22 de fev de 2013

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Conheça 10 grandes mistérios das estrelas que os cientistas ainda não conseguiram explicar.

AS ESTRELAS SOBREVIVENTES - No centro da galáxia de Andrômeda, há um buraco negro supermaciço tão gigantesco que nem a luz pode escapar de sua força. Mas, em 2005, cientistas descobriram milhões de jovens estrelas azuis que estão vagando ao redor do buraco negro. Ninguém sabe explicar como elas não foram sugadas.
 
A ESTRELA AMBÍGUA - ‘Swift J1822.3-1606’, localizada na constelação de Ophiuchus, é uma estrela de nêutrons bastante peculiar. Geralmente, estrelas de nêutrons são magnetares (com alto campo gravitacional) ou pulsares (com alta velocidade de rotação). Já Swift apresenta ambos os comportamentos!
 
A ESTRELA ETERNAMENTE JOVEM - As estrelas do aglomerado ‘Messier 4’, localizadas na constelação de Escorpião, são muito antigas, com mais de 12,2 bilhões de anos. No entanto, lá está uma estrela composta basicamente de Lítio! O que há de estranho nisso? Bem, o Lítio geralmente desaparece nos primeiros bilhões de anos do ciclo de vida de uma estrela. De alguma forma, umas das estrelas conseguiu uma forma de repor o Lítio, mantendo-se eternamente jovem. Como isso aconteceu ainda é um mistério.
 
A ESTRELA RODEADA DE ESPIRAIS - Em 2011, astrônomos descobriram que existem espirais em volta de ‘ SAO 206462’. A estrela, localizada na constelação de Lupus, é única por causa desta formação peculiar. Ainda não existe uma explicação certeira sobre o fenômeno, mas cientistas afirmam que pode ser causado pela influência gravitacional de planetas próximos.
 
A ESTRELA QUE NÃO ENGOLIU O PLANETA - ‘Wasp 18’ está localizada há 330 anos-luz da constelação de Fênix e tem 25% mais massa do que o nosso Sol. Em 2009, cientistas da Universidade Keele descobriram que um planeta um pouco maior do que Júpiter orbita Wasp, mesmo estando a apenas 3 milhões de quilômetros de distância. O planeta está tão próximo da estrela que sua translação dura apenas 23 horas e sua temperatura chega a 2200 graus Celsius! Ainda não se sabe explicar porque o planeta não foi engolido por Wasp 18.
 
O ÓRFÃO - ‘CFBDSIR 2149’ é uma anã marrom, ou uma estrela fracassada, que não conseguiu iniciar o processo de fusão de hidrogênio em seu núcleo. Por possuir grande massa e volume, alguns cientistas, não a classificam como estrela, mas como um planeta gigante gasoso. Desta forma, ele seria um planeta errante, pois não orbita nenhuma estrela. Somente outros três corpos foram categorizados com este comportamento.
 
A POEIRA DESAPARECIDA - ‘TYC 8241 2652’ tem praticamente o mesmo tamanho do Sol e está localizada a 450 anos-luz da constelação de Centauro. Entre 1983 e 2008, cientistas estudaram o anel de poeira que circundava a estrela para compreender mais a respeito da formação de um sistema solar. Mas, em 2009, houve uma surpresa: o anel de poeira desapareceu! Não havia mais nenhum sinal da poeira! Nenhum cientista sabe explicar o fenômeno.

A ESTRANHA - ‘V838 Monocerotis’ é uma hipergigante vermelha, localizada na constelação de Monoceros, é uma das mais brilhantes da Via Láctea. No entanto, em 2002, o brilho da estrela desapareceu repentinamente. Os cientistas então a classificaram como uma simples ‘nova’ - uma designação par o núcleo restante de uma estrela morta, chamada de anã branca. Mas, um mês depois, a estrela voltou a brilhar! Na verdade, V838 não era uma anã branca. Ela só havia entrado em erupção por si mesma. Inclusive, outras erupções ocorreram nos próximos meses. Após este processo, o telescópio Hubble capturou esta imagem que mostra uma nuvem de gás e detritos em volta da estrela.
 
A MISTERIOSA POEIRA DE ESTRELAS - ‘PSR B1257 +12’ é o que restou da explosão de uma supernova. O interessante é que cientistas encontraram planetas orbitando a poeira. Como a explosão da supernova não mandou os planetas para longe (ou os destruiu) e como os gases e a poeira de ‘PSR B1257 +12’ conseguiram retornar a um ponto inicial, ninguém sabe explicar.
 
A ESTRELA QUE NÃO DEVERIA EXISTIR - A ‘SDSS J102915 +172927’ foi descoberta em 2011. Localizada na constelação de Leão, é uma estrela pequena (com aproximadamente 80% do tamanho do Sol) e muito antiga - tem 13 bilhões de anos - quase a idade do Universo! Mas por que ela não deveria existir? Porque sua composição é raríssima: 99,9993% de Hélio e Hidrogênio. Estes dois elementos são muito leves se condensarem e formarem uma estrela. Cientistas já fizeram testes em computadores, mas não chegaram nem perto de uma conclusão sobre o mistério.
Fonte: www.listverse.com  

Pesquisa com ondas de rádio pode dizer quando a luz começou no universo

O universo primitivo passou por sua própria idade das trevas antes das primeiras estrelas serem formadas e emitirem a primeira luz. Agora, os astrônomos estão tentando desvendar esta primeira época para descobrir quando e de que forma isso aconteceu. O período em que as primeiras estrelas do universo se formaram e começaram a brilhar é chamada de época da reionização. Os astrônomos acreditam que isso ocorreu em torno de algumas centenas de milhões de anos após o Big Bang ter posto o universo em movimento 13,7 bilhões de anos atrás. Porém, os pesquisadores gostariam de reconsiderar essa estimativa. Antes dessa época, o universo era feito principalmente de gás hidrogênio, aproximadamente uniforme. Realmente não havia nenhuma luz sendo gerada. Então, ondulações leves desse hidrogênio fizeram com que áreas densas se juntassem a gravidade, eventualmente acumulando massa suficiente para se colapsar em estrelas e começar a fusão nuclear.

A radiação emitida por estas estrelas interagiu com o gás de hidrogênio residual em torno delas, excitando os átomos de hidrogênio e expulsando seus elétrons, criando íons de hidrogênio carregados positivamente. Daí o nome “época de reionização”.  Ainda assim, os detalhes de como e quando isso aconteceu são desconhecidos. Ninguém sabe quando as primeiras estrelas foram formadas. Até agora, tem sido difícil aprender sobre o universo jovem porque qualquer evidência é extremamente distante e fraca. Mas um novo estudo sobre ondas de rádio antigas trouxe esperanças para os pesquisadores. Para investigar a história do universo, os cientistas construíram uma antena de rádio. Já que a identificação da luz através das primeiras estrelas e galáxias é tão difícil, os astrônomos tentaram um caminho diferente. Eles programaram o dispositivo para procurar gás de hidrogênio entre as galáxias, o que teria emitido um sinal de rádio característico.

Então, eles procuraram evidências de como este sinal poderia ter mudado ao longo do tempo, devido ao surgimento de galáxias e estrelas que tinham o gás ionizado. Eventualmente, quando todo o gás fosse ionizado, o sinal de hidrogênio neutro se apagaria. Segundo os pesquisadores, a experiência foi projetada para descobrir se a formação das estrelas foi rápida ou não. Como eles não detectaram qualquer alteração, isso significa que demorou mais do que cerca de 3 a 12 milhões anos para as galáxias e estrelas se formarem, e a reionização ocorrer. Essa medida está em consonância com a maioria dos modelos do início do universo. Porém, continuam existindo muitas teorias, de forma que a pesquisa não ajudou a eliminar suposições. Os avanços reais devem vir em breve, quando os cientistas forem capazes de refinar a concepção dos instrumentos e procurar uma ampla gama de frequências de rádio. O trabalho é muito recente, e os pesquisadores ainda tem que testar as principais teorias.
Fonte: LiveScience 

Nasa divulga imagem de primeira rocha pulverizada por robô Curiosity

Amostra extraída vai ser analisada por robô, afirma Nasa. Curiosity usou broca para perfurar pedras em solo marciano.
A agência espacial americana (Nasa) divulgou nesta quarta-feira (20) uma imagem da primeira amostra de rocha pulverizada pelo robô Curiosity em Marte. O pó vai ser analisado pelo robô, que usou sua broca para perfurar pedras do planeta vermelho no início deste mês. Segundo a Nasa, foi a primeira vez que um robô escavou rochas marcianas. (Foto: Nasa/Reuters)
Fonte: G1

Como seria voar de avião em outros planetas?

Já pensou pegar um avião pequeno, como um Tucano, e voar pelas paisagens de Marte, ou então se perder nas nuvens gigantescas de Júpiter? Será que é possível? Uma aeronave é um aparelho feito para voar na Terra, e temos sorte que a nossa atmosfera e atração gravitacional sejam tais que é possível projetar máquinas voadoras. Mesmo porque, em outros planetas e corpos celestes, provavelmente não poderíamos. Para voar é preciso uma atmosfera – o que já exclui nossa lua e Mercúrio, além de outras luas e corpos menores. Tentar voar em algum deles resultaria em uma queda livre. Para saber se é possível voar em outros planetas, Randall Munroe, ex-roboticista da Nasa e desenhista de quadrinhos da web, pegou o simulador de voo X-Plane e alterou os parâmetros para imitar cada um dos planetas com atmosfera. O X-Plane é “o mais avançado simulador de voo no mundo”, segundo Munroe. É o resultado de 20 anos de trabalho obsessivo de entusiastas da aeronáutica, e é capaz de simular o fluxo de ar em cada parte do corpo de uma aeronave conforme ela voa. O avião usado na simulação foi um Cessna 172 Skyhawk, provavelmente o avião mais comum no mundo, só que os tanques estão cheios de baterias de íon de lítio e o motor é elétrico, o que dá uma autonomia de 5 a 10 minutos. Em todas as simulações, o aeroplano é liberado a 1 km de altitude e tenta continuar voando dali. Nove dos 32 maiores corpos têm atmosfera, e é nestes corpos que Munroe fez o teste.
 
Voando solo
Basicamente, no sol, o aeroplano é vaporizado em menos de um segundo. Em Marte, ele não consegue desenvolver velocidade suficiente para sair do mergulho, e atinge o solo a mais de 60 m/s. Se for liberado a quatro ou cinco quilômetros de altitude, ele consegue ganhar velocidade para planar à metade da velocidade do som. Não foi possível simular Vênus, pois sua pressão e temperaturas são muito altas, mas os cálculos e a física apontam que o avião voaria bem, exceto pelo fato de que estaria pegando fogo o tempo todo, e logo deixaria de ser um avião, caindo. Se for, entretanto, liberado acima das nuvens, a 55 km de altitude, as condições são melhores: temperatura normal e pressão similar à das montanhas terrestres. Só vai precisar de uma proteção contra o ácido sulfúrico, bem como suportar ventos similares a um furacão categoria 5. Em Júpiter não tem voo, a gravidade é muito forte. O avião poderia começar a uma altitude com pressão similar à atmosférica, e ir acelerando em um voo planado para baixo, até ser esmagado pela pressão. Em Saturno, a gravidade é um pouco mais fraca na região em que a pressão corresponde a uma atmosfera. Daria para voar mais longe, até o frio ou os ventos fortes obrigarem a nave a descer e ter o mesmo destino que em Júpiter. Urano é um globo estranho, com ventos fortíssimos e muito frio. É o mais amigável dos gigantes gasosos e provavelmente o Cessna voaria um pouco mais. Mas em um planeta onde todos os lugares são iguais, para que voar mais longe? Netuno pode ser uma escolha um pouco melhor que Urano. Tem algumas nuvens para você olhar antes de congelar ou ser partido ao meio pela turbulência. Titã é o último corpo com atmosfera que Munroe testou. Segundo ele, pode ser melhor para voar do que a Terra, já que a atmosfera é mais densa, mas a gravidade é menor. Daria para voar com um Cessna movido a pedal. Aliás, não seria necessário um Cessna: daria para voar com não mais que um par de asas artificiais – não seria mais cansativo que pedalar. O problema é a temperatura de 72 Kelvin (-201,15 graus Celsius), basicamente a temperatura do nitrogênio líquido. Você pode ler todo o post de Munroe em What if? (“E se?”, um tipo de blog em que Randall responde à perguntas hipotéticas usando física, toda terça-feira).
Fonte:Hypescience.com
[Gizmodo, What if?]

Cientistas dizem saber exatamente quando e como o universo vai acabar


Nosso universo é tão grande e antigo que é até difícil pensar que um dia ele não existirá. Mais difícil ainda é pensar que ele poderá ter um fim chato e rápido. De acordo com pesquisadores do Fermi National Accelerator Laboratory (Laboratório Nacional Fermi de Aceleradores), nos Estados Unidos, se o que descobrimos sobre a partícula subatômica bóson de Higgs for verdade, o universo poderá acabar quando um outro universo o “engolir” na velocidade da luz. A massa da “partícula de Deus” sugere que o universo irá acabar quando uma “bolha de vácuo” de rápida propagação engolir nosso universo. A boa notícia é que isso provavelmente vai acontecer uns dez bilhões de anos depois da destruição do nosso próprio planeta. “Se você usar toda a física que conhecemos agora e fazer um cálculo simples, temos más notícias. Pode ser que o universo em que vivemos seja inerentemente instável, e em alguns bilhões de anos tudo será destruído. Isso tem a ver com o campo energético de Higgs”, disse o físico Joseph Lykken.
 
De acordo com os pesquisadores, o padrão e funcionamento do nosso universo – incluindo o valor da massa de Higgs e a massa de uma outra partícula subatômica chamada de quark top – sugere que estamos no limite da estabilidade, em um estado “mega-estável”. Físicos pensam nessa possibilidade há mais de 30 anos. Em 1982, os físicos Michael Turner e Frank Wilczek escreveram um artigo para a revista Nature, em que diziam que “sem aviso, uma bolha de vácuo poderia formar núcleos em algum lugar do universo e fazer com que tudo a sua volta fosse para dentro dela, na velocidade da luz”. Infelizmente, não saberemos muito mais sobre Higgs por um tempo. O Grande Colisor de Hádrons – o Large Hadron Collider, conhecido como LHC – em que a partícula foi descoberta, entrou em hiato por dois anos. Os cientistas farão ajustes na máquina, que atingirá seu pico de energia em 2015.
Fonte: Hypescience.com

Explosão rara pode ter criado o buraco negro mais jovem da galáxia

Novas análises do remanescente de uma supernova, chamado de W49B, mostram que o mais jovem buraco negro formado na Via Láctea pode estar escondido por lá. Pesquisadores acreditam que o remanescente surgiu de uma explosão rara. As explosões de supernova que destroem estrelas massivas geralmente são simétricas, com o material estelar sendo expelido de maneira mais ou menos igual em todas as direções. Contudo, no caso de W49B, a matéria da estrela foi ejetada a velocidades mais elevadas ao longo dos pólos do que do equador, o que originou sua forma alongada e elíptica.
 
Na maioria das vezes, estrelas massivas que explodem em supernovas originam um denso núcleo em rotação chamado de estrela de nêutrons. Essas estrelas podem ser detectadas a partir de raio-X ou pulsos de rádio. Uma nova análise dos dados do Observatório de Raios-X Chandra, da Nasa, não revelou evidências de uma estrela de nêutrons. Isso implica a existência de outro material que pode ter se formado na explosão, como um buraco negro. A imagem de W49B acima combina dados de raios-X obtidos pelo Observatório de Raios-X Chandra (em azul e verde), dados de ondas de rádio do Very Large Array do NSF (em rosa) e dados infravermelhos do Observatório Palomar do Caltech (em amarelo).
 
O resquício de supernova tem aproximadamente mil anos de idade visto da Terra (ou seja, não incluindo o tempo de viagem da luz). É praticamente um “bebê”, num universo que se pensa ter 14 bilhões de anos. W48B se encontra relativamente próximo de nosso planeta, a uma distância de cerca de 26 mil anos-luz.  Outro resquício de super nova conhecido em nossa galáxia é o SS433. Acredita-se que o resquício contém um buraco negro, mas muito mais velho que o W49B, com idade entre 17 mil e 21 mil anos. Tanto a ausência de um núcleo estelar em rotação, como o material em torno do corpo celeste, podem indicar a presença de buracos negros.
Fonte: http://hypescience.com  
 [Nasa/Forbes]
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...