O ataque das estrelas canibais

Comilança de planetas pode ser um fenômeno muito comum fora do Sistema Solar
Fim de um planeta Em ilustração, corpo de um sistema solar instável é atraído por estrela
 
O nosso sistema solar pode ser um oásis de tranqüilidade no Universo. Terra, Marte, Vênus e os demais planetas caminham sem grandes atropelos nas órbitas programadas ao redor do Sol. Mudanças, quando ocorrem, não costumam afetar o equilíbrio do sistema. É, digamos, o paraíso espacial. Mas não é o que parece estar ocorrendo em outras paragens. Planetas descobertos nos últimos dez anos bem longe do Sistema Solar enfrentam tempos de turbulência. São muito grandes ou estão em órbitas instáveis. Não bastasse isso, exercem influência uns sobre os outros até se aproximar demais da estrela-mãe e serem engolidos. Constituem o prato principal no banquete que se poderia chamar de sistema de estrelas canibais.

Os cientistas já desconfiavam dessa comilança desde que os primeiros planetas além do Sistema Solar foram descobertos. Na maioria dos casos, constituíam corpos estranhos. Eram gigantescos e muito próximos da estrela, desafiando as teorias de formação de sistemas solares no Universo. Alguns possuíam órbitas irregulares - chegavam muito perto da estrela e depois se afastavam para bem longe. A conclusão dos astrônomos: alguma coisa estava errada. Os gigantes gasosos que encontramos perto dessas estrelas deveriam ter se formado a uma distância muito maior do que aquela em que estavam", conta Nuno Ramos, astrônomo português do Observatório de Genebra, na Suíça. Eles podem ter se aproximado da estrela pela interação com os outros planetas e podem ser engolidos por ela."
 
Ramos participou de um estudo recente mostrando que as estrelas estariam cometendo canibalismo. "Parece que a destruição dos planetas não é um fenômeno tão raro no Universo", comenta o astrônomo Garik Israelian, do Instituto de Astrofísica das Canárias, na Espanha, e um dos autores da pesquisa. Ao estudar a composição química de algumas estrelas semelhantes ao Sol, os astrônomos encontraram a comprovação. A HD 82943, que possui pelo menos dois planetas em sua órbita, tinha quantidades anormais de um isótopo chamado lítio-6 em sua atmosfera. O lítio-6, dizem os pesquisadores, é consumido no início da vida das estrelas, mas permanece intacto nos planetas. A única explicação para sua presença na HD 82943 era, portanto, que ela tivesse devorado algum planeta. O mesmo processo de ingestão pode ter ocorrido em outros sistemas.
Fonte: Galileu

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton