Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 11, 2012

5 motivos pelos quais devemos estar em um multiverso

Imagem
A teoria do multiverso prega que o universo em que vivemos não é o único que existe. Na verdade, nosso universo pode ser apenas um entre um número infinito de universos que compõem um “multiverso”. Sei o que você está pensando: “aham, claro”. Embora a ideia realmente soe como algo saído da mais barata ficção científica, há uma física bastante razoável por trás dela. Mais: não há apenas uma teoria que chega a um multiverso: diversas teses físicas independentes apontam para tal conclusão. Na verdade, alguns especialistas acreditam que é mais provável que existam universos ocultos, do que o contrário.
Confira as cinco teorias científicas mais plausíveis que sugerem que vivemos em um multiverso:  
1 – Universos infinitos Os cientistas não podem ter certeza sobre a forma do espaço-tempo, mas mais provavelmente, ela é plana (em oposição à esférica) e estende-se infinitamente. Se o espaço-tempo dura para sempre, então deve começar a se repetir em algum ponto, porque há um número finito de form…

como provar que o multiverso existe

Imagem
A presença de um “multiverso”, ou seja, vários universos desconectados pode ser possível para explicar a quantidade enorme de energia escura que o nosso universo tem – um assunto polêmico que intriga cientistas do mundo (ou mundos) todo há tempos. Cerca de 74% do universo parece ser feito de energia escura. Outros 22% parecem ser matéria escura, uma misteriosa forma de matéria que só podemos detectar observando sua força gravitacional. No fim, apenas 4% do nosso universo é composto por coisas que podemos ver e tocar; a matéria comum. Por que essa desigualdade?
Nenhuma outra teoria existente sobre o nosso universo consegue explicar tal fenômeno. Com a teoria do multiverso, essa quantidade de energia não só se torna explicável, como é inevitável. Outros fenômenos, como a radiação cósmica de fundo e a expansão do universo, também levam a crer na existência de vários universos. O problema é que ainda não temos como provar que estamos em um multiverso. Se daqui é difícil até encontrar outro…

As primeira estrelas que existiram no universo

Imagem
As primeiras estrelas do nosso Universo são um mistério para a ciência. Chamadas de estrelas da População III, até agora nenhuma delas foi registrada por nenhum telescópio. Apesar disto, a ciência já conseguiu deduzir algumas coisas sobre elas. As estrelas que seguiram à população III são as da população II, que depois se seguiram às estrelas da população I. Mas não se sabe com certeza, por exemplo, se as estrelas da população III surgiram antes ou depois das primeiras galáxias.
Origem e formação As estrelas da População III se formaram em condições especiais. Sendo as primeiras estrelas do universo, elas se formaram a partir de nuvens de hidrogênio e hélio, ou seja, sem nenhum elemento metálico (das famílias dos metais, na tabela periódica). Esta diferença é crucial, porque as nuvens moleculares das quais as estrelas da população II e I se formaram tinham partículas de poeira, que ajudavam no processo de resfriamento. Além disso, a abundância de hidrogênio e hélio (o universo era menor…

Veja o estrago que a Curiosity deixou após pousar em Marte

Imagem
O pouso da Curiosity em Marte foi marcante. Literalmente. Imagens da sonda Mars Science Laboratory (MSL) mostram várias crateras que surgiram com o impacto do veículo explorador na superfície marciana. Além das cicatrizes deixadas no planeta vermelho, a nave Curiosity deixou sinais de sua passagem com entulhos e equipamentos que foram ejetados com o pouso. Entre os equipamentos perdidos pela Curiosity está o escudo de proteção contra o calor, a cápsula traseira e um paraquedas, que formaram seis novas crateras em um raio de 12 quilômetros do local do pouso. Apesar da bagunça e do pouso nada sutil, as marcas em solo marciano não são de todo ruins. A NASA já tinha muitas informações sobre objetos que atingem Marte, mas agora será possível entender mais sobre a atmosfera do planeta e a formação de crateras porque os cientistas conhecem a massa, composição, trajetória e formato de cada equipamento. Quer entender como foi o pouso da Curiosity em Marte? Clique no link:http://mars.jpl.nasa.g…

Censo do Universo invisível revela galáxias com surto estelar

Imagem
Os desvios para o vermelho funcionam como uma medida do tempo que a luz de cada galáxia tem viajado através do Universo, que por sua vez indica quando é que, na história cósmica, a luz de cada galáxia foi emitida.[Imagem: ESA-C. Carreau/C. Casey/Herschel/SPIRE/HerMES/NASA]
Galáxias starburst Combinando as capacidades de exploração do telescópio espacial Herschel e dos telescópios terrestres Keck, astrônomos caracterizaram centenas de galáxias de um tipo conhecido como starburst - com formação explosiva de estrelas. As galáxias starburst - ou galáxias com surto estelar - dão à luz centenas de estrelas por ano, em eventos intensos de curta duração. Em comparação, a Via Láctea, a nossa galáxia, produz em média por ano o equivalente a apenas uma estrela semelhante ao Sol. As galáxias com surto estelar geram tanta luz que deveriam ofuscar a nossa galáxia centenas de milhares de vezes, mas a enorme quantidade de gás que lhes serve de combustível contém também muita poeira, que tanto alimenta …

Hubble Registra Imagens Iniciais da Mancha Vermelha Júnior em Júpiter – Arquivo 2006

Imagem
Em Maio de 2006, o Telescópio Espacial Hubble dava aos astrônomos a visão mais detalhada até então de uma segunda mancha vermelha emergindo em Júpiter. Pela primeira vez na história, os astrônomos estavam testemunhando o nascimento de uma nova mancha vermelha no planeta gigante, localizado a meio bilhão de milhas de distância.
A tempestade tinha aproximadamente metade do diâmetro da sua prima maior e legendária, a Grande Mancha Vermelha. Os pesquisadores sugeriam na época que essa nova mancha poderia estar relacionada com as mudanças climáticas de grande escala na atmosfera de Júpiter.
As imagens foram feitas pela Advanced Camera for Surveys do Hubble entre os dias 8 e 16 de Abril de 2006, e publicadas em 4 de Maio de 2006 no HubbleSite.
Créditos:http://blog.cienctec.com.br

As Anomalias de Gravidade na Lua

Imagem
Imagempela NASA/ JPL-Caltech/ CSM Como toda missão espacial que é uma melhoria de uma versão anterior, esperava-se da missão GRAIL que os mapas crustais e gravitacionais da Lua fossem refinados, e foi isso que aconteceu. Mas o que mais anima os pesquisadores e quem está envolvido com missões como essa, são as descobertas inesperadas, as surpresas, e no caso da missão GRAIL a mais única e impressionante descoberta foram as anomalias lineares de gravidade que aparecem mostradas na imagem acima superior em vermelho e que foram derivadas do mapa localizado na parte esquerda inferior da imagem. Os três globos na parte inferior mostram os gradientes de gravidade, mapeando os locais onde a força da gravidade muda rapidamente em uma área geográfica relativamente pequena. As linhas vermelhas são onde a gravidade aumenta rapidamente e as linhas em azul onde ela diminui. Os maiores gradientes ocorrem onde existe uma concentração ou uma deficiência anômala de massa, que ao redor das bordas das bac…

O Futuro do Curiosity: Mapeamento Montanhoso

Imagem
Todo o planeta Terra parecia seguir a angustiante descida do rover Curiosity para a superfície de Marte. As primeiras descobertas do Curiosity mostraram que a água líquida já fluiu à superfície de Marte, mas as grandes descobertas ainda estão por vir, incluindo o Monte Sharp, com 5 km de altura. As câmaras do Curiosity mostram o Monte Sharp à distância. O rover começará a subida do monte daqui a uns meses, seguindo a história geológica marciana à medida que sobe cada vez mais e examina no máximo 4,5 mil milhões de anos de material planetário. Crédito: NASA/JPL O roverCuriosity tem sido uma presença quase constante nas notícias desde que chegou à superfície do Planeta Vermelho em Agosto. Mas mesmo com tudo o que o Curiosity já fez, os seus dias mais emocionantes ainda estão pela frente, afirma o geólogo Ralph Millikin, da Universidade de Brown e cientista da missão da NASA. Milliken é um cientista participante da missão e regressou à sua Universidade após passar três meses a trabalhar no…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...