Postagens

Mostrando postagens de Outubro 16, 2012

O coração da Via Láctea

Imagem
Maior levantamento de estrelas já feito reconstitui a região central da galáxia Quando o assunto é imagem em alta definição, o nível de exigência dos astrônomos ultrapassa de longe o de qualquer cinéfilo. Para analisar o máximo possível de estrelas do chamado bojo galáctico – a porção mais interna e mais cheia de estrelas da nossa galáxia, a Via Láctea –, uma equipe internacional de 12 pesquisadores liderados pelo brasileiro Roberto Saito e pelo argentino Dante Minniti, ambos da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Chile, analisou um retrato de 190 mil por 170 mil pixels dessa região, apresentado nestas páginas. A imagem, produzida pelo astrônomo chileno Ignacio Toledo, do Observatório Alma, é tão grande que seriam necessários 6 mil aparelhos de TV de alta definição para exibi-la em sua máxima resolução.
O retrato do coração da Via Láctea revela uma população de estrelas onde se poderiam encontrar planetas parecidos com a Terra e promete ajudar a entender como nasceu a galáxia. Ta…

Mistério sobre desaceleração de sonda espacial é possivelmente solucionado

Imagem
Duas sondas espaciais norte-americanas lançadas em 1972 e 1973, respectivamente a Pioneer 10 e a Pionner 11 da Nasa, têm intrigado cientistas por décadas. As Pioneers começaram uma estranha desaceleração de cerca de 0,9 nanômetros por segundo quadrado, voltando novamente em direção ao sol. Mas o que estaria causando essa aceleração negativa? Tantas ideias já foram estudadas que pesquisadores levantaram até mesmo a hipótese de estarmos perante uma nova força da natureza que contradiria a Teoria da Relatividade Geral de Einstein. Em julho deste ano, a solução para o mistério parecia finalmente ter aparecido. Pesquisadores da Jet Propulsion Laboratory (JPL) da Nasa tinham afirmado que a Anomalia Pioneer (como é conhecido o fenômeno), estava sendo ocasionada pelo calor emanado da corrente elétrica que flui através dos instrumentos e do fornecimento de energia termoelétrica das sondas. Embora o calor seja sutil, pesquisadores acreditavam que ele seria capaz de empurrar a nave espacial lige…

Conheça Polaris, o jipe-robô que vai encontrar água na lua

Imagem
CRÉDITO:Astrobotic Algum dia procuremos água no polo norte da lua. E provavelmente faremos isso com o jipe robótico Polaris, que está sendo construído para prospectar e eventualmente extrair minérios da lua, asteroides, ou mesmo outros planetas. Polaris é o robô desenvolvido pela Astrorobotics Technology, uma das equipes que está competindo pelos US$ 30 milhões (cerca de R$ 60 milhões) do Google Lunar X Prize, que vai premiar o primeiro explorador robótico a pousar na lua. Com uma perfuradora de 1,2 metros, ele pode se deslocar na lua a uma velocidade de 0,3 m/s, ou 1,08 km/h e pesa 150 kg, podendo carregar mais 70 kg de equipamentos e instrumentos científicos sobre suas rodas de 60 cm de largura.  Os painéis solares do Polaris, que alimentam seus motores e dispositivos elétricos, são capazes de gerar 250 W. O excesso de calor é eliminado por dois outros painéis. Ele também está preparado para suportar as noites frias da lua, com a temperatura caindo a -173 °C. Câmeras estéreo e laser …

O ALMA e um Céu Estrelado - Uma Vista Magnifica

Imagem
Um céu límpido em qualquer noite é sempre uma maravilha. No entanto, se estivermos no planalto do Chajnantor, a 5000 metros de altitude, nos Andes chilenos, um dos melhores locais da face da Terra para fazer observações astronômicas, a experiência poderá ser verdadeiramente memorável. Esta panorâmica do Chajnantor mostra as antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) sob o fundo do céu noturno estrelado.
Em primeiro plano podemos ver algumas das antenas do ALMA, trabalhando em conjunto. O planalto aparece-nos encurvado por efeito da lente grande angular utilizada. O ALMA é o telescópio mais poderoso do mundo para estudar o Universo nos comprimentos de onda milimétricos e submilimétricos. A construção do ALMA estará completa em 2013, quando um total de 66 antenas estiverem operacionais no local. Neste momento, o telescópio encontra-se na sua fase inicial de Observações Científicas Preliminares. Embora ainda não esteja completamente construído, o telescópio já está pro…

Iluminação paralelo e perpendicular numa mesma região da Lua

Imagem
Normalmente as imagens que temos dos polos da Lua, usam imagens obtidas com iluminação elevada, nos fornecendo assim uma melhor visão das crateras com o mínimo de sombra. A imagem da direita, mostrada acima, no entanto, foi gerada a partir de uma compilação de 45 imagens com condições de iluminação consideravelmente baixa e mostra de forma especial a Cratera Baily. Antes de julgarmos qual a melhor ou a pior imagem das duas apresentadas acima, o melhor a fazer é pensar que essas imagens na verdade são complementares. As sombras na imagem da direita enfatizam que a parte inferior direita do anel é bem reta, embora não seja claro que qualquer bacia maior tem influencíado essa região. Detritos da Bacia Orientale são visíveis na parte mais amesquinha do assoalho, e a imagem da direita mostra estrias menores derivadas da Orientale continuando numa parte mais suave do assoalho da Baily. O mosaico da direita revela uma cadeia curva na esquerda, que Chuck Wood e Bill Hartmann em 1971 propusera…

Uma câmera para a energia escura

Imagem
Galáxia NGC 1365: um dos primeiros objetos captados pela DECam, de 570 megapixels Desde 12 de setembro passado, o estudo da energia escura – um misterioso componente que representaria 73% do Cosmo e pode ser uma peça-chave para entender por que o Universo está se expandindo de forma acelerada – conta com os serviços de uma supercâmera instalada no telescópio Blanco, um dos equipamentos do Observatório Inter-americano Cerro Tololo, nos Andes chilenos. Nesse dia, depois de oito anos de planejamento e construção, a DECam entrou em operação e fez as primeiras imagens do céu, como a da galáxia espiral barrada NGC 1365, situada a mais de 60 milhões de anos-luz da Terra. Dotada de 62 CCDs, a câmera tem resolução de 570 megapixels e faz parte do projeto internacional Dark Energy Survey (DES, levantamento de energia escura), tocado por 23 instituições de pesquisa dos Estados Unidos, Espanha, Reino Unido, Alemanha e Brasil. Em cinco anos, o DES pretende produzir imagens detalhadas em cores de 1/…

Longa e sinuosa estrada:Cassini celebra 15 anos

Imagem
A sonda Cassini comemorou ontem 15 anos de condução ininterrupta, ganhando um lugar entre os guerreiros da estrada interplanetária. Desde o seu lançamento a 15 de Outubro de 1997, a sonda já registou mais de 6,1 mil milhões de quilómetros de exploração - o suficiente para dar a volta à Terra mais de 152.000 vezes. Depois de passar por Vénus duas vezes, pela Terra, e depois por Júpiter a caminho de Saturno, a Cassini entrou em órbita do planeta em 2004, e aí tem passado os seus últimos oito anos, juntamente com os seus anéis brilhantes e as suas intrigantes luas.
E, para que não seja acusada de se recusar a escrever para casa, a Cassini enviou de volta, até agora, cerca de 444 gigabytes de dados científicos, incluindo mais de 300.000 imagens. Mais de 2500 artigos foram publicados em revistas científicas com base nos dados da Cassini, descrevendo a descoberta da pluma de água gelada e partículas orgânicas expelidas da lua Encelado; as primeiras vistas dos lagos de hidrocarbonetos da maio…

De estepe cósmico a botão de flor etéreo

Imagem
Nebulosa planetária IC 5148 © ESO A IC 5148 é uma bonita nebulosa planetária situada a cerca de 3000 anos-luz de distância na constelação do Grou. A nebulosa tem um diâmetro de um par de anos-luz e está ainda a crescer, a mais de 50 quilômetros por segundo - uma das nebulosas planetárias com expansão mais rápida conhecida. O termo "nebulosa planetária" surgiu no século XIX, quando as primeiras observações de tais objetos - a partir dos pequenos telescópios disponíveis na época - mostravam algo parecido a planetas gigantes. Contudo, a verdadeira natureza das nebulosas planetárias é muito diferente. Quando uma estrela com massa semelhante ou apenas um pouco maior do que a do Sol se aproxima do final da sua vida, as camadas exteriores são lançadas para o espaço. O gás em expansão é iluminado pelo núcleo quente que resta da estrela no centro, formando a nebulosa planetária, que geralmente toma uma forma brilhante e bonita. Quando observada através de um pequeno telescópio amador,…

Astrônomos amadores descobrem planeta com quatro sóis

Imagem
Um planeta com quatro sóis mostra que o Universo parece ser muito mais criativo do que as dificuldades matemáticas indicavam. [Imagem: Haven Giguere/Yale]
Onde o Sol nunca se põe
Dois astrônomos amadores encontraram um planeta cujos céus são iluminados por quatro sóis. E esse mundo absolutamente estranho está "nas vizinhanças" em termos astronômicos, a meros 5 mil anos-luz da Terra, na Constelação do Cisne. O exoplaneta gira ao redor de um par de estrelas, e há um segundo binário estelar girando em torno do conjunto. Os astrônomos ainda terão que criar modelos para tentar explicar como tal configuração é possível, já que é muito difícil imaginar como o planeta não foi destruído pelas complicadas interações dos campos gravitacionais das quatro estrelas.
Mundos especiais O primeiro planeta com dois sóis foi descoberto em 2011, mas logo os astrônomos viram que planetas em sistemas binários são comuns - eles são chamados planetas circumbinários. As coisas começaram a ficar mais comp…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...