19 de mar de 2013

Rover Curiosity vê tendênca em presença de água

Nesta imagem da rocha "Knorr", as cores mapeiam a quantidade de hidratação mineral indicada por um coeficiente de intensidades de reflectância próximo de infravermelho medidas pelo Mastcam do Curiosity.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/MSSS/ASU

O rover Curiosity observou evidências de minerais contendo água em rochas perto de onde já tinha encontrado minerais argilosos dentro de uma rocha perfurada. Na semana passada, a equipa científica do rover anunciou que a análise da amostra recolhida de uma perfuração rochosa em Marte indicava condições ambientais passadas favoráveis para a vida microbiana. Os resultados apresentados ontem (18 de Março) numa conferência de imprensa sugerem que estas condições se estendem para lá do local de perfuração. Usando a capacidade do rover para obter imagens infravermelhas e um instrumento que dispara neutrões para o chão em busca de hidrogénio, os investigadores encontraram mais hidratação nos minerais perto da rocha argilosa do que em locais que o Curiosity já tinha visitado. O instrumento Mastcam (a câmara no mastro do rover) também pode servir como uma ferramenta de detecção mineral e de hidratação, informa Jim Bell da Universidade Estatal do Arizona em Tempe, EUA. "Algumas rochas portadoras de ferro e minerais podem ser detectadas e mapeadas usando os filtros próximo do infravermelho do Mastcam."
 
Os coeficientes de brilho em diferentes comprimentos de onda próximo do infravermelho podem indicar a presença de alguns minerais hidratados. A técnica foi utilizada para verificar rochas na área de "Yellowknife Bay" onde o Curiosity perfurou no mês passado, recolhendo a primeira amostra do interior de uma rocha em Marte. Algumas rochas em Yellowknife Bay são atravessadas por veias brilhantes. "Com o Mastcam, vemos sinais elevados de hidratação nas veias estreitas que cortam muitas das rochas nesta área," afirma Melissa Rica do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena. "Estas veias brilhantes contêm minerais hidratados, que são diferentes dos minerais de argila na matriz de rocha circundante."
 
O instrumento russo DAN (Dynamic Albedo of Neutrons) a bordo do Curiosity detecta hidrogénio por baixo do rover. Na muito seca área de estudo do rover em Marte, o hidrogénio detectado é constituído principalmente por moléculas de água ligadas aos minerais. "Nós definitivamente vemos uma variação de sinal ao longo do travessão do percurso entre o local de aterragem e Yellowknife Bay," afirma Maxim Litvak, vice-investigador principal do DAN, do Instituto de Pesquisas Espaciais em Moscovo. "Foi detectada mais água em Yellowknife Bay do que em locais anteriores do percurso. Mesmo dentro de Yellowknife Bay, vemos uma variação significativa."
 
As constatações apresentadas ontem do instrumento canadiano APXS (Alpha Particle X-ray Spectrometer), no braço robótico do Curiosity, indicam que os processos ambientais molhados, que produziram as argilas em Yellowknife Bay, fizeram-no sem muitas mudanças na mistura global de elementos químicos presentes. A composição do afloramento perfurado coincide com a composição do basalto. Por exemplo, tem proporções basálticas de silício, alumínio, magnésio e ferro. O basalto é o tipo de rocha mais comum em Marte. É ígneo, mas também se pensa que seja o material de origem para as rochas sedimentares que o Curiosity já examinou.
 
"A composição elementar das rochas em Yellowknife Bay não foi muito alterada pela modificação de minerais," afirma Mariek Shmidt, membro da equipa científica do Curiosity na Universidade Brock, em Saint Catharines, Ontário, Canadá. Um revestimento de poeira nas rochas não tinha feito a composição detectada pelo APXS coincidir com o basalto até que o Curiosity raspou a camada de pó. Após isso, o APXS viu menos enxofre. "Ao remover a poeira, tivemos uma melhor leitura que empurra a classificação para a composição basáltica," afirma Schmidt. As rochas sedimentares em Yellowknife Bay foram provavelmente formadas quando as rochas basálticas originais foram fragmentadas, transportadas e re-depositadas como partículas sedimentares, e mineralogicamente alteradas por exposição à água.
Fonte: Astronomia online

O Mapa de Gravidade da Lua Gerado Pela Missão GRAIL

Crédito da imagem e direitos autorais: NASA, JPL-Caltech, MIT, GSFC

Como a Lua se formou? Para ajudar a descobrir isso, a NASA lançou os satélites gêmeos Gravity Recovery and Interior Laboratory (GRAIL) em 2011, para orbitar e mapear a gravidade da superfície da Lua com detalhes nunca antes vistos. A imagem acima é um mapa de gravidade resultante do projeto da GRAIL, com regiões apresentando gravidade levemente menor em azul e regiões com gravidade levemente maior em vermelho. As análises dos dados da GRAIL indicam que a Lua tem uma crosta inesperadamente rasa com 40 km de profundidade, e uma composição geral similar à Terra. Embora outras estruturas surpreendentes tenham sido descobertas e os dados da GRAIL continuaráo sendo investigados, os resultados até agora obtidos de maneira geral reforçam a hipótese de que a Lua se formou na sua maioria de material proveniente da Terra numa tremenda colisão ocorrida nos primeiros anos do Sistema Solar, aproximadamente a 4.5 bilhões de anos atrás. Após completar sua missão e esgotar seu combustível, os dois satélites da missão GRAIL, Ebb e Flow, se chocaram com uma cratera da Lua a uma velocidade aproximada de 6000 km/h.
Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap130319.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...