de produzir os tais terremotos no astro. Os pesquisadores analisaram uma erupção deste tipo ocorrida em 15 de fevereiro de 2011, por meio de imagens captadas pelo satélite SOHO, na órbita do Sol. Eles perceberam que um terremoto mil vezes mais potente do que o que atingiu o Japão há um ano foi desencadeado nas duas extremidades do campo magnético do Sol. Assim, a equipe constatou que ejeções de massa coronal podem desempenhar papel importante na geração dos tremores. A ejeção em questão foi lançada pelo Sistema Solar em direção à Terra a uma velocidade média de 600 quilômetros por segundo. "Terremotos solares foram previstos pela primeira vez em 1972 e têm sido vistos na superfície do Sol como ondulações muito parecidas com aquelas produzidas quando uma pedra é jogada na água", diz Dr. Sergei Zharkov, coordenador do estudo. "No entanto, eles são causados pela liberação súbita de energia abaixo da superfície do Sol, produzindo ondas que viajam em direção à superfície", explica. Eventos espetaculares como os abalos sísmicos solares estão ajudando os cientistas a entender como a energia é transportada da atmosfera do Sol, passando pela sua superfície até o seu interior. Com a atividade solar aumentando continuamente, podendo chegar a seu auge em 2013, mais terremotos poderão ser observados, ajudando a desvendar os mecanismos que os causam.

Saiba mais

Erupção Solar - As tempestades solares, ou erupções solares, são explosões na superfície do Sol. Elas são causadas por mudanças repentinas no campo magnético do astro e têm um ciclo de intensidade de 11 anos. A atividade faz com que radiação eletromagnética atinja o planeta Terra, em forma de uma nuvem de radiação – podendo vir como partículas ou radiação eletromagnética – que viaja pelo espaço em altíssima velocidade. Nos casos em que a energia é mais alta, as tempestades podem afetar sistemas da Terra, como satélites ou redes de energia.

Ejeção de Massa Coronal - O fenômeno solar conhecido como 'ejeção de massa coronal' é o responsável por ejetar bolhas de plasma do Sol, mas precisamente da coroa solar (envoltório luminoso do astro, observado apenas durante eclipses), ao longo de várias horas. O plasma ejetado, constituinte dessa coroa solar, é composto primariamente de elétrons e prótons, com pequenas quantidades dos elementos químicos hélio, oxigênio e ferro.
Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia

Buraco negro “comum” descoberto a 12 milhões de anos-luz de distância

Uma equipe internacional de cientistas descobriu um buraco negroburaco negro. Um buraco negro é um objecto cuja gravidade é tão forte que a sua velocidade de escape é superior à velocidade da luz. Em Astronomia, distinguem-se dois tipos de buraco negro: os buracos negros estelares, que resultam da morte de uma estrela de massa elevada, e os buracos negros galácticos, que existem no centro das galáxias activas.“comum” na galáxiagaláxia. Um vasto conjunto de estrelas, nebulosas, gás e poeira interestelar gravitacionalmente ligados. As galáxias classificam-se em três categorias principais: espirais, elípticas e irregulares.Centaurus A, a 12 milhões de anos-luzano-luz (al). O ano-luz (al) é uma unidade de distância igual a 9,467305 x 1012 km, que corresponde à distância percorrida pela luz, no vácuo, durante um ano. de distância. Esta é a primeira vez que um buraco negro de tamanho normal é detectado fora da vizinhança imediata da nossa própria galáxia. O doutorando Mark Burke irá apresentar a descoberta no Encontro Nacional de Astronomia em Manchester.
Leia a postagem completa em: http://www.portaldoastronomo.org/noticia.php?id=800

Imagem da Via Láctea revela detalhes de um bilhão de estrelas

Detalhe da área de formação de estrelas na Via Láctea. (Crédito: Mike Read (WFAU), UKIDSS / GPS e VVV)
 
Um pedaço da Via Láctea que abriga mais de um bilhão de estrelas pode ser visto em uma única figura, que é resultado de um conjunto de imagens registradas por telescópios em ambos os hemisférios. Pela primeira vez, uma parcela tão ampla do espaço é capturada em detalhes. O trabalho coordenado por cientistas da Universidade de Edimburgo (Escócia) é um projeto desenvolvido há dez anos, que compilou registros de telescópios infravermelhos no Chile, no Havaí, no Reino unido e na Europa continental. Juntas, as imagens fornecem um panorama da Via Láctea no qual é possível identificar grandes estruturas, tais como nuvens de gás e poeira, de onde as estrelas se originam e são extintas. Os astrônomos explicam que esta perspectiva mais abrangente de nossa galáxia será útil para estudos futuros do espaço.
Fonte: http://www.sciencedaily.com

M46 & M47: Aglomerados Estelares Jovem e Velho

Créditos e direitos autorais : Sergio Eguivar (Buenos Aires Skies)
Muitas estrelas se formam em aglomerados. Aglomerados galácticos ou abertos de estrelas são enxames relativamente jovens de estrelas brilhantes nascidas juntas próximas ao plano de nossa Via Láctea. Separados por cerca de um grau no céu, dois belos exemplos são M46 (acima à esquerda) a 5.400 anos-luz de distância e M47 (direita inferior) a apenas 1.600 anos-luz através da constelação náutica da Popa. Com cerca de 300 milhões de anos, o jovem M46 contém algumas centenas de estrelas numa região com cerca de 30 anos-luz. Com idade de 80 milhões de anos, M47 é um aglomerado menor, porém menos fechado de cerca de 50 estrelas se espalhando por 10 anos-luz. Mas este retrato da juventude estelar também contém um antigo intruso. O pequeno e colorido pacote de gás brilhante em M46 na verdade é a nebulosa planetária NGC 2438 - a fase final da vida de uma estrela solar com bilhões de anos de idade. A distância de NGC 2438 é estimada em apenas 3.000 anos-luz e provavelmente representa um objeto de primeiro plano, apenas por coincidência aparecendo ao longo da linha de visada para o jovem M46.
Fonte: http://apod.astronomos.com.br/apod.php?lk=ap120403.html

Compostos orgânicos que criaram vida na Terra podem ter se formado ao redor do sol

Esta imagem do telescópio espacial Hubble mostra um disco protoplanetário de poeira em torno a estrela Fomalhaut (HD 216956). Crédito: NASA, ESA, P. Kalas, J. Graham, E. Chiang, E. Kite (University of California, Berkeley), M. Clampin (NASA Goddard Space Flight Center), M. Fitzgerald (Lawrence Livermore National Laboratory), e K. Stapelfeldt e J. Krist (NASA Jet Propulsion Laboratory
Os planetas do sistema solar, de acordo com as teorias mais aceitas, teriam se formado por volta de 4,5 bilhões de anos atrás. A formação aconteceu a partir do choque entre pequenas partículas, que pouco a pouco foram se juntando e formando rochas, até que se tornaram massivas o bastante para ter gravidade e “nascerem” como planetas. Mas como se criaram as moléculas orgânicas que proporcionam a vida? Um estudo recente, conduzido por dois geofísicos da NASA, sugere que a matéria necessária para que haja vida foi resultante de dois compostos: inicialmente, as substâncias resultantes de um disco de poeira que orbitava o sol. A estes grãos de poeira, dentro do próprio disco, teria sido adicionada radiação ultravioleta, o que deu origem às primeiras moléculas orgânicas. Dessa maneira, foram criados “blocos criadores de vida”, ou seja, compostos fixos de matéria orgânica em órbita. De alguma maneira (que ainda é tema de debate entre os cientistas), tais “blocos” teriam chegado à Terra ainda em estágio primitivo de formação geológica, e a vida teria se iniciado em nosso planeta a partir deste instante. As explicações dos geofísicos da NASA foram elaboradas a partir de um modelo computadorizado para explicar a teoria. A base desta união de compostos solares, segundo eles, seriam átomos de oxigênio e nitrogênio, que gradativamente foram se recombinando e dando origem a materiais mais complexos. Mais do que explicar o que teria acontecido em nosso sistema solar, os pesquisadores defendem que este mesmo procedimento pode ter acontecido em estrelas semelhantes ao sol, o que dá margem a ideia de que pode haver vida em outras regiões do espaço, ao redor de qualquer estrela.
Fonte: http://hypescience.com
[LiveScience]

África do Sul e Austrália disputam direito de abrigar telescópio


Países brigam pelo SKA, que será o telescópio mais potente do mundo, que tem um projeto de 4,87 bilhões de reais
Concepção artística dos pratos matrizes do Square Kilometre Array.Crédito: SPDO / TDP / DRAO / Swinburne Astronomy
Rivais nos campos de rúgbi, de críquete e no setor de mineração, a África do Sul e a Austrália agora protagonizam uma nova disputa: ambos querem ter o direito de abrigar o telescópio mais potente do mundo. Os dois países são finalistas de uma concorrência para ter em seu território o equipamento, conhecido como SKA (Square Kilometre Array), que será 50 vezes mais sensível e 10 mil vezes mais rápido do que qualquer outro telescópio do planeta, de acordo com o consórcio internacional que financia o projeto de 2 bilhões de euros. A briga ficou séria. A África do Sul acusa a Austrália de jogar sujo e os australianos questionaram a segurança de se desenvolver um projeto tão caro na África do Sul, um país com altas taxas de crimes violentos. A África do Sul acusou a Austrália inclusive de vazar dados sobre o que deveriam ser deliberações secretas a fim de dar força à sua candidatura. Reportagens na mídia australiana sugerem que a África do Sul deverá se sair vencedora menos por razões científicas e mais pelo impacto econômico que o projeto terá para as economias emergentes africanas.

"Embora alegue respeitar a integridade do processo de seleção, essa não é uma tentativa muito sutil de enfraquecer o rigor científico e técnico do processo de julgamento do local, ao sugerir que a relatada superioridade da candidatura da África do Sul nada mais é do que uma 'decisão por compaixão'", disse o Ministério das Ciências sul-africano na semana passada. O jornal Sydney Morning Herald relatou no mês passado que um painel de especialistas recomendou que a África do Sul fosse a anfitriã do telescópio e que a Austrália - em uma candidatura conjunta com a Nova Zelândia - não conseguiu convencer o painel. "Acho que temos uma posição superior e vamos continuar argumentando e pressionando até que a decisão seja tomada e esperamos que ainda possamos vencer a seleção", disse o senador australiano Chris Evans na semana passada em uma entrevista coletiva. Autoridades da África do Sul afirmaram que o país tem know-how científico e capacidade técnica para sediar o projeto, que se estenderia a outros países africanos.
Fonte: Terra / Ultimosegundo.ig

Nebulosa planetária NGC 40

Crédito: WIYN/NOAO/NSF.
A nebulosa planetária NGC 40 situa-se na constelação do Cefeu, a cerca de 4000 anos-luz de distância da Terra. A estrela central é relativamente brilhante, tem uma massa correspondente a cerca de 70% da massa do Sol, e é muito mais quente do que seria de esperar, considerando as propriedades da nebulosa que a rodeia. Isto porque a sua temperatura de 90000 graus deveria de ser suficiente para excitar a nebulosa para um estado mais elevado de ionização do que aquele em que se encontra. As nebulosas planetárias formam-se quando estrelas com massas semelhantes à do Sol terminam a sua vida, expulsando as suas camadas gasosas para o espaço exterior.

Galáxias espirais podem ajudar a entender a matéria escura

Um estudo realizado no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP analisou a luz emitida por galáxias espirais próximas observadas pelo Gassendi H Alpha survey of Spirals (GHASP), um programa francês de observação sistemática de galáxias espirais. “O meu trabalho foi apenas uma parte do projeto maior envolvendo pesquisadores brasileiros e franceses. A partir dos dados obtidos pelas observações do GHASP, que são feitas na França, fiz a análise fotométrica para entender as diferentes componentes das galáxias espirais e quanto cada uma delas emite de luz”, conta o astrônomo Carlos Eduardo Barbosa, autor da dissertação de mestrado defendida no IAG em outubro, sob orientação da professora Cláudia Lucia Mendes de Oliveira.

O disco da galáxia espiral emite mais luz do que o bojo, localizado na parte central
A pesquisa analisou a emissão de fótons na banda R, correspondente à região vermelha da luz visível, que é emitida principalmente pelas estrelas de baixa massa. Para se ter ideia do que é uma estrela considerada de baixa massa, o sol é um exemplo. “O número de estrelas de baixa massa que emitem luz vermelha é muito maior que o de estrelas de alta massa, que emitem luz azul. Portanto, identificando apenas a emissão de luz vermelha, consigo obter informações sobre a como a maior parte da massa está distribuída na galáxia”, conta o astrônomo. O GHASP observou com grande detalhe as propriedades dinâmicas e cinemáticas de 203 galáxias espirais relativamente próximas. O trabalho de Barbosa mostra o estudo fotométrico de 173 destas galáxias. Após as observações das imagens enviadas pelo observatório de Haute-Province, na França, Barbosa constatou que a maior parte da massa e da emissão de luz da galáxia está no disco. “Quando vemos uma galáxia espiral, temos a impressão de que os braços espirais concentram a maior parte das estrelas. Na verdade, estes braços são ondas mergulhadas em uma estrutura muito maior, o disco, que vai além da ponta dos braços. O que enxergamos é apenas onde as estrelas estão mais concentradas”, explica. A análise das imagens obtidas pelo telescópio de 1,2 metros do Observatório de Haute-Provence levou dois anos para ser concluída. As imagens precisavam ser calibradas e combinadas para que se excluíssem ruídos causados por corpos celestes que estejam entre a Terra e a galáxia observada ou pela própria atmosfera terrestre. Também foi feita uma decomposição da luz, para identificar o que era emitido pelo bojo e pelo disco separadamente.

Matéria escura - Segundo Barbosa, o objetivo maior do projeto GHASP é uma melhor compreensão da matéria escura. “Tudo o que tem massa influencia o movimento dos corpos celestes. Com os dados obtidos pelo GHASP, é possível mapear as velocidades do gás contido nessas galáxias. Com isto, nota-se que deve haver muito mais massa nas galáxias do que a luz das estrelas e o gás podem explicar. A hipótese mais aceita na comunidade científica é que essa massa seja a matéria escura”, conta. “Analisar a luz emitida pelas galáxias permite analisar a dinâmica da massa visível. E entendendo a dinâmica da massa visível, é possível compreender a dinâmica da matéria escura, ou seja, descobrir onde ela está localizada e como ela influencia a galáxia”.

Tipos de galáxias - Existem dois tipos de galáxias. As espirais, como as estudadas no trabalho de Barbosa, por exemplo, e as galáxias elípticas, que não possuem gás e, consequentemente, não formam mais estrelas. O estudo das galáxias espirais, portanto, pode ajudar a entender melhor o funcionamento da própria Via Láctea, que é uma galáxia espiral.

Uma galáxia é formada a partir da compressão de uma esfera de gás. As galáxias espirais, ou galáxias disco, são formadas por duas partes principais. O bojo, ao centro, de forma arredondada, composto por estrelas formadas quando do colapso da esfera de gás, e o disco, composto por estrelas formadas após a compressão dos gases que formaram a galáxia. “As estrelas tendem a manter características de movimento, como velocidade e direção, semelhantes às encontradas quando foram formadas. Por isso, o bojo mantém uma forma arredondada, semelhante à forma da galáxia quando começou a se formar, e o disco é achatado, pois as estrelas nasceram quando o gás já estava achatado em forma de disco”, explica Barbosa. O astrônomo ainda explica que mesmo as galáxias consideradas próximas, como as estudadas pelo projeto GHASP, estão tão distantes do planeta Terra que é impossível observar suas estrelas individualmente. “A luz de uma galáxia próxima típica da amostra estudada demora cerca de 50 milhões de anos para chegar aqui. Na astronomia as distâncias e dimensões são em escalas que não conseguimos imaginar na nossa vida prática”, conta.
Fonte: http://www.usp.br/agen/?p=92518

Estrela explode e vira do avesso

(Crédito: Ilustração: NASA / CXC / M.Weiss; X-ray: NASA / CXC / GSFC / U.Hwang & J.Laming)
 
Há cerca de 300 anos (há pouco tempo, em termos espaciais), uma estrela explodiu na constelação de Cassiopeia, a aproximadamente 11 mil anos-luz da Terra. A movimentação que gerou a supernova resultante, chamada de Cassiopeia A (ou Cas A), está sendo reconstituída no observatório Chandra, da NASA (satélite lançado em 1999). Aparentemente, a estrela “virou do avesso” depois de explodir. Como uma estrela pode virar do avesso depois de explodir?  Isso acontece devido aos elementos químicos que a estrela formou durante sua vida.

O que os cientistas fizeram foi analisar imagens de raio-X que mostram o que sobrou da estrela explodida há três séculos, e comparar com a composição da estrela ainda inteira, antes da explosão. A estrela antiga, conforme projeção dos pesquisadores, possuía ferro no núcleo, seguido por uma camada de enxofre e silício, e uma externa de oxigênio, neônio e magnésio. A superfície da estrela era composta de gases como hélio e hidrogênio. As imagens recentes, coletadas pelo satélite, mostram um fenômeno curioso. Na distribuição dos elementos que sobraram do extinto corpo celeste, o ferro do antigo núcleo aparece justamente na parte mais externa dos restos da estrela.

Logo em seguida, já se percebem pontos de enxofre e silício, que compunham a segunda camada mais interna, e assim por diante. Para comprovar que os elementos realmente trocaram de ordem, os cientistas vasculharam a região central da massa estelar e não havia mais resquícios de ferro lá, que foi todo expelido para a camada externa. A imagem de raio-X que mostra a distribuição dos elementos foi coletada durante um milhão de segundos (o que equivale a cerca de onze dias e meio), e, conforme explicam os cientistas, pode servir de base para um estudo mais apurado a respeito do mecanismo das supernovas.
Fonte: http://hypescience.com
[Science Daily]

Porque é que se diz que somos filhos das estrelas?

Crédito: ESO
Inicialmente o Universo era constituído por apenas dois elementos: Hidrogénio e Hélio. Os átomos destes dois elementos são muito simples, pois o seu núcleo possui apenas um protão, no caso do Hidrogénio, e dois protões mais dois neutrões, no caso do Hélio. A vida, tal como a conhecemos, é constituída por compostos químicos com base no Carbono, que tem seis protões e seis neutrões no seu núcleo. Então de onde vieram os protões e neutrões adicionais? O carbono, tal como todos os restantes elementos químicos até ao Ferro, é produzido no núcleo das estrelas, através das reacções de fusão nuclear. Quanto aos restantes, mais pesados que o Ferro, ou seja, com mais partículas no seu núcleo, são, na sua quase totalidade, criados nas explosões das estrelas gigantes, a que se dá o nome de supernovas. Assim, podemos afirmar que somos filhos das estrelas, porque os átomos que nos compõem foram criados nas estrelas.
Fonte: http://www.portaldoastronomo.org

Uma Galáxia Espiral em Hidra

Créditos:ESA/Hubble & NASA (galáxia NGC 4980)
Essa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble das Agências Espaciais NASA e ESA mostra a NGC 4980, uma galáxia espiral localizada na constelação do sul de Hydra. A forma da NGC 4980 aparece levemente deformada, algo que é normalmente um sinal de interações de maré recentes com outra galáxia. No caso dessa galáxia, contudo, isso não parece ser a causa, já que não existem outras galáxias na vizinhança imediata dela. A imagem acima, foi produzida como parte de um programa de pesquisa para se entender os bulbos galácticos, o centro brilhante e denso das galáxias elípticas. Bulbos clássicos, são relativamente desordenados com estrelas orbitando o centro galáctico em todas as direções. Em contraste, em galáxias com os chamados pseudo bulbos, ou bulbos do tipo de disco, o movimento dos braços espirais é preservado perto do centro da galáxia. Embora a estrutura espiral seja relativamente sútil nessa imagem, os cientistas têm mostrado que a NGC 4980 tem um bulbo do tipo de disco e a sua estrutura espiral em rotação se estende para o centro da galáxia. Os brilhantes braços da galáxia são os locais onde novas estrelas estão se formando em galáxias espirais, e a NGC 4980 isso não é uma exceção. Os braços da galáxia são traçados por bolsões azuis de estrelas recém-nascidas extremamente quentes. que são visíveis por toda a extensão de seu disco. Esse conjunto é separado das galáxias avermelhadas visíveis em segundo plano, que são galáxias elípticas mais distantes feitas de estrelas mais velhas e por isso mais avermelhadas. A imagem acima é composta de exposições feitas na luz visível e na luz infravermelha próxima pela Advanced Camera for Surveys do Hubble. A imagem tem um tamanho aproximado de 3.3 por 1.5 arcos de minutos.
Fonte: http://www.spacetelescope.org
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...