Postagens

Mostrando postagens de Maio 20, 2013

Os bizarros mundos que orbitam pulsares

Imagem
Imagine um planeta em órbita de uma estrela morta. O mundo seria banhado por um coquetel letal de raios-X e partículas carregadas, emitidas por uma estrela tão fraca em luz visível que dificilmente lançaria uma sombra sobre a superfície deste mundo. Isso tudo pode soar como ficção científica, mas mundos bizarros como este realmente existem. Nós estamos constantemente descobrindo mais e mais exoplanetas em torno de estrelas distantes e, mais do que isso, encontrando planetas cada vez mais parecidos com a Terra. Dito isto, é fácil esquecer que os primeiros exoplanetas descobertos não eram realmente muito parecidos com o nosso. Na verdade, o primeiro exoplaneta a ser descoberto foi em órbita em torno de um pulsar – uma estrela morta há muito tempo. Os pulsares são os restos minúsculos de estrelas massivas, extremamente densos – um tipo de estrela de nêutrons que gira rapidamente. Os pulsares são bolas de nêutrons compactadas de modo bizarro, e se formaram quando algumas das …

Busca pelas ondas gravitacionais esquenta

Imagem
Nos próximos cinco anos, os cientistas devem descobrir a prova de que o espaço e o tempo podem “enrugar” na forma de ondas gravitacionais. Impressãodo artistade ondas gravitacionaisdedois buracos negrosem órbita.
CRÉDITO:K.Thorne(Caltech)eT.Carnahan(NASAGSFC)

Essas ondas foram previstas há quase 100 anos por Albert Einstein,em sua teoria geral da relatividade, mas nunca foram encontradas. Isso pode mudar em breve, quando as últimas experiências mais sensíveis à caça ondas gravitacionais vierem à tona, segundo M. Mansi Kasliwal, astrônoma do Observatório da Instituição Carnegie, EUA. De acordo com a relatividade geral, objetos maciços curvam o espaço e o tempo ao seu redor, como uma bola de boliche sobre uma cama elástica, fazendo com que objetos de passagem, e até mesmo a luz, viajem por caminhos curvos, criando a gravidade, a força que mantém os planetas em órbita do Sol. Quando dois objetos extremamente densos, como estrelas de nêutrons (estrelas tão densas que os prótons e el…

SDSSJ1506 +54: A galáxia mais “ecológica” do universo

Imagem
Cientistas descobriram o que pode ser a galáxia mais ecológica já vista – uma fábrica de estrelas que opera em uma taxa de eficiência de quase 100%. A NASA anunciou a descoberta da galáxia denominada SDSSJ1506 54, ela está localizada a 6 bilhões de anos-luz de distância da Terra, e produz estrelas à uma taxa centenas de vezes maior do que a Via Láctea. A maioria das galáxias usa apenas uma pequena fração do seu combustível disponível para produzir estrelas, mas em SDSSJ1506 +54, ele é rapidamente consumido para tal fim. E enquanto as estrelas tendem a se formar nos braços espirais, neste caso, o gás é coletado no centro da galáxia, onde um tumulto furioso de formação de estrelas está ocorrendo. Berçários estelares Novas estrelas surgem quando o gás em uma nebulosa, por exemplo, colapsa sob a força da gravidade, apertando os átomos a ponto de desencadear uma fusão nuclear. Mas quando uma estrela se forma, sua poderosa radiação sopra o gás para fora, tornando difícil para o gás a…

LHC recria raro estado de matéria que existiu após o Big Bang

Imagem
Créditos da Imagem: iStockPhoto O Grande Colisor de Hádrons (LHC) recriou as menores gotículas de um estado primordial de matéria que existia momentos após o Big Bang, há cerca de 13,8 bilhões de anos. Esse surpreendente resultado foi alcançado através do disparo de prótons em íons de chumbo. Usando dados do LHC (atualmente inoperante para atualização), físicos da Universidade de Vanderbilt, em Nashville (EUA), analisaram resultados da colisão de prótons com íons de chumbo dentro dos detectores do acelerador de partículas, em um esforço para acessar estados ainda mais exóticos de matéria. Até então, o LHC só havia realizado colisões de prótons com prótons e chumbo com chumbo. Íons de chumbo são 208 vezes mais massivos do que prótons individuais, então eles carregam mais energia. Portanto, colisões de chumbo com chumbo são, claro, muito energéticas. O LHC vem realizado esse tipo de colisão desde 2010, revelando uma visão fascinante sobre as condições do universo instantes ap…

Padrões de Duna de Titã

Imagem
Imagem: NASA / JPL-Caltech, eNASA /GSFC/METI/ERSDAC/JAROSeEUA/ JapanASTER Dados obtidos pela sonda Cassini da NASA mostram que o tamanho e os padrões das dunas na lua Titã de Saturno varia em função da altitude e da latitude. As dunas em áreas que são mais elevadas ou mais altas em latitude como a região Fensal mostrada na parte inferior esquerda da imagem acima, tende a ser mais fina e mais vastamente separada, com vazios que têm uma cobertura de areia mais fina. Dunas na região Belet, mostrada no quadro superior esquerdo da imagem acima, estão mais baixas em latitude e altitude. As dunas em Belet são mais largas, com uma cobertura mais espessa de areia entre elas. As dunas do Kalahari na África do Sul e na Namíbia, localizadas numa região com disponibilidade limitada de sedimentos, e mostrada no quadro inferior direito da imagem acima, mostra efeitos similares às dunas de Fensal. As dunas Belet em Titã, lembram as dunas de Oman, do Yemen e da Arábia Saudita, na Terra, onde existe uma…

"Cometa pode matar toda a vida": há 103 anos, Halley apavorou a Terra

Imagem
O cometa causou pânico em sua passagem em 1910 Foto: Nasa / Divulgação O cometa Halley é um velho conhecido da humanidade - há milênios vemos ele passar periodicamente pelos céus do nosso planeta. Em 1910, mais uma passagem estava prevista e os jornais anunciavam que a pedra de gelo e gás poderia resultar em um espetáculo nos céus do planeta. Mas, então, cientistas calcularam que poderíamos passar pela cauda do cometa. E o pânico começou quando descobriram que a cauda do Halley tinha um gás mortífero: o cianogênio. E a passagem da Terra pelo gás venenoso ocorreria no dia 18 de maio daquele ano. "Cometa pode matar toda a vida na Terra, diz cientista". Foi assim que o jornal San Francisco Call anunciou a opinião do astrônomo francês Camille Flammarion, em fevereiro de 1910. Nem mesmo o grande The New York Times escapou. O jornal escreveu em uma de suas edições que o professor "é da opinião de que o gás cianogênio poderia impregnar a atmosfera e possivelmente extinguir toda…

Duas visões de Iapetus

Imagem
Essas duas imagens globais de Iapetus mostram a extrema dicotomia de brilho da superfície dessa peculiar lua de Saturno. A imagem da esquerda mostra o hemisfério principal da lua e a imagem da direita mostra o hemisfério oposto do satélite. Enquanto que as latitudes baixas e intermediárias do hemisfério principal exibem uma superfície quase tão escura quanto carvão, largos tratos do lado oposto do satélite são quase tão brilhantes quanto a neve. O terreno escuro cobre 40% da superfície e é chamado de Cassini Regio. Os nomes do terreno brilhante são Roncevaux Terra (norte) e Saragossa Terra (sul). Em ambos os hemisférios, a paisagem dominante é de crateras de impactos. A maior bacia conhecida e bem preservada em Iapetus, chama-se Turgis, e tem um diâmetro de 580 km. Ela localiza-se em 17 graus de latitude norte, 28 graus de longitude oeste na borda leste da escura Cassini Regio e é visível no lado direito da imagem da esquerda. A proeminente bacia no lado oposto ao hemisfério principal …

Raridade: cometas tornam 2013 ano especial para a Astronomia

Imagem
Passagem de dois corpos brilhantes, C/2011 L4 PanSTARRS e C/2012 S1 ISON, visíveis a olho nu, fazem deste o Ano dos Cometas O ano de 2013 é raro para a astronomia. Para muitos, pode ser considerado o Ano dos Cometas. O título se deve à passagem de dois cometas brilhantes, C/2011 L4 PanSTARRS e o C/2012 S1 ISON, visíveis a olho nu. A confluência no mesmo ano de dois cometas perceptíveis sem equipamentos de observação aconteceu pela última vez em 2007. Esses eventos propiciam verdadeiro espetáculo. Grande parte da beleza reside na constituição dos cometas, compostos basicamente por gelo, além de poeira, formada por pequenos fragmentos rochosos e gases congelados. A cauda de um cometa pode chegar a mais de 150 milhões de quilômetros (distância média entre a Terra e o Sol). Conforme Marcelo de Oliveira Souza, Doutor em Física, professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense e Coordenador do Clube de Astronomia Louis Cruls (CEFET - Campos dos Goytacazes/RJ), devido a perturbações grav…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...