26 de set de 2014

Buracos negros não existem

buracos negros nao existem

Os misteriosos buracos negros são os objetos mais escuros e mais densos do universo, que nem sequer deixam escapar luz. Muito já foi teorizado sobre eles, mas uma pesquisa recente pode levar todo esse campo de estudo por água abaixo: ao fundir duas teorias aparentemente conflitantes, Laura Mersini-Houghton, professora de física na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill (EUA) disse ter provado matematicamente que os buracos negros não existem. Eu ainda estou em choque”, disse Mersini-Houghton. “Estamos estudando esse problema [de fundir duas teorias diferentes] por mais de 50 anos e esta solução dá-nos muito que pensar”. As duas hipóteses mencionadas por Mersini-Houghton são a teoria da gravidade e a mecânica quântica.

Os contraditórios buracos negros

Cientistas creem que os buracos negros se formam quando uma estrela massiva colapsa sob sua própria gravidade em um único ponto do espaço (para entender o que isso significa, imagine a Terra sendo esmagada em uma bola do tamanho de um amendoim). Esse ponto único é chamado de singularidade. Eles também creem que uma membrana invisível conhecida como horizonte de eventos envolve a singularidade. Cruzar esse horizonte significa que você nunca poderia voltar – esse é o ponto onde a força gravitacional de um buraco negro é tão forte que nada pode escapar dela. A razão pela qual os buracos negros são tão bizarros é que colocam duas teorias fundamentais do universo uma contra a outra. A teoria da gravidade de Einstein prediz a formação de buracos negros, mas uma lei fundamental da teoria quântica afirma que nenhuma informação do universo pode desaparecer. Esforços para combinar essas duas teorias levam a um absurdo matemático, conhecido como o “paradoxo da perda de informação em buracos negros”.

Tentativa de combinação

Em 1974, Stephen Hawking usou a mecânica quântica para mostrar que buracos negros emitem radiação. Desde então, os cientistas detectaram impressões digitais no cosmos que são consistentes com esta radiação, identificando uma lista cada vez maior de buracos negros do universo.

Eles existem então, certo?
Segundo Mersini-Houghton, errado.

Ela descreve um cenário totalmente novo. A física concorda com Hawking que, conforme uma estrela colapsa sob sua própria gravidade, produz a chamada radiação de Hawking. No entanto, em seu novo trabalho, Mersini-Houghton mostra que, ao liberar esta radiação, a estrela também lança massa. Sendo assim, a estrela encolhe e já não tem a densidade necessária para se tornar um buraco negro. De acordo com a pesquisadora, evidências experimentais podem um dia fornecer prova física quanto à possibilidade ou não de buracos negros existirem no universo.

Mas, por enquanto, a matemática aponta conclusivamente que eles não existem. Seu artigo ainda não foi revisado por outros cientistas e publicado em uma revista científica. No entanto, oferece soluções numéricas exatas para o problema do paradoxo da informação em buracos negros, e foi feito em colaboração com Harald Peiffer, especialista em relatividade numérica da Universidade de Toronto (Canadá). Um estudo anterior de Mersini-Houghton que oferecia soluções aproximadas para o problema já foi publicado na revista Physics Letters B, no entanto. É provável que seu novo artigo seja revisado e publicado em breve.

Se os buracos não existem

Muitos físicos e astrônomos acreditam que o nosso universo se originou a partir de uma singularidade que começou a se expandir com o Big Bang. No entanto, se buracos negros não existem, singularidades não existem. Caso Mersini-Houghton esteja certa, os físicos terão que repensar suas ideias sobre o Big Bang.
Fonte:[Phys]


Sonda indiana divulga primeira foto de Marte

mom_first_image

 A sonda MOM (Mars Orbiter Mission) ou Mangalyaan da Índia entrou com sucesso em órbita do planeta Marte no passado dia 24 de Setembro, depois de disparar o seu motor principal e outros oito motores mais pequenos. A operação durou 1388,67 segundos, o que mudou a velocidade da nave espacial por 1099 m/s. Com esta operação, a sonda entrou numa órbita elíptica em torno de Marte. Os eventos relacionados com a inserção orbital evoluiram satisfatoriamente e a performance da sonda esteve dentro do normal. Está agora numa órbita cujo ponto mais próximo de Marte encontra-se a 421,7 km e o mais distante a 76.993,6 km.

A inclinação da órbita em relação ao plano equatorial de Marte é de 150 graus, como se pretendia. Nesta órbita, a sonda demora 72 horas e 51 minutos e 51 segundos a completar uma volta a Marte. A Mangalyaan foi lançada a bordo do veículo de lançamento indiano PSLV no dia 5 de Novembro de 2013, onde ficou estacionada em órbita terrestre até dia 1 de Dezembro. Seguiu-se uma manobra de injecção e a sonda escapou da órbita da Terra e seguiu um percurso que permitiu encontrar-se com o Planeta Vermelho a 24 de Setembro de 2014. Com o sucesso da operação de inserção orbital, a ISRO (Indian Space Research Organisation) torna-se na quarta agência espacial a enviar com sucesso uma nave espacial para a órbita de Marte e é a primeira nação a alcançar Marte logo à primeira tentativa.

Nas próximas semanas, a sonda será testada exaustivamente e seguidamente terá início a campanha de observação sistemática do planeta com os seus cinco instrumentos. A sonda indiana vai estudar o clima de Marte, fotografar a superfície e mapear os minerais do planeta, e poderá ser capaz de determinar de onde é que surgiu o metano detectado por sondas anteriores.A MOM é a segunda sonda a chegar a Marte no espaço de uma semana - a sonda MAVEN da NASA chegou a Marte no passado dia 21 de Setembro. Curiosamente, o custo da missão total da MOM é de aproximadamente 74 milhões de dólares, uma fracção dos 670 milhões de dólares que a NASA está a gastar com a MAVEN.
Fonte: NASA

Água é descoberta, pela primeira vez, na atmosfera de exoplaneta do tamanho de Netuno

O HAT-P-11b é o menor planeta fora do Sistema Solar encontrado pelos cientistas a apresentar essas condições. A descoberta, publicada na revista 'Nature', é mais um passo rumo à identificação de mundos que possam abrigar vida
O planeta HAT-P-11b, que possui um raio quatro vezes maior que o da Terra e está localizado na constelação de Cisne, a 122 anos-luz (cada ano luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros)
O planeta HAT-P-11b, que possui um raio quatro vezes maior que o da Terra e está localizado na constelação de Cisne, a 122 anos-luz (cada ano luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros)

Cientistas americanos detectaram pela primeira vez vapor de água na atmosfera de um exoplaneta do tamanho de Netuno. O HAT-P-11b é o menor planeta fora do Sistema Solar encontrado pelos cientistas a apresentar essas condições. A descoberta, publicada nesta quarta-feira na revista Nature, permite avançar rumo à identificação de mundos em nossa galáxia com condições similares à da Terra — ou seja, que possam abrigar vida. Com um raio quatro vezes maior que o de nosso planeta e localizado na constelação de Cisne, a 124 anos-luz (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros), o HAT-P-11b possui uma camada de nuvens sobre sua superfície fria e gasosa que permitiu a análise da composição de sua atmosfera e revelou a presença de água.

Essas condições são raras, pois, até o momento, só era possível analisar a composição atmosférica de grandes planetas gasosos, similares a Júpiter. Os planetas menores normalmente são cobertos por densas nuvens, compostas por todos os tipos de elementos, que impedem a análise das camadas mais profundas da atmosfera. Há décadas, esse é um obstáculo para estudar planetas do sistema solar como Júpiter, coberto de nuvens estratificadas de amoníaco, e Vênus, onde se estendem grossas nuvens de ácido sulfúrico. A atmosfera clara do HAT-P-11b, entretanto, revelou, além de moléculas de vapor de água, também hidrogênio e vestígios de átomos pesados.

Espectro luminoso — Dada a impossibilidade de enviar sondas espaciais para estudar distantes exoplanetas, os cientistas tratam de estabelecer sua composição atmosférica a partir de informações do espectro electromagnético que chega à Terra. Assim, a partir de imagens obtidas pelos telescópios Hubble e Spitzer, os cientistas analisaram a luz emitida pela estrela do planeta através de sua atmosfera. O pesquisador Jonathan Fraine, da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, e seus colegas perceberam que a luz com comprimento de onda de 1,4 micrômetro era absorvida, o que está dentro do espectro de absorção de moléculas de água. A presença de água é um dos elementos essenciais para que a vida possa se desenvolver. O achado é considerado chave para compreender a formação e a evolução dessa classe de exoplanetas, segundo aponta o estudo da Nature.
Fonte: VEJA


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...