As 6 maiores descobertas da Curiosity depois de um ano em Marte

É incrível de se pensar que faz um ano desde que o rover Mars Curiosity fez seu pouso absolutamente radical no planeta poeirento e vermelho, Marte. Depois de uma viagem sem problemas e um pouso complicado, o laboratório móvel Mars Science Laboratory começou sua jornada pelo planeta, e a NASA começou a anunciar descoberta após descoberta. Em alguns casos os eventos são hilários, em outros representaram novidade completa, e mesmo quando velhas previsões se confirmaram, o resultado não foi menos espetacular. Veja aqui alguns dos eventos fantásticos deste último ano.
 
Marte teve uma atmosfera rica em oxigênio 4 bilhões de anos atrás 
Na metade de junho foi anunciada a descoberta de que Marte já teve uma atmosfera quase igual à atmosfera terrestre em termos de porcentagem de oxigênio. Com esta descoberta, a probabilidade de que em algum momento no passado Marte teve vida ficou maior. O mais incrível é que, pelo período, Marte teve uma atmosfera rica em oxigênio quase um bilhão de anos antes que a atmosfera terrestre tivesse se formado. De uma certa forma, Marte passou também a ser visto como um possível futuro para o nosso planeta, como a Terra poderá se tornar em alguns bilhões de anos.
 
A vida primitiva poderia ter sobrevivido em Marte 
Após a análise de algumas amostras de rochas, a NASA descobriu uma parte cinzenta de Marte que já teve condições favoráveis para a vida. Eram amostras contendo enxofre, nitrogênio, hidrogênio, oxigênio, fósforo e carbono. Além disso, os minerais contidos na lama provavelmente se formaram a partir da reação de água doce com rochas ígneas (que também foram encontradas nas amostras). Os minerais resultantes formam uma mistura de minerais oxidados, menos oxidados e não oxidados. Para Paul Mahaffy, principal pesquisador da Análise de Amostras em Marte, eles poderiam prover energia química para micro-organismos.
 
Compostos de carbono foram encontrados, mas isso ainda não é motivo para festa
Assim que a primeira análise de solo feita pela Curiosity foi publicada, a internet enlouqueceu com a notícia de que a amostra continha compostos de carbono. Afinal de contas, carbono significa vida, certo? Não exatamente. Um ponto importante da história é que as amostras foram testadas no laboratório à bordo da Curiosity. Elas foram aquecidas em um tipo de forno miniatura, e não está bem claro se os traços de carbono encontrados eram da superfície de Marte ou restos de uma contaminação terrestre. Mesmo se pensarmos pelo lado positivo, se o carbono fosse da superfície marciana, isso não é o suficiente para sugerir vida no planeta, já que o mesmo elemento está presente em fontes inorgânicas, como rochas carbonatadas. Por enquanto, não é possível dizer definitivamente que não poderia ter havido vida em Marte, mas com certeza muita agitação é prematura.
 
A radiação impossibilita uma viagem a Marte com a tecnologia atual 
O detector de radiação do Curiosity (RAD, “Radiation Assessment Detector”) mediu a radiação de Marte e os dados obtidos forçaram a NASA a reconsiderar a efetividade de seus escudos antirradiação atuais. A exposição à radiação, medida em Sieverts (Sv), aumenta o risco de câncer. A exposição a 1 Sv aumenta em 5% o risco de desenvolver a doença. O limite aceitável da NASA, para seus astronautas, é de um aumento de 3% no risco. O RAD detectou uma média de 1,8 miliSV por dia em sua viagem à Marte. A dose acumulada da viagem, de acordo com Cary Zeitlin, principal cientista do Southwest Research Institute (SwRI, Instituto de Pesquisa do Sudoeste) em San Antonio, seria equivalente a ter um exame de tomografia computadorizada de corpo inteiro a cada cinco ou seis dias. Além disso, atualmente as espaçonaves não são muito boas para proteger seus ocupantes dos raios cósmicos galácticos.
 
O que é este objeto brilhante em Marte? 
Em fevereiro, a sonda Curiosity estava fotografando a paisagem quando descobriu um estranho objeto brilhante e claro, que colocou em polvorosa a internet. Poderia ser qualquer coisa, exceto que, infelizmente, não era. Segundo a análise da NASA, trata-se apenas de uma rocha erodida pelo vento. Mas há quem não se convença com a “explicação oficial”.
 
O pênis gigante de Marte 
Quanto mais se estuda, mais se percebe que há coisas que simplesmente ainda não sabemos. Por exemplo, veja este enorme pênis espacial. De onde ele veio? Será que a sonda Curiosity conseguiu encontrar uma maneira para liberar sua frustração sexual?   Algumas perguntas é melhor que fiquem sem resposta.
Fonte:hypescience.com
[Gizmodo]

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton