Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

A cauda azul de uma galáxia espiral

Imagem
A galáxia espiral ESO 137-001 vaga através aglomerado maciço de galáxias Abell 3627 a cerca de 220 milhões de anos -luz de distância . A galáxia distante é vista nesta imagem colorida composta com dados obtidos pelo Hubble e pelo Chandra entre as estrelas de primeiro plano da Via Láctea na direção da constelação no meio de um primeiro plano de estrelas da Via Láctea na direção da constelação de Triangulum Australa. À medida que a espiral acelera a quase 7 milhões de quilômetros por hora , o seu gás e a sua poeira são  arrancados quando encontram a pressão de calor do próprio aglomerado, o tênue meio do aglomerado vence a gravidade da galáxia. Evidente nos dados perto da luz visível, do Huubble, pode-se ver brilhantes aglomerados estelares se formando no material que é arrancado, criando os rastros azuis. Os dados de Raios-X do Chandra mostram enormes extensões de gás arrancado aquecido, como difusas trilhas azuis que se estendem por cerca de 400 mil anos-luz, em direção ao canto infer…

Eis a solução para o paradoxo do buraco negro de Hawking

Imagem
No início deste ano, Stephen Hawking propôs uma reformulação radical na forma como definimos os buracos negros, mas essa explicação ainda deixou uma grande pergunta sem resposta de como os buracos negros funcionam. Agora, um físico diz ter resolvido esse problema. O problema gira em torno do que acontece à informação quando ela é encontrada por um buraco negro. Um buraco negro se mantém cercado por um brilho de radiação chamado radiação Hawking, que lentamente evapora o monstro cósmico, embora isso demande uma incrível quantidade de tempo. as, conforme a radiação evapora, as informações que contém nela, teoricamente, são destruídas, o que viola um dos princípios fundamentais da física, que diz que a informação nunca pode ser perdida. 
É aí que Chris Adami, da Universidade de Michigan, entra em cena com sua solução. A resposta para o que acontece com a informação, explicou ele em um comunicado, encontra-se no conceito de emissão estimulada – basicamente a informação é copiada, assim co…

A busca por sementes de buracos negros supermassivos

Imagem
A galáxiaNGC4395é mostrado aquiemluz infravermelha,capturadapelo Telescópio EspacialSpitzer daNASA.Crédito da imagem:NASA /JPL-Caltech
Comocresce um buraco negrosupermassivo que um milhão, ou até mesmo, um bilhão de vezes mais massivo que o Sol? Os astrônomos não sabem a resposta, mas um novo estudo usando dados do Wide-field Infrared Survey Explorer, ou WISE da NASA, tem apontado para o que pode ser a semente cósmica de um buraco negro que irá aflorar. Os resultados estão ajudando os cientistas a juntarem as peças da evolução de buracos negros supermassivos – poderosos objetos que dominam o coração de todas as galáxias. Fazer crescer um buraco negro não é algo fácil como uma planta, que tem sua semente plantada no solo, e regando ela germina. Os objetos massivos são densas coleções de matéria que são literalmente, buracos sem fundo, de onde nada consegue escapar.
Eles aparecem numa grande variedade de tamanhos. Os menores, são poucas vezes mais massivos que o Sol, e se formam a partir …

Novo planeta-anão dá pista de planeta gigante distante

Imagem
Os novos dados mostram que ainda estamos muito longe de conhecer integralmente o nosso Sistema Solar. [Imagem: Scott Sheppard/Chad Trujillo]
Fronteiras do Sistema Solar A fronteira do Sistema Solar mudou de novo. Astrônomos acabam de identificar mais um planeta-anão, temporariamente batizado de 2012 VP113. Mas esta não é a parte mais interessante da descoberta. O pequeno 2012 VP113 parece indicar a existência de um nono planeta no Sistema Solar, um gigante com eventualmente 10 vezes a massa da Terra e ainda mais distante. Se é o Planeta X que a NASA anda procurando é algo que terá que esperar até que ele seja observado diretamente. Por enquanto, os astrônomos estão deduzindo sua existência por sua influência sobre a órbita do novo planeta-anão agora observado.
Até onde se conhece O Sistema Solar conhecido pode ser dividido em três partes: os planetas rochosos como a Terra, que estão perto do Sol, os planetas gigantes gasosos, que estão mais distantes, e objetos congelados do cinturão de…

Primeiro sistema de anéis descoberto em torno de um asteróide

Imagem
Observações obtidas em diversos locais da América do Sul, incluindo o Observatório de La Silla do ESO, levaram à descoberta surpreendente de que o asteroide distante Chariklo se encontra rodeado por dois anéis densos e estreitos. Este é o menor objeto já descoberto com anéis, e apenas o quinto corpo no Sistema Solar - depois dos planetas gigantes Júpiter, Saturno, Urano e Netuno - com esta caraterística. A origem dos anéis permanece um mistério, no entanto pensa-se que podem ser o resultado de uma colisão que criou um disco de detritos. Além dos anéis de Saturno, que são um dos mais bonitos espetáculos no céu, outros anéis, menos proeminentes, também foram encontrados em torno dos outros planetas gigantes. Apesar de buscas cuidadosas, nunca se encontraram anéis em volta de outros objetos menores do Sistema Solar.
Todos os objetos que orbitam em torno do Sol e que são muito pequenos, ou seja, que não possuem massa suficiente para que a sua própria gravidade lhes dê uma forma praticamen…

A poeira cósmica que envolve a Nebulosa de Órion

Imagem
O que existe ao redor de um berçário cósmico, onde estrelas estão se formando? No caso da Nebulosa de Orion, poeira. O campo inteiro de Orion, localizado a cerca de 1600 anos-luz de distância da Terra, está inundado com intrigantes e pitorescos filamentos de poeira. Opaca com relação a luz visível, a poeira é criada na atmosfera externa de estrelas massivas frias e expelida por fortes ventos de partículas. O Trapézio e outros aglomerados de formação de estrelas estão mergulhados na nebulosa. Os filamentos de poeira ao redor da M42 e da M43 aparecem em cinza na imagem acima, enquanto que o gás central brilhante é destacado em marrom e azul. Durante os próximos milhões de anos, boa parte da poeira de Orion irá vagarosamente ser destruída pelas muitas estrelas que estão agora em formação, ou dispersada na galáxia. Fonte: http://apod.nasa.gov

A assinatura dos extraterrestres

Imagem
Como detectar vida alienígena separada de nós por vários anos-luz de distância? Não é um problema trivial, mas um grupo de pesquisadores liderados pela biofísica Claudia Lage, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, está trabalhando nisso. O segredo é identificar como a presença de moléculas diretamente atreladas à vida pode ser revelada a partir da análise da luz vinda desses planetas distantes.  Peguemos um exemplo concreto: o planeta Kepler-62e, localizado a cerca de 1.200 anos-luz de nós na constelação de Lira. Ele tem um diâmetro 60% maior que o terrestre e orbita ao redor de uma estrela de tipo K, um pouco menor que o Sol, completando uma volta a cada 122 dias. Sua idade é mais ou menos a mesma que a da Terra, e sua composição possivelmente é similar. Como podemos saber se ele abriga uma biosfera?  O instigante planeta foi descoberto ao passar repetidas vezes à frente de sua estrela ao completar voltas e mais voltas em torno dela, produzindo uma ligeira redução de brilho do a…

Girassol espacial vai procurar exoplanetas habitáveis

Imagem
As pétalas do girassol ajudarão a estudar a atmosfera dos exoplanetas conforme eles saem do "eclipse" artificial gerado pela estrutura. [Imagem: NASA/JPL]
Sombreiro de estrelas
Uma nave espacial parecida com um girassol gigante poderá ser a próxima solução tecnológica para identificar planetas rochosos parecidos com a Terra em torno de estrelas próximas. O primeiro protótipo da estrutura, chamada Starshade (sombra das estrelas) começou a ser testado no Laboratório de Propulsão a Jato, da NASA. O telescópio espacial Kepler descobriu centenas de planetas que orbitam outras estrelas, alguns dos quais são um pouco maiores do que a Terra e se encontram na zona habitável, a região em torno da estrela onde a temperatura é adequada para a existência de água em estado líquido.
Mas para identificar planetas gêmeos da Terra de forma conclusiva, Jeremy Kasdin, da Universidade de Princeton, afirma que o próximo passo será fotografar e caracterizar os espectros desses planetas, ou seja, su…

Intrépida estrela sobrevive à explosão de supernova

Imagem
Quando uma estrela maciça fica sem combustível, colapsa e explode como uma supernova. Embora estas explosões sejam extremamente poderosas, é possível que uma estrela companheira sobreviva à detonação. Uma equipa de astrónomos usando o Observatório de raios-X Chandra da NASA e outros telescópios encontrou evidências de uma destas sobreviventes. Esta estrela resistente encontra-se no campo de destroços de uma explosão estelar - também chamado remanescente de supernova - localizado numa região HII com o nome DEM L241. Uma região HII (pronuncia-se "H-dois") é criada quando a radiação de estrelas jovens e quentes retira os electrões dos átomos de hidrogénio neutro (HI) para formar nuvens de hidrogénio ionizado (HII). Esta região HII está localizada na Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena galáxia companheira da Via Láctea. Uma nova composição de DEM L241 contém dados do Chandra (roxo) que esboça o remanescente de supernova. O remanescente permanece quente e, portanto, brilhante …

Astrobiologia o Estudo da Vida Além da Terra

Imagem
Desde que os primeiros seres humanos desenvolveram consciência, e que o primeiro olhou para o céu e imaginou as estrelas como fogueiras distantes, a humanidade tenta saber se estamos sozinhos no Universo. Os gregos antigos argumentou que o nosso planeta não era o único berço para a vida, mas não tinham a tecnologia para provar suas crenças. No final do século 20, as descobertas quase simultâneas dos possíveis restos de vida bacteriana em um meteorito marciano, e os primeiros planetas que orbitam outras estrelas, trouxe a questão da existência de vida fora da Terra para a vanguarda do esforço científico. No século 21, o novo campo a Astrobiologia aproveita a capacidade tecnológica e científica necessária para enfrentar seriamente essa questão antiga e fundamental.
Astrobiologia é o estudo da vida no universo não apenas a busca por vida fora da terra mais como a vida se comporta lá, a busca por vida fora da Terra requer uma compreensão da vida e da natureza dos ambientes que suportam, b…

Uma visão de perto de um monstruoso Buraco Negro

Imagem
No centro de um redemoinho de gás quente, está provavelmente, uma besta que nunca foi observada diretamente: um buraco negro. Estudos da luz brilhante emitida pelo gás em rotação frequentemente indicam não somente que um buraco negro está presente, mas também indicam alguns de seus atributos. O gás ao redor do GRO J1655-40, por exemplo, tem-se verificado, exibe uma cintilação incomum a uma taxa de 450 vezes por segundo. Dada uma estimativa de massa anterior para o objeto central de sete vezes a massa do nosso Sol, a taxa da cintilação pode ser explicada pelo fato do buraco negro estar em rotação muito veloz. Que mecanismo físico causa na verdade a cintilação – e uma mais lenta oscilação quasi-periódica, ou QPO – nos discos de crescimento ao redor dos buracos negros e das estrelas de nêutrons ainda é um tópico de muita pesquisa. Fonte: http://apod.nasa.gov

Primeiros sinais de ondas em mares de Titã

Imagem
Reflexões sobre osoceanos damaior lua de Saturnosugeremondulaçõesextraterrestreshá muito procurado. Apósanos de pesquisa, cientistas planetários acham que podem finalmente ter visto ondas a ondular nos mares de Titã, a maior lua de Saturno. Se confirmada, esta seria a primeira descoberta de ondas do mar fora da Terra. A sonda Cassini da NASA avistou vários reflexos incomuns de luz solar na superfície de Punga Mare, um dos mares de hidrocarbonetos de Titã, em 2012 e 2013. Essas reflexões podem vir de pequenas ondulações, não superiores a 2 centímetros de altura, que estão a perturbar o oceano, diz Jason Barnes, cientista planetário da Universidade de Idaho, em Moscovo. Barnes apresentou os resultados na Conferência de Ciência Planetária e Lunar, onde uma segunda palestra sugeriu a presença de ondas num outro mar de Titã.
Os pesquisadores esperam que mais ondas aparecem nos próximos anos, uma vez que os ventos irão para o hemisfério norte de Titã - onde a maioria dos seus mares estão loc…

10 coisas malucas que você deve saber sobre o nosso Sistema Solar

Imagem
Na escola, aprendemos sobre as diferenças de gravidade entre os planetas do nosso sistema solar, sobre como o Sol é enorme e como os gigantes gasosos são propensos a algumas tempestades incomuns. Mas ao longo dos últimos anos, a astronomia moderna tem evoluído, revelando que o nosso sistema solar é muito mais peculiar do que imaginávamos. Conheça aqui 10 factos incríveis do Sistema Solar.
10. A louca superfície de Marte
Marte é realmente mal entendido. Na maioria das vezes, na mídia - astrónomos discutem a possibilidade de Marte ter tido no passado oceanos de água líquida ou antigas formas de bactérias. Mais recentemente, foi revelado que as formas mais primordiais de micróbios terrestres provavelmente tiveram origem em Marte antes de serem transferidos para a Terra via impacto de asteróide. Raramente vemos algumas das imagens alucinantes das características da superfície mais bizarras que Marte tem para oferecer, o que é uma pena, já que a maioria dessas imagens poderia revigorar o in…

Herschel completa maior estudo de poeira cósmica no universo local

Imagem
O maior censo de poeira em galáxias locais foi concluído usando dados do observatório espacial Herschel da ESA, facultando um enorme legado à comunidade científica.
Amostra de galáxias incluida no estudo do Herschel, o maior censo de poeira cósmica no Universo local.  Crédito: ESA/Herschel/HRS-SAG2 e HeVICS Key Programmes/L. Cortese (Universidade Swinburne)

Os grãos de poeira cósmica são um ingrediente pequeno mas fundamental na receita de gás e poeira da criação de estrelas e planetas. Mas, apesar da sua importância, o nosso conhecimento das propriedades da poeira em galáxias para lá da Via Láctea é incompleto. Algumas das questões-chave incluem a forma como a poeira varia consoante o tipo de galáxia, e como pode afectar o nosso conhecimento da evolução galáctica. Antes de concluir as suas observações em Abril de 2013, o Herschel forneceu o maior levantamento da poeira cósmica, abrangendo uma ampla gama de galáxias próximas localizadas a 50-80 milhões de anos-luz da Terra. O catálogo c…

O que está para além da borda do universo observável?

Imagem
Cerca de 13,75 bilhões de anos atrás, o nosso universo veio à existência. Muito pouco tempo depois, a luz primordial começou a brilhar através do cosmos e se espalhou por todo o universo primordial. Nesta conjuntura, o próprio universo também estava se expandindo. A inflação do universo diminuiu após a primeira explosão inicial, mas, desde então, a taxa de expansão tem vindo a aumentar, devido à influência da energia escura. Essencialmente, desde a sua criação, o cosmos vem crescendo em um ritmo cada vez maior. Os cosmólogos estimam que os fótons mais antigos que podemos observar viajaram uma distância de 45 bilhões de anos luz desde o Big Bang.
Isso significa que nosso universo observável tem cerca de 90 bilhões de anos luz de largura. Estes 90 bilhões de anos-luz de contém quasares, estrelas, planetas, nebulosas, buracos negros… e tudo o mais que poderíamos observar. Mas o universo observável contém apenas a luz que teve tempo de chegar até nós. Existe um universo muito mais além do…

Grande Mancha Vermelha de Júpiter visto pela Voyager I

Imagem
Com aproximadamente 89000 milhas de diâmetro, Júpiter poderia engolir 1000 Terras. Ele é o maior planeta do Sistema Solar e talvez o mais majestoso. Bandas vibrantes de nuvens carregadas pelos ventos que excedem as 400 mph circulam continuamente a atmosfera do planeta. Esses ventos sustentam anticiclones em rotação como a Grande Mancha Vermelha – um tempestade três vezes e meia maior que a Terra, e localizada no hemisfério de Júpiter. Em Janeiro e Fevereiro de 1979, a sonda Voyager 1 passou por Júpiter, observando o planeta em detalhe, capturou centenas de imagens do planeta, incluindo essa imagem acima que mostra em detalhe os redemoinhos ao redor da Grande Mancha Vermelha. Essa imagem foi montada a partir de três negativos em preto e branco. As observações revelaram muitas feições únicas do planeta que até hoje estão sendo exploradas. Fonte:www.nasa.gov

Pesquisa: Terra foi atingida por impacto duplo de asteroides

Imagem
Análise de crateras gigantes vizinhas na Suécia indicam que elas foram formadas por asteroide e a 'lua' deste Nós todos já vimos filmes em que asteróides se movem rapidamente em direção à Terra, ameaçando sua civilização. Mas o que é menos conhecido é que às vezes essas rochas espaciais ameaçadoras se movimentam em pares. Pesquisadores delinearam algumas das melhores evidências até hoje de um impacto duplo, em que um asteroide e sua lua aparentemente atingiram a Terra um atrás do outro.
Usando minúsculos fósseis de plâncton, eles estabeleceram que crateras vizinhas na Suécia são da mesma idade - 458 milhões de anos de idade. No entanto, outros cientistas alertaram que crateras aparentemente contemporâneas poderiam ter sido formada com semanas, meses ou mesmo anos de intervalo. Detalhes do trabalho foram apresentados na 45ª Conferência de Ciência Lunar e Planetária em Woodlands, no Texas, e os resultados devem ser divulgados na publicação científica Meteoritics and Planetary Scie…

10 fatos estranhos sobre o planeta Vénus

Imagem
Vénus, o segundo planeta a partir do sol, é uma raridade de muitas maneiras diferentes. O planeta rochoso, que é um dos nossos vizinhos mais próximos no sistema solar, tem uma série de peculiares características que o tornam bizarro. Conheça aqui 10 fatos estranhos e bizarros acerca do planeta Vénus, desde os seus vulcões até às suas fases, passando pela pressão e temperaturas extremas.

10. Vulcões de Vénus 
Há mais vulcões em Vénus do que em qualquer outro planeta do sistema solar. Os astrónomos sabem da existência de mais de 1.600 vulcões na sua superfície, mas há provavelmente muitos mais que são pequenos demais para serem vistos. Os cientistas acreditam que a maioria destes são latentes, apesar de um punhado ainda poder estar ativo.
9. Os dias duram anos 
Um dia em Vénus dura 243 dias terrestres (que é o tempo que leva Vénus a fazer uma rotação), enquanto um ano em Vénus (o seu período de rotação em torno do sol) é mais curto, com apenas 224,7 dias terrestres.
8. Gémeo da Terra 
De tod…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...