Imagens do planeta vermelho revelam detalhes da inóspita paisagem marciana

Árido, rochoso, frio e aparentemente sem vida, Marte foi explorado por humanos pela primeira vez em 1965, quando a sonda Mariner 4 pousou em solo marciano e detectou na planície cor de caramelo uma superfície parecida com a da Lua. Mas a presença de gelo e de materiais magnéticos no planeta sugerem que, no passado, ele foi mais dinâmico, como a Terra. A mais de 228 milhões de quilômetros do Sol, a temperatura média é de – 62,7 ºC nas paisagens repletas de cânions, crateras e vulcões. Se comparados aos de nosso planeta, Marte tem vulcões até 100 vezes maiores, e o volume de lava é grande o suficiente para formar outro grande vulcão.
 
A atmosfera também é diferente: com pouquíssimo oxigênio, é constituída principalmente de dióxido de carbono. Coberto por pó vermelho, coloração ligada à alta quantidade de ferro no solo, Marte tem nuvens e ventos que às vezes criam tempestades parecidas com tornados, capazes de serem vistos daqui. O planeta tem gravidade quase três vezes menor do a da Terra e possui duas Luas: Phobos e Deimos. Apesar das diferenças, há similaridades entre os dois planetas: a presença de atmosfera, hidrosfera, criosfera e litosfera, ou seja, sistemas ar, água e gelo que interagem com a geologia para criar o ambiente marciano.
 
Vermelho devido a sua crosta, frio por causa de sua distância do Sol, o planeta tem atmosfera rala, composta principalmente de dióxido de carbono, com pequena quantidade de vapor d’água.

A 250 quilômetros acima de Marte, a câmera HiRISE da sonda orbital Mars Reconnaissance Orbiter fotografou esta cratera de impacto “nova” (com menos de 1 milhão de anos), de 1,5 quilômetro de diâmetro. As cores foram reforçadas para ajudar na interpretação das características da superfície. As crateras podem informar os cientistas sobra a história e a geologia de Marte.
 
No ano verdadeiro de 1976, duas sondas Viking pousaram em segurança em Marte. Não depararam com nenhuma criatura bípede lânguida, não encontraram um “planeta plácido e temperado” para estudar. A Viking 2 viu um grande campo de pedras na Planície Utópica, local de tom vermelho terroso e frígido. Mas as sondas se mostraram ser um triunfo da engenharia e da exploração. Apesar dos desafios de uma missão a Marte serem imensos – de 40 tentativas entre 1960 e meados de 2008, 23 falharam –, as explorações prosseguem.
 
Com 800 metros de diâmetro, a cratera Victoria, próxima ao equador de Marte, foi estudada bem de perto pela sonda de solo Opportunity. O pequeno veículo passou um ano explorando a borda, antes de entrar no declive visível na posição das dez horas do mostrador do relógio. As rugosidades do interior da cratera são dunas de areia.
 
Marte é detentor do maior vulcão do sistema solar, o Olympus Mons, com 21 quilômetros de altura e área um pouco maior do que o estado do Rio Grande do Sul. A cratera Victoria, vista de perto pela sonda de solo Opportunity, revela milhares de anos de história geológica marciana. Promontórios escarpados, tais como Cape St. Vincent (na foto), alternam-se com encostas erodidas pelo vento.  

 Vento, poeira e gelo delineiam as paisagens marcianas, como mostram as imagens captadas pela sonda orbital Mars Reconnaissance Orbiter (MRO). A região norte tem mais de 10% de sua superfície coberta de dunas (foto no alto). Um campo de dunas linear em uma cratera (segunda foto) mostra possíveis canais de erosão; manchas azuladas podem marcar despiradouros que liberam dióxido de carbono. Traços que se parecem com garranchos nas dunas (terceira foto) marcam a passagem de redemoinhos de poeira. A calota polar ao redor do pólo sul exibe padrões de quebra-cabeça (à direita), que ficam pronunciados no verão, quando uma parte do gelo de dióxido de carbono se transforma em gás.

Camadas de poeira, areia e água em forma de gelo empilham-se na região polar setentrional de Marte e desabam em uma escarpa de 610 metros (à esquerda na foto). As camadas podem ter se formado durante períodos de mudanças climáticas. O material escuro logo à direita é formado de grãos mais ou menos do tamanho de areia da praia; as áreas mais claras são cobertas de pó bem mais fino.

Com o paraquedas aberto (à esquerda e no detalhe), a sonda Mars Phoenix foi fotografada pela MRO ao descer em uma cratera. A Phoenix cavou duas trincheiras.

Características similares a pedregulhos na área sombreada (à esq.) não aparecem em uma imagem feita quatro dias depois (à dir.). A razão provável é o gelo ter evaporado. Pedaços maiores permaneceram. Um teste posterior confirmou que existe água em solo marciano.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton