22 de jul de 2013

Uma nebulosa planetária eclodindo

A imagem a seguir do telescópio espacial Hubble mostra a nebulosa planetária IC 289, localizada na constelação do norte, de Cassiopeia. Antigamente, era uma estrela como o Sol, e agora é apenas um gás ionizado sendo empurrado para o espaço pela parte remanescente do núcleo da estrela, visível com um pequeno ponto brilhante no meio da nuvem. Lembando que, as nebulosas planetárias não têm relação com planetas. Os antigos observadores, quando olhavam através dos pequenos telescópios, só podiam ver uma forma indefinida que parecia muito com os planetas gasosos, e consequentemente surgiu esse nome.
 
O termo permaneceu mesmo depois que os modernos telescópios e até mesmo o Hubble já fizeram imagens claras desses objetos que mostram que eles nada têm a ver com planetas, mas são as camadas externas de estrelas mortas que estão sendo expelidas para o espaço. As estrelas brilham como o resultado das reações de fusão nuclear que acontecem em seus núcleos, e que convertem hidrogênio em hélio. Todas as estrelas são estáveis, com um equilíbrio existente entre a força que a empurra para dentro causada pela sua gravidade com as pressões para fora devido à fusão nuclear que ocorre em seu núcleo.
 
Quando todo o hidrogênio é consumido, o equilíbrio é rompido, as forças gravitacionais tornam-se mais poderosas do que a pressão para fora dos processos de fusão e o núcleo começa a colapsar, aquecendo-se. Quando o calor atinge um nível suficiente, o hélio no núcleo começa a se fundir em carbono e em oxigênio e o colapso cessa. Contudo, essa fase de queima do hélio é altamente instável e grandes pulsações ocorrem eventualmente tornando-se grandes o suficiente para soprar a atmosfera da estrela para o exterior.
Fonte: http://www.esa.int/

A Terra e a Lua Desde Saturno


Você está aqui. Todo mundo que você já conheceu está aqui. Cada humano que já viveu na Terra, está aqui, nesse ponto. A foto acima mostra o sistema da Terra e da Lua como foi capturado pela missão Cassini na órbita de Saturno na parte externa do Sistema Solar. A Terra é o ponto mais brilhante dos dois mostrados acima, perto do centro, enquanto que a Lua pode ser observada na parte inferior esquerda da Terra. A imagem acima não foi processada ainda e apresenta alguns riscos, esses riscos não são estrelas, mas sim raios cósmicos que atingiram a câmera enquanto ela fazia a imagem. A imagem foi obtida pela sonda Cassini na última sexta-feira e foi lançada no sábado. Aproximadamente no mesmo momento em que a Cassini fazia essa imagem, muito humanos na Terra estavam registrando Saturno e mandando uma saudação para a sonda e para os confins do Sistema Solar.
Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap130722.html

Um estranho no meio da multidão

A constelação de Virgo (Virgem), é a maior constelação do Zodíaco e a segunda maior de todo o céu, só perdendo para a constelação de Hydra (A Serpente da Água). A feição que mais chama a atenção, contudo, é o grande número de galáxias que se localizam dentro de suas fronteiras. Na imagem acima, entre várias galáxias elípticas e espirais que aparecem de frente e de lado para nós, está a NGC 4866, uma galáxia lenticular situada a aproximadamente 80 milhões de anos-luz da Terra. As galáxias lenticulares estão entre as galáxias espirais e elípticas, em termos de forma e propriedades.
 
Na imagem acima, nós podemos apreciar o bulbo brilhante central da NGC 4866, que contém primariamente estrelas velhas, mas nenhum braço espiral é visível. A galáxia é vista da Terra quase que totalmente de lado, significando que a sua estrutura de disco – uma feição que não está presenta nas galáxias elípticas – é claramente visível. Linhas de poeira apagadas cruzam a NGC 4866 nessa imagem obscurecendo parte da luz da galáxia. À direita da galáxia está uma estrela bem brilhante que parece estar localizada dentro do halo da NGC 4866.
 
Contudo, essa estrela na verdade localiza-se bem mais perto de nós, em frente da galáxia, ao longo da nossa linha de visão. Esse tipo de perspectiva é comum nesse tipo de observação e pode inicialmente enganar os astrônomos sobre a real natureza e posição de objetos como galáxias, estrelas e aglomerados. Essa imagem nítida da NGC 4866 foi capturada pela Advanced Camera for Surveys, um instrumento do Telescópio Espacial Hubble. Uma versão desse objeto foi inserida na competição de processamento de imagens conhecida como Hubble’s Hidden Treasure pelo competidor Gilles Chapdelaine.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...