As metálicas montanhas cobertas de neve de Vênus

Cientistas desvendam o mistério sobre as camadas brilhantes que cobrem os topos das montanhas venusianas.

Algumas das características mais majestosas da Terra são suas montanhas cobertas de neve altas, atingindo alta o suficiente para que eles possam esculpir sistemas climáticos do nosso mundo. Mas as montanhas da Terra não são de forma única, e não é a neve. Montanhas em Vênus também estão cobertas de neve. Exceto que a neve venusiana é composta principalmente de metais pesados. Como você poderia esperar de um planeta com uma atmosfera tão alienígena, a neve que cobre os montanhas de Vênus é aparentemente não menos exótico. Com as altas temperaturas na superfície do planeta, o gelo de água é impossível (não que haja muita água em Vênus). Segundo os cientistas, as temperaturas na superfície de Vênus são altas demais — na casa dos 480 °C! É feito de sulfeto de chumbo e sulfeto de bismuto, mais comumente conhecido como os minerais galena e bismutinite.
 
Esses elementos são depositados nos topos das montanhas devido à vaporização da pirita — mineral abundante na superfície de Vênus —, que acaba ficando em suspensão na atmosfera. Entretanto, quando essa “névoa metálica” alcança altitudes maiores, ela acaba se condensando, formando a camada de metal brilhante que recobre os topos das montanhas venusianas. Aliás, existem montanhas bem altas por lá. O Maxwell Montes, por exemplo, é o maciço montanhoso mais alto de Vênus, cujo pico mais alto alcança uma altura máxima de 11 quilômetros, ou seja, é 3 quilômetros mais alto do que o Monte Everest. Assim, imagine só se fosse possível visitar um lugar como esse, coberto de neve metálica e com vistas de tirar o fôlego!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton