17 de jul de 2012

Anel de matéria escura é encontrado em grupo de galáxias

Você provavelmente já sabia que o universo não é só feito de matéria, como nós, mas também de matéria escura, uma misteriosa substância que não pode ser vista, mas que os cientistas sabem que existe porque pode ser detectada através de sua atração gravitacional. Os cientistas estimam que a matéria escura componha cerca de 83% da massa de nosso universo, o que é muito mais do que a matéria e, consequentemente, figura um grande mistério para nós. Recentemente, pesquisadores do Observatório da Universidade de Munique, na Alemanha, detectaram uma gigantesca cadeia de matéria escura entre dois superaglomerados de galáxias – Abell 222 e Abell 223.  Os astrônomos há um bom tempo imaginavam que o espaço entre as galáxias era composto por matéria escura e fria, mas ela nunca havia sido detectada diretamente. Nas observações dos pesquisadores, ela aparece justaposta com a distribuição de matéria comum, o que permite uma comparação sem precedentes entre as duas fontes de gravidade. A matéria escura pode ser detectada porque a forte gravidade do filamento que une os dois aglomerados de galáxias, a 2,7 bilhões de anos-luz de distância da Terra, funciona como uma lente para a luz que vem de galáxias mais distantes em direção ao nosso planeta.

Mais provas por aí

A imagem acima, feita pelo telescópio espacial Hubble, da NASA, mostra um “anel fantasmagórico” de matéria escura do aglomerado de galáxias Cl 0024 +17, localizado na constelação de Peixes, ou Pisces. A estrutura em forma de anel evidente no mapa azul de distribuição do aglomerado de matéria escura é considerada uma das provas da existência de matéria escura. O mapa está sobreposto a uma imagem do aglomerado Cl 0024 +17. As listras azuis perto do centro da imagem são as imagens borradas de galáxias muito distantes, que não fazem parte do aglomerado. As galáxias distantes parecem distorcidas porque a luz está sendo “dobrada” e “ampliada” pela poderosa gravidade do Cl 0024 +17, um efeito chamado efeito de lente gravitacional. Por conta disso, o anel é um dos mais fortes elementos que evidenciam a existência de matéria escura até esse momento, permitindo que os astrônomos investiguem a distribuição de matéria escura no espaço.
Fonte: Hypescience.com
[LiveScience]

Imagem mostra um show espetacular do gigante Júpiter passando atrás de nossa Lua

Astrônomos britânicos acordaram hoje antes do amanhecer para vislumbrar o maior planeta do sistema solar passar serenamente atrás da Lua. A ‘ocultação’ rara – um termo astrológico quando um objeto está escondido por outro objeto que passa entre ele e o observador – era claramente visível a olho nu, apesar de Júpiter estar a 600.000.000 de quilômetros de distância de nós. O gigante passou por trás da Lua crescente em torno de três horas. Estas imagens surpreendentes de Júpiter foram registradas por Steve Knight perto de sua casa em Banbury, Oxfordshire. Foi um evento único, pois as luas de Júpiter, Europa, Ganimedes, Io e Calisto foram ocultadas. Júpiter, o quinto planeta após o Sol, é o maior do sistema solar e possui mais de 60 satélites conhecidos (podem existir mais), mas a maioria deles são extremamente pequenos. Ele possui a chamada Grande Mancha Vermelha, uma tempestade atmosférica maior que todo o planeta Terra em extensão e com velocidades que podem atingir 600 km/h. O gigante gasoso pesa mais de 317 planetas Terra e possui 2,5 vezes a massa de todos os outros planetas do sistema solar juntos! Júpiter é geralmente o terceiro objeto cósmico mais brilhante do céu noturno – ficando atrás apenas da Lua e Vênus.
Fonte:Jornalciencia.com

Seria a Lua o nosso lar futuro? Cientistas afirmam que sua poeira ultrafina é venenosa para humanos

Viver na Lua ou montar bases de pesquisa por lá é um dos grandes objetivos da humanidade. Mas o nosso vizinho pode não ser tão hospitaleiro assim como pensamos. Cientistas afirmam que a espessa e intacta poeira lunar, com partículas ultrafinas, portanto fáceis de serem inaladas, pode aumentar exponencialmente o risco de desenvolvimento de câncer, semelhante ao que ocorre na Terra quando aspiramos amianto e cinzas vulcânicas. Isso faz com que os cientistas classifiquem a poeira lunar como venenosa aos seres humanos. Pesquisadores da Universidade do Tennessee declararam, referindo-se aos primeiros passos de Neil Armstrong: “Os astronautas da Apollo relataram efeitos indesejáveis que afetaram a pele, olhos e vias aéreas, que poderiam estar relacionados à poeira que ficou aderida aos trajes espaciais durante suas atividades extraveiculares, posteriormente trazidas para a nave”.  Com exposição de longo prazo, a equipe diz que a inalação seria prejudicial – mesmo usando equipamentos de proteção, pois a poeira certamente seria arrastada para dentro dos alojamentos. Uma vez dentro dos pulmões, a poeira superfina poderia trazer graves questões de saúde, afetando também o sistema cardiovascular, além de provocar inflamações dos órgãos das vias aéreas. O pó somado a radiação UV penetraria profundamente nos pulmões, além do auxílio da microgravidade.Acredita-se que o acentuado “regolito” da Lua seja tão afiado como o vidro. Eles são diferentes da poeira terrestre, pois ficaram muitos anos sem erosão. Uma poeira nos olhos poderia provocar arranhões ou cortes na córnea, causando sérios danos. Já na Terra, um grão de poeira nem sempre faz estrago, causando apenas incômodo na maioria das vezes. A respiração é vital ao ser humano e viver em um satélite onde o nosso principal sistema de sobrevivência é duramente atingido é algo para se colocar em pauta. 
Fonte: Jornalciencia.com

Buraco negro ilumina Galáxia

Um buraco negro supermassivo é o principal suspeito por trás da aparência brilhante da galáxia 3C 305, localizada a cerca de 600 milhões de anos-luz de distância, na constelação Draco (Dragão).Dados compostos do observatório de raios X Chandra e outros telescópios sugerem que o buraco negro pode estar interagindo com o gás interestelar e emitindo raios X. Ou, a radiação luminosa de regiões próximas ao buraco negro pode infundir energia para o gás que o faz brilhar. As estruturas em vermelho e azul claro são imagens em raio X e no óptico do observatório Chandra e do telescópio espacial Hubble, respectivamente. Os dados de emissão óptica é apenas oxigênio e, portanto, toda a extensão da galáxia não é vista. Os dados em rádio são mostrados em azul mais escuro e são do Very Large Array do National Radio Astronomy Observatory (NRAO) no Novo México, bem como Multi-Element Radio-Linked Interferometer Network no Reino Unido. Uma característica inesperada desta imagem em múltiplos comprimentos de onda da 3C 305 é que a emissão de rádio, produzida por um jato do buraco negro central, não se sobrepõem com os dados de raios X. A emissão de raios X, no entanto, parece estar associada com a emissão óptica. Utilizando esta informação, astrônomos acreditam que a emissão de raios X pode ser causada por qualquer um de dois efeitos diferentes. Uma opção é que os jatos do buraco negro supermassivo (não visível nesta imagem) estão interagindo com o gás interestelar da galáxia e aquecendo-o o suficiente para que emitem raios X. Neste cenário, o gás aquecido por choques estaria à frente dos jatos. A outra possibilidade é que a radiação luminosa de regiões próximas ao buraco negro infunde energia suficiente ao gás interestelar para fazê-lo brilhar.
Fonte: NASA

Estrela recém-nascida tem “batimentos” registrados em raio-X

A estrela “recém nascida” chama-se V1647 Orionis, e não é de fato uma estrela, mas uma “protoestrela” – ela não tem temperatura e densidade suficientes para produzir luz e energia por nucleossíntese estelar, o processo que transforma hidrogênio em hélio, e habita uma nebulosa, a Nebulosa de McNeil, a cerca de 1.300 anos-luz de distância do Sol. A nebulosa chamou a atenção de astrônomos e astrofísicos em 2004, quando a atividade de V1647 aumentou e iluminou a mesma. Durante dois anos, a protoestrela esteve ativa e então acalmou-se, voltando à ativa em 2008. Desde então, tem se mantido brilhante. A observação de V1647 começou pouco depois que ela começou a brilhar em 2004, e tem prosseguido até hoje. Desta observação, os astrônomos descobriram que ela tem 5 vezes o tamanho do nosso Sol, dá uma volta por dia, e tem um milhão de anos, talvez bem menos.Além disso, ela tem dois jatos de raio-X que são alimentados pela nuvem de gás e poeira que a rodeia. São estes os “batimentos” que os cientistas tem observado usando telescópios de raio-X, as rotações indicando que, pelo tamanho dela, a protoestrela está no tamanho máximo para girar com esta velocidade e não se romper pelas forças centrífugas. Durante os próximos milhões de anos, a estrela será alimentada por gás e poeira até poder gerar sua própria energia, como nosso Sol. O processo de formação acaba, e ela se torna uma estrela. Os astrônomos continuarão a vigiá-la, para descobrir o que puderem sobre seu berço de gás e poeira.
Fonte: Hypescience.com
[LiveScience]

Galáxia espiral NGC 4565 vista de lado

Essa imagem acima, registrada pelo Telescópio Espacial Hubble das Agências NASA e ESA revela uma visão surpreendentemente detalhada de parte do disco da galáxia espiral NGC 4565. Essa brilhante galáxia é um dos exemplos mais famosos de uma galáxia espiral que é vista de lado, ou seja, perpendicularmente orientada ao nosso plano de visão, de modo que nós possamos ver diretamente o seu disco luminoso. A NGC 4565 foi apelidada de galáxia da Agulha, pois quando vista de forma completa ela parece uma estreita linha no céu. A visão de lado da Galáxia da Agulha mostrada nessa imagem se assemelha muito à visão que nós no Sistema Solar temos da parte central da Via Láctea. Em ambos os casos faixas de poeira bloqueiam parte da luz proveniente do disco galáctico. Para a parte inferior direita, a poeira se mostra num belo contraste contra a luz amarela das estrelas que preenchem a região central. O núcleo da galáxia está fora da imagem acima na parte inferior direita. Estudar galáxias como a NGC 4565 ajuda os astrônomos a aprenderem mais sobre a nossa galáxia, a Via Láctea. Localizada a uma distância aproximada de 40 milhões de anos-luz, a NGC 4565 é considerada uma galáxia relativamente próxima, e como é vista de lado se torna um objeto particularmente útil para estudos comparativos. Como todas as galáxias espirais, a NGC 4565 é enorme. A imagem acima foi feita com a Advanced Camera For Surveys do Telescópio Espacial Hubble e o campo de visão tem aproximadamente 3.4 por 3.4 arcos de minuto.

Água da Terra veio de cinturão de asteroides

© NASA (nebulosa planetária)
 A ciência afirma que a água que veio parar na Terra foi formada nos confins do Sistema Solar, além de Netuno.Contudo, um estudo indica que a substância veio de uma região muito mais próxima, o Cinturão de Asteroides (entre Marte e Júpiter), através de meteoritos e asteroides o que contradiz algumas das principais teorias sobre a evolução do Sistema Solar. Muitos cientistas acreditam que nosso planeta era quente demais nos seus primórdios para ter água e, portanto, a substância deve ter vindo de fora. Uma das hipóteses afirma que ela se formou na região transneptuniana (que fica além de Netuno, o último planeta conhecido do Sistema Solar) e depois se moveu para mais perto do Sol junto com cometas, meteoritos e asteroides. Contudo, é possível saber a distância em que as moléculas de água se formaram em relação ao Sol ao analisar os isótopos de hidrogênio presentes. Quanto mais longe da estrela, haverá menos radiação e, portanto, mais deutério.

O novo estudo comparou a presença de deutério no gelo trazido por condritos (um tipo de meteorito) e indicou que ela foi formada muito mais próxima de nós, no Cinturão de Asteroides. Esses meteoritos não contêm mais água, mas a substância fica registrada através de um tipo de mineral chamado de silicato hidratado, e é o hidrogênio presente nele que é investigado. Além disso, comparando com os isótopos de cometas, a pesquisa indica que esses corpos se formaram em regiões diferentes dos asteroides e meteoritos e, portanto, não atuaram na origem da água no nosso planeta.

"Dois modelos dinâmicos têm os cometas e os meteoritos condritos se formando na mesma região, e alguns destes objetos devem ter sido injetados na região em que a Terra se formava. Contudo, a composição da água de cometa é inconsistente com nossos dados de meteoritos condritos. O que realmente deixa apenas os asteroides como fonte da água na Terra", disse Conel Alexander, do Instituto Carnegie, líder do estudo. Em 2011, a hipótese de que os cometas tiveram pouca importância na origem da água na Terra já estava com pouca força. Mas um estudo divulgado na revista Nature usou o telescópio Herschel, da ESA, para descobrir que a composição do cometa Hartley 2 tem uma quantidade de deutérios similar à encontrada no oceano. Foi o primeiro cometa com essa composição, já que outros seis analisados anteriormente tinham uma quantidade de deutério muito diferente dos mares da Terra.

Contudo, o novo estudo também refuta essa possibilidade. Segundo os pesquisadores, o cometa não traz apenas água, mas também outras substâncias (inclusive orgânicas) que contêm hidrogênio. E a quantidade de deutério presente nos cometas ainda fica acima daquela observada no nosso planeta, o que impede que esses corpos sejam considerados como uma importante fonte de água. 

"A recente medição do cometa Hartley 2 tem uma composição isotópica de hidrogênio parecida com à da Terra, mas nós argumentamos que todo o cometa, incluindo a matéria orgânica, é provavelmente rica demais em deutério para ser uma fonte da água da Terra", diz Alexander. Sobram duas possíveis fontes, que devem ter atuado juntas: rochas do Cinturão de Asteroides e gases (hidrogênio e o oxigênio) que existiam na nebulosa na qual o Sistema Solar se formou. O estudo foi conduzido por pesquisadores do Instituto Carnegie (EUA), Universidade da Cidade de Nova York, Museu de História Natural de Londres e da Universidade de Alberta, no Canadá.
Fonte: Science

Como ter um universo inteiro, do nada


O físico teórico Lawrence Krauss já tomou parte em muitos tópicos complicados, da evolução até o estado das políticas científicas, passando pela física quântica e até a ciência em Star Trek. Mas em um de seus livros, ele talvez fale sobre o assunto limite: como nosso universo surgiu do nada sem uma intervenção divina. O argumento de que Deus foi o responsável pelo toque inicial, dando vida ao cosmos, vem desde Aristóteles e Tomás de Aquino. Em debates com teólogos, “a questão ‘porque existe algo ao invés de nada’ sempre aparece como ‘inexplicável’ e implica a existência de um criador”, afirma Krauss. “Nós já fomos tão longe, que responder essa pergunta – ou fazer questões similares – virou parte da ciência”. Ele comentou essa intrigante questão em uma palestra gravada, em uma conferência da Aliança Ateísta Internacional, em 2009. O vídeo já teve mais de um milhão de visualizações, e incitou Krauss a publicar seu mais novo livro, “A Universe From Nothing”.

Porque existe algo ao invés de nada? O cientista afirma que essa questão implica uma pesquisa que não está realmente no propósito científico. “O ‘porque’ nunca é realmente um ‘porque’… de verdade, quando dizemos ‘porque’, estamos querendo saber ‘como’”. 

Ok, mas então como temos um universo do nada? Krauss traça uma série de descobertas, desde a teoria geral da relatividade de Einstein até os últimos estudos da energia escura, exemplificando como os cientistas determinaram que os espaços vazios estão preenchidos com energia, na forma de partículas virtuais. Da perspectiva da física quântica, as partículas entram e saem da existência a todo o tempo. Pra Krauss e muitos outros teóricos, o nada é tão instável que ele tem que criado algo: em nosso caso, o universo. E ainda mais. Krauss e seus colegas tem a visão de que pode haver uma sucessão infindável de big bangs, criando muitos universos com diferentes parâmetros e leis físicas. Alguns desses volta ao nada imediatamente, enquanto outros – como o nosso – ficam por aí tempo suficiente para dar origem às galáxias, estrelas, planetas e vida. Os cientistas ainda não têm uma forma de testar essa hipótese, mas isso explicaria como temos sorte de estar vivos: ganhamos na loteria cósmica. “Alguns dizem ‘Bom, isso é só uma escapatória’”, comenta Krauss. “Mas é uma desculpa menor do que Deus”.

Positivos e negativos
O livro de Krauss não é o primeiro a colocar que Deus é desnecessário para a criação do universo. Stephen Hawking apresentou um ponto parecido em seu livro “The Grand Design”. O argumento chave é que a energia positiva da matéria é balanceada pela energia negativa do campo gravitacional. Da perspectiva quântica, a energia total do universo é zero e a evidência matemática disso seria o fato do universo ser plano e não esférico. Portanto, a energia do “nada” é conservada, mesmo que “algo” entre na história. A ideia de um balanço entre a energia positiva e negativa tem gerado críticas por parte do criacionismo, mas Krauss afirma que o conceito bate com as teorias cosmológicas atuais.

“Soa como uma fraude, mas não é. Uma vez com a gravidade, o incrível é que você pode começar com zero energia e acabar com diversas coisas, e essas podem ter energia positiva, contanto que você faça o efeito contrário com energia negativa. A gravidade permite que a energia seja negativa”, afirma o cientista. Daqui a muito tempo, quando todas as galáxias tiverem expandindo até o fim, e todas as estrelas morrido, os positivos e negativos vão se cancelar, levando nosso universo a voltar à uniformidade do espaço vazio. “O ‘algo’ talvez esteja aqui por um pequeno período de tempo”, afirma Krauss.

Acentuar o positivo
Para muitos isso pode soar um tanto suicida. O famoso evolucionista (e um dos ateus mais famosos do mundo) Richard Dawkins afirma o seguinte: “Se você acha que isso é sombrio e pouco entusiasmante, que pena. Realmente não traz conforto”. Mas Krauss não pretende ser um depressor.

“Meu objetivo não é destruir a religião, apesar de isso ser um efeito colateral interessante. Meu objetivo não é diferente do que o de Charles Darwin com seu livro “A Origem das Espécies”. Meu objetivo é usar essa fascinante questão, que todos fazem, e motivar as pessoas a aprender sobre o universo real”.

Krauss afirma que a perspectiva científica sobre as origens e o destino do universo oferece uma alternativa válida para o tradicional “consolo” que a religião propõe.  “Aqui estão estas marcantes leis da natureza que surgiram e produziram tudo que você conhece, algo muito mais interessante do que qualquer conto de fadas”, comenta Krauss. “Nós somos os beneficiários sortudos disso, e deveríamos aproveitar o fato de termos consciência para apreciar o universo. É um acidente fantástico, como temos sorte de ser parte disso! E você pode criar uma ‘teologia’ ao redor disso, se quiser”. É claro que Krauss não se refere à teologia no sentido literal, do estudo de Deus, mas em um sentido de atitude com a vida e seus significados (ou falta de). Qual é a sua atitude? Sinta-se livre para expressar sua opinião, mas com respeito.
Fonte: HYPESCIENCE.COM
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...