Cometa alterou química da atmosfera de Marte

Mars Valles Marineris EDIT.jpg
Um cometa surgido do espaço profundo passou muito próximo de Marte, no mês passado, provocando uma inesperada chuva de meteoritos que modificou brevemente a química da atmosfera do Planeta Vermelho, revelou a Nasa nesta sexta-feira. O cometa Siding Spring chegou de uma região distante do Sistema Solar conhecida como Nuvem de Oort e sua passagem próxima a Marte, no dia 19 de outubro, a uma velocidade de 56 Km por segundo, foi acompanhada de muito perto pelas sondas que orbitam o planeta ou exploram seu solo. Acreditamos que este tipo de acontecimento ocorre uma vez a cada milhões de anos", disse Jim Green, diretor da Divisão de Ciências Planetárias da Nasa. Quando passou a 140.000 Km de Marte, o cometa desprendeu milhares de quilômetros de poeira, muito mais do que previa a agência espacial americana.

"A poeira do cometa caiu na atmosfera superior, criando uma enorme e densa camada ionosférica que literalmente mudou a química da atmosfera superior", disse Green aos jornalistas. Esta camada adicional de íons, sobre uma camada carregada eletricamente em torno do planeta, foi temporária, destacou a Nasa. A agência espacial destacou que foi a primeira vez que cientistas conseguiram recolher fragmentos de uma chuva de meteoritos capaz de produzir mudanças significativas na atmosfera. A chuva de meteoritos provavelmente demorou uma hora ou mais, segundo dados obtidos pela Mars Atmosphere and Volatile Evolution Mission (MAVEN).

Seus instrumentos científicos também detectaram oito tipos distintos de íons metálicos, incluindo sódio, magnésio e ferro. Nem mesmo as chuvas de meteoritos mais intensas que caíram na Terra já produziram uma reação tão forte como esta". Se tivessem humanos em Marte, eles veriam um brilho amarelo no céu, disse Nick Schneider, que dirige os instrumentos do espectrômetro ultravioleta da MAVEN a partir da Universidade do Colorado, em Boulder. "Teria sido um grande espetáculo para o olho humano. Provavelmente seriam milhares de estrelas cadentes por hora". As sondas MAVEN - Mars Reconnaissance Orbiter, da NASA, e Mars Express, da Agência Espacial Europeia - foram reposicionadas no extremo oposto de Marte para sua proteção durante a passagem do cometa.

 Está bastante óbvio que (sem o reposicionamento) as sondas não teriam sobrevivido, tendo-se em conta a tremenda resposta da atmosfera de Marte à passagem do cometa", destacou Green. A sonda da Nasa Opportunity, um veículo que percorre a superfície do solo marciano, capturou uma imagem do cometa, e os cientistas analisam dados obtidos pela sonda Curiosity, que chegou à Marte em 2012. O cometa viajou mais de um milhão de anos para passar por Marte e só voltará ao Planeta Vermelho em outro milhão de anos, após completar sua volta em torno do Sol.
Fonte: TERRA

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton