Exoplaneta rosa desafia principal teoria de formação de planetas

Baseado na cor da estrela e no seu período de rotação, cientistas estimam que sistema esteja a 57 anos-luz da Terra e tenha 160 milhões de anos
Recém-descoberto GJ 504b tem uma temperatura de cerca 237 °C e aproximadamente quatro vezes a massa de Júpiter Foto: NASA's Goddard Space Flight Center/S. Wiessinger / Divulgação
 
Astrônomos anunciaram a descoberta de um planeta com mais de quatro vezes a massa de Júpiter e tamanho similar, orbitando sua estrela nove vezes mais afastado que o maior planeta do Sistema Solar em relação ao Sol. Com o uso de um telescópio no Havaí, a equipe também conseguiu revelar a cor do corpo celeste: magenta profundo. A relação entre a distância da estrela e a massa do exoplaneta, denominado GJ 504b, representa um desafio para as teorias sobre como os planetas se formam. Se pudéssemos viajar para esse planeta gigante, veríamos um mundo ainda brilhando no calor de sua formação com uma cor que lembra uma escura flor de cerejeira", afirmou Michael McElwain, integrante do grupo de cientistas da Nasa - a agência espacial americana - que descobriu o planeta.
 
GJ 504b, é o planeta de menor massa já descoberto ao redor de uma estrela como o Sol. De acordo com a teoria mais aceita, chamada de core-accretion, estrelas como essas não têm “metais” em quantidade suficiente para formar os núcleos maciços de planetas gigantes. Planetas como Júpiter começam a se desenvolver no "disco" cheio de gás que envolve uma estrela jovem. O núcleo produzido por colisões entre asteroides e cometas fornece uma "semente", e quando atinge massa suficiente sua atração gravitacional rapidamente atrai gás do disco para formar o planeta.
 
Enquanto esse modelo explica bem planetas até a distância de Netuno, a cerca de 30 vezes a distância média entre a Terra e o Sol (30 unidades astronômicas), a teoria se torna problemática para mundos localizados mais longe de suas estrelas. GJ 504b fica a uma estimada distância de 43,5 unidades astronômicas de sua estrela. Esse está entre os planetas mais difíceis de explicar no tradicional âmbito de formação planetária", explica o astrônomo Markus Janson. "Sua descoberta implica na conclusão de que precisamos reconsiderar seriamente teorias de formação alternativas, ou até reavaliar alguns dos pressupostos básicos da teoria de core-accretion".
Fonte: Terra

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton