Postagens

Mostrando postagens de Março 7, 2014

Choque de cometas explica nodo de gás em torno de estrela jovem

Imagem
Impressão artística de Beta Pictoris.ESO Astrônomos anunciaram a descoberta de um caroço inesperado de monóxido de carbono gasoso no disco de poeira que circunda a estrela Beta Pictoris. A descoberta, feita com observações obtidas pelo Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) situado no norte do Chile, é surpreendente uma vez que se espera que tal gás seja rapidamente destruído pela radiação estelar. Algo, provavelmente colisões frequentes entre objetos pequenos e gelados, como cometas, faz com que o gás esteja sendo constantemente criado. A Beta Pictoris, uma estrela próxima facilmente observável a olho nu no céu austral, já é tida como sendo o arquétipo dos sistemas planetários jovens. Sabe-se que abriga um planeta que orbita a estrela a uma distância de 1,2 bilhões de quilômetros e foi uma das primeiras estrelas que se descobriu rodeada por um enorme disco de poeira.
 Há muitas estrelas que se encontram envolvidas por nuvens de poeira em movimento, os chamados detritos de …

Mais quatro mundos habitáveis

Imagem
Concepção artística de um dos planetas recém-descobertos, em torno de uma estrela anã vermelha
Um grupo internacional de pesquisadores, fuçando dados de arquivo de busca por planetas fora do Sistema Solar ao redor das menores e mais comuns estrelas do Universo, encontrou oito novos candidatos, dos quais possivelmente quatro são mundos habitáveis. Todos entram na categoria das “superterras” — planetas maiores que o nosso, mas mais modestos que Netuno, o menor dos gigantes gasosos em nosso Sistema Solar. O mais próximo está a apenas 17 anos-luz de distância, uma ninharia em termos cósmicos. (Um ano-luz é a distância que a luz atravessa em um ano, cerca de 9,5 trilhões de quilômetros.)
Ele orbita a estrela Gliese 682 e tem uma massa mínima 4,4 vezes a terrestre — o que faria dele um planeta com 1,5 vez o diâmetro do nosso planeta, se tivesse a mesma composição. Ele completa uma volta em torno de seu sol a cada 17 dias terrestres. O sistema mais interessante dentre os recém-descobertos, con…

Buraco negro distante está girando a 150 mil km/s

Imagem
Astrônomos usaram o Observatório de Raios-X Chandra, da NASA, e o XMM-Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA), para estudar um buraco negro supermassivo localizado a 6 bilhões de anos-luz da Terra que está girando muito rapidamente. Esta primeira medição direta da rotação de um buraco negro tão distante é um avanço importante para a compreensão de como os buracos negros crescem ao longo do tempo. Os buracos negros são definidos por apenas duas características simples: massa e rotação. Embora os astrônomos tenham sido capazes de medir as massas dos buracos negros de forma muito eficaz, determinar sua velocidade de rotação é algo muito mais difícil.
Na última década, os astrônomos têm buscado formas de estimar a rotação de buracos negros em distâncias superiores a vários bilhões de anos-luz, ou seja, vemos a região em torno de buracos negros como ela era há bilhões de anos. No entanto, a determinação das rotações destes buracos negros remotos envolve vários passos que dependem uns do…

Nasa anuncia missão para lua de Júpiter que pode ter vida

Imagem
Agência espacial anunciou plano de US$ 15 milhões para enviar missão não tripulada para Europa, a ser lançada após 2020. Cientistas especulam se Europa, que é apenas uma das luas de Júpiter, pode ter vida (Foto: AP Photo/NASA )
A agência espacial americana, Nasa, anunciou planos de enviar uma missão não tripulada a Europa, a lua de Júpiter coberta de água e apontada por cientistas como um local onde pode haver vida. A Nasa já separou US$ 15 milhões em sua proposta de orçamento para 2015 para iniciar o projeto. O lançamento da missão deve ocorrer, porém, só após 2020. O administrador da agência, Charles Bolden, fez o anúncio da missão. A pedido do governo americano, a Nasa apresentou o orçamento para o ano fiscal de 2015 já prevendo este projeto. Bolden destacou que no ano que vem a Nasa continuará a desenvolver "missões científicas que irão longe em nosso sistema solar, revelarão aspectos desconhecidos de nosso universo e fornecerão conhecimentos importantes sobre nosso planeta&quo…

Telescópio Hubble observa misteriosa destruição de asteroide

Imagem
sequência de imagens registrada pelo telescópio espacial Hubble mostra o avanço da fragmentação do asteroide P/2013 R3. Crédito: HuubleSite, Apolo11.com.
Um evento extremamente raro foi registrado recentemente pelo telescópio espacial Hubble. Durante algum tempo o instrumento acompanhou uma asteroide na orbita do Sol, mas para surpresa dos observadores a rocha estava se partindo em mais de 10 pedaços.  Batizado de P/2013 R3, o asteroide foi primeiro observado em 15 de setembro de 2013, por telescópios terrestres dos observatórios Catalina e PanStarrs. Alguns dias depois, em 1 de outubro, astrônomos do observatório Keck, no Havaí, descobriram que a rocha era na verdade uma formação de três objetos sólidos inseridos dentro de uma nuvem de poeira do tamanho da Terra.
A raridade do evento chamou a atenção de diversos pesquisadores e fez o astrônomo David Jewitt, ligado à Universidade da Califórnia, solicitar à administração do Telescópio Hubble imagens de alta resolução do asteroide. As p…

Uma visão da zona habitável do Sistema Solar

O brilhante planeta Vênus e a região central da Via Láctea nasceram nas primeiras horas da manhã do dia 1 de Março de 2014 nessa paisagem celeste e marítima mostrada acima. A imagem foi regiatrada desde a praia em Sea Isle City em Nova jersey, EUA, planeta Terra. Logicamente a Terra localiza-se e tem sua órbita bem dentro da chamada zona habitável do Sistema Solar, essa região privilegiada, não tão perto e nem tão distante do sol, onde a temperatura da superfície pode suportar a presença da água em estado líquido. Si, ilar em tamanho com a Terra, Vênus, por sua vez, localiza-se pouco além da borda interna da zona habitável. A reflexão na água da luz emitida por nosso inóspito planeta irmão é vista junto com o calmo e frio oceano e com um banco de nuvens. Fonte:http://apod.nasa.gov/apod/ap140307.html

A poeira estelar da NGC 1333

Imagem
A NGC 133 é vista na luz visível como uma nebulosa de reflexão, dominada por tonalidades azuladas características da luz estelar refletida pela poeira. Localizada a “apenas” 1000 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação de Perseus, ela se posiciona na borda de uma grande nuvem molecular de formação de estrelas. Essa imagem com detalhes impressionantes se espalha por aproximadamente duas luas cheias no céu ou por cerca de 15 anos-luz, considerando a distância estimada da NGC 1333. Essa imagem mostra detalhes da região empoeirada juntamente com pistas da emissão vermelha contrastante dos objetos Herbig-Haro, jatos e ondas de choque de gás brilhante emanando de estrelas formadas recentemente. De fato, a NGC 133 contém centenas de estrelas com menos de um milhão de anos de vida, a maior parte delas ocultas dos telescópios ópticos pelas poeira estelar que permeia a região. O ambiente caótico pode ser similar àquele onde o Sol se formou a 4.5 bilhões de anos atrás. Fonte: ht…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...