Uma nebulosa planetária em Cassiopeia

O fraco objeto HFG1, também conhecido como PK 136+05, é uma nebulosa planetária muito velha de um ano-luz ou mais de diâmetro, localizada na constelação norte de Cassiopeia.
Foi descoberto em 1982 por Heckathorn, Fesen e Gull, daí o seu nome. Apesar do seu nome, nebulosas planetárias não têm nada a ver com planetas. O nome de nebulosas planetárias surgiu no século 18 por causa da semelhança visual entre algumas nebulosas planetárias circulares e os planetas Urano e Netuno, quando vistos através de pequenos telescópios ópticos. As nebulosas planetárias representam o estágio final da vida de uma estrela de tamanho médio como o nosso Sol. Ao consumir o último do combustível em seu núcleo, a estrela que está morrendo (colapso de um gigante vermelho para uma anã branca) expele uma grande parte do seu envelope exterior.
 
Este material , em seguida, torna-se aquecido pela radiação do remanescente estelar e irradia, produzindo nuvens brilhantes de gás que podem mostrar estruturas complexas, devido a ejeção desigual de massa da estrela ao longo do tempo e da direção. A nebulosa planetária HFG1 foi produzida pela estrela central V664 Cas de magnitude 14,5. Esta não é uma única estrela, mas um sistema binário constituído por uma anã branca e uma estrela semelhante ao Sol, que estão apenas alguns milhões de quilômetros de distância entre si e estão orbitando uma à outra a cada 14 horas. Este sistema binário está se movendo rapidamente através da Via Láctea (e em direção ao canto superior direito da imagem).
 
Como a HFG1 trafega através do meio interestelar, um arco azulado é produzido. Uma longa trilha vermelha de gás é deixado para trás pela estrela V664 Cas com velocidade entre 29 e 59 quilômetros por segundo, dependendo de sua distância do Sol. A HFG1 é definida como uma nebulosa planetária tipo F, significando que ela parece estar uniformemente preenchida. O estreito arco azulado é mais brilhante ao sul, sugerindo que ele interage com o meio interestelar. Ele não está completo, invisível na região noroeste. O núcleo tem três lóbulos brilhantes em direção ao sul e uma abertura central.
 
As nebulosas planetárias duram apenas cerca de 10 mil anos, um período muito curto comparado com os 10 bilhões de anos de vida de estrelas do tipo solar. Então, a HFG1 já é muito antiga, e gradualmente irá dispersar-se no espaço, enquanto a anã branca vai esfriar e desaparecer em bilhões de anos. Nosso próprio Sol deverá sofrer um destino semelhante, mas isso não irá ocorrer até cerca de 5 bilhões de anos, felizmente! Esta imagem foi obtida com a visão de campo largo da câmera Mosaico no telescópio Mayall de 4 metros no Kitt Peak National Observatory. Ela foi gerada com filtros em observações do hidrogênio alfa (em vermelho) e do oxigênio [OIII] (em azul).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton