Postagens

Mostrando postagens de Maio 18, 2012

Colisões galácticas e matéria escura

Imagem
Parece uma junção entre o clássico Star Trek e uma balada da época disco, mas na verdade estamos vendo uma imagem da matéria escura e de gás quente no coração do aglomerado de galáxias Abell 520. A 2,4 bilhões de anos-luz da Terra, esse aglomerado se formou a partir do choque de uma série de aglomerados menores de galáxias. Nos escombros dessas colisões, os astrônomos encontram um núcleo enorme de galáxias brilhantes e uma fonte de estudo da matéria escura. Essa imagem combina registros de três diferentes telescópios, o Hubble, o Chandra e o do Havaí. A cor natural das galáxias foi camuflada com a luz estelar laranja, e as áreas verdes representam as nuvens de gás quente que restaram da colisão. É a parte central azul do mapa que mostra a localização da maior parte da massa do Abell 520, com muito gás, mas poucas galáxias. Esse núcleo denso de matéria escura revela que as galáxias não estão ancoradas à matéria escura, como se pensava antes. Fonte: hypescience.com
[NewScientist]

Telescópio dá pistas sobre impacto de explosão solar sobre a Terra

Imagem
Super flares em estrelas semelhantes ao sol estão na mira do Kepler.Foto: Nasa/BBC Brasil
O telescópio espacial Kepler vem fornecendo novas descobertas sobre as colossais explosões que podem afligir algumas estrelas. Estes lançamentos enormes de energia magnética - conhecidos como "super flares" (super chamas, na tradução literal) - podem danificar a atmosfera de um planeta em órbita nas proximidades, colocando em risco as formas de vida que eventualmente residam ali. Felizmente o Kepler mostra que as "super flares" são muito menos frequentes em estrelas de baixa rotação, como nosso Sol. O telescópio da agência espacial dos Estados Unidos, a Nasa, observa 100 mil estrelas em um pedaço de céu entre 600 e 3 mil anos-luz da Terra.

As novas observações foram relatadas na revista Nature.  A maior explosão solar registrada foi provavelmente o evento conhecido como "Carrington", em 1º de setembro de 1859. Descrito pelo astrônomo inglês Richard Carrington, essa exp…

Nascimento do maior superaglomerado de galáxias

Imagem
O observatório espacial Herschel descobriu um gigante filamento contendo bilhões de estrelas novas. O filamento conecta dois aglomerados de galáxias que, juntamente com um terceiro grupo, que está originando um dos maiores superaglomerados de galáxias no Universo. O filamento é a primeira estrutura do gênero visto em uma época cósmica crítica, quando o acúmulo de coleções colossais de galáxias gerando superaglomerados começou a tomar forma. A ponte brilhante da galáxia oferece aos astrônomos uma oportunidade única para explorar como as galáxias evoluem e se fundem para formar superaglomerados.

"Estamos entusiasmados com este filamento, porque pensamos que a intensa formação de estrelas que vemos em suas galáxias está relacionada com a consolidação do superaglomerado circundante", diz Kristen Coppin, um astrofísico da Universidade McGill, no Canadá, e autor de um novo artigo no Astrophysical Journal Letters.  "Esta ponte luminosa de formação estelar nos dá um instantâneo…

Imagem infravermelha da Cygnus X

Imagem
Créditos: ESA / PACS / SPIRE / Martin & Hennemann Motte Frédérique,Laboratoire AIM Paris-Saclay, CEA / IRFU - CNRS / INSU - Univ. Paris Diderot, França A imagem infravermelha da Cygnus X feita pelo Observatório Espacial Herschel se espalha por 6×2 graus através de uma das regiões mais próximas e mais massivas de formação de estrelas localizada no plano da nossa galáxia, a Via Láctea (e aqui é apresentada de forma dividida). De fato, o rico berçário estelar já abriga o massivo aglomerado de estrelas massivo conhecido como associação Cygnus OB2. Mas essas estrelas são mais evidentes pela região varrida pelos seus ventos energéticos e pela radiação perto da parte inferior desse campo, e não são detectadas pelos instrumentos do Herschel nos comprimentos de onda longos do infravermelho. O Herschel revela os complexos filamentos da região de gás frio e poeira que geram locais densos onde novas estrelas massivas estão se formando. A Cygnus X localiza-se a aproximadamente 4500 anos-luz de …

Peso pesado dos pulsares desafia Einstein

Imagem
O pulsar J0348+0432 é o pulsar mais massivo conhecido.Crédito: NASA Os objectos mais densos do Universo têm um novo campeão de pesos pesados: um pulsar tão pequeno que pode quase situar-se dentro da ilha de Manhattan mas que tem uma massa 2,4 vezes a do Sol. O pulsar poderá ser usado para ajudar a testar a teoria da relatividade geral de Einstein - mas a sua própria existência pode colocar esta teoria científica em risco. Os pulsares são "cadáveres" estelares com uma rápida rotação que varrem o céu com um feixe tipo-farol de ondas de rádio à medida que rodam. Os pulsares mais rápidos encontram-se em sistemas binários com outro objecto como uma estrela ou uma anã branca.

O pulsar roda mais rápido ao roubar material da sua companheira. Esta combinação pode continuar por milhares de milhões de anos até que os objectos colidem e fundem-se. De acordo com a teoria da relatividade geral de Einstein, que descreve como a gravidade funciona, os dois corpos excitam fortes ondulações no …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...