NASA precisa reformular projeto de missão tripulada a Marte, diz relatório

Documento apresentado pelo Governo dos EUA sugere que a agência espacial revise estratégia atual caso queira enviar astronautas ao Planeta Vermelho
NASA precisa reformular projeto de missão tripulada a Marte, diz relatório
Segundo o Daily Mail, um relatório divulgado pelo Conselho Nacional de Pesquisas dos EUA lançou um alerta para que a NASA revise sua estratégia atual caso queira enviar uma missão tripulada a Marte. O documento — encomendado pelo Congresso dos EUA em 2010 — também recomenda que a agência espacial faça parcerias com outros países, além de sugerir que a proibição de colaboração internacional com a China seja reavaliada. Segundo a NASA, existe um consenso que sua próxima meta deveria ser uma missão humana com destino a Marte. Uma das opções consideradas inclui o projeto já em andamento da agência espacial de capturar um asteroide com a ajuda de um dispositivo robótico, redirecioná-lo de forma que ele fique em órbita ao redor da Lua e, então, enviar astronautas até lá para explorar a rocha espacial.

Opções de viagem
A partir do asteroide, o próximo passo seria seguir viagem até as luas de Marte, depois até uma órbita estável do Planeta Vermelho e, por último, chegar à superfície marciana. No entanto, ainda existem outras duas opções menos desafiadoras tecnologicamente. Uma delas seria usar a Estação Espacial Internacional como ponto de apoio e, de lá seguir até a Lua e, então, diretamente até Marte. A última opção considerada, embora seja a que envolve o maior número de “escalas” até o Planeta Vermelho, é a menos complicada, pois os componentes necessários para completar a viagem seriam construídos ao longo do caminho. Assim, a viagem começaria na Terra com destino à Estação Espacial Internacional e, de lá, até uma órbita estável da Lua. Depois os astronautas seguiriam para um asteroide em sua rota nativa — e não um que tenha sido previamente “rebocado” pela NASA — e, então, até a superfície lunar. Uma vez no satélite, uma base seria instalada ali e, a partir desse ponto, os astronautas seguiriam até as luas de Marte, a órbita marciana e, por último, a superfície do planeta.


Parcerias
Contudo, qualquer que seja a opção escolhida para levar os astronautas até Marte, a NASA terá que contar com o apoio de organizações públicas e privadas, assim como com a colaboração de outras agências espaciais. É aqui que a China entra na jogada — e que as coisas se complicam. Para começar, o país ainda não é membro de um grupo composto por 15 nações que participam do programa relacionado com a Estação Espacial Internacional. Isso sem falar em uma lei aprovada pelo Congresso norte-americano em 2011, que proíbe qualquer tipo de cooperação entre os EUA e a China, incluindo parcerias com companhias daquele país.

No entanto, considerando o rápido desenvolvimento chinês com respeito à exploração espacial, o relatório sugere que a proibição seja revogada e que os chineses sejam incluídos no grupo dos 15 países para futuras parcerias. Com respeito aos prazos, a NASA calcula que o homem poderia pisar em solo marciano até 2035, embora algumas organizações privadas, apoiadas em levantamentos recentes, apontem que isso seria possível até 2025. O painel ainda não divulgou nenhuma estimativa sobre o custo da missão, mas com base em missões anteriores, é certo que o público aprovará a iniciativa. Afinal, esta poderia ser a maior conquista da humanidade. 
Fonte: Megacurioso




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton