A cara em mudança do gelado Quaoar

 Impressão de artista de Quaoar e da sua pequena lua Weywot. A imagem tenta mostrar a cor moderadamente avermelhada de Quaoar. Crédito: NASA/JPL-Caltech/R. Hurt (SSC-Caltech)

Plutão não se pode queixar. Embora já não seja um planeta principal, pelo menos consegue ser o amado rei dos anões. A vida não é tão simples para Quaoar, outra bola de rocha e gelo à deriva nas periferias do Sistema Solar. Em tempos foi o segundo no comando de Plutão, o segundo maior objecto na cintura de Kuiper, um anel de planetas anões e outros corpos para lá da órbita de Neptuno. Mas mundos recém-descobertos e maiores continuam aparecendo. Entretanto, o tamanho de Quaoar (pronuncia-se "kwawar") foi revisto em baixa, graças a novas e melhoradas medições. O mundo estranho foi praticamente esquecido.
 
Agora Quaoar pode ter perdido a honra que lhe resta, como o objecto mais denso na cintura de Kuiper. As últimas revisões do seu tamanho, densidade e forma sugerem que o objecto negligenciado tem muito mais em comum com os seus vizinhos do que se suspeitava. Isso pode ser bom - o seu novo e maior tamanho potencialmente aumenta a sua elegibilidade de adesão ao clube de planetas anões, formado como resultado da despromoção de Plutão. Só que Quaoar parece ser um elipsoide, o que lhe poderá negar entrada - até os planetas anões têm que ser esféricos.
 
Com o nome de um deus-criador nativo americano, Quaoar orbita a 6,5 mil milhões de quilómetros do Sol. O seu tamanho coloca-o perto do limite do que o Telescópio Espacial Hubble pode ver, o que torna difícil obter mais detalhes. Trabalhos anteriores vasculharam as imagens desfocadas do Hubble e fizeram modelos de Quaoar e da sua única lua, Weywot, com base na noção de que ambos os objectos seriam mais ou menos como as luas de Úrano. Essa pesquisa indicou que Quaoar tem cerca de 900 km de largura e é tão denso que pode ser principalmente rocha - incomum para a cintura de Kuiper, onde a maioria dos objectos são misturas de gelo e poeira.
 
Mas imagens infravermelhas por telescópios modernos, tais como o telescópio espacial Herschel, e outras observações, mostraram que a composição da superfície de Quaoar não é nada como as das luas uranianas. Por isso, Felipe Braga-Ribas do Observatório Nacional do Rio de Janeiro, Brasil, e colegas tomaram um rumo diferente.
 
Em 2011 e 2012, várias equipas observaram Quaoar a passar em frente de uma estrela, fazendo com que diminuísse de brilho durante um curto período de tempo. Ao cronometrar cuidadosamente as observações e ao registar as mudanças na luz da estrela, estas ocultações proporcionaram algumas das medições mais precisas do tamanho e forma do distante Quaoar. A equipa de Braga-Ribas calcula que Quaoar tem na realidade 1138 km de largura - um pouco maior que o planeta anão Ceres - e que tem uma densidade de apenas 1,99 gramas por centímetro cúbico, o que pode torná-lo mais numa bola de neve suja como Plutão.
 
Mas há um senão. As ocultações fazem mais sentido se Quaoar for um elipsoide alongado incorporando ou uma montanha muito grande ou uma cratera profunda. O problema é que nenhuma destas características deve perdurar por muito tempo se o objecto for constituído por uma mistura de gelo e rocha. "Quando interpretamos os valores, Quaoar parece disparatado - é completamente irracional," afirma Wesley Fraser do Instituto Herzberg para Astrofísica em Victoria, Colúmbia Britânica, Canadá, que não fez parte da equipa de pesquisa.
 
Por isso a equipa também examinou o que seria necessário para uma forma mais suave coincidir com os dados. Assumindo pequenos erros de temporização que estão maioritariamente dentro dos limites esperados, um inexpressivo elipsoide, mas mais redondo, em forma de ovo, também pode explicar os dados. A equipa de Braga-Ribas também relata a inexistência de uma atmosfera em Quaoar. Isto é algo que Fraser acha suspeito. "Espera-se que a maioria dos grandes objectos na cintura de Kuiper tenha atmosferas de algum tipo," afirma. "Eles têm gelos moderadamente voláteis nas suas superfícies que são relativamente quentes o suficiente para produzir atmosferas ligeiras e frágeis.
 
No trabalho submetido à revista Astrophysical Journal Letters, Fraser e colegas apresentam os dados de quando Quaoar passou em frente de uma estrela em meados de Julho, a partir da perspectiva do telescópio Gemini Sul, no Chile. Eles descartam uma atmosfera de nitrogénio ou dióxido de carbono, mas pensam que é ainda possível uma atmosfera de metano puro, e que uma cobertura fofa e difusa de metano poderia encaixar nos resultados da ocultação de Braga-Ribas. Ou Quaoar tem um fino invólucro de gás, ou está de algum modo a desafiar os nossos conhecimentos da química da cintura de Kuiper.
 
O que é claro das várias observações é que Quaoar não é perfeitamente redondo. Mas quando a União Astronómica Internacional redefiniu o termo planeta, também decidiu que os planetas anões precisam de ser massivos o suficiente para que a sua gravidade os torne pelo menos quase redondos. Será então possível que a forma de ovo de Quaoar o exclua do clube?
 
"Ceres também não é perfeitamente redondo. Isto sugere que a definição da UAI pode ter de ser reexaminada," realça Fraser. "Eu inclino-me a chamá-lo de anão, e alguém terá que me convencer do contrário."
Fonte: Astronomia On-Line

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton