Postagens

Mostrando postagens de Novembro 8, 2012

Explicados os "regadores" cósmicos

Imagem
Estranho par de estrelas velhas esculpe forma espetacular numa nebulosa planetária Esta nova imagem do Very Large Telescope do ESO mostra a nebulosa planetária Fleming 1 na constelação do Centauro. Este objeto consiste numa nuvem brilhante de gás em torno de uma estrela moribunda. As novas observações mostraram que existe, muito provavelmente, um par de estrelas anãs brancas no coração deste objeto, algo bastante raro. Os movimentos orbitais deste sistema binário explicam de forma perfeita as estruturas simétricas dos jatos existentes nas nuvens de gás circundantes, neste e noutros objetos similares. Créditos: ESO/H. Boffin
Os astrónomos utilizaram o Very Large Telescope do ESO para descobrir um par de estrelas que orbitam em torno uma da outra no centro de um dos mais fantásticos exemplos de nebulosas planetárias. O novo resultado confirma uma teoria há muito debatida sobre o que controla a aparência espetacular e simétrica do material que é lançado no espaço. Os resultados serão publi…

Astrônomos descobrem planeta fora do Sistema Solar que pode abrigar vida

Imagem
Um grupo internacional de pesquisadores diz ter descoberto um possível planeta habitável fora do Sistema Solar. Mas é melhor ir com calma: o que o novo estudo faz melhor é mostrar como é delicado o trabalho de procurar exoplanetas. A descoberta foi feita usando dados do espectrógrafo Harps, do ESO (Observatório Europeu do Sul), o mais preciso do mundo para buscar planetas extrassolares. Contudo, o trabalho não é fruto de uma nova leva de observações, mas de dados antigos, garimpados dos arquivos da organização.
A estrela, designada HD 40307, é parecida com o Sol, mas um pouco menor e mais fria (cerca de 70% da massa solar), localizada a 44 anos-luz da Terra. (Um ano-luz equivale à distância que a luz percorre em um ano, cerca de 9,5 trilhões de quilômetros.) Com as observações originais, pesquisadores europeus já haviam descoberto três planetas, todos muito próximos da estrela para abrigar água em estado líquido --principal qualidade para a habitabilidade.
Usando uma nova técnica de aná…

“Produção” de estrelas está em baixa no universo

Imagem
Aparentemente, não é apenas a economia europeia que está passando por um momento de crise: segundo estudo recente, o surgimento de estrelas no universo também está em baixa. A pesquisa, feita por astrônomos de diversas nacionalidades (portugueses, britânicos, japoneses, italianos e holandeses), revelou que o índice de formação de estrelas está 30 vezes menor do que há 11 bilhões de anos, quando estava em seu auge.
Ciclo de vida estelar
Para compreender a evolução do universo, é fundamental analisar o processo de formação das estrelas. De acordo com o modelo mais aceito atualmente, as primeiras estrelas começaram a surgir há aproximadamente 13,4 bilhões de anos (cerca de 300 milhões de anos após o Big Bang). No começo, esses astros eram, acredita-se, muito maiores do que os que vemos hoje, possivelmente cem vezes maiores do que o sol. Com tanta massa, as primeiras estrelas envelheciam rapidamente, gastando seu combustível e entrando em colapso em “apenas” alguns milhões de anos. Já estre…

Fonte de energia

Imagem
Bem no centro da Via Láctea há uma enorme fonte de antimatéria, que pode elucidar muita coisa Em 1997, o satélite americano Compton GRO (Compton Gamma Ray Observatory) comprovou a existência de uma enorme fonte de antimatéria bem no centro da Via Láctea. A antimatéria é basicamente a mesma coisa que a matéria, só que com o sinal trocado, pois é constituída de partículas elementares com cargas elétricas inversas às da matéria. Uma hipótese levantada para explicar a produção em grande escala de antimatéria no centro da nossa galáxia é a criação de elementos químicos por estrelas que explodem perto do local.

Coube ao satélite europeu Integral (International Gamma-Ray Astrophysics Laboratory) observar com nitidez a fonte de antimatéria no centro da Via Láctea. Em 2003, os detectores de raios gama do satélite descobriram que essas partículas não são provenientes de uma fonte pontual, mas difusa – distribuindo-se ao longo de mais de 4 mil anos-luz. Os astrônomos acreditam que essa descoberta …

Arp 188 e a Cauda do Girino

Imagem
Crédito da imagem:HubbleLegadoArquivo, ESA,NASA;Processamento -BillSnyder (HeavensEspelhoObservatory) Nessa imagem deslumbrante, gerada a partir de dados do projeto Legacy Arquivo Hubble, galáxias distantes formam um cenário dramático interrompido pela galáxiaArp 188, a Galáxia Girino. O girino cósmico está localizado a “apenas” 420 milhões de anos-luz na direção da constelação distante do norte, Draco. Sua atraente cauda tem cerca de 280 mil anos-luz de comprimento e apresenta enormes e brilhantes aglomerados de estrelas azuis. Uma história sobre essa cena diz que uma galáxia intrusa mais compacta cruzou na frente de Arp 188 – da direita para a esquerda neste ponto de vista – e foi capturada pela atração gravitacional da Galáxia do Girino. Durante o encontro,as forças de maré arrancaram estrelas, gás e poeira da galáxia espiral formando essa cauda espetacular. A galáxia intrusa, propriamente dita, que está a uma distância estimada de cerca de 300 mil anos-luz atrás da Galáxia do Girin…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...