Postagens

Mostrando postagens de Outubro 30, 2014

Disco de formação planetária é descoberto em sistema estelar binário pelo ALMA

Imagem
ALMA examina uma “roda dentro doutra roda” de poeira e gás Com o auxílio do ALMA os astrónomos detectaram, pela primeira vez, uma corrente de gás que flui desde um disco externo massivo até ao interior de um sistema binário de estrelas. Esta configuração, nunca observada até agora, pode ser responsável por manter um segundo disco de formação planetária, mais pequeno, que, de outro modo, teria desaparecido completamente há muito tempo. Metade das estrelas do tipo solar nascem em sistemas binários e, por isso, esta descoberta tem consequências importantes na procura de exoplanetas. Estes resultados são publicados na revista Nature a 30 de outubro de 2014. Um grupo de investigação liderado por Anne Dutrey do Laboratório de Astrofísica de Bordeaux, em França, e CNRS, utilizaram o Atacama LargeMillimeter/submillimeter Array (ALMA) para observar a distribuição de gás e poeira num sistema estelar múltiplo chamado GG Tau-A.
Este objeto tem apenas alguns milhões de anos de idade e situa-se a ce…

Um “Fantasma” na parte oriental da Nebulosa do Véu

Imagem
Formas e rostos assustadores são uma marca da época de Halloween. Eles também assombram esta imagem cósmica da parte oriental da Nebulosa do Véu. A Nebulosa do Véu em si é um grande remanescente de supernova, a nuvem de detritos em expansão a partir da explosão mortal de uma estrela massiva. Enquanto o Véu é mais ou menos de forma circular e abrange cerca de 3 graus no céu, na constelação do Cisne (em latim: Cygnus), esta parte oriental abrange apenas meio grau, aproximadamente o tamanho aparente da Lua. Isso significa que tem 12 anos-luz de extensão, à distância estimada da Nebulosa do Véu em cerca de 1.400 anos-luz do planeta Terra. Na composição dos dados de imagem registrados através de filtros de bandas larga e estreita, a emissão dos átomos de hidrogênio no remanescente é mostrado em vermelho, com a forte emissão de átomos de oxigênio em tons de azul e verde. É claro, na parte ocidental do Véu reside outra aparição da temporada, a Vassoura da Bruxa. Fonte:Astronomy Picture Of the…

O Movimento Retrógrado do Planeta Marte

Imagem
Por que o planeta Marte, parece se mover para trás? Na maioria das vezes, o movimento aparente do planeta Marte, no céu da Terra ocorre em uma direção, vagaroso, porém constante na frente do fundo estrelado. A cada dois anos aproximadamente, contudo, a Terra passa Marte, enquanto ela orbita o Sol. Durante a mais recente dessas passagens, que começou no final de 2013, Marte, como sempre, pairava grande e brilhante no céu. Também, durante essa época, Marte parecia se mover para trás, no céu, num fenômeno chamado de movimento retrógrado. Acima, pode-se ver, uma série de imagens empilhadas digitalmente, de modo que todas as estrelas de fundo coincidam. Aqui, Marte parece traçar um loop estreito no céu. No centro do loop, a Terra passou Marte e o movimento retrógrado atingiu seu ponto máximo. O movimento retrógrado também pode ser visto para outros planetas no Sistema Solar. Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...